Notícias

Radialista alimenta e cuida de mais de 80 gatos em parque de SP

Radialista não viaja para poder alimentar mais de 80 gatos diariamente em parque de São Paulo
Foto: Arquivo Pessoal/ Anderson França

Hoje é celebrado o Dia Nacional do Protetor de Animais. A data é comemorada todos os anos no dia 10 de agosto, com o objetivo de conscientizar a população sobre a importância do protetor de animais para a saúde pública e para a proteção e promoção dos direitos animais. Segundo dados do Instituto Pet Brasil, existem mais de 170 mil animais abandonados sob cuidados de ONGs no Brasil.

A celebração nasceu a partir de um decreto no Congresso Nacional, em 2017, que fez vigorar o projeto de lei 8.055-A. É considerado protetor de animais toda pessoa física ou entidade sem fins lucrativos que desempenha, gratuitamente por mais de dois anos atividades que busquem proteger, cuidar, conscientizar e resgatar animais em condições de vulnerabilidade social.

Esse é o caso do jornalista Anderson Valença França, 66 anos, que atualmente atua na área educação e proteção animalista com os projetos Gatos do Parque e Não Machuque os Animais, realizando o trabalho de proteção e alimentação de mais de 80 gatos no parque da Mooca, Região da Zona Leste de São Paulo.

Além de disso, em conjunto com outros jornalistas, Anderson criou a sua própria rádio web: a “Rádio Nossos Bichos”, que todos os dias fala da importância da informação correta em relação às leis ambientais e protecionistas da fauna e da flora do nosso país.

E, recentemente, em parceria com Cacá Mendes, 59 anos, locutor, decidiu investir na abertura de um canal no Youtube com o nome de “Eta Mundo Animal”. O canal fala sobre assuntos diversos como; leis ambientais, leis animalistas, adoção de animais, entrevistas com famosos que lutam pela causa animal e também orientações aos tutores como lidar com os animais diariamente.

Tio da Mooca

Em 2014. Anderson se mudou para uma residência perto do parque da Mooca e ao passear com seus dois cães no local, começou a reparar na quantidade de gatos que eram abandonados por lá.

Desolado com aquela situação, o paulistano decidiu que a partir daquele dia iria todos os dias ao local para alimentar e cuidar dos mais de 80 gatos que vivem divididos em três colônias dentro do parque.

Atualmente, ele vai ao parque todos os dias das 16 às 19 horas. “Há seis anos que não viajo e nem vou para lugar algum, para não deixá-los sozinhos”, afirmou Anderson em entrevista à ANDA.

Radialista não viaja para poder alimentar mais de 80 gatos diariamente em parque de São Paulo
Foto: Arquivo Pessoal/ Anderson França

Devido à pandemia, o parque da Mooca teve que ser fechado para evitar a circulação de pessoas no local, mas para a sorte dos gatinhos, a entrada do protetor foi liberada. Além de ajudar na questão da alimentação dos animais, Anderson também atua na solicitação de pedidos de castração dos gatos junto ao Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) de São Paulo.

“Além de alimentação, ajudo na questão da saúde dos gatos que estão doentes e também ajudo na questão da adoção dos gatinhos”, disse França.

Já para alimentar os mais de 80 gatinhos, Anderson conta com a ajuda financeira de amigos que fazem parte do projeto Gatos do Parque e com recursos próprios. São gastos mais de 200 quilos de ração, 30 latas de pasta e 30 sachês por mês na alimentação dos animais.

“É um elo muito forte, no início eles eram ferais, hoje eles vão ao meu encontro e fazem a festa”, acrescentou o protetor.

Veja no vídeo abaixo, Anderson os gatinhos do parque:

Crime

No Distrito Federal, a Associação Protetora dos animais, Pro Anima, registrou nos últimos três meses um crescimento de 60% na quantidade de pessoas que querem se desfazer dos seus próprios animais domésticos.

Já na capital paulista, o número de animais abandonados pelas ruas não para de crescer, são aproximadamente mais de 2 milhões de cães e gatos vivendo em situação de rua.

Para Anderson, o abandono de animais é uma situação corriqueira no parque da Mooca. “Já peguei pessoas falando que se quisesse se desfazer dos gatinhos, era só deixar no parque, que lá tinha pessoas que cuidavam”, contou.

Segundo o protetor, o outro grande problema é que a maioria dos gatos que são abandonados por lá, não são castrados, assim a chance de procriação é maior, provocando um aumento considerável de gatos no local.“Várias vezes já deixaram a mãe e os seus filhotes em caixas lá no parque”, acrescentou.

Para impedir o aumento populacional de animais no parque, foi implementado o programa de captura, esterilização e devolução do animal ao seu local de convivência, conhecido popularmente como (CED).

