Notícias

Dalai Lama diz que proteger os animais e o planeta é ‘uma responsabilidade urgente’

Divulgação

O Dalai Lama, Chefe de Estado e líder espiritual do Tibete usou seu perfil no Facebook para conscientizar os seguidores sobre a importância da preservação do meio ambiente em meio à crise climática que o mundo enfrenta. O líder budista afirmou que “temos uma responsabilidade urgente” de proteger o planeta e todos os seus habitantes.

Na postagem ele diz que “a destruição da natureza é resultado da ignorância, ganância e falta de respeito por todos os seres vivos do planeta. Nossas ações afetam os outros. Nós, seres humanos, somos as únicas espécies com o poder de destruir o mundo. No entanto, se temos a capacidade de destruir, também temos a capacidade de proteger a vida selvagem e o meio ambiente”, assinalou.

Apesar de não se posicionar sobre o veganismo e o reconhecimento dos direitos animais, essa não é a primeira vez que o Dalai Lama pede maior engajamento pela defesa do meio ambiente. Em 2015, ele gravou um vídeo pedindo ao povo tibetano maior consciência sobre o impacto do ser humano na natureza. “Não se trata de uma nação ou duas nações. Esta é uma questão de humanidade. Nosso mundo é nosso lar”, disse na ocasião.

Em 2017, Gyatso participou de um evento beneficente irlandesa Children in Crossfire e aproveitou a ocasião para criticar duramente a saída do presidente dos EUA, Donald Trump, de retirar do Acordo de Paris. Ele afirmou que essa decisão negativa do líder norte-americano o deixou “profundamente triste e decepcionado”.

O Dalai Lama também enviou uma mensagem à 24ª Conferência Climática da ONU em 2018 alertando líderes mundiais sobre a importância de tomarem para si a importância da proteção e preservação do meio ambiente. Ele reforçou que é preciso “tomar ações sérias agora para proteger o meio ambiente e encontrar soluções construtivas para deter as mudanças climáticas. Nós, seres humanos, temos a responsabilidade de reduzir os problemas que causamos e, finalmente, eliminá-los”, concluiu.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

 

 

​Read More
Jornalismo cultural

Pecuária é responsável por 94% do desmatamento da bacia da Grande Barreira de Coral


Análise de dados espaciais do The Wilderness Society também apontam que a produção da carne de bois e vacas é a principal impulsionadora do desmatamento no país


Por Giovanna de Castro


IMAGEM COM BOIS E VACAS DE COR MARROM E BRANCA EM UM CENÁRIO SECO, COM POUCAS ÁRVORES E CHÃO DE TERRA
Foto: The Guardian

Em agosto de 2019, o grupo de defesa ambiental The Wilderness Society (TWS), realizou uma pesquisa e analisou os dados espaciais para identificar quais setores estariam causando mais desmatamento na Austrália.

Segundo o jornal britânico The Guardian, foi constatado que mais de 90% da limpeza de terras nas bacias hidrográficas do Great Barrier Reef, durante um período de cinco anos, foi atribuída à indústria de carne de bois e vacas.

Para chegar a conclusão, a equipe analisou relatórios entre 2013 e 2018, totalizando mais de 1,6 milhão de hectares desmatados no estado de Queensland,  com isso,  constatou também,  que 73% da derrubada em todo o estado ocorreu com a produção da carne dos animais.

Sendo assim, o maior dano ambiental foi associado à bacia hidrográfica Great Barrier Reef, maior sistema de recife de corais do mundo. Segundo as pesquisas, a área foi comprometida anualmente com 94% da produção de carne de bois e vacas durante os cinco anos de análise no local.

Na sequência de maiores usos da terra ligados ao desmatamento foram respectivamente: ovelhas; culturas; uso múltiplo misto; indústrias extrativas e de mineração e habitação rural.

“Essas descobertas nos ajudam a identificar exatamente o que está motivando a crise do desmatamento na Austrália e a carne de animais é o número um nessa lista”, relata Jessica Panegyres, ativista nacional da natureza do TWS. O grupo ambiental também conta que a pesquisa foi bastante importante para identificar como os setores individuais estavam contribuindo e assim, focalizar as ações nos ambientes mais emergentes.

Apesar dos grandes danos, Panegyres também aponta que a indústria australiana se mostra interessada e posicionada com relação aos casos e que pretende fazer a transição para produtos livres de desmatamento, modificando então, para uma base mais sustentável. Dessa forma, o Quadro Australiano de Sustentabilidade da Carne Bovina, criado pelos industriais, acompanha o desempenho dos produtores em várias áreas, principalmente com relação a gestão ambiental, que envolve práticas de gestão da terra e vegetação, bem como as mudanças climáticas e minimização de resíduos. Ainda em maio do ano passado, o governo de Queensland introduziu novas leis destinadas a reduzir a taxa de desmatamento do estado.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta.DOE AGORA.


 

​Read More