Destaques

Elefantes agredidos com ganchos de metal são forçados a carregar turistas com as trombas

Sob a ameaça constante de seus exploradores, as animais giram argolas com as trombas, equilibram-se em duas patas e uma série de truques antinaturais em shows diários na Tailândia


Foto: ViralPress
Foto: ViralPress

Por Eliane Arakaki

A indústria do turismo explora animais indefesos submetendo-os a todo tipo de tortura e obrigando-os a realizar truques antinaturais mediante ameaça de serem feridos com cortes e espancamentos.

Tudo isso acontece com o objetivo de entreter uma plateia pagante de turistas que, muitas vezes alienada, bate palmas e se diverte mediante o sofrimentos desses seres sencientes e indefesos.

O último flagrante desses maus-tratos está registrado em imagens divulgadas recentemente que mostram elefantes sendo obrigados a carregar turistas em suas trombas, enquanto mahouts (treinadores de elefante) segurando bastões com ganchos afiados na ponta (bullhook) os obrigam se apresentarem no Elephant World.

Os animais foram filmados no início deste mês durante um de seus exaustivos shows diários para multidões de turistas na remota região de Surin, no nordeste da Tailândia.

Os mahouts (manipuladores de elefantes) podem ser vistos empunhando bullhocks ao lado dos animais – essa ferramenta de tortura foi especialmente criada para controlar e dominar os elefantes.

Durante a apresentação, os elefantes giram bambolês em suas trombas e se apoiam em duas patas antes de serem forçados a chutar uma bola de futebol em uma rede.

Alguns são instruídos a recuar e, em outro momento do show, voluntários da plateia se deitam e deixam os elefantes passarem por cima deles – chegando a centímetros de serem esmagados.

Os elefantes ainda são obrigados a transportar espectadores içando-os em suas trombas e desfilando pelo local do show.

Foto: ViralPress
Foto: ViralPress

Durante todo o show, os mahouts seguram os bullhooks o tempo todo, uma mulher pode ser vista nas imagens erguendo a ferramenta em direção ao elefante depois que ela puxa violentamente a orelha do animal.

O grupo que atua em defesa dos direitos animais, PETA criticou severamente o show, que em parte devido à sua localização remota até agora escapou das denúncias e críticas recebidas por outros locais de exploração na Tailândia.

Jason Baker, vice-presidente de campanhas internacionais da PETA, disse que os elefantes no vídeo estavam se apresentando apenas por causa da ameaça de violência e pediu aos turistas que não comparecessem a esse tipo de show.

Ele disse ao Daily Mail: “Esses elefantes não estão se apresentando porque é divertido. É porque eles têm medo do abuso que receberão se não o fizerem”.

Foto: ViralPress
Foto: ViralPress

“Isso fica evidente com a presença constante do bullhook, uma arma com um gancho afiado em uma extremidade, sendo mantida bem ao lado deles, como ameaça”.

“Se as pessoas soubessem que seus ingressos estavam promovendo o abuso e o sequestro de elefantes da natureza, certamente nunca entrariam nesses locais.”

Um visitante do Elephant World, na província de Surin, disse que os shows acontecem todos os dias das 10h às 14h, com cada elefante tendo que se apresentar várias vezes.

Eles disseram: “O show é muito popular, nos fins de semana e feriados está cheio, e as pessoas que visitam são principalmente turistas tailandeses, mas às vezes existem estrangeiros”.

Foto: ViralPress
Foto: ViralPress

No mês passado, a maior operadora de turismo da China cortou laços com um show semelhante perto da capital Bangkok, após uma pressão constante do grupo de direitos animais PETA.

No entanto, o show em Surin fica a cerca de 300 milhas de distância e na pobre região de Isan, no nordeste da Tailândia.

O parque de elefantes parece ter escapado ao escrutínio que passaram os grandes shows de elefantes localizados em destinos turísticos populares, como Bangkok e Phuket.

O porta-voz da PETA, Jason Baker, acrescentou: “Todos os elefantes forçados a entrar no show business na Tailândia foram ‘domados’ da maneira mais doentia, horripilante e muitas vezes mortal imaginável”.

Foto: ViralPress
Foto: ViralPress

“A indústria de elefantes tailandesa ganhou fama por tirar os filhotes ainda mamando de suas mães, imobilizados, espancados sem piedade e tendo suas unhas uma a uma arrancadas por dias seguidos. Este tratamento quebra seu espírito, e alguns não sobrevivem”.

“Eles são forçados a passar o resto de suas vidas em cativeiro e se apresentar em shows como este onde são espancados, açoitados e feridos com ganchos para forçá-los a realizar truques difíceis e sem sentido apenas para o entretenimento humano”.

“Quando não são forçados a realizar truques antinaturais ou levar turistas sem suas costas, esses elefantes geralmente passam a maior parte de sua vida acorrentados, incapazes de dar mais do que alguns passos”.

“A PETA pede que todos fiquem longe de qualquer lugar que force os elefantes a fazer truques ou oferecer passeios.”