Para o cuidador, esse trabalho é fundamental para controlar o número de colônias em volta do parque. “Nesse programa os gatos são capturados, esterilizados e devolvidos a sua colônia. O corte da ponta da orelha esquerda é o método utilizado para identificar se um gato foi esterilizado, assim não permitindo a expansão de colônias dentro do parque”, salientou.

Segundo França, atualmente a Guarda Civil Municipal (GCM) em parceria com a administração do parque fiscaliza a situação de abandono de animais no local. De acordo com a lei 9.605/98 é crime abandonar animais, com pena prevista de três a um ano de prisão.

Amor incondicional

Além de conseguir famílias para muitos dos gatos, as visitas diárias ao parque da Mooca rendeu alguns dos seus amores.

Um deles, Tuty, nome dado a um dos gatinhos resgatado, era alimentado e, um certo dia, apareceu na porta de sua casa. O lindo gato branco atravessou quatro pistas e um viaduto na Zona Leste da capital paulista até encontrar aquele que escolheu como tutor.

“Uma bela noite, quando sai do parque por volta das 20 horas, deixei ele comendo, e quando foi por volta da meia-noite minha mulher disse que tinha um gato parecido com o Tuty na frente do nosso portão e para nossa surpresa era ele mesmo, colocamos ele para dentro e, desde esse dia ele mora conosco aqui em casa”, lembra.

Foto: Arquivo Pessoal/ Anderson França

Ele ressalta ainda que na época sentiu que havia algo de especial na relação entre eles. “Eu não tive coragem de colocar ele para adoção, foi uma sintonia muito forte entre eu e ele”, concluiu o protetor de animais.

Atualmente, Anderson tutela mais de 10 animais resgatados, nos quais são oito gatos e dois cachorros, são eles; Polaco, Branquinho, Felix, Theodoro, Paco, Jimmy, Luna e o Tuty.

Foto: arquivo Pessoal/ Anderson França

E os cães Tequila e Lorenzo.

Arquivo Pessoal/ Anderson França

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Destaques, Notícias

Hoje é dia de lembrar a importância da preservação das florestas

Hoje é dia de lembrar de proteger as nossas florestas.
Foto: Reprodução/ Pixabay

Hoje, dia 17 de julho, é celebrado o Dia da Proteção às Florestas. Um dia importante para nós brasileiros lembrarmos o quanto é fundamental a preservação das nossas matas. Aproximadamente 20% de todas as espécies da Terra vivem no Brasil, principalmente na Floresta Amazônica.

Essa data também marca o Dia do Protetor de Florestas, figura associada ao personagem do folclore brasileiro Curupira, um menino de cabelos compridos e vermelhos, cuja característica principal são os pés virados para trás. Segundo o folclore, o Curupira protege as florestas das agressões constantes do homem, tais como desmatamento e caça de animais. Os agressores são atraídos por essa figura e nunca mais retornam, perdendo-se na mata.

Veja no vídeo abaixo, a história do menino Curupira:

Mas, infelizmente, o menino de pés virados para trás é apenas uma figura do folclore brasileiro. De acordo com estudos da Food and Agriculture Organization of the United Nations (FAO), entre 2010 e 2015, a área de floresta natural do mundo diminuiu 6 milhões de hectares por ano. A agricultura comercial é responsável por 70% da destruição de florestas em países tropicais e subtropicais, segundo dados da organização Florest Trends.

Foto: Reprodução/Pixabay

Faça sua parte

É sempre bom lembrar a importância das florestas para a nossa sobrevivência, e a conscientização da população é primordial.

As florestas proporcionam um tipo de riqueza muito importante para a humanidade, os chamados serviços ecossistêmicos, que são diversos benefícios, como alimentos, matéria prima, belas paisagens, regulação do clima, biodiversidade, turismo, entre outros.

No Brasil, a responsabilidade é ainda maior, já que possuímos a floresta Amazônica, maior floresta tropical do mundo, uma das mais importantes em reservas energéticas, e uma fauna e flora amplamente diversificada.

Nos quais 10% das espécies de fauna e flora do mundo está praticamente em toda a costa brasileira. Todas elas são responsáveis por uma grande parte do equilíbrio ecológico do país e do mundo, afetando diretamente a nossa vida, tanto nos aspectos da saúde e bem estar, quanto econômicos.

Foto: reprodução/ Pixabay

No dia a dia, é importante que cada pessoa faça a sua parte pela preservação das florestas. Listamos algumas dicas para você poder colaborar para a vida longa da vegetação.

Use produtos feitos com madeira de reflorestamento: o reflorestamento consiste em repor a vegetação em locais que foram anteriormente desmatados, devolvendo vida a esses ambientes de florestas comprometidas por alguma razão.

