Notícias

Exposição retrata beleza da vida aquática no Canadá

Foto: David Hall
Foto: David Hall

Uma exposição do fotógrafo David Hall em Vancouver reúne imagens impressionantes da vida aquática dos rios e da costa canadense. Em “Sob as águas geladas: O mundo selvagem submerso do noroeste do Pacífico”, Hall retrata os seres que vivem nos ecossistemas aquáticos do Canadá, como a água viva, por exemplo.

As imagens mostram toda a riqueza desse mundo submerso, desde estrelas do mar predadoras, até enguias e o polvo gigante do Pacífico. A paixão do fotógrafo pela vida aquática que foi pouco explorada – e muitas vezes é hostil – o inspirou a desenvolver técnicas inovadoras para fotografar comportamentos animais raramente observados. Em algumas das fotos, Hall mostra ao mesmo tempo os ambientes submersos e o que está acima da água.

(Foto: David Hall)
(Foto: David Hall)

Ele também emprega essa técnica para retratar um cardume de salmões vermelhos no rio Adams. Na imagem, reflexos da luz do pôr do sol sobre a pele do salmão fazem a água do rio parecer brilhante.

Hall mergulhou pela primeira vez nessa região do noroeste do Pacífico em 1995. Desde então, suas imagens já foram publicadas pela ‘National Geographic’, ‘Smithsonian’, ‘Natural History’, ‘Time’, ‘Geo’, ‘Terre Sauvage’ e ‘BBC Wildlife’, além de outras revistas dos Estados Unidos e Europa.

(Foto: David Hall)
(Foto: David Hall)

A exposição está sendo realizada na Photo Haus Gallery e reúne 40 imagens feitas na costa de British Columbia. A mostra vai até o dia 22 de setembro

Fonte: Terra

​Read More
Notícias

Baleias misteriosas ficam em silêncio em águas rasas para evitar os perigos

Baleias usam silêncio para evitar predadores (Foto: NOAA)

Cientistas que pesquisam as misteriosas baleias de bico de Blainville publicaram um estudo no qual concluem que esses mamíferos ficam em silêncio em águas rasas para evitar o ataque de predadores.

A pesquisa, publicada na revista científica Marine Mammal Science, é uma das primeiras a registrar como essas baleias se comunicam.

Os pesquisadores também gravaram sons produzidos pelas baleias quando nadam em grandes profundidades.

Enigmática

A espécie Mesoplodon densirostris tende a habitar regiões profundas dos oceanos, formando grupos pequenos, que não ultrapassam dez indivíduos.

Além do bico característico, ela possui dentes, alcança até cinco metros de comprimento e pesa, quando adulta, cerca de 800 kg.

Tímidos e discretos, esses cetáceos (ordem dos mamíferos formada por animais adaptados à vida aquática) evitam embarcações, o que dificulta seu estudo e lhes dá um caráter enigmático.

Estudo

A pesquisadora Natacha Aguilar, da Universidade de La Laguna, em Tenerife (Espanha), e seus colegas da Woods Hole Oceanographic Institution, em Massachusetts (EUA), e da Universidade Aarhus, na Dinamarca, conectaram dispositivos de escuta em oito baleias de bico de Blainville.

Os animais foram monitorados durante 102 horas.

Os aparelhos gravaram sons produzidos pelas baleias quando vinham à tona para respirar e nadavam próximo da superfície, e também quando os mamíferos mergulhavam em profundidades de até 900 metros.

Os resultados mostraram que a espécie fica silenciosa quando nada a profundidades de cerca de 170 metros.

As baleias também permanecem silenciosas quando estão subindo à tona após seus mergulhos – uma jornada que pode levar até 19 minutos.

A equipe acredita que este comportamento tenha a função de evitar que as baleias sejam detectadas por seu predador, as temidas orcas (Orcinus orca), também conhecidas como “baleias assassinas”.

As orcas tendem a circular em águas rasas e se alimentam de várias espécies de baleias.

Ao se “esconder” dessa maneira, a baleia de bico de Blainville adotaria uma estratégia efetiva de evitar sua predadora, já que a espécie não é capaz de nadar mais rápido do que a orca e não possui outras defesas contra ela.

Ainda assim, o comportamento surpreendeu os cientistas, que imaginavam que os animais continuariam em contato para manter seus vínculos sociais, especialmente porque tendem a nadar em grupos coesos.

“Para um grupo que vive em sociedades tão coesas e coordena suas atividades, ficar em silêncio perto da superfície é um comportamento inesperado que contrasta bastante com o de outras baleias dentadas”, afirmaram os pesquisadores em seu artigo.

Sons

Quando nadavam a mais de 450 metros de profundidade, as baleias emitiam diversos tipos de sons que permitiam não apenas que se comunicassem, mas que também se orientassem no espaço e procurassem suas presas, afirma a pesquisa.

Segundo os cientistas, alguns dos sons registrados – que eles descrevem como apitos e uma série de sons estridentes – nunca haviam sido gravados antes.

A equipe acredita que os sons em série tenham o papel de coordenar os movimentos dos membros do grupo à medida que se dispersa no final do mergulho.

Fonte: BBC

​Read More