Foto: ViralPress
Foto: ViralPress

O gerente do Elephant World, Prakit Raumpattan, disse que os ganchos são usados apenas como um “aviso” e “nunca usados durante o treinamento ou nos shows”.

Ele acrescentou: “O gancho é apenas para garantir que os elefantes não se comportem mal. Os elefantes ainda são animais selvagens, não importa o quanto os treinemos e tentemos fazê-los domesticados”.

“Eles ainda podem ser imprevisíveis, pois o bullhook é usado como uma ameaça para impedi-los de fazer algo perigoso ou atacar pessoas”.

“Nós treinamos os elefantes desde que eram bebês, da mesma forma que as pessoas treinam um cachorro e elas recebem recompensas como bananas, mas nunca são abusadas.”

Foto: ViralPress
Foto: ViralPress

Elefantes

A comparação dos elefantes aos cães, feita por um dos responsáveis do “show” só torna mais evidente a falta de empatia e conhecimento dos explores desses animais. Ao contrário dos cachorros, elefantes não são domesticados, são animais selvagens, inteligentes e com capacidades sociais e de formação de vínculo altamente desenvolvidas. Eles vivem em grupos, tem sociedades hierárquicas com formação de família, prosperam na natureza, acostumados a liberdade, o cativeiro é uma sentença de morte para esses majestosos animais.

Foto: ViralPress
Foto: ViralPress

Fome, dor, sofrimento, privação, medo, abuso e exploração, esse é o cotidiano de desses animais que vivem acorrentados e submissos, saindo apenas para entreter plateias de turistas alienados, levar outros nas costas ou servir de enfeite para selfies com muitos outros.

Submeter o maior mamífero da Terra a esse tipo de desrespeito é um atentado a dignidade dessas criaturas belíssimas e únicas e reduzi-los a uma existência miserável, onde a única escapatória é a morte

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Elefantes explorados por circo separados por 22 anos se reencontram

Imagem ilustrativa | Foto: Shutterstock
Imagem ilustrativa | Foto: Shutterstock

Dois elefantes do sexo feminino que foram explorados por um circo juntas, Shirley e Jenny, não haviam olhado um para o outro em mais de duas décadas. Quando as duas elefantas asiáticas finalmente ficaram cara a cara depois de todo esse tempo, a conexão entre elas foi imediata. A reunião das duas foi emocionante. Essa foi provavelmente a primeira vez que uma reunião emocional entre elefantes foi capturada em vídeo.

A reunião aconteceu na noite de 6 de julho de 1999, no The Elephant Sanctuary, no Tennessee, nos Estados Unidos. Fazia mais de duas décadas desde que Shirley e Jenny se conheceram no circo em um inverno de 1973. Na época, Jenny, uma elefantinha nascida selvagem em Sumatra em 1972, ainda era uma criança. Então, Shirley naturalmente assumiu o papel de mãe substituta para ela na nova e estranha terra.

Foto: The Elephant Sanctuary in Tenesse
Foto: The Elephant Sanctuary in Tenesse

Costuma-se dizer que “um elefante nunca se esquece”. É verdade. Quando Shirley e Jenny finalmente se reuniram após 22 anos de separação, as velhas amigas estavam tão determinados a se abraçar que até mesmo amassaram as barras de aço, que as mantinham separadas.

Depois que os guardiões abriram os portões de aço, Shirley permaneceu ao lado de Jenny. O par foi visto tocando ums a outro com suas trombas. Com as trombas entrelaçadas, os gritos de excitação das duas podiam ser ouvidos.

Todos os repórteres, cinegrafistas e outros que tiveram a sorte de testemunhar este momento precioso foram tocados pela cena, com muitos derramando lágrimas – especialmente o guardião que cuidara de Shirley durante todos esses anos.

Foto: The Elephant Sanctuary in Tenesse
Foto: The Elephant Sanctuary in Tenesse

Jenny veio para o Santuário de Elefantes em 1996, bastante doente, com cicatrizes sofridas por abuso no circo, de acordo com a Nature. Ela sofria de tuberculose. Além disso, ela tinha uma das pernas de trás aleijada causada por um elefante macho quando ela era explorada para reprodução na Hawthorn Corporation em Illinois, de acordo com o site The Elephant Sanctuary.

Shirley, que chegou ao santuário anos depois, em 1999, e ela talvez fosse a coisa mais próxima de uma família que Jenny jamais conheceria. Com Shirley ao seu lado, Jenny cencontrou algum conforto.

As velhas amigas frequentemente passam o tempo juntas com suas trombas enroladas uma na outra, tocando e, sem dúvida, relembrando juntas, após 22 anos de separação.

É incrível como os anos de separação não fizeram nada para diminuir sua forte amizade, como pode ser testemunhado em sua reunião no vídeo enviado pela EVOLVE Campaigns no YouTube.

Foto: The Elephant Sanctuary in Tenesse
Foto: The Elephant Sanctuary in Tenesse

“Tão surpreendentemente tocante – a história de Shirley e Jenny, dois elefantes aleijados reunidos no The Elephant Sanctuary no Tennessee depois de uma separação de 22 anos. A ligação foi imediata, intensa e inesquecível entre as duas ex-elefantas de circo ”, escreveu a EVOLVE Campaigns.

