Notícias

Porca resgatada com ferimento grave na cabeça pode ter sido baleada no RJ

Lili foi encontrada com ferimento na cabeça repleto de larvas (Divulgação)

Uma porca foi resgatada na última sexta-feira (7) após ser encontrada gravemente ferida na cidade de São Gonçalo, no Rio de Janeiro. Imagens do animal foram divulgadas nas redes sociais e chegaram até o grupo de proteção animal “Direct Action EveryWhere DxE RJ”, que realizou o resgate e encaminhou a porca para a ONG Golias. A suspeita é que o animal tenha sido baleado.

O ativista vegano Marcus Paulo Mourão integrou a equipe de resgate. Fundador e presidente do DxE RJ, ele contou à ANDA que o grupo tem células em vários países. “Nós fazemos ações diretas em qualquer lugar e qualquer hora, levando a voz dos animais para o mundo. Além das ações diretas, fazemos ações de intervenção em supermercados, lojas e em qualquer lugar que exista exploração animal. Também realizamos resgates de animais que sofreram maus-tratos e em matadouros e aviários. Os animais são sempre levados para algum santuário, sítio ou fazenda de alguém que seja vegano e não os fará mal”, afirmou.

Após acompanhar pedidos de ajuda para a porca e notar que ninguém estava se mobilizando para salvá-la, Mourão decidiu agir. O resgate, no entanto, foi bastante complicado e demorado. Assustado e com dor, o animal fugiu e entrou em um local de difícil acesso, na região da Travessa Peixoto, no bairro Santa Catarina.

Pela manhã, a equipe de resgate tentou laçar a porca, que correu para um morro em meio ao mato. Segundo Mourão, o local é ingrime e repleto de espinhos, “difícil de caminhar”. “Tivemos muita dificuldade para pegá-la”, disse.

Diante da situação, o Corpo de Bombeiros foi acionado, mas não colaborou com o resgate. De acordo com o ativista, os militares estiveram no local, mas “não quiseram entrar no mato para procurar a porca e foram embora”.

A equipe de ativistas, no entanto, não desistiu. Mais pessoas chegaram, incluindo a médica veterinária Luciana Melo, e no período do tarde foi possível resgatar a porca, que, segundo Mourão, “aparecia e sumia no mato”. Por volta das 18h30, após ser encurralado em um local sem espaço para fuga, o animal foi resgatado. “Fui por trás dela e a veterinária, que foi pela frente, conseguiu laçar a porca e aplicar um sedativo nela, só assim conseguimos amarrá-la e colocá-la na kombi”, contou.

No final do dia, a porca chegou ao bairro de Sepetiba, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, onde a ONG Golias está localizada, e uma nova fase de sua vida se iniciou. Lili, como passou a ser chamada, recebeu os primeiros socorros imediatamente.

“Os veterinários da ONG aplicaram anestesia, fizeram a limpeza do ferimento na cabeça da porca, tiraram algumas larvas, deram soro, remédio”, disse Mourão, que atestou ter sido oferecido “todo o cuidado necessário para o bem-estar da porca”.

O tratamento oferecido à Lili foi confirmado pela presidente da ONG Golias, Greicy Taranto. Em entrevista à ANDA, ela explicou que a entidade conta com uma equipe de veterinários que prontamente atenderam a porca na noite de sexta-feira. “Temos um hospital veterinário à disposição com veterinários de grandes e pequenos animais, domésticos e silvestres”, contou.

Segundo ela, o animal chegou no abrigo da entidade em estado grave e corre risco de morte. No hospital, Lili fez exames e foi diagnosticada com anemia, infecção e peso abaixo do ideal. Em sua cabeça, os veterinários notaram uma “grande ferida cranial” com miíase – popularmente conhecida como bicheira, trata-se de uma condição que se caracteriza pela presença de larvas que comem o animal vivo.

Apesar de correr risco de morte, Lili responde bem ao tratamento (Divulgação)

Greicy explicou que a porca está respondendo bem ao tratamento, mas o processo é lento e difícil, não só pela complexidade, mas também por se tratar de um animal assustado, que provavelmente era explorado para consumo e que sofreu com a crueldade e o descaso da sociedade e, por isso, carrega traumas.

“Ela corre risco de morte sim, é um animal que não foi vacinado, do qual não temos um histórico completo, nem exames mais aprofundados ainda”, apontou a ativista, que soube do estado deplorável de Lili através da internet.

“Soube através das redes sociais, mas pelo que entendi ela já vagava há uns dias pela rua, sendo enxotada, escorraçada. Busquei informações e a maioria das pessoas dizia que ela já estava morta e mesmo assim eu continuei com as buscas até conseguir contato com uma pessoa que estava perto dela e disse que ela estava viva ainda, mas debilitada. Então comecei a falar com o Marcus, que se prontificou a trazê-la para nós”, explicou.

Greicy teve a confirmação de que a porca estava viva na quinta-feira (6), um dia antes dela chegar à sede da entidade. Segundo a presidente da ONG, o animal é medroso, “mas não é bravo como disseram”. O que Lili precisava, na verdade, era de uma chance de ser amada e respeitada, como está sendo agora.

Sobre o animal ter sido realmente baleado, a presidente da ONG explicou que isso pode, de fato, ter acontecido. Após moradores da região onde Lili estava relatarem ao ativista Marcus Paulo Mourão que a causa do ferimento teria sido um tiro, os veterinários confirmaram a possibilidade de Lili ter sido alvejada de raspão. “Não ficaram fragmentos da munição, mas acreditamos ter sido tiro de raspão sim, já que todos lá comentaram a mesma história”, explicou Greicy. “Mas também pode ter sido paulada”, completou.

Apesar de tanto sofrimento, cruzar o caminho de Lili tem sido uma experiência gratificante para Greicy. “Sempre buscamos acolher, reabilitar animais que, em geral, encontram-se em suas piores condições. Como somos um hospital veterinário de referência, são com esses casos difíceis de recuperar que mostramos o nosso trabalho. E mostramos também que não existe nada impossível quando se tem amor, recursos e bons profissionais, além de muita vontade de ajudar o próximo, seja humano ou animal”, afirmou a presidente da ONG. “Hoje podemos dizer que ela terá a chance de viver com dignidade pelo resto de sua vida”, acrescentou.