Não coloque fogo em matas: fazer queimadas sem controle pode causar sérios prejuízos à fauna e à flora, reduzindo a cobertura vegetal e diminuindo a fertilidade do solo e comprometendo a qualidade do ar.

Não jogue lixo no meio ambiente: o lixo entope bueiros, suja rios o que faz com que os peixes venham a morrer, além de sujar a água limpa que poderíamos beber, contamina o solo, além de ser uma falta de respeito e consideração com os seus semelhantes e com o meio ambiente.

Use produtos recicláveis e reciclados: ao usar papel reciclado, menos árvores precisam ser cortadas, economizando e evitando a extração de nova matéria-prima sendo retirada da natureza.

Não jogue cigarros ou objetos em combustão em florestas ou áreas de mata:
De acordo com relatório da NBC News, a bituca de cigarro polui mais o oceano do que sacolas e canudos de plásticos. Segundo a organização mundial da Saúde (OMS), o número estimado de fumantes no Mundo é de aproximadamente 1 bilhão e meio.

Faça sua parte e converse com sua família, seus amigos, pessoas próximas ao seu redor sobre a importância de cuidarmos bem das florestas. Tenha consciência do seu impacto, entendendo que suas ações diárias podem salvar milhares de árvores diariamente.

Foto: Reprodução/Pixabay

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Cachorro que ficou preso em sistema de drenagem de água por causa da tempestade foi resgatado

Foto: Fox News
Foto: Fox News

Um cachorro chamado Benji, que ficou preso em um “ralo de tempestade” (estrutura em ferro usada para drenar água em alagamentos) após fortes chuvas que assolaram a cidade de Las Vegas, nos Estados Unidos, foi resgatado graças a união de uma equipe de policiais, uma equipe de resgate de animais e um voluntário que passava pelo local.

O animal preso foi flagrado em perigo por um homem chamado Paul, que alertou as autoridades sobre a situação do cachorro na manhã de quarta-feira (20).

Com a ajuda dos policiais da LVPD (Departamento de Polícia de Las Vegas), outro homem se abaixou no ralo com cordas e libertou o cachorro.

Os sem-teto que viviam nos esgotos, incluindo a tutora do cachorro, disse à Fox5 que a água começou a “correr” rapidamente e em um volume elevado, em meio a fortes chuvas.

“Nós tínhamos acabado de correr pelo túnel de água. É um longo túnel. Eu estava tentando conseguir algum tipo de corda para ajudá-lo” – disse a mulher que não quis se identificar.

Sobre o cachorro resgatado, Benji, ela disse: “Ele nos mantém a salvo à noite. Ele é como nosso pequeno protetor. Nós não estávamos preparados para a enxurrada. Veio do nada”.

O cão sem raça definida tem sete anos e acredita-se que seja um híbrido das raças Pastor dos Pirineus e Chow Chow, explicou ela.

Foto: Fox News
Foto: Fox News

A tutora de Benji disse que estava morando temporariamente no túnel enquanto procurava um novo emprego e um lugar para morar.

O homem que entrou no túnel repleto de água para salvar Benji estava equipado com cordas, uma lanterna de cabeça (capacete) e um cobertor roxo, como mostram as imagens.

O departamento de polícia de Las Vegas e o serviço de controle de animais ajudaram na operação de salvamento do cachorro.

As 200 milhas de túneis de prevenção de inundação sob Las Vegas há muito tempo abrigam centenas de pessoas sem-teto.

Foto: Fox News
Foto: Fox News

No início deste ano, a cidade de Las Vegas aprovou uma lei que impõe algumas sanções penais por dormir na rua.

O Serviço Nacional de Meteorologia da cidade havia alertado anteriormente a possibilidade de fortes chuvas e partes do estado de Nevada estavam se preparando para o caso de acontecerem enchentes.

O NWS (serviço de meteorologia) revelou que quarta-feira (20) seria o dia mais chuvoso de novembro desde 2013.

As autoridades também alertaram sobre o perigo de estradas escorregadias e possíveis inundações, bem como possíveis atrasos no tráfego aéreo devido às chuvas e nuvens baixas.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Histórias Felizes, Notícias

Homem segue cachorra que carregava tigela de comida e tem uma surpresa

Foto: Yusuf Kılıçsarı
Foto: Yusuf Kılıçsarı

Muitas vezes, as visões que guardamos de cães em situação de rua são apenas olhares rápidos e fugazes – retratos mentais instantâneos tristes da dificuldade, da luta e da miséria da vida nas ruas. As pessoas evitam olhar para a situação desses animais, dessa forma evitam confrontar sua própria responsabilidade na questão.

Mantendo o olhar por um pouco mais de tempo, porém, o protetor de animais Yusuf Kılıçsarı encontrou o amor em um ato canino. Amor puro e simples.

