Notícias

Toninha morta é encontrada enrolada em rede de pesca no litoral de SP

Foto: Arquivo Pessoal

Uma toninha, espécie de golfinho, foi encontrada morta na orla da Praia do Indaiá, em Bertioga, no litoral de São Paulo. Com pedaços de rede de pesca enrolados na região da boca, o animal marinho foi encontrado por moradores da cidade.

Um morador relatou ao G1, sem se identificar, que encontrou a toninha no domingo (7) envolta por urubus. Ele disse ter espantado as aves e se aproximado para observar o golfinho, foi quando percebeu que havia uma rede de pesca enrolada no animal.

Cerca de duas horas depois, o homem retornou à praia e percebeu que a toninha permanecia na faixa de areia. Ele, então, acionou o Instituto Gremar.

Equipes de fiscalização foram enviadas ao local, mas quando chegaram à praia não encontraram a toninha.

O Gremar informou que a espécie está ameaçada de extinção, especialmente por conta da poluição dos oceanos – que mata toninhas que confundem lixo com alimento – e da pesca, que tira a vida desses animais ao prendê-los nas redes.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


​Read More
Notícias

Carrefour substitui sacolas plásticas por redes de algodão na Espanha

A medida reduz a quantidade de plástico usado e descartado no meio ambiente


O hipermercado Carrefour substituiu as sacolas plásticas por redes de algodão para que os consumidores carreguem frutas e verduras em suas lojas da Espanha.

Reprodução/Hypeness

A iniciativa da rede, embora esteja restrita a uma localidade, é significativa, porque não só reduz a quantidade de plástico usada e, por consequência, descartada no meio ambiente, como conscientiza a população. As informações são do portal Hypeness.

Além de promover a mudança na área de hortifrúti, o Carrefour permite que os clientes levem sacolas reutilizáveis para transportar os demais produtos comprados no hipermercado, evitando o uso de plástico.

As redes de algodão, que estão em fase de teste, são vendidas pelo estabelecimento em pacotes de três unidades a um preço de 3,99 euros e podem ser reutilizadas, sendo necessário apenas lavá-las.

O hipermercado também eliminou ou substituiu embalagens de produtos, especialmente no setor de orgânicos, e optou por usar fitas para agrupar os itens ou embalagens de vidro reutilizáveis.

O próximo passo da rede é expandir a mudança, fazendo-a chegar às unidades de outros países.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


​Read More
Notícias

Tubarão branco encalhado em praia é chutado por abusadores que tiram selfies com o animal

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Um grande tubarão branco encontrado morto em uma praia teria sido chutado por um grupo de homens que ainda tiraram selfies com o animal moribundo.

Imagens capturadas na praia de Orewa, em Auckland, na Nova Zelândia, mostraram um salva-vidas e banhistas tentando arrastar o tubarão de volta para águas mais profundas, apenas para descobrir que ele estava morto.

Testemunhas na praia disseram que um grupo de homens foi visto chutando o tubarão na mandíbula e rindo enquanto o animal jazia ferido na areia sem ajudá-lo, informou o site de notícias neozelandês Stuff.

Os banhistas horrorizados tentaram intervir e impedir a brutalidade do grupo, mas os homens se tornaram “excepcionalmente intimidadores”, informou a publicação.

“A polícia e o Departamento de Conservação chegaram ao local enquanto outros banhistas tentavam puxar o tubarão de volta à água”, disse a testemunha.

“O grupo de homens deu detalhes falsos à polícia e se juntou ao grupo maior de pessoas que cercavam o animal”.

Um porta-voz da polícia confirmou que eles haviam recebido relatos de que o animal havia sido arrastado para a praia e chutado repetidamente.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Os salva-vidas então tentaram arrastar o tubarão de volta para águas mais profundas, na esperança de salvá-lo, mas notaram que o animal não estava se movendo.

Pouco depois, o tubarão foi levado de volta à praia e confirmado como morto.

Acredita-se que o tubarão branco ficou preso em uma rede de emalhar usada para capturar peixes.

Os grandes tubarões brancos estão protegidos nas águas da Nova Zelândia sob uma legislação que aplica uma multa máxima de 250 mil dólares e seis meses de prisão para quem mata o representante da vida marinha. As informações são do Daily Mail.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Centenas de tubarões mortos foram encontrados presos em rede de pesca descartada no oceano

Foto: Dominick Martin-Mayes/Instagram
Foto: Dominick Martin-Mayes/Instagram

Um grupo de mergulhadores flagrou uma cena perturbadora nas Ilhas Cayman (Inglaterra) – centenas de corpos de tubarões já em decomposição e outras criaturas do mar emaranhadas em uma “rede fantasma” flutuante.

