Notícias

Servidor público é flagrado jogando pedras em animais em parque de Vitória (ES)

O funcionário da prefeitura foi identificado e afastado temporariamente do cargo. Ele será autuado por maus-tratos a animais


Um servidor público da Prefeitura de Vitória (ES) foi flagrado jogando pedras em animais que vivem na Reserva da Vida Selvagem Mata Paludosa, o antigo Parque da Fazendinha.

Pixabay/Free-Photos/Imagem Ilustrativa

Um morador, que preferiu não se identificar, registrou o crime de maus-tratos. Um dos homens que aparece nas imagens, segundo o morador, é gerente da Central de Serviços, setor de obras que fica dentro do parque. As informações são do portal A Gazeta.

A reserva é uma unidade de conservação e os animais que nela vivem são protegidos por leis. Tartarugas, gansos e patos que estavam no lago foram alvos das pedras.

A Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Vitória (Semmam) informou que o homem foi identificado e será autuado por maus-tratos a animais. O caso será encaminhado à Procuradoria Geral do Municipal (GPM) para que seja verificada a possibilidade de se instaurar um Processo Administrativo Disciplinar (PAD).

A Semmam publicou nota por meio da qual afirmou que o resultado do processo vai de advertência a demissão e que o servidor será afastado temporariamente do cargo até que os fatos sejam apurados.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


​Read More
Notícias

Filhote de cachorro é atropelado por servidor em canil de Gravataí (RS)

Um filhote de cachorro foi atropelado por um servidor público dentro do canil municipal de Gravataí, no Rio Grande do Sul, na terça-feira (29). O animal ficou gravemente ferido. Ele foi socorrido e operado por dois veterinários.

(Foto: Márcia Becker / Arquivo Pessoal)

De acordo com a coordenadora do canil, Márcia Becker, o atropelamento aconteceu em uma área em que a entrada de carros é proibida. O servidor, lotado na Fundação Municipal de Meio Ambiente, estava no local para entregar medicamentos para cães.

“Ele está estabilizado. Está no oxigênio. Teve edema pulmonar, mas como foi atendido rapidamente sobreviveu”, explicou Márcia. As informações são do jornal GaúchaZH.

Um grupo de protetores de animais estava no canil no momento do atropelamento. O caso gerou um princípio de confusão. Um boletim de ocorrência foi registrado pela coordenação do canil, que também encaminhou um relatório à Fundação do Meio Ambiente.

A Prefeitura de Gravataí afirmou, por meio de nota, que o atropelamento foi um acidente. “Um servidor da Prefeitura acabou atropelando um cachorrinho, que imediatamente foi atendido pela equipe médica do próprio canil. No local estava um grupo de protetores dos animais. Deu-se uma discussão. O cãozinho está sendo tratado e medicado. Gravataí é uma cidade amiga dos animais e mantém um canil que é referência no Rio Grande do Sul”, diz o comunicado da administração municipal.

​Read More
Notícias

Após quatro anos, ex-superintendente do Ibama é exonerado por manter aves em cativeiro

Foi publicada no Diário Oficial da União a exoneração do servidor público do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Renováveis (Ibama) Miguel Delarmelina. O servidor foi afastado do trabalho em 2006 por manter um cativeiro de aves em sua casa, onde realizava transações ilegais. Além disso, foi acusado pelo Ministério Público Federal (MPF-ES) de receber propina para favorecer empresas em contratos com prefeituras no interior.

Delarmelina foi preso pela Operação Silvestre, do Ibama, em novembro de 2006, na mesma ocasião em que seis comerciantes também foram presos por tráfico de animais nos municípios de Vitória, Vila Velha, Guarapari, Marechal Floriano, Colatina, Pancas e Vila Valério.

Na ocasião, a informação da Delegacia de Repressão a Crimes Contra o Meio Ambiente e o Patrimônio Histórico (Delemaph) era de que os presos tinham envolvimento com o setor de coleta, distribuição e venda de aves como papagaio, além de ovos das aves. Os ovos eram vendidos por cerca de R$ 80 ao atravessador e chegavam a custar cerca de R$ 300 para o receptador, ou criador.

Esses ovos eram vendidos até para países da Europa como Portugal. Parte da quadrilha foi presa tentando vender ovos para portugueses no aeroporto de Salvador em 2005. Os ovos também eram vendidose para a Alemanha, onde a ave chegava a valer 10 mil euros. Em 2005, uma capixaba foi presa ao chegar ao País transportando ovos das aves.

Miguel Dalarmelina responde em liberdade pelo crime de corrupção passiva (quando o servidor público recebe vantagem indevida em razão da função que ocupa), cuja pena é de dois a 12 anos de prisão. Ele também praticou o crime de tráfico de influência, cuja pena é de dois a cinco anos, ao solicitar vantagens de empresas a pretexto de influenciar em pareceres de responsabilidade de outros servidores do Ibama.

O fiscal do Ibama ainda praticou o crime de violação do sigilo funcional, cuja pena é de seis meses a dois anos de prisão, porque informava empresas sobre futuras fiscalizações da autarquia. Além disso, está envolvido em crimes ambientais porque comercializava ilegalmente animais apreendidos pelo Ibama.

Miguel Delarmelina já foi superintendente do Ibama no Espírito Santo, e tem mais de vinte anos de trabalho no órgão. Para se livrar de investigações internas, Delarmelina chegou a articular, com sucesso, a exoneração do superintendente do Ibama, que na ocasião era Ricardo Vereza. Um dia após a exoneração de Vereza, Delarmelina soltou foguetes em frente ao órgão.

Fonte: Século Diário


​Read More