“É muito raro os elefantes exibirem esse tipo de emoção em cativeiro, e é provavelmente a primeira vez que isso é documentado em vídeo”.

A cena da reunião entre Shirley e Jenny já rendeu mais de 23 milhões de visualizações, emocionando os usuários das mídias sociais em todo o mundo.

Foto: The Elephant Sanctuary in Tenesse
Foto: The Elephant Sanctuary in Tenesse

“Esta é uma das coisas mais bonitas e tocantes que já vi”, comentou um usuário. Outro disse: “Eu sou um cara de 1,80m de altura e 70kg e estou chorando como um bebê por causa disso.”

“Esta é uma história tão linda e comovente. Eu também estou chorando. Uma amizade tão maravilhosa e que reunião” – comentou outro.

As duas elefantas viveram juntas até que Jenny adoeceu. Infelizmente, Jenny faleceu em 17 de outubro de 2006. Carol Buckley, a diretora executiva do santuário, descreveu como os últimos momentos de Jenny foram.

Foto: The Elephant Sanctuary in Tenesse
Foto: The Elephant Sanctuary in Tenesse

“No dia anterior à sua morte, Jenny tinha caído e ela não se levantou. Shirley ficou ao lado dela e insistiu que Jenny se levantasse. Jenny simplesmente não conseguia se levantar. Então Jenny se levantou, mas teve que se apoiar em Shirley para continuar”, disse Buckley, de acordo com a Nature.

“Se você olhasse para o rosto de Shirley, veria que ela sabia que Jenny estava morrendo. Jenny caiu no chão e Shirley entrou na floresta” – acrescentou Buckley.

Shirley ficou na floresta até que Jenny faleceu. Ela lamentou por dias após a morte de Jenny, recusando toda a comida. “Foi muito difícil para todos e especialmente difícil para Shirley. Toda a vida de Shirley girava em torno de cuidar do bebê Jenny. Era como uma mãe perdendo o bebê”, disse Buckley.

Felizmente, Shirley vive uma vida longa. Ela ainda está vivendo no Santuário de Elefantes no Tennessee, e em 6 de julho de 2019 celebrou seu 71º aniversário!

Foto: The Elephant Sanctuary in Tenesse
Foto: The Elephant Sanctuary in Tenesse

Nascida na Sumatra em 1948, Shirley sobrevive à maioria dos elefantes asiáticos e é o terceiro elefante mais velho da América do Norte. “Shirley passou por tanta coisa em sua vida. É incrível a rapidez com que ela confia nas pessoas”, disse a Kaitlin Stocks, cuidadora responsável, ao Nashville Tennessean. “Ela emana amor e bondade.”

Como os humanos, os elefantes são capazes de uma gama de emoções, pensamentos complexos e sentimentos profundos. O amor e a amizade entre Jenny e Shirley é um testemunho disso. A bela ligação entre esses dois elefantes nos lembra como a vida é preciosa e que devemos respeitar e cuidar de nossos semelhantes neste planeta, pois eles também têm sentimentos.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Elefantes separados um do outro unem as trombas em despedida

O tráfico de marfim e sua aparência exótica tornou os elefantes alvos fáceis para muitos zoológicos e caçadores ao longo da história. Eles não vivem uma vida fácil, especialmente quando são mantidos em cativeiro durante grande parte de suas vidas. Esses animais não podem se aproximar de outros elefantes, não podem pisar na terra fria e úmida, não comem folhas das árvores, nem se banham em lagos ou brincam na lama com as suas crias.

Reprodução/Portal Mulher Contemporânea

Em alguns casos, eles compartilham cativeiro com outros elefantes, mas eventualmente um deles morre ou é separado por circunstâncias de vida. Como é o caso de um elefante que há 11 anos partilhava a sua jaula com outro elefante, mas foi separado do seu único companheiro, que foi vendido pelo zoológico onde morava.

Outro exemplo é o de Flavia, uma elefanta de 43 anos que morreu recentemente no zoológico de Córdoba, na Espanha, onde chegou com apenas 3 anos de idade. Flavia sofria de depressão por muitos anos devido a viver em cativeiro, além de ser separada de sua mãe.

Para quem não sabe, as fêmeas ficam com a mãe por toda a vida, então separá-las é supor que elas não viverão felizes. Especialmente se eles viverem trancadas.

Embora muitos esforços são feitos por organizações de animais, nenhum é suficiente para deter completamente e rapidamente o abuso sofrido por esses animais, amigos e afetuosos.

Uma foto viral compartilhada pelo utilizador, Soumya Vidyadhar também mostra outro caso, no qual dois elefantes são separados, cada um sendo levado para lugares diferentes.

Eles tocam as suas trombas, um sinal de afeição entre eles, como se dissessem adeus.

Seu sofrimento terminará um dia? Animais como os elefantes pertencem a lugares naturais e abertos, onde podem viver e crescer com sua família e outros da sua espécie. Não atrás das grades, pisando em cimento e sendo maltratado para se comportar de uma determinada maneira.

Fonte: Mulher Contemporânea

​Read More