Dominick Martin-Mayes, um instrutor de mergulho de 27 anos, disse ao Independent que estava com um grupo de amigos quando encontraram a “imensa rede com centenas de peixes e tubarões presos a ela já em decomposição”.

“No começo, pensamos que era um tronco de árvore, mas quando nos aproximamos, vimos que era uma rede flutuante”, disse ele ao jornal. “Eu pulei na água primeiro e fiquei chocado com o que vi. Isso me deixou sem fôlego – a primeira coisa que vi foi o corpo de um tubarão oceânico jovem ainda”.

“Eu pedi ao meu amigo que estava comigo para pegar uma faca e agir”, continuou ele. “Fizemos o possível para libertar parte da vida marinha presa ali, mas a maior parte já estava morta”.

Apesar dos esforços da equipe, Martin-Mayes disse que ele e seus amigos tiveram que interromper o resgate improvisado por medo de ficarem presos na rede.

“O único objetivo da rede de pesca na vida marinha é matar”, disse ele ao Independent. “Você prende sua mão nela por acidente e se afoga”.

Felizmente, o jornal Cayman Compass informou que o pescador Charles Ebanks mais tarde redescobriu a rede descartada e a rebocou para a marina Harbor House (Ilhas Cayman), onde ela foi retirada com sucesso do oceano.

A rede teria sido levada a um aterro onde aguarda a ação de uma ONG internacional de proteção à vida marinha, que se ofereceu para descartá-la com segurança.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Rede de supermercados Sainsbury’s para de vender fogos de artifícios

Uma petição pedia a proibição da venda de fogos de artifício para proteger animais domésticos e pessoas vulneráveis, como idosos e crianças | Foto: Getty Images
Uma petição pedia a proibição da venda de fogos de artifício para proteger animais domésticos e pessoas vulneráveis, como idosos e crianças | Foto: Getty Images

A empresa disse que tomou a decisão após uma revisão anual regular de todos os seus produtos.

No ano passado, uma petição para proibir a venda pública de fogos de artifício para proteger animais, crianças e pessoas com fobia ao equipamento conseguiu mais de 300 mil assinaturas.

Os tutores de animais receberam com satisfação a decisão da Sainsbury`s postando muitos tweets com votos de que outros supermercados sigam o exemplo da cadeia de lojas.

Uma porta-voz da Sainsbury’s se recusou a detalhar por que o supermercado não venderá mais fogos de artifício, afirmando que era um assunto “comercialmente sensível”.

Tesco e Asda, outras grandes redes de supermercados, disseram que continuariam a vender fogos de artifício.

Catherine Shuttleworth, diretora executiva e fundadora da Savvy Marketing, também disse que vender fogos de artifício é “uma maneira muito cara de fazer varejo em supermercados”.

Ela disse: “Quando você compra seus fogos de artifício, obviamente eles não estão em uma prateleira em qualquer lugar da loja. Eles tendem a estar em um armário de vidro trancado e um membro da equipe precisa ir e destrancar o armário todas as vezes você quer comprar fogos de artifício”.

Ela também disse que a idade do cliente deve ser verificada, porque é ilegal vender fogos de artifício para menores de 18 anos. Além disso, o supermercado não pode devolver nenhum produto não vendido ao distribuidor, e eles são “muito perigosos para ficar armazenados nas lojas, que são lugares cheios de pessoas”.

Uma petição realizada ano passado pedindo a proibição obteve 307.897 assinaturas e dizia em seu texto que os fogos de artifício “ferem milhares de pessoas todos os anos e causam danos a edifícios, carros e veículos de emergência (ambulâncias, carros de bombeiros)”.

Em resposta, o governo disse que “leva muito a sério a questão da segurança dos fogos de artifício. Existe legislação para controlar sua venda e uso indevido. Não temos planos de alterar a legislação”.

Um profissional de saúde disse no Twitter: “Só vim aqui para celebrar e agradecer a Sainsbury’s pela decisão de não vender fogos de artifício este ano. Não são apenas os animais que sofrem, mas quem está doente ou tem uma condição específica como autismo”.

