Notícias

Representante da ONU revela que um desastre ocorre a cada semana causado pela mudança climática

Foto: EMIDIO JOZINE/AFP/Getty Images
Foto: EMIDIO JOZINE/AFP/Getty Images

Um alto funcionário da ONU emitiu um alerta a respeito da mudança climática, apontando que desastres decorrentes da crise climática considerados de “impacto menor”, capazes de causar morte, deslocamento e sofrimento, agora ocorrem a uma taxa de cerca de um por semana.

Falando com Fiona Harvey, do Guardian, Mami Mizutori, diplomata japonesa e representante especial do secretário geral da ONU sobre redução de risco de desastres, diz que esses eventos de menor escala – incluindo ondas de calor intensas, tempestades e inundações – são muitas vezes ofuscados por desastres catastróficos, como as inundações na Índia e os ciclones que devastaram Moçambique no início deste ano.

Mizutori enfatiza que as crises climáticas de pequena escala estão acontecendo muito mais rapidamente e com mais frequência do que o previsto anteriormente. É essencial, portanto, que os governos parem de encarar a mudança climática como uma questão de longo prazo e, em vez disso, passem a investir em medidas de “adaptação e resiliência” destinadas a conter os efeitos de eventos de impacto mais baixo.

Mizutori explica: “Isso não se trata mais do futuro, é sobre o presente”.

Como Harvey escreve, grande parte da discussão em torno das mudanças climáticas centra-se na mitigação, ou na redução das emissões de gases do efeito estufa, em vez de adaptação. Embora esta abordagem seja mais fácil de quantificar e evite incentivar uma falsa sensação de complacência em relação à urgência de reduzir as emissões, Mizutori diz ao Guardian que o mundo não está mais em um ponto em que os humanos possam simplesmente escolher entre mitigação e adaptação.

“Falamos de uma emergência climática e de uma crise climática, mas se não conseguirmos enfrentar isso [a questão da adaptação aos efeitos], não sobreviveremos”, diz ela. “Precisamos olhar para os riscos de não investir em resiliência”.

Segundo um relatório de 2017 do Banco Mundial e do Fundo Global para Redução e Recuperação de Desastres, os desastres naturais extremos causam danos globais de cerca de 520 bilhões de dólares por ano, levando anualmente cerca de 26 milhões de pessoas à pobreza. Comparativamente, observa o Guardian, o custo de implementação de infraestrutura resistente ao aquecimento equivaleria a um custo adicional de apenas 3% ao ano, ou um total de 2,7 trilhões de dólares nos próximos 20 anos.

O aumento dos padrões de resiliência para infra-estrutura, como habitação, transporte e redes de fornecimento de energia e água, pode ajudar as regiões vulneráveis a evitar os piores efeitos das inundações, secas e outras formas de clima extremo.

Dado o preço relativamente baixo de tais medidas preventivas, Mizutori argumenta que os investidores “não têm feito o suficiente”, acrescentando que “a resiliência precisa se tornar uma mercadoria pela qual as pessoas vão pagar”.

De acordo com a especialista da ONU, as comunidades devem priorizar “soluções baseadas na natureza”, que dependem de barreiras naturais, como manguezais, florestas e áreas úmidas para impedir inundações. Outros caminhos para a serem explorados incluem estudar a melhor forma de proteger os que vivem em assentamentos informais ou favelas versus centros urbanos e adotar uma abordagem mais holística em relação às mudanças climáticas, talvez colocando questões ambientais e de infraestrutura sob a alçada de um ministério do governo.

As comunidades no mundo desenvolvido e em desenvolvimento poderiam evitar os piores efeitos de muitos eventos climáticos de menor escala com a ajuda de infraestruturas mais fortes, sistemas de alerta antecipado e melhor conscientização do governo sobre quais regiões são mais vulneráveis a desastres climáticos, diz Mizutori.

Se os países não conseguirem priorizar a resiliência e os desastres de curto prazo, as consequências poderão ser terríveis. Como Megan Rowling relata para a Reuters, Mizutori ofereceu uma previsão similarmente alarmante na Plataforma Global para Risco e Redução de Desastres em maio, concluindo: “Se continuarmos vivendo dessa forma, interagindo uns com os outros e com o planeta da maneira que fazemos, então nossa própria sobrevivência está em dúvida ”.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Filhote deficiente é flagrado brincando com Tom, representante das paraolimpíadas

24
Divulgação

As paraolimpíadas começaram neste dia 7 de setembro e com elas já chegaram novas emoções. Além de modalidades diferenciadas para atletas com deficiências físicas, visuais e intelectuais, os jogos trouxeram um novo representante, Tom, que veio para substituir Vinicius no comando da animação da galera.

Essa simpática filhote de Golden Retriever, que não tem uma das patinhas dianteiras, chamada Xodó, acabou encontrando em Tom um novo amigo. O Canil Golden Sunshine postou um vídeo em seu Facebook mostrando esses momentos de puro amor.

Junto com o vídeo, ainda escreveram a seguinte mensagem: “Cada dia vivendo com ela nos encanta um pouco mais. Todos os dias ela nos surpreende, mostrando que essa característica dela não é capaz de limitá-la. Ela é alegre, levada e uma pequena grande guerreira. Ela veio ao mundo para encantar, apaixonar e principalmente ensinar. Ela e todos os atletas paralímpicos são exemplos de vida, de força, de determinação e de superação. Que a gente se permita se inspirar por esses heróis!”

Fonte: Vírgula

​Read More