No final do mês passado, Kılıçsarı, que mora na Turquia, postou um vídeo de um encontro que ele teve com um desses cães abandonados andando pela rua. Quando Kılıçsarı se aproximou do animal em seu carro, pôde-se ver que era uma cachorrinha e ela estava carregando uma tigela cheia de comida na boca.

Esta cachorra estava claramente em uma missão pois caminhava determinada e parecia saber onde ia, e Kılıçsarı então decidiu segui-la.

Nos próximos minutos, o vídeo mostra Kılıçsarı sendo conduzido por ruas, passando por uma zona de construção e por um ferro-velho – onde o objetivo adorável de sua missão foi revelado.

Aqui está esse clipe na sua totalidade:

Sob os cuidados da cachorra em situação de rua estavam quatro filhotes – todos parecendo saudáveis e gordinhos, sem dúvida graças a ações como a que Kılıçsarı tinha acabado de testemunhar.

Kılıçsarı assistiu com admiração quando a mãe se deitou de lado, inevitavelmente exausta depois de sua longa excursão pela cidade. Ela fez muito esforço para que seus filhotes famintos se alimentassem, mas o tempo todo manteve um olho protetor e cauteloso em Kılıçsarı. Ele não queria machucá-los; ele estava simplesmente registrando o episódio em vídeo como um testemunho de até onde uma mãe vai pelo amor de seus filhotes.

O protetor de animais compartilhou seu vídeo imediatamente e tocou o coração das pessoas. “Ela andou de tão longe que não posso acreditar, carregou a tigela e não comeu sozinha, eu só espero que TODOS tenham sido salvos”, escreveu uma pessoa e um comentário, claramente comovida.

“Isso é a maternidade”, escreveu Kılıçsarı em seu post.

O Dodo não conseguiu chegar a Kılıçsarı para comentar ou descobrir o que aconteceu em seguida.

É possível, talvez, que Kılıçsarı tenha entregado a tigela à própria cachorra, a fim de encontrar e obter ajuda para ela e sua família. Vamos atualizar esta postagem assim que soubermos mais.

Foto: Yusuf Kılıçsarı
Foto: Yusuf Kılıçsarı

Essa cena, no entanto, é esperançosa – um verdadeiro testemunho do amor de uma mãe, mesmo nas mais sombrias circunstâncias.

Flagrantes como este só evidenciam de forma mais clara a capacidade dos animais de amar, sofrer, sentir e compreender o mundo ao seu redor. Essa capacidade foi comprovada cientificamente e atestada sob o nome de senciência animal em 2012 pela Declaração de Cambridge.

Animais merecem ter seus direitos respeitados e toda omissão com relação ao seu sofrimento, seja pelo abandono, maus-tratos, crueldade ou morte, é uma marca indelével carregada pela humanidade.

​Read More
Notícias

MP pede que Justiça determine recolhimento de animais de protetor

O Ministério Público de Santa Catarina pediu à Justiça que seja determinado o recolhimento dos animais do protetor independente Eder Leite e de sua esposa, Alessandra Rech, que tutelam cerca de 70 cães em Brusque (SC).

Foto: Leda Veber

A Justiça já havia concedido uma liminar, a pedido do Ministério Público, determinando que a prefeitura recolhesse os animais e que o casal mantivesse apenas o número máximo de seis animais. As informações são do portal O Município.

Após uma audiência de conciliação, foi estabelecido um prazo de dez dias para que os dois levassem os cachorros para outro local. No segundo encontro, porém, eles disseram que não tiveram condições de realocar os cães.

A liminar acabou sendo suspensa e, por isso, o promotor Rodrigo Cunha Amorim solicitou que a decisão seja revista. Segundo ele, não existe a possibilidade de conciliação e os cachorros permanecem em situação de maus-tratos, por isso é necessário uma renovação da liminar.

Eder nega que os animais sejam maltratados. Ele afirma que os cães são bem cuidados e que ele tem como provar centenas de doações de animais que ele já realizou.

​Read More
Notícias

Protetor processado por resgatar cadelinha maltratada é absolvido

Matéria postada na ANDA mudou a vida de cachorrinha | Foto: Reprodução

Uma postagem feita na ANDA em abril de 2016 mudou para sempre a vida da cadelinha Maria. Anteriormente chamada de Nina, ela foi salva por uma equipe montada pelo protetor Armandinho Ferreiro, mas o que parecia um final feliz, foi o início de uma longa batalha judicial.

Tudo começou com um apelo enviado à equipe da ANDA através do faleconosco@anda.jor.br. O e-mail pedia ajuda na divulgação de uma cadelinha que vivia em uma casa no município de Taboão da Serra, Região Metropolitana de SP. Segundo a denúncia, o animal ficava a maior parte do tempo sozinho e não era alimentado adequadamente.