A parlamentar do Partido Nacional Escocês, Alison Thewliss, twittou: “Realmente satisfeita por ver a Sainsbury’s tomar a decisão responsável de parar de vender fogos de artifício. Espero que outros varejistas sigam o exemplo”.

Uma consulta recente ao público na Escócia sobre a venda de fogos de artifício descobriu que havia apoio a controles mais rígidos sobre a venda e o uso dos produtos.

Das 16 mil pessoas que responderam, 94% desejavam controles mais rígidos sobre a venda de fogos de artifício e 87% apoiavam uma proibição total da venda de fogos de artifício.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Baleia grávida emaranhada em rede de pesca é encontrada morta na Escócia

 Foto: SMASS Sanday
Foto: SMASS Sanday

Uma baleia grávida foi encontrada morta em uma praia nas ilhas escocesas de Orkney com os restos de um equipamentos de pesca abandonados emaranhados em sua boca.

A baleia minke estava grávida de um filhote já próximo do nascimento, de acordo com especialistas do Scottish Marine Animal Stranding Scheme (Smass).

Uma rede de pesca de nylon descartada – do tipo de equipamento de pesca abandonado conhecido como “equipamento fantasma” quando encontrado à deriva no mar – estava presa no corpo da baleia, as placas usadas para filtrar a água do mar no equipamento estavam na boca do cetáceo.

O animal morto, cujo exame subsequente do corpo descobriu que estava em boa saúde antes de encontrar a rede, foi encontrado em Sanday, uma das maiores ilhas habitadas no leste de Orkney, Escócia.

Os representantes da SMASS avaliaram seu cadáver, concluindo: “O animal estava em excelente condição corporal e estava grávida de um feto a médio prazo.

“Parecia que ele havia se enredado recentemente em um pedaço de rede de pesca descartada ou perdida – o detrito havia ficado preso na nadadeira e depois acabou sendo arrastado para a traseira do animal. Isso prejudica muito uma baleia de se alimentar ou nadar normalmente, e provavelmente levou a uma exaustiva e dolorosa última hora de vida. Com base nos hematomas do flanco e nos pulmões do mamífero, parece que esta criatura permaneceu presa e se afogou afogada por causa da rede”.

Escrevendo no Facebook, SMASS alertou que as redes de pesca abandonadas representam uma ameaça mortal aos cetáceos.

“O emaranhamento de redes e linhas de pesca é uma preocupação global crescente e, este caso, deixa claro que o risco de emaranhamento nessas espécies não é apenas por corda – redes perdidas, abandonadas ou descartadas também representam um risco significativo para a vida marinha”, afirmou a organização.

“Nesse caso, o emaranhamento na rede custou a vida de dois animais – a mãe e o filhote que ainda não havia nascido. Isso demonstra ainda mais o perigo desse lixo marinho que pode resultar em tragédias tanto em nível individual, como representar também um risco potencial para toda a população de baleias. É claro que há situações em que o equipamento é perdido por acidente, mas, nos casos que não se trata disso, não há desculpa para jogar ou deixar esse material ao mar intencionalmente”.

A morte da baleia grávida vê em seguida de outro incidente com um resultado melhor para outra baleia também capturada em redes de pesca na costa de Orkney na mesma semana.

Nesse caso, uma baleia jubarte foi capturada acidentalmente, e o pescador alertou uma equipe de resgate que desembaraçou o animal da rede com sucesso.

Outra baleia jubarte que foi vista entrando no estuário do Tamisa no sudeste da Inglaterra no início desta semana foi encontrada mais tarde morta.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Cadela presa em rede é resgatada graças a latidos de outro animal

Um cadela que ficou presa a uma rede de proteção de um campo de futebol foi salva graças aos latidos de outro animal. O caso aconteceu no sábado (5) Centro de Esportes do Residencial Santa Cruz, em Tatuí (SP).

Foto: Polícia Militar/Divulgação

Para alertar sobre a situação, uma cadela começou a latir, pedindo socorro para sua companheira. As informações são do G1.

De acordo com a Polícia Militar, os latidos foram ouvidos por um homem que passava pelo local. O resgate, porém, foi feito pelos policiais, que cortaram as cordas da rede e libertaram o animal.

A cadela que ficou presa à rede não se feriu. Após ser resgatada, ela correu na direção da outra cadela.

