Notícias

Unidade de Saúde Animal é inaugurada em Porto Alegre (RS)

Foto: Joel Vargas/PMPA
Foto: Joel Vargas/PMPA
Em meio às dezenas de convidados, lideranças comunitárias e autoridades, Loba e Donatela brincavam e passeavam pelos corredores do prédio onde animais como elas poderão ser atendidos e salvos a partir dos próximos meses. As duas foram as primeiras a visitarem a Unidade de Saúde Animal Victória (USAV), que está com o prédio pronto e com grande parte dos equipamentos do laboratório, banco de sangue, bloco cirúrgico e consultórios já instalada. Elas participaram da inauguração da estrutura física do primeiro hospital veterinário público municipal do Brasil.
O prefeito José Fortunati e a primeira-dama e deputada estadual Regina Becker inauguraram a Unidade de Saúde Animal no último sábado (26) na companhia do empresário Alexandre Grendene, que doou os recursos para a obra, da esposa dele, Nora Teixeira, e da filha Victoria, que dá o nome ao hospital. A USAV, que fica na Lomba do Pinheiro (estrada Bérico José Bernardes, 3489, parada 19), é voltada ao atendimento veterinário de cães e felinos abandonados ou pertencentes a tutores em situação de vulnerabilidade social.
Durante o ato, promovido pela prefeitura por intermédio da Secretaria Especial dos Direitos Animais (Seda), Fortunati destacou o tempo recorde de seis meses de construção da unidade, graças à dedicação de Grendene, da equipe da obra e dos técnicos da secretaria, que entenderam a necessidade de uma instituição como essa para as famílias em situação de vulnerabilidade e para a causa animal. O prefeito lembrou os desafios enfrentados desde que se iniciou o debate sobre a criação de políticas públicas nessa área no município e os avanços com a criação da secretaria. “O que estamos fazendo aqui é inédito no Brasil. Será o primeiro hospital veterinário público do país a fazer esse tipo de atendimento, amplo e de alta qualidade, para animais de rua e de famílias de baixa renda. Não podemos pensar em uma cidade sustentável sem que tenhamos tratamento adequado também aos animais”, afirmou.
A primeira-dama também ressaltou os avanços de Porto Alegre na área da defesa dos direitos animais nos últimos anos, o que tornou a Capital uma referência no país. Regina citou as 26 mil fiscalizações e 17 mil cirurgias, desde a criação da Seda. “Se temos esse trabalho consolidado hoje é graças à união de pessoas que acreditam nessa causa. Porém, temos que continuar avançando. Hoje estamos realizando um sonho. Um sonho necessário para o atendimento aos protetores voluntários, às famílias de baixa renda. São pessoas que cuidam com muito carinho de seus animais, mas que não tem condições de pagar e dar o atendimento de saúde adequado e de qualidade a eles”, concluiu.
Alexandre Grendene explicou porque decidiu tornar realidade o projeto do hospital. “A Unidade de Saúde Animal se chama Victória em homenagem à minha filha, que como eu é apaixonada pelos animais, cuida de mais de 100 animais e está cursando a faculdade de Medicina Veterinária. A doação do valor necessário para a construção deste hospital aconteceu em função de uma solicitação feita pela primeira-dama. Conheci o grande amor e dedicação da Regina pelos animais e isto me motivou a ajudar”, declarou o empresário.
Operação – Os procedimentos realizados atualmente na Unidade de Medicina Veterinária (UMV), serão transferidos gradualmente à USAV, à medida em que forem agregados 16 novos médicos veterinários – selecionados em concurso público – e equipes de auxiliares e manejadores de animais. Para que a nomeação seja efetivada, tramita na Câmara Municipal o projeto de lei para a criação de vagas.
 
USA Victória – Localizada na Lomba do Pinheiro, na área da Secretaria Especial dos Direitos Animais (Seda), a unidade atenderá animais abandonados e de tutores inscritos no Cadastro Único do Governo Federal. Iniciado em abril de 2016, o projeto assinado pelo arquiteto Rodrigo Souza recebeu investimentos superiores a R$ 7 milhões por meio de doação. Este valor contempla cinco blocos cirúrgicos, quatro consultórios, UTI, setores de quimioterapia, fisioterapia, banco de sangue, farmácia, laboratório ambulatório, além de sala de recuperação para 150 cães e gatos e espaço de triagem para outros 120. Também terá salas para reuniões, copa e refeitório. Os primeiros equipamentos já foram instalados.
O projeto arquitetônico, de autoria do arquiteto Rodrigo Souza, também conquistou o título de melhor Edifício Público de Saúde, no 13º Prêmio de Arquitetura Coorporativa Brasileira, realizado em São Paulo.
​Read More
Notícias

Cetas municipal de Manaus (AM) cuida de 139 animais silvestres porque unidade do Ibama está fechada

08
Divulgação

Com o Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas), do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos (Ibama), fechado para reforma há oito meses, espécies silvestres vítimas de acidentes e maus-tratos contam apenas com o Cetas municipal para tratamento clínico no Estado. Atualmente, o Cetas da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas) cuida de 139 animais e, com o aumento das queimadas, o número deve crescer, segundo o órgão.