O sentimento de gratidão também está presente no ativista Marcus Paulo Mourão, que é vegano há 19 anos e atua no grupo DxE RJ há 4 anos. “Percebi que minha missão neste mundo é levar a voz dos animais para qualquer lugar e em qualquer situação, em nome da libertação de todos eles”, disse.

“Quando vou em matadouros procuro sempre os mais feridos e mais doentes para dar todo o meu amor, mesmo que eu não os resgate, mas pelo menos naquele momento que estou ali ele sabe que está sendo muito amado. Quando os resgato do matadouro, parece que rola uma conexão tão forte que eles me agradecem depois. Fico muito satisfeito, bastante feliz quando consigo completar um resgate”, concluiu.

No mesmo local em que a porca foi resgatada, um cavalo debilitado foi encontrado. O animal está magro, repleto de carrapatos, com um ferimento com larvas na orelha e uma bolsa de pus em uma das patas. Com dor, ele não apoia a pata no chão ao se movimentar. A suspeita é de que ela esteja quebrada. Para salvá-lo, Mourão iniciou uma campanha de arrecadação que visa obter fundos para pagar os custos do transporte do animal até o Santuário das Fadas. As doações podem ser feitas através das redes sociais do ativista e do santuário, além do Instagram do DxE RJ.

Lili precisa de sua ajuda

Para arcar com os custos do tratamento de Lili, que será longo, e manter os outros animais resgatados pela entidade, Greicy iniciou uma campanha de arrecadação de fundos. Atualmente, a ONG Golias mantém cerca de 150 animais, entre aves, porcos, cachorros, cavalos, gatos, cabras e animais silvestres.

ONG Golias mantém cerca de 150 animais resgatados de maus-tratos e abandono (Divulgação)

Além de depender de doações, o projeto social também se mantém através dos recursos obtidos com o hospital veterinário. Com profissionais que são referência no atendimento a animais domésticos e silvestres, o local não só cuida dos animais resgatados pela entidade, como presta atendimento particular a animais tutelados por moradores do Rio de Janeiro. Segundo Greicy, “são cobrados valores sociais”.

Atualmente, o hospital está localizado na avenida Santa Ursulina, 333, em Sepetiba, onde permanecerá até meados de novembro, quando a sede passará para outro número na mesma rua – após a mudança, o novo endereço será divulgado pela entidade. O abrigo dos animais resgatados também mudará de local, sendo levado para um sítio que está sendo reformado para recebê-los.

Antes e depois de cavalo resgatado pela ONG Golias (Divulgação)

Além disso, os recursos do hospital também são destinados a ações sociais voltadas aos humanos, sendo crianças, idosos e carroceiros locais. No caso das pessoas que exploram cavalos para puxar carroças, o “fundamento final” das ações, segundo Greicy, “são os cavalos”.

“Usamos algumas estratégias para atingir nosso objetivo principal, que é a qualidade de vida dos cavalos. Já que o governo não toma medidas para tentar melhorar a vida desses animais, nós estamos fazendo o que achamos melhor e mais seguro para nós, que é conscientizar, oferecer atendimento e realizar palestras com informações sobre manuseio e conhecimentos das leis de maus-tratos”, explicou.

No abrigo da entidade, animais que costumam ser mortos pela sociedade para consumo humano são tratados com amor e respeito (Divulgação)

Para manter o projeto voltado aos animais, a entidade realiza também um bazar e recebe doações de “produtos de limpeza e alimentos para os animais em geral”. O bazar é realizado na Rua José Fernandes, 31, de terça a sábado, das 9h às 17h.

Interessados em colaborar, doando produtos ou qualquer quantia em dinheiro, devem entrar em contato com a entidade para buscar mais informações e ter acesso às contas bancárias da associação, que tem os perfis “ONG Golias” e “Hospital Golias de Veterinária Social” no Facebook e no Instagram, e também pode ser contactada pelos telefones (21) 99284-4878 e (21) 4111-5592.

Tiossss, sou eu Lili 🐷.
To passando aqui para que vcs não esqueçam das minhas ajudinhas ,
Eu preciso dar continuidade no…

Publicado por ONG Golias em Segunda-feira, 10 de agosto de 2020


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


​Read More
Notícias

Porquinha com um dia de vida é encontrada em estrada após tempestade

Suspeita-se que ela tenha sido levada até o local pela força do vento


Hayley Hyam

Uma porquinha com apenas um dia de vida pode ter sido levada pelo vento durante a tempestade Ciara, que acometeu a Europa nos últimos dias – é o que suspeita a equipe da clínica veterinária para onde ela foi levada. Encontrada em uma estrada rural, perto da aldeia de Ringland, em Norfolk, condado da Inglaterra, a porquinha pesa apenas 1,5 kg.

Após ser resgatada, ela foi levada ao Taverham Vets, clínica veterinária na mesma região. A porquinha foi batizada de Priscilla, atendida e vestida com uma roupinha verde. Com sinais de hipotermia (temperatura corporal reduzida) e baixo nível de açúcar no sangue, ela parecia inconsciente quando chegou ao local.

A enfermeira veterinária Hayley Hyam (32), disse ao site Daily Mail (12), que “ela poderia ter morrido se a tivessem deixado lá”. De acordo com a enfermeira, o procedimento adotado foi o de aquecê-la gradualmente. Quando Priscilla começou a se sentir melhor, ela foi alimentada.

Diante da suspeita de que ela tenha sido levada pelo vento, os veterinários entraram em contato com uma fazenda próxima ao local em que a porquinha foi encontrada, mas os proprietários informaram que não há porcos nessa idade morando na fazenda. Até o momento, ninguém procurou por ela.

