Destaques, Notícias

Crise climática também gera ondas de calor nos oceanos e afeta animais marinhos

Tartaruga marinha no oceano | Foto: Reprodução Pixabay

Nos últimos 40 anos, as ondas de calor marinhas – períodos de temperaturas oceânicas extremamente altas em regiões específicas – tornaram-se mais frequentes e intensas, perturbando os ecossistemas oceânicos e matando a vida marinha.

Um novo estudo, publicado na revista Science, examinou áreas do Oceano Pacífico próximas à América do Norte, conhecidas como “blob”, que atingiram temperaturas mais de 5 graus Fahrenheit acima do normal. Situações como essa são pelo menos 20 vezes mais prováveis ​​graças às mudanças climáticas, descobriram os pesquisadores.

Cientistas da Universidade de Berna, na Suíça, lideraram o estudo que analisou medições de satélites das temperaturas da superfície do mar de 1981 a 2017, descobrindo que as ondas de calor marinhas se tornaram muito mais longas, mais quentes e mais frequentes que antes.

“Algumas delas [ondas de calor marinhas] nem poderiam ter ocorrido sem as mudanças climáticas”, explica Charlotte Laufkötter, cientista marinha da Universidade de Berna, na Suíça, e principal autora do estudo, em entrevista ao The New York Times.

Derretimento de geleiras ocasionado pela crise climática | Foto: Reprodução Pixabay

Segundo o estudo as ondas de calor marinhas têm consequências graves nos ecossistemas oceânicos. O aquecimento das águas pode prejudicar o plâncton, a base do sistema alimentar dos oceanos; aumentar a mortalidade entre aves marinhas, peixes e mamíferos marinhos; causar florescimento de algas prejudiciais; e levar ao branqueamento do coral.

Ondas de calor marinhas também deslocam espécies marinhas altamente móveis que agora precisam nadar para águas mais frias a milhares de quilômetros de distância, de acordo com um estudo recente. Esses eventos também afetam as economias pesqueiras locais.

Se as emissões de gases que alimentam o efeito estufa continuarem em níveis elevados, as ondas de calor marinhas se tornarão uma ocorrência regular. Uma nova onda de calor marinha semelhante à “blob” já surgiu, estendendo-se aproximadamente do Alasca à Califórnia.

Além disso, o estudo descobriu que as ondas de calor marinhas ocorreram apenas uma vez a cada centena de milhares de anos na era pré-industrial. Mas com as condições de aquecimento de 1,5 ° C – o padrão estabelecido pelo Acordo Climático de Paris – as ondas de calor ocorrerão uma vez a cada década ou século. Entretanto as condições de aquecimento de 3 ° C continuarem, as ondas de calor podem ocorrer uma vez por ano ou década.

“Metas climáticas ambiciosas são uma necessidade absoluta para reduzir o risco de ondas de calor marinhas sem precedentes”, disse Laufkötter. “Eles são a única maneira de prevenir a perda irreversível de alguns dos ecossistemas marinhos mais valiosos”.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More