Os dois animais vivem em situação de rua e receberam água. Após serem ajudados, eles permaneceram no local.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


​Read More
Notícias

Filhote de baleia jubarte é salvo após ficar preso em rede de pesca

Casos de baleias emaranhadas na costa australiana não são raros, muitos deles não tem a mesma sorte que o bebê baleia deste resgate, cuja mãe permaneceu ao lado todo o tempo aguardando sua libertação


 

Foto: Nine
Foto: Nine

Um filhote de baleia jubarte foi libertado depois de ficar preso em uma rede de pesca.

A baleia bebê foi capturada pelo equipamento em Laguna Bay, em Noosa, Queensland, na Austrália, antes de ser resgatada na quinta-feira (26) de manhã.

Imagens de vídeo mostram a Equipe de Liberação de Animais Marinhos da Patrulha de Pesca e Barcos de Queensland em um barco tentando libertar o animal de onde estava preso.

A baleia se debatia enquanto os socorristas usavam um bastão com uma lâmina grande presa na ponta, na tentativa de ajudar a desembaraça-la.

Eventualmente, a baleia foi resgatada e nadou pela rede se soltando sem problemas.

A baleia era um filhote de jubarte, de acordo com a ABC.

O oficial da Patrulha de Pesca e Barcos de Queensland, Guy Ely, disse ao Daily Mail Austrália que a baleia foi solta às 9h45, depois do incidente ser relatado às 7h.

“A baleia estava respirando e em um estado calmo enquanto estava sendo libertada. Ela nadou vigorosamente com sua mãe que a estava esperando nas proximidades”, disse Ely.

“O resgate bem-sucedido de hoje é mais uma demonstração da experiência de nossas equipes do MART, localizadas em Mackay, Sunshine Coast e Gold Coast, que são muito hábeis em técnicas de liberação segura para esses animais”.

Foto: @SEVEN
Foto: @SEVEN

A mãe da baleia jubarte estava por perto durante toda a operação e os dois cetáceos nadaram juntos depois que o filhote foi solto.

Os usuários de mídias sociais que assistiram ao vídeo demonstraram revolta com o fato da majestosa criatura ter sido apanhada na rede de pesca.

“Vamos fazer uma petição ao conselho para remover as redes”, comentou uma pessoa.

Foto: Facebook
Foto: Facebook

Outro disse: “Remova as redes estúpidas na temporada de baleias! Geralmente, não há ninguém nadando, porque está muito frio”.

Uma terceira pessoa compartilhou o sentimento dos demais e disse que as redes precisavam ser removidas devido aos danos que causam aos animais marinhos.

Ely disse que os emaranhamentos de baleias são raros, com apenas 55 dos mamíferos marinhos presos desde 2006 e o MART não conseguiu resgatar apenas dois deles.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como
esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Leão-marinho preso em rede de pesca é resgatado com a ajuda de prancha de surf

Assustado por estar preso, mas como se soubesse que seria ajudado o leão-marinho pula em cima da prancha para facilitar sua libertação


 

Por Eliane Arakaki

Um bombeiro que trabalha no Departamento de Bombeiros de Cambria, na Califórnia, Estados Unidos, foi aplaudido efusivamente pelas pessoas que presenciaram libertação de um mamífero marinho na praia de San Simeon, no domingo último (01).

Em um vídeo postado na página do Facebook do corpo de bombeiros no domingo, Ryan Mort pode ser visto fazendo o resgate em uma prancha de surf, finalmente cortando a linha de pesca que o prendia quando o animal emaranhado pulou a bordo da prancha.

Os espectadores no píer gritaram em aprovação. “Você acabou de fazer um amigo”, uma pessoa pode ser ouvida dizendo no vídeo.

O corpo de bombeiros se referiu ao animal como uma “foca”, assim como vários outros veículos de notícias.

Depois que o mamífero marinho foi libertado, “a foca nadou para longe”, disse o Corpo de Bombeiros.

O USA Today’s For the Win, que identificou o mamífero como um leão-marinho, observou que ele tinha um gancho embutido no seu lado que deveria cair ou se desintegrar na água salgada.

“Por estar preso apenas em um lado (o gancho), o leão-marinho deve ser capaz de executar bem atividades forrageiras (busca por alimentação) e normais de seu cotidiano”, disse Giancarlo Rulli, do Centro de Mamíferos Marinhos do For The Win.