A tempestade Ciana levou caos ao país. Ao passar pela Ilha de Wight, as rajadas de vento chegaram a 97 milhas terrestres por hora (mph). O tráfego de grande parte do país foi interrompido, vários locais foram inundados e edifícios ficaram danificados. Talvez, até porcos tenham voado durante a tempestade, se isso foi mesmo o que aconteceu com Priscilla. Quando ela foi encontrada, as rajadas de vento passavam pela região a 34 mph.

A organização de ajuda animal, Royal Society for the Prevention of Cruelty to Animals (RSPCA) está investigando o caso, mas ainda não tem pistas sobre o que aconteceu. No entanto, o conselho é que os tutores mantenham os animais de pequeno porte dentro de casa durante episódios de ventania. Em casos de risco de inundações, a recomendação é que levem os animais para o andar de cima, se possível. Aos tutores de cães, a orientação da porta-voz da RSPCA, Rachel Butler, é que as caminhadas sejam mais curtas, para evitar enfrentar mudanças repentinas de tempo.

Quando estiver totalmente recuperada, Priscilla será transferida para uma fazenda que pertence a um dos veterinários. Pelo curto período de tempo em que está na clínica, a porquinha já conquistou todos os colaboradores, especialmente Hyam. A enfermeira afirma que “todos sentirão muita falta quando ela se for”.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Porca tratada como objeto em rifa é salva e procura novo lar em SC

Peppa, como passou a ser chamada, está vivendo em um lar temporário enquanto aguarda pela adoção definitiva


Tratada como um objeto, uma porca foi rifada em Palhoça (SC). O destino dela mudou, no entanto, quando ela foi salva pela ganhadora da rifa. Peppa, como passou a ser chamada, agora espera por um novo lar.

Foto: Arquivo Pessoal

A porca foi rifada por uma família de agricultores para ajudar a pagar a festa de aniversário da filha. O animal seria morto para que sua carne fosse consumida durante as comemorações de Réveillon. As informações são do portal NSC Total.

Ao comprar um número da rifa, farmacêutica Cris Trautmann prometeu que salvaria a vida da porca se ganhasse. “Quando cheguei em casa, combinei com meu marido que, caso ganhasse, a porquinha não iria virar comida”, disse.

No dia 28 de dezembro, saiu o resultado. Cris havia ganhado a rifa e cumpriu a promessa que fez, pedindo aos agricultores que não matassem Peppa. Como mora em um apartamento, a farmacêutica não pode abrigar o animal e, por isso, busca um lar para ela.

Num primeiro momento, a porca ficou no sítio dos agricultores. No entanto, eles informaram que não poderiam ficar com ela por tempo indeterminado porque vivem de agricultura familiar e não têm condições financeiras para sustentar o animal.

No último sábado (4), Cris conseguiu lar temporário para a porca em uma propriedade rural na cidade de Alfredo Wagner. A procura por um adotante, porém, continua. E alguns interessados surgiram, inclusive dois santuários localizados em São Paulo. Cris, no entanto, não tem dinheiro para pagar o transporte, que é caro.

“Se chegou a nós, temos uma missão. Não posso salvar todos, mas se fui sorteada, e o prêmio era esse, tenho um dever com ela e quero dar uma vida digna”, concluiu Cris.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


​Read More
Jornalismo cultural, Notícias

Poppy, a porquinha que evitou a própria morte saltando do caminhão

Mesmo com uma perna quebrada pelo impacto da queda, Poppy conseguiu evitar a morte


Não são poucas as histórias registradas em 2019 de animais que, de alguma forma, escaparam do matadouro e conquistaram a oportunidade de não serem reduzidos a alimentos e outros produtos.

Foto: Oliver and Friends Farm Sanctuary

Um exemplo é a porquinha Poppy, que saltou de um caminhão em movimento a caminho do matadouro em uma rodovia no sul da Califórnia (EUA). Ela escalou a carroceria subindo sobre outros animais.

Mesmo com uma perna quebrada pelo impacto da queda, Poppy conseguiu evitar a morte. “Foi a melhor coisa que já aconteceu com ela”, informa o santuário e abrigo de animais Oliver and Friends, onde Poppy vive hoje em Luther, Oklahoma.

O resgate da porquinha após o acidente foi feito pela filial do Farm Sanctuary, na Califórnia. Após a recuperação e a castração, ela foi enviada ao seu novo lar em Oklahoma. “Ela passou por muitas coisas, mas essa era a sua passagem para a liberdade”, diz Jennie Hays, do Oliver and Friends.

Jennie não tem dúvida nenhuma de que se Poppy não tivesse se arriscado, ela teria ido parar em algum açougue e depois na barriga de alguém. Também acrescenta que os porcos são muito inteligentes, e mais do que os cães. “Eles têm uma capacidade incrível de criar memórias. E esse é um enorme sinal de inteligência.”

Pesquisadores do Instituto de Pesquisas Messerli, vinculado à Universidade de Viena, na Áustria, provaram em 2018 que os porcos são mais inteligentes do que pensamos. Segundo o estudo “Pigs (Sus scrofa domesticus) categorize pictures of human heads”, os suínos não são apenas curiosos e têm boa capacidade de aprendizado, mas possuem uma boa memória de longo prazo. Também conseguem enganar deliberadamente outros porcos e podem antecipar necessidades e intenções.

Ainda assim, no mundo todo, cerca de 23 milhões de porcos são mortos por semana, segundo a organização Animal Ethics, do Reino Unido. China, União Europeia e Estados Unidos respondem por mais da metade da morte de suínos. Em seguida, vem o Brasil, que é o 4º país que mais mata suínos no mundo, de acordo com a Associação Brasileira de Proteína Animal.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


​Read More
Notícias

Atriz Rooney Mara fica chocada ao participar de investigação secreta em fazendas de criação de animais

Foto: Animal Equality
Foto: Animal Equality

Rooney Mara falou sobre as condições “terríveis” e “devastadoras” dentro das fazendas de animais britânicas depois de ingressar em uma organização de direitos animais e tomar parte em uma investigação secreta.