Os meses mais secos, segundo o gestor do Cetas municipal, Daniel Grizó Cavalcante, são preocupantes para os animais silvestres devido ao aumento dos incêndios florestais. O mês de julho registrou o maior número de focos dos últimos 18 anos, segundo o Portal do Monitoramento de Queimadas e Incêndios do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), em relação ao mesmo mês do ano passado, o crescimento foi de 219%.

Além das queimadas, segundo Grizó, a estiagem traz a carência de alimentos. Como consequência, conforme o gestor, os animais se aventuram e saem dos seus ambientes naturais do perímetro urbano, como a Reserva Adolfo Ducke, na zona leste de Manaus, ou o Parque do Mindu, na zona centro-sul, à caça dos nutrientes.

“A época seca faz com que haja escassez de alimentos e o animal se arrisca mais para pegar comida, correndo o risco de ser atropelado ou ser eletrocutado. Às vezes, entra na casa da população, também. O fato é que o verão é uma época crítica, ainda mais aqui em que a gente vive cercado de fragmentos florestais, os animais tentam passar de uma área verde para outra em busca de comida, mas no meio tem uma via pública em que ele pode ser atropelado”, explicou.

Apesar do Cetas do Ibama estar fechado, segundo Grizó, o órgão municipal ainda não está sobrecarregado. De acordo com o gestor, o órgão pode abrigar cerca de 200 animais silvestres para o atendimento e acompanhamento.

Animais aguardam destino
Grizó explica que após o recebimento na Cetas municipal, o animal é tratado, mas nem sempre pode ser devolvido ao habitat. Dos 139 animais acolhidos pelo Cetas das Semmas, cerca de 80 não podem retornar ao ambiente natural e têm destino incerto.

“Especialmente no caso dos macacos, recebemos muitos filhotes em que a mãe vai em busca de alimento, na fuga de queimadas e, às vezes, morre atropelada. Esses animais são ensinados pelos pais sobre o que comer, onde procurar e, sem esses ensinamentos eles não têm condições de voltar para a floresta”, afirmou.

Segundo o gestor, apenas o zoológico do Centro de Instrução de Guerra na Selva (Cigs) e do Hotel Tropical recebem os animais na capital. Mas em casos de animais comuns, como o macaco-prego, são abertas poucas vagas.

“Nesses casos tentamos enviar para laboratórios de pesquisa científica. Já no caso de animais em extinção, como o sauim de coleira, o laboratório pega para um banco genético”, afirmou.

Fonte: Diário 24 Horas

​Read More
Você é o Repórter

ONG inaugura unidade móvel para atender animais carentes no Rio de Janeiro

04
Divulgação

Depois de muito trabalho e parcerias importantes, foi cedida pela iniciativa privada para a CPA e viabilizada tecnicamente pelo Programa Sustenta-Vida, uma Unidade Móvel, que foi apresentado à cidade do Rio de Janeiro no último dia 30 de junho.

O veículo é adaptado e equipado com o que há de melhor em termos de infra-estrutura para que seja possível realizar campanhas de castrações para animais carentes.

A unidade também perminitá realizar atendimentos de urgência em animais que sofreram maus-tratos ou se encontram em estado de abandono, frisando que o auxílio é único para animais carentes, impossibilitando a realização cirurgias e atendimentos em animais que possuem tutores que possam arcar com procedimentos convencionais em clínicas.

A unidade contará com diversos equipamentos como mesa cirúrgica, autoclave para esterilização, respirador mecânico, kits cirúrgicos em quantidade suficiente para campanhas de castração, oxigênio e outros, que ainda estão chegando. Em um prazo de aproximadamente 40 ou 50 dias ela estará com interior adaptado e pronta para ir às ruas.

A ideia é que a unidade móvel possa realizar campanhas itinerantes, percorrendo bairros de Nova Friburgo, outras cidades da Região Serrana do estado do Rio e até cidades da Região dos Lagos.