O relato informava ainda que o então tutor da cadelinha costumava chegar em casa embriagado e a agredia fisicamente com chutes, além de ameaçá-la. Assim que a postagem foi ao ar, no dia 14 de abril de 2016, e chegou ao conhecimento de Armandinho, que atua na causa animal há mais de 15 anos na capital paulista, rapidamente foi realizada uma mobilização para apurar a denúncia e resgatar a poodle.

Ao chegar ao local, Armandinho e as protetoras Fabíola Jacobino e Ângela Cavalcante verificaram que a cadelinha vivia em situação de maus-tratos, sem água ou comida. Ela sobrevivia graças à compaixão de vizinhos. Segundo testemunhas, o tutor do animal saia muito cedo e costumava chegar em casa tarde da noite, geralmente bêbado, e maltratava a cachorrinha sempre que ela ia ao encontro dele para recebê-lo.

A equipe de Armandinho decidiu que esperaria o tutor da cadela chegar para conversar com ele e tentar entender o que acontecia com Nina, mas um morador do local defendeu o homem e suas atitudes e ameaçou desaparecer com a cadela se a investigação continuasse.

Temendo pela segurança da cachorra, a equipe soube que precisava fazer algo antes de ser tarde demais e assim, as protetoras Fabíola Jacobino e Ângela Cavalcante atraíram a cadelinha até a grade do portão e a retirou do imóvel sem invadi-lo. A operação de salvamento foi filmada pelo então vizinho, que bradava ameaças.

Desde o primeiro minuto de resgate, assim que entrou no carro dos protetores, Nina já demonstrou grande felicidade e pareceu compreender que a partir dali teria a chance de conhecer outra vida. Ela foi levada para a cidade de São Paulo e recebeu uma avaliação veterinária completa.

A cadelinha estava desnutrida e desidratada | Fotos: Arquivo pessoal

A poodle foi atendida por uma médica veterinária especialista em comportamento animal, Dra. Raisa Flores, que a submeteu a inúmeros testes. Os resultados apontaram que Nina tinha muito medo de vozes altas e alguns objetos. O laudo técnico emitido pela profissional apontou que a cadela era claramente vítima de maus-tratos, tantos físicos quanto psicológicos.

Após reunir provas e comprovar que o resgate da cadela foi necessário para a preservação da integridade do animal, os protetores se dirigiram até uma delegacia de Taboão da Serra para oficializar a denúncia. Eles foram atendidos pelo delegado titular de plantão, que não só ignorou todas as jurisprudências apresentadas, como informou ao protetores que uma Boletim de Ocorrência havia sido realizado pelo tutor do animal e que o caso estava sendo investigado como fruto qualificado. Houve também a insinuação que eles poderiam responder por formação de quadrilha.

Desde então uma clima de apressão se instaurou na vida dos protetores. O delegado se recusou a reconhecer os maus-tratos e deu prosseguimento à denúncia de furto. A promotora escolhida para o caso aceitou a denúncia e levou o caso à Justiça. O juiz escolhido também aceitou a denúncia e os protetores foram intimados, prestaram depoimentos e tiveram que reunir recursos para montar a defesa. O maior receio era que fosse determinado que a cadelinha voltasse à guarda do antigo tutor.

Após dois anos de processos judiciários burocráticos, finalmente foi realizada a audiência no dia 26 de setembro de 2018. A médica veterinária que avaliou a cadelinha e uma vizinha, dona Filomena,  testemunharam sobre a situação da Nina. Outras pessoas que poderiam ter ajudado a cachorra com seus depoimentos se recusaram a testemunhar, mas felizmente tudo correu bem.

Nina, agora chamada Maria, recebe todo amor e carinho que merece | Foto: Arquivo pessoal

Diante de todas as provas e relatos, a promotora de Justiça optou por abrir mão da denúncia. Armandinho e os outros protetores esclareceram que a única intenção do grupo foi salvar a cadela e cessar os maus-tratos. Eles explicaram que não tiveram nenhum benefício com a ação e que o bem-estar do animal estava acima de qualquer interesse humano naquele caso.

Após a sentença de absolvição, muitos dos que estavam presentes na audiência choraram e se emocionaram com a história da Nina. Em entrevista à ANDA, Armandinho afirma que esse caso abre um importante precedente para o reconhecimento dos direitos animais. “Essa absolvição, muito além de ter sido feita para nós, para mim, ela significa que os animais estão conquistando direitos e espaço no meio jurídico”, contou. E completa: “Me senti aliviado e feliz pelos animais terem conquistado esse espaço”.

Após o resgate, Nina recebeu lar temporário e foi adotada por uma pessoa muito especial. Ela deixou seu passado de lado e hoje se chama Maria. Armandinho explica que saber que a cadelinha hoje é feliz e livre da maldade humana dá uma verdadeira sensação de dever cumprido. “Esse resultado é o que me dá forças para não desistir em uma causa tão difícil”, conclui.