A atriz de 34 anos visitou várias fazendas na Inglaterra durante o verão com a ONG Animal Equality, uma organização dedicada à proteção de animais de criação.

Nas filmagens de sua visita, ela conta como as condições nas fazendas são “mais terríveis do que você pode imaginar” enquanto caminha pelas instalações na calada da noite.

A investigação fez um vídeo e tirou fotos dentro de uma fazenda com mais de 3 mil porcos confinados e outra fazenda com cerca de 50 mil galinhas amontoadas.

Segundo os próprios registros da fazenda, 1.936 aves morreram nas primeiras sete semanas de vida, com média de 42 aves mortas por dia.

Falando de sua visita, Mara disse: “Nada te prepara para olhar nos olhos de uma mãe porco cuja vida se resume a ser fecundada e deixada em uma gaiola até que seja morta”.

Foto: Animal Equality
Foto: Animal Equality

“Fiquei pensando na minha irmã que tinha acabado de ter um bebê e em como é lindo o desejo instantâneo de nutrir e proteger seu filho”.

“Não consigo imaginar como deve ser horrível ficar literalmente preso e esmagar seus próprios bebês e não poder fazer nada a respeito”.

Ela disse que se inspirou a se disfarçar depois de assistir a um vídeo filmado em uma fazenda de porcos, lembrando que estava “arrasada” com as filmagens.

“Mesmo que eu tenha visto muitas dessas imagens, eu realmente queria ver por mim mesma”, acrescentou. “Espero que eu possa fazer algo que possa impactar outras pessoas que também querem mudar de ideia ao comer animais”.

Foto: Animal Equality
Foto: Animal Equality

A investigação, chamada “With My Own Eyes”(Com Meus Próprios Olhos), descobriu galinhas criadas para crescer de forma anormal. Esta anomalia faz com que suas pernas e órgãos não possam funcionar normalmente, causando ataques cardíacos, falência de órgãos e dolorosas deformidades nas pernas.

O grupo de defesa direitos animais também revelou ter encontrado galinhas feridas e incapazes de se mover, resultando em morte por fome e sede.

Porcas eram mantidas confinadas em pequenas caixas, incapazes de se virar ou amamentar adequadamente seus filhotes, muitas vezes esmagando seus leitões recém-nascidos devido à falta de espaço e incapacidade de se mover.

Foto: Animal Equality
Foto: Animal Equality

Em outros lugares, a entidade revelou ter encontrado dezenas de leitões fracos e moribundos que não recebiam qualquer atenção veterinária e porcos com feridas graves não tratadas.

Sharon Núñez, presidente da Animal Equality, disse ao Daily Mail em 06 de dezembro: “Os investigadores disfarçados da Animal Equality correm um grande risco pessoal ao expor o que a indústria da carne não quer que você veja, e o que o público tem todo o direito de saber”.

Foto: Animal Equality
Foto: Animal Equality

“Somos profundamente gratos a Rooney Mara por olhar bravamente nos olhos desses animais e por se unir a nós em nossa promessa de que os gritos desses animais sejam compartilhados com quem quiser ouvir. A coragem dela é realmente inspiradora”, disse Núñez.

Animal Equality é uma organização internacional que trabalha com a sociedade, governos e empresas para acabar com a crueldade com animais de criação. A ONG possui escritórios nos Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, Itália, Espanha, México, Brasil e Índia.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Porquinha resgatada estava grávida e aumenta sua nova família em oito lindos bebês

Kahlua | Foto: Bentley's Barnyard
Kahlua | Foto: Bentley’s Barnyard

Kaley Zappini ama animais desde que se lembra – e finalmente conseguiu pôr esse amor ao longo da vida em ação.

Três anos atrás, ela e o marido compraram uma propriedade no norte da Flórida. “Eu estava no céu com meus cavalos no quintal. Depois comecei a pesquisar”, disse ela ao The Dodo. Zappini descobriu sobre “compartimentos de morte”, lugares onde cavalos, burros e outros animais de fazenda indesejados são leiloados para serem mortos.

Ela também aprendeu sobre o problema com os “mini” porcos – porcos vendidos como bichinhos de estimação que acabam desabrigados quando crescem e seus tutores percebem que são porcos comuns.

Foto: Bentley's Barnyard
Foto: Bentley’s Barnyard

Então Zappini decidiu começar o Santuário e Resgate de Animais dos Bentley, um lar para animais que precisam desesperadamente de amor e segurança. Cerca de um ano administrando o santuário, ela se deparou com a história de Kahlua, uma porca criada por um criador de quintal que percebeu que não a queria mais e colocou um anúncio no Craigslist.

“Eu a encontrei no Craigslist anunciada como um bom porco para churrasco”, disse Zappini. “Claro, vendo seu rostinho eu tive que ajudá-la”

O homem disse a Zappini que Kahlua era pequena demais para ser sua porca reprodutora e por isso estava vendendo-a. “Eu fui buscá-la no dia seguinte para que ela não se tornasse a próxima refeição de alguém!” ela disse. Mal sabia Zappini o que ela acabara de fazer.

Foto: Bentley's Barnyard
Foto: Bentley’s Barnyard

Depois de algumas semanas no santuário, no dia 1º de março, Zappini foi checar Kahlua – e ficou chocada com o que encontrou.

Oito minúsculos leitõezinhos estavam mamando em Kahlua. O ato de bondade de Zappini salvou não apenas uma, mas nove vidas.

“Saí para encontrar uma surpresa inesquecível”, disse Zappini. “Eles são todos saudáveis e felizes!”

Era quase como se Kahlua se assegurasse de que estivesse a salvo antes de dar à luz.

Kaley Zappini | Foto: Bentley's Barnyard
Kaley Zappini | Foto: Bentley’s Barnyard

“Ela estava muito nervosa na primeira semana, mas finalmente percebeu que eu não era uma pessoa má – na verdade, eu era a moça que levava saladas de frutas pra ela todas as manhãs”, disse Zappini. “Ela absolutamente ama ter sua barriga coçada!”

Toda a família ficará junto, crescendo na segurança do santuário.