Será feita pela CPA, uma triagem rigorosa no sentido de garantir o atendimento apenas aos casos de real necessidade, mas atenção: os próximos dias serão dedicados à sua adaptação interna, não serão feitas triagens, cadastros nem atendimentos.

Divulgação
Divulgação
​Read More
Notícias

Protetores de Nova Friburgo (RJ) recebem unidade móvel para ajudar mais animais carentes

01
Divulgação

Depois de muito trabalho e parcerias importantes, foi cedida para a CPA uma Unidade Móvel, que foi apresentada à cidade neste último dia 30 de junho. Ela estará adaptada com o que há de melhor em termos de equipamentos e infra-estrutura para que possamos realizar campanhas com castrações em animais carentes.

Com a unidade, será possível realizar atendimentos de urgência em animais que sofreram maus-tratos ou se encontram em situação de abandono, frisando que não poderemos realizar cirurgias nem atendimentos em animais que possuem tutores que possam arcar com procedimentos convencionais em clínicas.

A unidade contará com diversos equipamentos como mesa cirúrgica, autoclave para esterilização, respirador mecânico, kits cirúrgicos em quantidade suficiente para campanhas de castração, oxigênio e outros, que ainda estão chegando. Segundo a CPA, em um prazo de aproximadamente 40 ou 50 dias a unidade estará com interior adaptado e pronta para ir às ruas.

A ideia é que a unidade móvel possa realizar campanhas itinerantes, percorrendo bairros de Nova Friburgo, outras cidades da Região Serrana do estado do Rio e até cidades da Região dos Lagos.

Será feita uma triagem rigorosa no sentido de garantir o atendimento apenas aos casos de real necessidade, mas atenção: os próximos dias serão dedicados à sua adaptação interna, não serão feitas triagens, cadastros e nem atendimentos.

A CPA divulgou: “Para que esse sonho se tornasse realidade, contamos com a ajuda de diversas pessoas e empresas, assim como uma parceria com o Programa de Extensão Sustenta-Vida, da Universidade Federal Fluminense campus Nova Friburgo. Pensamos ser importante citá-las sempre, pois preferir produtos dessas empresas garante a continuidade de projetos como o nosso. Estamos falando da Virbac, indústria de origem francesa do ramo de produtos veterinários, que nos fornecerá insumos para realização das cirurgias. Também contamos com o apoio de Neon Pet Shop e Colégio Nicolau Gachet”.

Fonte: CPA

​Read More
Notícias

Curitiba (PR) terá unidade móvel para castração de cães e gatos

Divulgação
Divulgação

Em um prazo de até 60 dias, serão iniciados os procedimentos cirúrgicos de esterilização de cães e gatos nas administrações regionais. Nesta terça-feira (3), foi assinado o primeiro contrato de prestação do serviço em um convênio entre a Prefeitura de Curitiba e a Clínica Veterinária Dr. Ricardo, a primeira a ser credenciada para a operação do centro cirúrgico móvel de saúde animal, o chamado castramóvel.

“Pela primeira vez será realizado em Curitiba a castração com unidade móvel pela Prefeitura. O atendimento pelo castramóvel facilita a adesão da população, já que os proprietários de animais não precisarão se deslocar ao centro da cidade para a realização do procedimento”, avalia o secretário municipal de Meio Ambiente, Renato Lima.

A Rede de Proteção Animal pretende realizar 7 mil castrações de cães e gatos até o fim de dezembro. O início das cirurgias depende da aprovação do projeto técnico, entregue pela clínica credenciada, ao Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV).

“O controle populacional diminui a ocorrência de zoonoses, de acidentes como mordeduras e até acidentes de trânsito, sem falar nos benefícios para a saúde do próprio cão ou gato porque previne doenças como o câncer da mama, dos testículos e doenças da próstata e do útero dos animais”, explica o veterinário Eros Luiz de Souza, diretor de pesquisa e conservação da fauna da Secretaria Municipal do Meio Ambiente.

Serão castrados cães e gatos de famílias beneficiadas e inscritas em programas sociais como Bolsa Família, Armazém da Família e por programas da Fundação de Ação Social (FAS) da Prefeitura de Curitiba, além dos animais de protetores independentes e organizações não governamentais.

Até o fim do ano, o castramóvel passará por todas as dez administrações regionais, conforme calendário que será divulgado no site da Rede de Proteção Animal, a partir da aprovação do CRMV.

