Notícias

Conheça o mercado explorador das fazendas de crocodilos na Tailândia

A Tailândia é palco de estabelecimentos exploratórios de crocodilos, abrigando as maiores fazendas do mundo que abusam desses animais. Nesses locais, os turistas podem admirar os animais explorados como se fossem objetos do “entretenimento” humano vazio e sem compaixão.

Animais são explorados por fazendas e mortos para se tornarem produtos exportados
Crocodilos amontoados comendo cabeças de frango em fazenda na Tailândia (Foto: REUTERS/Athit Perawongmetha)

A maior das fazendas do país se chama “Fazenda de Crocodilo Sri Ayuthaya” que existe há 35 anos, maltratando cerca de 150 mil crocodilos no local. Este estabelecimento está registrado na Convenção do Comércio Internacional de Espécies da Fauna e da Flora em Risco (CITES), o que permite que ele exporte legalmente produtos feitos desses animais para diversos países, como a China, seu maior comprador.

Animais são vítimas das fazendas exploratórias
Funcionários de fazenda colocando crocodilos em sacolas (Foto: REUTERS/Athit Perawongmetha)

“Fazemos de tudo, desde criar crocodilos até abatê-los, tingir as peles e exportar produtos derivados do crocodilo”, diz Wichian Rueangnet, dono da fazenda.

Crocodilos são mortos para se tornarem bolsas e carteiras
Funcionária confeccionando carteira com pele de crocodilo em fazenda (Foto: REUTERS/Athit Perawongmetha)

Venda de produtos animais

O mercado vil e explorador é bastante rentável para seus administradores. Por exemplo, bolsas de couro de crocodilo são vendidas por até US$ 2,2 mil e casacos de couro do animal chegam a custar quase US$ 6 mil.

Já o quilo da carne do animal custa cerca de US$ 9. Ao matarem os animais, todas as partes dos seus corpos são aproveitadas. A bile e o sangue, por exemplo, são utilizados para fazer pílulas, pois algumas culturas acreditam que existam benefícios para a saúde.

Crocodilos são possuem nem espaço por conta da superpopulação nas fazendas
Crocodilos amontoados servindo de “atração” para turistas (Foto: REUTERS/Athit Perawongmetha)

​Read More
Sapatos de couro animal
Notícias

Empresa de vestuários e calçados anuncia política para acabar com uso de produtos animais

A VF Corporation, a empresa mãe das marcas de calçados e roupas The North Face, Timberland, Vans, Wrangler e Lee lançou sua primeira Política de Materiais Derivados de Animais.

Sapatos de couro animal
Foto: Reprodução/DIY Network

A nova política – desenvolvida com a ajuda de organizações de direitos animais Humane Society dos Estados Unidos (HSUS) e Humane Society Internacional (HSI) – proíbe o uso de pele, lã e materiais de couro “exótico” em todos os produtos das marcas, de acordo com a Veg News.

“Conforme continuamos promovendo o desenvolvimento de substitutos viáveis para os materiais animais, esta política ajudará a garantir que os materiais que usamos hoje sejam adquiridos de fontes que priorizem o bem-estar animal e práticas responsáveis de trabalho”, afirmou Letitia Webster, vice-presidente de Sustentabilidade Global da VF.

A vice-presidente da HSI, Kitty Block, diz que a nova política é um passo na direção certa.

“Elogiamos a VF por se empenhar em acabar com o uso de pele e outros produtos animais em seus produtos. Como uma líder na indústria global de vestuários, a política da VF transmite uma importante mensagem para as indústrias de que o sofrimento dos animais não tem lugar na moda”, observou Block.

Diversas grandes marcas – incluindo a Dutch, a companhia relacionada à Joie, a Equipment e a Current/Elliot – recentemente assumiram compromissos similares de parar de usar produtos animais.

​Read More
Notícias

Ator de Jogos Vorazes conscientiza as pessoas sobre o consumo de produtos animais

Redação ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais

Foto: Hollywood Reporter

O ator Woody Harrelson, bastante conhecido por suas atuações na série norte-americana Cheers e no filme Hunger Games (Jogos Vorazes), também é vegano e aprecia uma boa culinária.

Em uma entrevista recente concedida à revista People, Harrelson fala sobre como mantém seu estilo de vida nos sets de filmagem, segundo informações do Clearly Veg.

“Costumo ter um chef porque não sou apenas vegano, sou principalmente crudívoro.Por isso não é tão fácil. As pessoas dizem algo como, ‘Aqui estão alguns palitos de cenoura e um pouco de aipo, boa sorte! Então é melhor ter alguém cozinhando para você”, diz ele.

Liam Hemsworth, que trabalhou ao lado de Harrelson em The Hunger Games, diz que Harrelson o apresentou ao veganismo e o inspira.

Harrelson mencionou como lida com perguntas sobre seu estilo de vida. “Se as pessoas me perguntam sobre a laticínios faço uma pequena dissertação. Vou abordar o cerne da questão”, comenta.

Craig Johnson, diretor do mais recente filme de Harrelson, Wilson, descreve o ator como uma “criatura única e maravilhosa” que “vive sua verdade – crua, vegana e orgânica”.

​Read More
Notícias

Cão explorado em reality show agora é “usado” em propagandas

Depois de ser retirado de onde vivia, por seus próprios tutores, para “trabalhar” na televisão, no programa A Fazenda, Max, o cão da raça golden retriver, agora vem sendo explorado de outras maneiras.

“Contratado” por uma fabricante de rações que deu seu nome a um dos produtos, deixa Campinas, onde mora, e percorre o país fazendo propagandas com o adestrador.

Na manhã deste domingo, por exemplo, Max visitou a cidade de Sorocaba, interior de SP, para ser uma das “atrações” promovidas por uma loja especializada em produtos para animais de estimação que comemorava o primeiro ano de atividades na cidade.

De acordo com o adestrador, durante a primeira edição do reality show da TV Record, Max permanecia durante a semana com os participantes e, aos sábados, voltava para a residência do tutor.

Da segunda edição do programa, atualmente no ar, participa um outro cão da mesma raça e mesmo nome, sob responsabilidade da indústria. “Já estamos treinando, inclusive, o Max Junior, para A Fazenda 3. Depois da participação do Max, a comercialização de cães da raça golden retriver aumentou muito”, contou Wulf, adestrador responsável pelo animal.

Com Informações do Jornal Cruzeiro do Sul

Nota da Redação: A comercialização de qualquer animal só cria uma triste realidade – a propagação da mentalidade de que animais são objetos, o abandono de mais e mais bichos nas ruas, o tráfico e o consequente sofrimento de cada espécime. A persistência na raça de um cachorro, feita pela TV Record, e a exploração dos animais durante e após as gravações só traduzem a ambiciosa disputa por audiência que cria a corrida frenética pela aquisição de “cães iguais aos da televisão”.

​Read More