E Zappini não é o única que está imensamente feliz em tê-los lá. O primeiro porco de resgate do santuário, Blue, ficou tão feliz quanto Zappini quando Kahlua veio morar no santuário – e agora que ela tem bebês, ele está transbordando de felicidade.

Foto: Bentley's Barnyard
Foto: Bentley’s Barnyard

“Blue estava muito animado por ter outro da sua espécie e eles se tornaram inseparáveis desde então!” Zappini disse. “Blue é um pai excelente bom para esses bebês.”

Blue foi salvo por Zappini depois que seu tutor, que o comprou como mini porco, percebeu que ele continuava crescendo, então o porquinho acabou em um abrigo local.

“Ele ama os bebês”, disse Zappini. “Ele os trata como seus filhos e ajuda a mantê-los perto da mãe. Ele até fica ao lado de seu pequeno ninho com sua família.”

Foto: Bentley's Barnyard
Foto: Bentley’s Barnyard

Com cerca de uma semana agora, os leitõezinhos tiveram seu primeiro gosto de um passatempo favorito de porcos: brincar na lama.

Eles estão aprendendo rapidamente a ser tão fofos quanto possível – e, felizmente, como a mãe deles foi salva antes de nascerem, eles podem crescer sem se importar com o mundo.

Kahlua, Blue e os bebês no santuário | Foto: Bentley's Barnyard
Kahlua, Blue e os bebês no santuário | Foto: Bentley’s Barnyard

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Empresa de tecnologia desenvolve linguiça a partir de células de porco cultivadas em laboratório

Salsichas feitas a partir de células de porco cultivadas em laboratório | Foto: New Age Meats
Salsichas feitas a partir de células de porco cultivadas em laboratório | Foto: New Age Meats

Empresa de tecnologia de alimentos New Age Meats desenvolve salsichas partir das células de um porco chamado Jessie.

Ao contrário de milhões de porcos que são mortos na indústria da carne a cada ano, Jessie – nomeada no site da New Age como Chief Sausage Officer – não é machucada ou prejudicada no processo de fazer as salsichas.

Os cientistas extraíram e depois multiplicaram as células de seu corpo. Estas células foram induzidas em músculo e gordura. O resultado final é um produto que parece, tem o mesmo sabor e textura que uma tradicional linguiça de porco, mas é livre de morte ou crueldade.

De acordo com o site This Is Money, a New Age Meats é a primeira empresa de carne limpa (termo usado para produção de carne que não envolve morte ou crueldade) a desenvolver linguiça.

Foto: StoryBlocks
Foto: StoryBlocks

A Agronomics – uma empresa de investimento em carnes limpas, presidida pelo fundador da Innocent Drinks, Richard Reed – investiu na empresa, avaliando-a em 10 milhões de dólares.

“A carne cultivada aborda simultaneamente três grandes questões: a saúde humana, o meio ambiente e o bem-estar animal”, disse o fundador da New Age, Brian Spears, em um comunicado, de acordo com o This Is Money. “Este é o primeiro pequeno passo que estamos dando para reverter a mudança climática, parar de criar animais em uma vida que não vale a pena viver e ajudar os seres humanos a se tornarem mais saudáveis”.

Espera-se que as linguiças da New Age Meats estejam comercialmente disponíveis até 2021. Mas elas já foram testadas com sucesso, com jornalistas e colegas cientistas concluindo que as linguiças à base das células de Jessie têm o mesmo sabor da carne tradicional.

O site da New Age Meats diz: “Cerca de 7,4 bilhões de humanos vivem na Terra. Nós mantemos cerca de 40 bilhões de animais para alimentação. Alguns deles vivem vidas felizes, mas a grande maioria não. Nossas primeiras linguiças de porco foram feitas a partir de algumas células de uma porca chamada Jessie. No futuro, não precisaremos de células ou carne de animais, permitindo que eles vivam suas próprias vidas, livres na natureza”.

A ascensão da carne limpa

A indústria de carne limpa está se expandindo, mais e mais empresas estão investindo no desenvolvimento do cultivo de carne animal sem matar ou ferir nenhum animal.

A Agronomics espera construir um portfólio de dez a 15 empresas de carne limpas A New Age é seu segundo investimento, o primeiro foi a BlueNalu, uma empresa de carnes limpas especializada em frutos do mar.

A BlueNalu espera atender este ano peixes silvestres e mahi-mahi cultivados em laboratório, e espera ser a primeira empresa a lançar produtos de frutos do mar limpos em escala industrial. Lagosta, caranguejo, peixe-relógio e robalo chileno são os próximos na agenda da empresa.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Porcas são forçadas a dar à luz em gaiolas minúsculas

Por Rafaela Damasceno

A Compassion in World Farming, instituição de caridade de bem-estar animal, apurou e investigou a realidade de milhares de porcas ao redor do Reino Unido. As fêmeas são confinadas em gaiolas de parto, onde são forçadas a parir e criar seus filhotes.

Porcas em gaiolas pequenas, em um lugar escuro e fechado
Foto: Compassion in World Farming

De acordo com a instituição, mais da metade das porcas do Reino Unido (mais de 250 mil) estão presas nessas gaiolas estreitas, onde não possuem espaço suficiente para fazer movimentos básicos, como andar ou se virar. Também são incapazes de construir ninhos para seus filhotes ou procurar alimento.

“Nossa investigação revela a miséria causada pelo aprisionamento dos animais nas fazendas”, explicou a gerente de campanhas da Compassion in World Farming, Natasha Smith. “Essa é a realidade de milhares de inteligentes e sensíveis mamães porcas”.

Ela ainda fala sobre o orgulho que a Grã-Bretanha sente de seus altos padrões de bem-estar animal, que contrastam com as condições terríveis em que muitos porcos nascem. “É simples ver que esse tratamento é errado. Então por que essas gaiolas não são ilegais?”, indagou.

Deborah Meaden, que relatou a investigação, afirmou que é péssimo para os animais estarem sendo criados em ambientes tão antiquados e bárbaros. “É hora de parar essa crueldade. É hora de parar a Era da Gaiola”, concluiu.