O Centro de Mamíferos Marinhos, com sede em Sausalito, havia chamado o corpo de bombeiros para ajudar na situação.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Mãe golfinho salta de felicidade ao ter seu filhote libertado

Aflita por ver o filho preso e sem ter como ajuda-lo, a mamãe golfinho expressa toda sua alegria e alívio ao ver o bebê de volta ao mar, dando um espetáculo natural de beleza única


 

Foto: Mario Polizzi/Facebook
Foto: Mario Polizzi/Facebook

O momento inusitado e belo foi filmado e postado em uma rede social.

Uma mamãe golfinho foi filmada literalmente “pulando” de alegria depois que um grupo de pescadores libertou seu bebê que estava emaranhado em uma rede de pesca que eles mesmos haviam lançado da ilha de Procida, em Nápoles, na Itália.

O clipe postado no Facebook pelo pescador italiano Mario Polizzi captura o momento emocionante em que seus companheiros de pesca resgataram o filhote preso, causando um enorme salto e posterior mergulho em aparente “alívio” enquanto seu filhote era libertado.

Os pescadores podem ser ouvidos batendo palmas e aplaudindo-a enquanto ela faz o que parece ser um “prêmio de agradecimento”. Um pescador pode até ser ouvido dizendo: “Que bom que ela ficou feliz, é como num filme”.

Os seres humanos se envolvem com golfinhos de várias formas, muitas delas absolutamente perturbadoras, colocando-os em sério risco, segundo informações do NY Post. Selfies, nado e alimentação de golfinhos prejudicam os animais, seu ciclo de vida, cadeia alimentar e ecossistema.

Por este motivo autoridades da Nova Zelândia estão proibindo atrações turísticas que ofereçam passeios onde seja possível nadar com golfinhos. A região da Baía das Ilhas sofreu um declínio de 66% na população de golfinhos e um aumento de 65% na taxa de mortalidade de filhotes, de acordo com o Departamento de Conservação da Nova Zelândia.

Foto: Mario Polizzi/Facebook
Foto: Mario Polizzi/Facebook

“Pesquisas mostram que as interações com os golfinhos-nariz-de-garrafa têm um impacto significativo no comportamento de repouso e alimentação [da população] desses mamíferos marinhos e que as pessoas estão ‘amando demais os golfinhos'”, disse um porta-voz à Euronews.

A Nova Zelândia não é o único centro turístico que esta combatendo as atrações com golfinhos. O Havaí também está considerando adotar medidas para proibir a prática devido a preocupações com as populações raras de golfinhos-rotadores (Stenella longirostris), responsabilizando os turistas por interromper seus padrões de acasalamento.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Tartaruga presa em rede de pesca é devolvida ao mar

Uma tartaruga, que ficou presa em uma rede de pesca em 19 de julho, foi devolvida ao mar na tarde deste sábado (31).

Uma tartaruga indo em direção ao mar
Foto: Tamar

O animal, depois de ser resgatado, foi levado ao projeto Tamar, em Florianópolis, onde passou por um tratamento que durou mais de um mês. Não foi possível estimar a idade da tartaruga, mas especialistas acreditam que o animal é jovem – mede 37 centímetros e pesa 5 quilos, enquanto os animais adultos da espécie podem chegar a 1,40 metro e 200 quilos.

Há uma parceria entre o projeto Tamar e os pescadores da região, que alertam a organização sempre que uma tartaruga fica presa nas redes. Quando isso acontece, especialistas indicam que o ideal é livrá-la da rede e deixá-la fora da água para se recuperar.

O projeto Tamar pode ser contatado pelo número (48) 3236-2015.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


​Read More
Notícias

Equipe da CNN sobrevoa e registra imagens de regiões da Amazônia atingidas por queimadas

Foto: CNN
Foto: CNN

“A fumaça é tão espessa que às vezes o avião Cessna precisava subir para ficar fora dela. Às vezes, seus olhos queimam e você fecha as aberturas de ventilação para manter a cabine habitável. Às vezes é tão ruim, é difícil ver o quão ruim é realmente no chão abaixo”.

Foi dessa forma que a equipe de reportagem da rede de notícias CNN descreveu o voo feito por eles acima do estado mais afetado da Amazônia (durante a semana passada), Rondônia. Os repórteres classificaram a experiência como “exaustiva” principalmente devido à escala infinita da devastação.