Inscrições
Para inscrever os animais no programa de castração é necessário o preenchimento de um formulário e a assinatura de um termo de responsabilidade pelo tutor ou protetor. Os responsáveis passarão obrigatoriamente por uma palestra, que será realizada no local e na hora da castração, para orientações e entrega de medicamentos que serão prescritos no pós-operatório.

O castramóvel é equipado com três salas para procedimentos cirúrgicos, trabalhará com seis veterinários e será acompanhado de uma ambulância UTI para atendimento emergencial. Mais informações podem ser obtidas no perfil da Rede de Proteção Animal de Curitiba no Facebook.

Fonte: Paraná Online

​Read More
Notícias

Unidade de castração realiza 26 cirurgias em cães e gatos desde inauguração

A Unidade de Controle Populacional de Cães e Gatos de João Pessoa (PR) realizou 26 cirurgias de castração em cães e gatos durante o mês de maio. Instalada no Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), principal dos Bancários, a unidade foi inaugurada no dia 9 do mês passado e é a primeira na Paraíba a ser oferecida por uma rede municipal de saúde.

Foram castrados 20 gatos (15 machos e cinco fêmeas) e seis cães (três de cada gênero), sendo 13 na região abarcada pelo Distrito Sanitário III (Mangabeira, Bancários, Valentina, José Américo, Gramame) e outros 13 na região do Distrito Sanitário IV (Alto do Céu, Ilha do Bispo, Mandacaru, Róger, Centro). “É um trabalho veterinário em prol também da saúde humana”, ressaltou a veterinária Laís Wanderlei, uma das cirurgiãs da Unidade.

A Gerência de Vigilância Ambiental e Zoonoses (Gvaz) pretende alcançar uma média de 100 cirurgias por mês. A intenção é reduzir a população de animais abandonados, tanto por meio de procedimento cirúrgico de esterilização quanto por ações educativas voltadas para a guarda responsável.

“Não adianta fazer a cirurgia se o tutor do animal não tiver responsabilidade sobre ele. É preciso entender que animais não são coisas. Se você decide ter um, é para a vida toda”, disse o biólogo Fabrício de Souza, técnico em Vigilância em Saúde e responsável pela triagem dos animais.

Triagem
O serviço, porém, não é oferecido a todas as pessoas, indiscriminadamente; há uma lista de prioridades: residir em área endêmica, com risco epidemiológico para a transmissão de zoonoses; ter renda baixa (usuários do SUS e do Bolsa Família); e ter mais de 60 anos (muitos idosos têm nos animais uma companhia, quase um ente da família). Além disso, 20% das cirurgias são para as ONGs de proteção animal que trabalham em parceria com o CCZ.

De acordo com Laís, a equipe está sendo muito criteriosa. “Fazemos um exame clínico geral no animal, para verificar se ele está apto à cirurgia. Se for detectada qualquer anormalidade no sangue, o tutor deverá primeiro tratá-lo; depois, é só voltar à Unidade e entrar novamente na lista”, explicou.

Fonte: PB Agora

​Read More
Notícias

Secretaria de Promoção e Defesa aos Animais inaugura mais uma unidade, no RJ

O bairro de Engenho de Dentro ganhará uma unidade de atendimento clínico e cirúrgico veterinário. A partir do dia 05 de setembro será aberto para a população o atendimento clínico de cães e gatos. O serviço é gratuito e não precisa ser agendado.

Já os procedimentos de esterilização deverão ser previamente agendados às quartas-feiras, das 09h às 12h, pelo telefone 2293-1791, para a realização da cirurgia na semana seguinte. Para agendar é necessário ser morador do Rio de Janeiro e ser maior de 18 anos.  No procedimento deve levar identidade e comprovante de residência (*não é preciso levar o animal).

Excepcionalmente na semana de inauguração (de 5 a 9 de setembro), as marcações para as cirurgias serão feitas entre os dias 5 e 9, das 9h às 11h para as cirurgias a serem realizadas de 12 a 16 de setembro.

Para ser esterilizado, o animal deve ter entre 06 anos e 06 meses, pesar até 20Kg, e não pode ser gestante, estar amamentando ou estar no cio. O animal também deve ser higienizado antes da cirurgia e fazer um jejum total de 12 horas (não pode consumir água ou comida).

A unidade de atendimento clínico cirúrgico está localizada na rua 2 de fevereiro, s/n, ao lado da Escola Especial Municipal Dr. Ulisses Pernambucano, e funcionará de segunda a sexta-feira, das 9h às 16h. Para usufruir os serviços é necessário ser maior de 18 dezoito anos e ser morador do Rio de Janeiro.