Nota da Redação: Assim como seres humanos, porcos são animais sencientes que formam laços profundos e complexos com outros membros de sua espécie. Condenar um animal a uma vida de exploração e tortura apenas para a satisfação humana é egoísta, fútil e cruel. Eles merecem muito mais do que viver uma vida em cativeiro.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Morre a porquinha que inspirou Miley Cyrus a se tornar vegana

Foto: Instagram/Miley Cyrus
Foto: Instagram/Miley Cyrus

A porquinha doméstica de Miley Cyrus faleceu. A cantora e compositora vegana homenageou Pig Pig, anteriormente conhecida como Bubba Sue, em suas redes sociais.

“É muito triste dizer … minha querida amiga Pig Pig faleceu”, escreveu Cyrus em seu stories no Instagram. “Eu sentirei falta de você para sempre. Obrigado por tantas risadas e bons momentos menina”.

Cyrus adotou a porquinha em 2014, na época ela revelou em um post no Instagram que estava dando boas vindas ao “mais novo membro da família”.

A porca foi nomeado Bubba Sue, mas foi renomeado mais tarde naquele mesmo ano de “Pig” ou “Pig Pig” (ela respondia a ambos, de acordo com Cyrus, mas não a “Pig Pig Pig”). A cantora disse que a própria porquinha foi quem “legalmente mudou seu nome”.

A adição à família fez Cyrus a “mamãe mais feliz de todas”, de acordo com seu Instagram. Pig Pig acompanhou a artista em seu jato particular, apareceu na capa de revistas com Cyrus, e até impediu a cantora de sair em turnê.

Cyrus disse a Howard Stern em 2017: “Literalmente, a única razão pela qual eu não estou em turnê é por causa desses porcos. Isso mostra o quanto eu amo esses animais”.

Pig Pig morou na casa de Cyrus até que a porca ficou grande demais e a casa se tornou pequena para ela. Pig Pig foi então levada para um grande recinto ao ar livre, em parte para mantê-la mais confortável e em parte porque os cães de Cyrus estavam “ficando um pouco aterrorizados” com o animal.

No ano passado, Cyrus tinha 16 animais vivendo com ela, incluindo vários cães resgatados, um dos quais, era um beagle que foi resgatado de um laboratório de testes em animais.

O amor de Cyrus pelos animais foi o que motivou sua alimentação à base de vegetais, que ela adotou no mesmo ano em que Pig Pig entrou em sua vida. Quando ela parou de comer carne anos atrás, a cantora comentou no Instagram que as pessoas não precisam comer “animais mortos” e acrescentou que “tudo o que entra no meu corpo está vivo”.

Ano passado Cyrus recebeu o prêmio “Celebrity Advocate Award” (Prêmio de Celebridade Ativista, na tradução livre) no Animal Rights National Conference (Conferência Nacional dos Direitos Animais) por ter “uma voz forte em defesa dos animais”.

Os organizadores da conferência disseram que a estrela “não apenas fala em defesa dos animais, mas também promove o estilo de vida vegano”.

Celebridades veganas e porcos

A cantora e compositora vegana Ariana Grande também tem uma porca doméstica em sua vida (assim como vários cães resgatados). A porquinha se chama Piggy Smallz e apareceu no clipe da música de Grande, “Breathin”. Piggy Smallz tem seu próprio Instagram, onde ela acumula quase 600 mil seguidores.

Grande disse aos fãs que Piggy Smallz é sua “porca de apoio emocional”. No começo deste ano, a cantora deu uma festa para celebrar seu álbum “Thank u, next”. Piggy Smallz estava presente ao lado de alguns petiscos de bacon vegano.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Porquinha resgatada ganha seu primeiro cobertor e não se separa mais dele

Foto: Happy Tails Farm Sanctuary
Foto: Happy Tails Farm Sanctuary

Anna, uma porquinha de 11 anos – havia sido comprada como animal doméstico por uma família quando era bebê e depois deixada para trás quando a mesma família se mudou – ela foi encontrada em uma propriedade abandonada em Ontário, Canadá, em um estado lastimável.

“As pessoas com quem ela vivia colocaram a casa em um leilão online”, disse Carla Reilly Moore, fundadora do Santuário de Fazendas Happy Tails em Kingston, Ontário, ao The Dodo. “Eles não levaram Anna e não disseram a ninguém que havia um animal na propriedade. Quando o novo dono foi para a propriedade, mais de duas semanas já haviam se passado”.

Foto: Happy Tails Farm Sanctuary
Foto: Happy Tails Farm Sanctuary

Por mais de duas semanas, a porquinha já negligenciada ficou sem comida ou água até que funcionários de uma empresa de sucata, enviada para limpar a propriedade, encontraram Anna encolhida e assustada em um galpão abandonado.

“Eles entraram em contato com o ONG de resgate OSPCA, mas eles não vieram por mais de três dias”, disse Moore. “Enquanto isso, o funcionário da empresa de sucata e sua namorada deram comida e água a Anna. A OSPCA disse que, se eles não tivessem feito isso, Anna teria morrido na primeira noite, de tão próxima da morte que a porquinha estava”.

Foto: Happy Tails Farm Sanctuary
Foto: Happy Tails Farm Sanctuary

Quando Anna chegou ao santuário, ela ainda estava com medo e com dor. Os cascos das patas da porquinha estavam tão crescidos que ela não conseguia ficar de pé sem gritar. Era difícil imaginar que ela alguma vez deixaria alguém se aproximar dela novamente.

Mas Anna surpreendeu a todos. Desde que foi acolhida pelo santuário recebeu amor e conforto, Anna melhorou, física e emocionalmente.

Foto: Happy Tails Farm Sanctuary
Foto: Happy Tails Farm Sanctuary

“Acontece que Anna adora ser mimada”, disse Moore. “Eu sento com ela pelo menos duas vezes por dia e falo com ela e canto para ela. Ela realmente gosta da música ‘You Are My Sunshine!'”