​Read More
Home [Destaque N2], Notícias

Protetor arrisca a vida para resgatar porcos mantidos em cativeiro

“Era um ferro-velho com recintos fechados, então não havia como entrar ou sair deles, a menos que você tivesse ferramentas. Não havia abrigo, com exceção de um pequeno pano que tinha talvez 12 polegadas por quatro polegadas”, disse Friedman, um cuidador de animais no Woodstock Farm Sanctuary, ao The Dodo.

Foto: Woodstock Farm Sanctuary

Friedman e outros salvadores do Woodstock Farm Sanctuary, da Ulster County SPCA e do Indraloka Animal Sanctuary chegaram à propriedade com o plano de salvar todos os porcos, colocá-los em um caminhão e transportá-los em segurança.

Porém, isso não foi fácil. Os animais estavam doentes e apavorados e não estavam habituados a interagir com as pessoas.

Antes da chegada da equipe à propriedade, alguém havia avisado que havia uma mãe com quatro leitões entre os porcos. Eles encontraram a mãe, mas só localizaram três leitões – e não quatro e pensaram que o quarto filhote havia morrido. Posteriormente, a pequena porca Pamela foi encontrada em um recinto separado.

A mãe, chamada Agnes, correu para Pamela, assim que o recinto foi aberto.

“Ela se afastou, estava faminta, mas ela não era pela comida, só queria pegar seu bebê”, disse Friedman.

Foto: Woodstock Farm Sanctuary

Agnes estava obcecada em perto de Pamela e se recusou a entrar no caminhão de resgate. O tempo estava acabando, então Friedman fez algo muito arriscado para ajudá-la.

“Ela passou semanas sendo malnutrida, estava exausta e estava no sol”, disse Friedman. Observei seu instinto maternal realmente forte, peguei Pamela e corri com ela. Sabia [era] o único modo que a ajudaria a entrar no caminhão”, explicou.

Um pouco mais tarde, outro porco adulto correu para a floresta, e Friedman foi atrás dele. Depois, houve um momento ruim quando um porco feriu Friedman dentro do caminhão.

“Um dos porcos pulou porque estava com medo, mas não senti nenhuma dor. Meu corpo estava com adrenalina e não iria parar”, frisou.

No final do dia, a equipe conseguiu resgatar todos os oito porcos da propriedade e cinco cabras e entrar no caminhão. Agnes e seus quatro leitões – Pamela, Peter, Bradley e Mishka – foram acolhidos pelo Woodstock Farm Sanctuary, enquanto os outros animais foram para o Indraloka Animal Sanctuary e para a SPCA de Ulster.

Foto: Woodstock Farm Sanctuary

Friedman teve um papel fundamental no sucesso da missão de resgate, apontou Kathy Keefe, diretora do Woodstock Farm Sanctuary. Friedman ama todos os animais, mas sempre teve uma relação particular com os porcos. Por isso, não foi surpresa para Keefe que Friedman fosse uma das primeiras pessoas que conquistou a confiança de Agnes.

Hoje Agnes é uma porca diferente: saudável, feliz e muito calma. “Com o tempo, ela se tornou verdadeiramente amorosa. Ela ganhou provavelmente 100 libras [50 quilos] em alguns meses. É bela, seus olhos são brilhantes e ela está muito agradecida. Consigo ver isso em seus olhos”, disse Friedman.

Apesar de ter resgatado Agnes, seus bebês e os outros animais na propriedade de New Paltz, Friedman insiste que eles realmente fizeram mais por ele. No momento do resgate, o amado cachorro de Friedman, Buster, estava morrendo de câncer cerebral.

“Eu estava tão desanimado. Ia ao santuário cedo, e passava uma hora com eles e era a melhor coisa. Eles fazem tanto por mim e farei o máximo que puder para retribuir”, conclui.

​Read More
Notícias

Protetor vende a própria casa para abrigar animais resgatados

O protetor já resgatou tantos animais que já não tinha como viver em uma residência na região urbana da cidade. Então, ele decidiu vender sua casa e se mudou para um sítio onde pôde abrigar todos os seus animais.

Protetor cozinhando para alimentar os animais
Edimarcio cuida de mais de 30 animais abandonados (Foto: Reprodução / TV Cariri)

Como não possui qualquer auxílio de entidades governamentais, Edimarcio mantém os animais com doações de alimentos, muitas vezes já fora da validade.

Por conta da escassez de alimento, os animais só conseguem comer a cada 2 dias, não são vacinados e não têm qualquer acompanhamento veterinário. Como muitos animais são resgatados doentes ou maltratados, muitos acabam falecendo por conta da falta de remédios e tratamento.