Fonte: Rio

​Read More
Notícias

Sem fiscalização: Serra das Confusões no Piauí vira paraíso de caçadores

Na reserva não existe nenhum agente do ICMBio, órgão federal responsável pelas unidades

O Parque Nacional Serra das Confusões, na região sudeste do Piauí, nas proximidades do município de Caracol (615 km de Teresina), se transformou nos últimos anos no paraíso para os caçadores. Na reserva ambiental, que é uma das maiores do Brasil, com mais de 800 mil hectares (o equivalente a 5 vezes o tamanho da cidade de São Paulo), não existe nenhum agente do ICMBio, órgão federal responsável pelas unidades de conservação do país.

O resultado desse descaso é um verdadeiro extermínio dos animais silvestres da região, principalmente tatus, veados, caititus e uma infinidade de aves, com destaque para os jacus, zabelês e vários pássaros menores. Os caçadores que entram ilegalmente no parque nacional não precisam se preocupar com a fiscalização simplesmente porque ela nunca existiu. Nem mesmo nas duas guaritas de vigilância que foram construídas na área, os funcionários que prestam serviços ao ICMBio fazem o controle das pessoas que entram ou deixam a reserva.

Nas últimas semanas dois casos escandalosos chamaram a atenção dos ambientalistas do Piauí. O primeiro deles envolveu o procurador e ex-deputado estadual, Marcelo Coelho. Em companhia do professor da UFPI, Fabio Ferreira, do biólogo Waltércio Torres Correia e do motorista Carlos Ribeiro, eles foram emboscados por um grupo de caçadores quando faziam uma visita ao parque, na zona rural do município de Guaribas.

A situação só não ficou pior em função do motorista conhecer os caçadores e pedir calma para eles. Apesar dos visitantes encontrarem o grupo caçando em flagrante, nenhum deles foi preso, ao contrário, continuaram no local sem maiores problemas, já que a fiscalização é inexistente. O escritório do Ibama mais próximo do local fica em São Raimundo Nonato, e só conta com um funcionário que também alega não ter estrutura para realizar fiscalizações no parque, distante mais de 100 quilômetros.

O outro caso aconteceu na semana passada quando uma equipe de pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz, do Rio de Janeiro, fazia um levantamento na região do Parque Nacional Serra das Confusões. Novamente foram encontrados caçadores dentro da reserva federal e, apesar do grupo que contava com a bióloga Márcia Chame, da Fundação Museu do Homem Americano e com um agente de fiscalização do Parque Nacional Serra da Capivara, tomar as armas e animais dos acusados, nenhum deles foi punido, sequer foram indiciados por prática de caça de animais silvestres, crime federal.

Criado em 1998 com 502 mil hectares e ampliado em 2010 para mais de 800 mil hectares (veja abaixo), o Parque Nacional Serra das Confusões conta apenas com o chefe da unidade, o engenheiro agrônomo, José Wilmington Paes Landim, que exerce um cargo de confiança indicado por políticos do Piauí. Principalmente em função da falta de infra-estrutura da região, até hoje nenhum funcionário concursado pelo ICMBio se adaptou ao parque, os poucos que passaram pela unidade logo pediram transferência para outras áreas do Brasil.

Ampliação rendeu R$ 150 milhões ao Piauí

No dia 30 de dezembro de 2010, o Diário Oficial da União publicou um decreto ampliando de 523 mil para 823,4 mil hectares a área do Parque Nacional da Serra das Confusões. Com essa medida o Estado do Piauí foi beneficiado com um crédito orçamentário de R$ 150 milhões, “uma espécie de compensação para um Estado pobre”, justificou o presidente do ICMBio, Rômulo Mello.

O problema, segundo pesquisadores e ambientalistas, é que a área de maior biodiversidade da região, conhecida como Serra Vermelha e que segundo o IBGE abriga remanescentes de Mata Atlântica, ficou fora do trecho preservado. Com isso, a empresa carioca JB Carbon S/A, que mantém o projeto Energia Verde, de produção de carvão vegetal, poderá retomar suas atividades e transformar 78 mil hectares da última floresta do semiárido em carvão para abastecer siderúrgicas do Brasil e do exterior.

O secretário de Meio Ambiente do Piauí, Dalton Macambira e o ex-governador, Wellington Dias (PT), afirmam não acreditar na ocorrência de Mata Atlântica na área e são acusados de beneficiar a empresa. O Ministério Público Federal investiga o caso e no próximo dia 04 de maio a Assembléia Legislativa do Piauí realiza um audiência pública para discutir o imbróglio Mata Atlântica no Piauí.

Fonte: 180 Graus

​Read More