A porquinha também está inspirando os outros. “Anna tocou a vida de tantas pessoas, e uma dessas pessoas é Jeni”, disse Moore. Jeni vinha acompanhando o progresso de Anna e estava tão inspirada pela resistência da porca que decidiu fazer algo especial e exclusivo para ela.

“Ela tricotou um cobertor feito à mão. Enrolou-o e colocou uma bela nota dizendo que era do Papai Noel”, disse Moore. “Anna adorou o presente! Ela adora se aconchegar sob seu cobertor em seu cantinho, sob seu novíssimo aquecedor radiante, e que cantem e acariciem ela”.

Foto: Happy Tails Farm Sanctuary
Foto: Happy Tails Farm Sanctuary

Anna também está se abrindo para outros porcos no santuário. “Ontem à noite, quando fui ver as duas outras porquinhas mais velhas, elas estavam em sua barraca com ela”, disse Moore. “Ela está começando a fazer amigos e já fica mais confortável saindo para a área principal do celeiro.”

Mas há algo um pouco agridoce sobre todo esse progresso positivo. “Ver ela gostar do amor que está recebendo é uma faca de dois gumes. É difícil imaginar o que ela deve ter sentido ao ser negligenciada por 11 anos sem amor”, acrescentou Moore.

Foto: Happy Tails Farm Sanctuary
Foto: Happy Tails Farm Sanctuary

Ainda assim, Anna parece feliz em olhar para frente, em vez de para trás.

“Agora ela grunhe alegremente quando me viu”, disse Moore. “Depois da refeição ela se acostumou a se aconchegar ao meu lado enquanto eu a esfrego e coço atrás das orelhas dela e canto para ela. Ela é um verdadeiro testemunho de resiliência, e todo dia me mostra que não importa o quão difícil as coisas possam ser, tudo pode ser superado com um pouco de tempo e amor”.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Porquinho se despede da companheira que morreu forma mais comovente

Sientje e Spot ainda jovens | Foto: Rachel Vos
Sientje e Spot ainda jovens | Foto: Rachel Vos

Spot tinha apenas 8 meses de idade quando chegou em sua nova casa e conheceu o pequena porca Sientje. O porquinho era apenas um bebê – mas ele já havia encontrado sua alma gêmea.

Resgatado de uma família que o comprou como um animal doméstico por um capricho, o porquinho no início era assustado e arredio. Sua nova mãe, Rachel Vos de Aubel, que vive na Bélgica, viu a conexão entre os dois porquinhos imediatamente. O pequeno encontrou na outra porca o conforto e o apoio que tanto precisava.

Sientje e Spot comendo juntos | Foto: Rachel Vos
Sientje e Spot comendo juntos | Foto: Rachel Vos

Nos 13 anos seguintes, os porcos raramente saiam do lado um do outro. Quer pastando no campo ou deitados ao sol, onde quer que Sientje fosse, Spot seguia logo atrás da amiga e companheira.

E sua devoção permaneceu até o dia em que Sientje faleceu. Ela sofria de osteoartrite grave e a doença progrediu tanto que a porquinha precisou passar por morte induzida.

A decisão foi extremamente emocional – saber quanta dor Sientje estava sentindo, e que Spot logo estaria passando por muita dor também, quando se visse sem sua alma gêmea.

Spot e Sientje descansando juntos | Foto: Rachel Vos
Spot e Sientje descansando juntos | Foto: Rachel Vos

O dia finalmente chegou em outubro do ano passado. Depois que a família se despediu, Rachel envolveu Sientje em alguns cobertores e espalhou flores coloridas ao redor de seu corpo.

Quando Spot percebeu que ela tinha ido embora para sempre, ele não saia do lado dela.

Ele apenas ficou em cima de Sientje, descansando seu focinho em seu corpo e fechando os olhos como se sentisse a despedida. O porquinho começou a andar de um lado para o outro e acariciar o rosto da amiga falecida.

Spot e Sientje no quintal | Foto: Rachel Vos
Spot e Sientje no quintal | Foto: Rachel Vos

“No começo, ele não entendeu o que estava acontecendo”, disse Rachel. “Eu não conseguia parar de chorar. Eles estavam sempre juntos.

Nas semanas após a morte de Sientje, Spot ainda estava de luto.

“Quando ela não estava mais lá, demorou um pouco até que ele voltasse a ser o velho porquinho alegre de sempre”, disse a tutora. “Foi notavelmente difícil para ele.”

Spot se despedindo de sua amiga | Foto: Rachel Vos
Spot se despedindo de sua amiga | Foto: Rachel Vos

Esta é uma história muito comum entre os porcos. Sendo animais altamente emocionais, eles prosperam em interações sociais com outros – e formam laços profundos com a família, amigos e cuidadores humanos. E, como mostrado no caso de Spot, eles vão sentir falta de seus entes queridos por semanas e meses, se separados.

Spot em casa com dos cães da família | Foto: Rachel Vos
Spot em casa com dos cães da família | Foto: Rachel Vos

Devido à velhice de Spot e algumas condições médicas próprias, Rachel decidiu não introduzir um novo porco em sua vida agora – mas ele ainda ama ter a companhia dos cães e gatos da família.

Spot e sua mamãe Rachel | Foto: Rachel Vos
Spot e sua mamãe Rachel | Foto: Rachel Vos

“Ele esta muito idoso e frágil, por isso não queremos acrescentar nenhum estresse extra”, disse Rachel. “Os gatos vão direto para a cama dele e dormem lá em cima com o porquinho. Eles são certamente companheiros diferentes, mas ele está indo muito bem com a companhia dos novos amigos felinos”.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Porquinha resgatada pede carinhos na barriga da forma mais doce

Foto: Catskill Animal Sanctuary
Foto: Catskill Animal Sanctuary

Inúmeros vídeo tem mostrado porcos que, com seu temperamento doce, desafiam todos os estereótipos imerecidos que as pessoas tendem a ter sobre eles. Como sujos ou burros. Além de muito inteligentes (cientificamente mais que os cães, inclusive), os porquinhos adoram tomar banho e são muito limpos.