“A princípio, a fumaça disfarçava o fluxo constante de campos incendiados e bosques; de estradas sinuosas que se transformavam em nada além de cinzas. Abaixo, as partículas cor de laranja de um pequeno fogo ainda podiam se enfurecer, mas grande parte da terra parecia um mausoléu da floresta que outrora a enfeitava”.

“Esta não é apenas uma floresta que está queimando”, disse Rosana Villar, do Greenpeace, que ajudou a CNN a organizar seu voo sobre as áreas danificadas e queimadas. “Isso é quase um cemitério. Porque tudo que você pode ver é a morte.”

A dura realidade da destruição é descrita como algo sobrenatural pela reportagem da CNN: uma visão conjurada por um alarmista para alertar sobre o que pode acontecer se o mundo não resolver sua crise climática agora. “No entanto, é real, e aqui e agora, e abaixo de nós, como estamos chamuscados pelo sol acima e a terra fumegante abaixo”.

Rondônia registrou 6.436 focos de incêndio até agora neste ano, de acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). A Nasa diz que o estado se tornou um dos locais mais desmatados da Amazônia. O Brasil tem 85% mais incêndios do que no ano passado – o número chegou até 80.626 em todo o país a partir de domingo à noite.

O presidente Jair Bolsonaro, após ser repreendido, chamado de mentiroso e ameaçado com sanções comerciais por parte de alguns líderes do G-7, declarou na sexta-feira que enviaria 43 mil soldados para combater o inferno na Amazônia. (Ele havia anteriormente demitido o diretor do INPE por divulgar números com os quais ele não concordava, e em seu discurso na sexta-feira ainda disse que a Amazônia deveria ser usada para enriquecer o povo do Brasil).

Foto: CNN
Foto: CNN

No entanto, enquanto a cidade amazonense de Porto Velho se encontra mergulhada em uma nuvem de fumaça que escurece suas manhãs, e do voo do avião de carga C130 sobre a floresta ao redor da qual a CNN registrou as imagens, não foi identificado nenhum sinal de aumento da presença militar no domingo.

“A tarefa é enorme, quase intransponível. Nas áreas onde a fumaça é mais intensa, o sol mal se arrasta para brilhar no rio. Eu vi um pássaro neste santuário natural em três horas. As chamas parecem se mover em uma linha firme através da savana, engolindo todo o que a floresta permanece em seu caminho”.

Construções ocasionais são avistadas, isoladas na terra recém-criada ao redor delas (pela devastação). Mas não há sinais de vida humana, apenas gado, preso nas nuvens rodopiantes e chamas. Eles são muitas vezes a razão para os incêndios: a corrida para a desflorestamento provocada por um crescente mercado global de carne bovina. O gado precisa da soja cultivada nos campos, ou para pastar na grama, e então se torna a carne bovina que o Brasil vende para a China, que agora entrou em uma guerra comercial com os Estados Unidos, mudando o mercado.

A razão para os incêndios é controversa, Bolsonaro disse que eles fazem parte da queima anual usual nesta época, a estação seca. Mas seus críticos, muitos deles cientistas, observaram que a política do governo de encorajar o desmatamento estimulou as queimadas, tanto pela limpeza da terra (para a criação de gado) que facilita a propagação do fogo, quanto dando vazão aos desejos dos fazendeiros menos escrupulosos que se sentiram livres para queimar à vontade.

Especialistas explicam que quanto mais floresta é desmatada, menos umidade é mantida sob sua copa e mais seca a terra fica. Quanto mais seca a terra fica, mais suscetível ela se torna de pegar fogo. Quanto mais fogo, menos floresta. Um ciclo auto-realizável já começou. A questão é quando ele se tornar irreversível.

O Brasil já está lidando com a probabilidade de mudanças permanentes em sua ecologia. “A Amazônia é extremamente fundamental para o sistema de água em todo o continente”, disse Villar, do Greenpeace. “Então, se cortarmos as árvores da floresta, não teremos chuva alguma no sul do país”.

“É difícil ver quaisquer previsão de um futuro negro como alarmistas neste ponto, quando você vê o horizonte se tornando invisível pela fumaça, as chamas avançando pelas planícies como lava, e ouve motoristas de táxi desinteressados dizerem que eles nunca viram a situação tão ruim”.

“O futuro apocalíptico está aqui e é impaciente” conclui a reportagem.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More