Notícias

Grupo de 16 rinocerontes negros é transportado para reserva em Eswatini

Uma mãe e seu filhote, "deschifrados" por segurança em sua nova casa | Foto: BG Parks
Uma mãe e seu filhote, “deschifrados” por segurança em sua nova casa | Foto: BG Parks

Cerca de 80% dos rinocerontes do mundo vivem na África do Sul – e o país foi duramente atingido pela caça a esses belos animais e seus chifres. Em um esforço para conservar o número cada vez menor de rinocerontes negros restantes, uma equipe de especialistas transferiu recentemente 16 membros das espécies criticamente ameaçadas da África do Sul para um território mais seguro em Eswatini, como relata a Reuters.

Entre os rinocerontes realocados estão animais do sexo feminino e masculino em idade de reprodução, adultos, jovens e filhotes, tornando-se um “grupo demograficamente completo”, disse a BG Parks, uma organização privada que promove tanto o ecoturismo quanto a conservação, em um comunicado.

Os animais já haviam sido mantidos em um rancho na África do Sul, mas a ameaça dos caçadores levou o custo de proteger os animais a “níveis insustentáveis”, explicou a ONG .

Somente em 2018, 769 rinocerontes foram mortos na África do Sul, de acordo com a Save the Rhino – um declínio acentuado em relação a 2017, quando 1.028 rinocerontes foram caçados, mas ainda um número desconcertantemente alto.

Eswatini, um país sem litoral, rodeado pela África do Sul e Moçambique, tem um histórico melhor; apenas três rinocerontes foram perseguidos nos últimos 26 anos, graças a leis “muito rigorosas” e “sólida vontade política e apoio à conservação da vida selvagem”, disse BG Parks.

Os rinocerontes-negros, o menor das duas espécies de rinocerontes africanos, foram levados à beira da extinção por caçadores e colonos europeus no século 20, de acordo com o World Wildlife Fund. Em 1995, seus números caíram 98%, para menos de 2.500. Esforços de conservação continuados trouxeram a população de volta para entre 5 mil e 5.455 indivíduos, mas a espécie ainda é considerada criticamente ameaçada. A caça visando o comércio internacional de chifres de rinocerontes permanece a maior ameaça à espécie.

O esforço para transportar os 16 rinocerontes da África do Sul para Eswatini levou 11 meses de planejamento. Outras relocações recentes de rinocerontes negros não foram tão bem sucedidas. No ano passado, 10 dos 11 rinocerontes negros morreram enquanto eram transportados para um parque de vida selvagem no Quênia, e o único sobrevivente foi atacado por leões.

Para a realocação da Eswatini, a equipe trabalhou cuidadosamente para garantir que os animais fossem transportados com segurança e com o mínimo de estresse. Especialistas em rinocerontes e translocadores participaram da iniciativa, e a polícia de Eswatini estava à disposição para escoltar os rinocerontes até seu novo lar. A BG Parks observa que filhotes com menos de seis meses foram transportados e reunidos a suas mães sem ferimentos – um sinal do sucesso do esforço.

Os 16 rinocerontes viverão agora em um parque nacional recomendado pelo Grupo de Especialistas em Rinocerontes Africanos da IUCN. Antes de serem libertados, os animais foram desmamados, para desencorajar os caçadores a atacá-los. Mas o trabalho para manter os rinocerontes seguros será contínuo.

“A realocação da última semana marca o fim da primeira fase deste projeto”, disse Ted Reilly, executivo-chefe da BG Parks. “Com todos os 16 rinocerontes transportados com segurança na África do Sul, levados por mais de 700 km através de uma fronteira internacional, “deschifrados” e lançados em segurança em habitat privilegiado, a segunda e mais árdua fase de monitoramento e segurança está apenas começando!”

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More