Animais resgatados bebendo água
A maioria dos animais é resgatada após uma vida de abandono e maus-tratos (Foto: Reprodução / TV Cariri)

Mesmo sem condições de manter os animais, Edimarcio não deixa faltar duas coisas: um teto para morar e muito amor de toda a família.

“Mas eu tô fazendo milagres só pra eles se manterem vivos né? Fome eu não vou negar que eles passam. É tanta que estão magrinhos”, lamenta o protetor.

Cãozinho muito magro e debilitado
Protetor só consegue alimentar os animais a cada dois dias (Foto: Reprodução / TV Cariri)

Por isso, quem tiver interesse em ajudar Edimarcio a alimentar os animais resgatados das ruas, pode contatá-lo através do telefone (83) 99963-2758.

​Read More
Notícias

Luisa Mell encarna anjo protetor dos animais com roupa de 240 mil cristais

Foto: Manuela Scarpa/Brazil News

Embaixadora do enredo da Águia de Ouro, Luisa Mell se vestiu de anjo para abrilhantar o quarto carro da escola. A Águia fecha o primeiro dia de desfiles das escolas de samba do São Paulo na manhã deste sábado (25) com um enredo que exalta os animais.

“O enredo da Águia é sobre minha vida, sobre o que eu luto. Peço que olhem com mais compaixão para os animais. Que esse desfile seja histórico para o Carnaval e para o país”, disse Luisa.

Ativista e dona de uma ONG de proteção aos animais, Luisa escolheu uma fantasia composta por um body cravejado de 240 mil cristais swarowski.

Respeitando a norma da escola de não usar penas e plumas, Mell escolheu um par de asas feito de organza para compor a fantasia.

“Vim representando todos os protetores de animais, que fazem até sem ter dinheiro, só por compaixão mesmo. Ser rainha de bateria, como já fui, é uma coisa. Outra é ter a oportunidade de falar de uma causa em que acredito”, afirmou, visivelmente emocionada.

Fonte: Uol

​Read More
Notícias

Protetor usa motocicleta para alimentar mais de 100 cães e gatos abandonados em floresta

Redação ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais

Reprodução/Care2
Reprodução/Care2

Murat Şahin sobe em sua motocicleta empoeirada e prende a respiração enquanto vira a chave e aguarda o movimento da máquina.

Sua viagem é importante porque ele irá alimentar mais de 100 cães na floresta de Aydos, em Istambul, na Turquia. Dezenas de gatos que vivem pelas  paredes rochosas estão à sua espera também.

A missão de Murat é importante para ele e é, de fato, uma vocação espiritual. Ele dedica-se profundamente a servir os animais famintos como fica claro nas imagens.

O protetor leva alguns animais para o veterinário para esterilização, mas isso nem sempre é possível, pois alguns animais são selvagens. Ele também não tem recursos suficientes para fazer isso em larga escala por conta própria.

“Murat nunca pediu ajuda. Ele sempre usou seu próprio dinheiro e conseguiu comida de um restaurante e de uma cantina local. Mas este ano a situação mudou. As doações de alimentos diminuíram, sua velha moto foi roubada e esta era a única maneira de entregar comida aos cães da floresta”, explica a voluntária Anna Efe.

Reprodução/Care2
Reprodução/Care2

Embora ele tenha encontrado uma bicicleta de baixo custo para substituir a moto, ela frequentemente quebra. Na verdade, isso ocorreu imediatamente após a filmagem deste vídeo.

Por isso, a Fundação Harmony Fund, sediada nos EUA, se esforça para fazer uma surpresa para Murat, segundo o Care2.

O grupo tem tentado arrecadar dinheiro para comprar um carro confiável, que será usado para o trabalho de resgate de Murat e compartilhado com seus companheiros voluntários que devem atuar juntos como uma equipe de resgate autorizada na Turquia.

O carro terá várias vantagens sobre a motocicleta, incluindo carregar maiores quantidades de alimentos,  transportar animais para o veterinário e oferecer mais segurança durante condições climáticas adversas.

​Read More
Notícias

Protetor de animais faz campanha para promover adoção de cães adultos

Divulgação
Divulgação

No último domingo (20), o protetor de animais Renan Mazuchi, morador do Guarujá (SP), divulgou a campanha Cão adulto também ama, com o objetivo de incentivar a adoção de cães adultos e idosos que passam parte de sua vida em abrigos — e as vezes nem chegam a ter uma família.

O vídeo, que já teve aproximadamente 400 compartilhamentos em 12 horas de divulgação e mais de três mil visualizações, conta com depoimentos do protetor (que resgata animais vítimas de maus-tratos e abandonados) e de famílias que optaram por adotar um cão adulto ao invés de um filhote.

Ao divulgar o vídeo, Renan escreveu um depoimento no qual ressalta que “todos [cães] têm sua história muito triste e todos merecem um lar dos sonhos”.

Interessados em adotar algum cão do vídeo deve entrar em contato com o protetor pelo seu perfil pessoal do Facebook.

Fonte: BoqNews

​Read More
Destaques, Notícias

Alce visita diariamente protetor que salvou sua vida

Redação ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais

Foto: Erikas Plucas
Foto: Erikas Plucas

Erikas Plucas chegou a sua casa um dia e se deparou com uma visão inesperada: um bebê alce deitado sozinho em frente ao seu portão. A fêmea não poderia ter sido mais de duas  semanas de idade.

“A primeira visão dela foi dolorosa. Ela estava faminta, suja, triste, sua pele estava repleta de moscas e ela estava tão apavorada comigo quando me viu pela primeira vez, mas estava muito fraca para fugir, até mesmo se levantar”, disse Plucas, que vive na Lituânia.

Plucas imaginou que sua mãe provavelmente tinha sido baleada por caçadores e que ela fugiu em busca de alguém que pudesse ajudá-la. Ele levou rapidamente o alce magro e doente para dentro para descobrir o que podia fazer.

Depois de entrar em contato com os serviços de animais, Plucas chamou alguns de seus amigos para aconselhá-lo, mas todos disseram que ele deveria se afastar dessa situação.

Foto: Erikas Plucas
Foto: Erikas Plucas

“Fui recebido com hostilidade e desprezo. É ilegal, você não deve fazer isso, deixe a natureza cuidar disso’ foi tudo que eu ouvi”, contou.

Quando os agentes de serviços de animais chegaram no dia seguinte, infelizmente não havia muito o que pudessem fazer.

“Uma vez que aqui na Lituânia não temos uma instituição especial que cuide de animais órfãos selvagens, eles chamaram caçadores locais e perguntaram se eles podem levá-la. Eu sabia que isso significava uma morte certa para ela, então insisti que eu deveria manter o bebê e eles concordaram”, explicou Plucas, que nomeou o pequeno alce de Emma.

As primeiras semanas foram definitivamente um desafio. Emma tinha de ser alimentada a cada quatro horas e chorava toda vez que Plucas tentava entrar – muitas vezes ele dormia ao lado dela, às vezes fora e outras em seu celeiro para ela se sentir segura.

“Ela tinha medo de tudo menos de mim”, afirmou Plucas.

Foto: Erikas Plucas
Foto: Erikas Plucas

Quando Emma cresceu, Plucas começou a levá-la para passeios frequentes na floresta na esperança de reintroduzi-la na natureza. Ele tentou lhe ensinar o que era perigoso e o que era seguro e ajudou-a a encontrar alimento para que um dia pudesse fazer  isso sozinha.

No início, Emma estava apavorada de ir para a floresta, mas amava Plucas e o seguia em todos os lugares.

Quanto mais velha ela ficava, mais confortável se sentia ao entrar na floresta e logo ela começou a ir sozinha. Pouco tempo depois, finalmente havia chegado o momento de ela viver no novo ambiente em tempo integral e ela estava pronta.

“Lembro-me das primeiras noites em que ela não voltou para casa. Eu mal dormi, mas ela cresceu, tive que superar isso, afinal, era meu objetivo desde o início”, explicou Plucas.

Foto: Erikas Plucas
Foto: Erikas Plucas

Mesmo que Emma tenha crescido e viva na floresta agora, ela ainda volta para visitar seu salvador e passar algum tempo com ele todos os dias. Eles nadam juntos e ele lhe dá guloseimas e o alce mostra o quão grato é por ele ter salvado sua vida.

Emma nunca se aproximou realmente de nenhuma outra pessoa exceto seu cuidador e é evidente o quanto ela o ama.

“Para mim ela é gentil e amorosa”, disse Plucas. “Ela é muito cuidadosa quando estamos brincando, então ela não iria me machucar.”

Plucas ainda se preocupa que Emma possa ser vítima de alguns  caçadores na área, assim como sua mãe provavelmente foi. Por isso,  ele implorou a todos os caçadores que conseguiu encontrar para não machucá-la.

Foto: Erikas Plucas
Foto: Erikas Plucas

“Encontrei alguns caçadores para que eles deixassem de enxergá-la não como um bife agradável com batatas e legumes na mesa, mas como um animal muito inteligente e amoroso. Alguns afirmaram que deixarão os rifles de caça e alguns prometeram nunca mais atirar em um alce”, contou.

Emma está prosperando em sua nova casa na natureza. Ela sempre visita Plucas e logo ela pode ter ainda mais uma razão para vê-lo, pois Plucas acha que ela pode estar grávida.

“Eu sou seu mundo agora e ela é o  meu. Às vezes me pergunto se fui eu quem a salvou ou se foi o contrário?”, finalizou ele.

​Read More