Qualquer um que se desejar levará apenas um momento para aprender de verdade como são os porcos, quando estão em um ambiente seguro e amoroso, verá que animais doces eles podem ser e quão errados são os equívocos divulgados sobre eles.

Basta olhar para a Irmã Mary Frances, a porquinha resgatada do vídeo, para perceber como esses animais são expressivos, carinhosos e dóceis, mas além de tudo isso Mary ganha de muitos animais quando se trata da quantidade de carinhos e “coçadas” que ela quer. E ela não se esquiva de exigir essa atenção tão necessária para sua felicidade. Ela tem muita sorte em ter um cuidador que esteja pronto para lhe dar todas as “coçadinhas” na barriga que ela precisa.

A porquinha simplesmente se joga no chão mostrando sua protuberante barriguinha para receber as “coçadinhas” tão preciosas e necessárias para sua felicidade. Irmã Mary Frances adora explorar pelo santuário e se divertir com seus demais amigos animais.

Esta adorável porquinha barriguda chegou ao Santuário pouco antes do Natal de 2014. Um apoiador de longa data resgatou a Irmã Mary Frances quando seus guardiões perderam a casa e não puderam levá-la consigo quando se mudaram.

Foto: Catskill Animal Sanctuary
Foto: Catskill Animal Sanctuary

Irmã Mary Frances foi criada como um porco doméstico e viveu sempre dentro de casa. No auge da dificuldade de perder sua família, ela teve que fazer a transição para viver a vida lá fora.

A princípio, a irmã Mary Frances passava muito tempo dentro de casa, escondendo-se na cozinha enquanto a equipe do santuário se movimentava em torno dela. Jasmine, a primeira amiga da porquinha, ajudou-a a sair da sua concha e desfrutar do ar livre.

Ela agora é livre para correr por onde quiser, vive como quiser durante o dia e se aconchega sob cobertores no celeiro à noite.

A Irmã Mary Frances mora no santuário Catskill Animal Sanctuary – uma organização sediada em Nova York que resgata animais de fazenda e se esforça para inspirar a mudança social. Nem todo porco é tão sortudo quanto ela. Em todo o mundo, há numerosos animais de fazenda vivendo em condições terríveis e sofrendo abusos intermináveis.

Oito fatos curiosos sobre os porcos

Segundo a ONG de proteção animal, World Animal Protection, os porcos são vítimas de preconceito estereótipos equivocados e injustos, seguem os oitos fatos que desacredita essas ideias falsas:

1. Porcos são nossos parceiros de longa data

Os porcos são umas das espécies mais antigas de animais de fazenda. Eles foram domesticados pelo homem antes mesmo das vacas, há cerca de seis mil anos. Atualmente, existe um bilhão de porcos no mundo (aproximadamente) e eles podem ser encontrados em todos os continentes.

Embora a maior parte dos suínos esteja concentrada no campo, eles conquistam o coração de muita gente nas cidades, onde são criados como animais domésticos. Max, o porco de estimação do galã George Clooney, viveu por 18 anos com o ator em sua mansão em Hollywood.

2. Porcos são muito sociáveis

Eles são capazes de formar laços com pessoas e outros animais e de demonstram afeto. Gostam de viver em grupo e de dormir juntos, às vezes aninhando-se nariz com nariz.

Aliás, encostar um nariz no outro é seu jeito preferido de cumprimento!

3. Porcos são bons de garfo

Sua fama de comilão não é à toa. Por serem animais onívoros, os porcos comem praticamente qualquer coisa – até pequenos répteis! Mas isso não quer dizer que não saibam apreciar um bom prato. Eles comem devagar e saboreiam a comida. Seus alimentos preferidos são grama, raízes, frutas e sementes, mas podem se adaptar à dieta de acordo com a disponibilidade de alimento.

Descansar também é sua praia. Eles dormem 5 horas por dia, mas podem passar até 19 horas deitados.

4. Porcos são bastante eloquentes

Eles se comunicam entre si o tempo todo, e não é só para dizer “óinc”. São mais de 20 tipos de sons, usados em diferentes situações – um simples “olá, amigo” ou um “estou com fome”.

E eles sabem se fazer ouvir: o grunhido de um porco adulto pode chegar a 115 decibéis – quase tão alto como uma buzina de carro!

Os leitões podem reconhecer a voz de suas mães os chamando para o jantar, e, enquanto os amamenta, elas cantam para acalmar seus bebês.

5. Porcos são – sim! – muito limpinhos

Eles nunca utilizam o local em que comem e dormem como banheiro. Isso só acontece quando não há espaço suficiente. Os porcos também adoram tomar banho em água:

E por que ficam na lama, então? Os suínos usam a terra molhada por outra razão: como não conseguem transpirar, a lama os ajuda a se refrescar nos dias mais quentes e funciona como um protetor solar para suas peles delicadas. Quando ouvir a expressão “suando como um porco”, saiba que isso é impossível.

(Aliás, existe uma teoria de que a expressão ‘suando como um porco” não se refira ao animal, mas a um instrumento utilizado para fundição de ferro que também recebe esse nome).

6. Porcos são muito inteligentes

Eles são curiosos e perspicazes, e têm uma excelente memória. Estão em 4º lugar entre as espécies mais inteligentes do planeta, à frente até mesmo dos cães.

Seu nível de inteligência cognitiva (semelhante à de uma criança de três anos) permite que eles reconheçam seus nomes, obedeçam a comandos, sonhem e usem espelhos para localizar comida.

Estudos mostraram que os porcos são capazes de lembrar direções e encontrar o caminho de casa mesmo a longas distâncias, além de se recordar de pessoas e outros porcos.

7. Porcos adoram se divertir

Como as crianças, os porcos também amam brincar de jogar bola, pega-pega, corrida e outros jogos. Eles transformam em brinquedos caixas de pape

8. Porcos são heróis

Existem muitas histórias de porcos que salvaram a vida de pessoas. Eles já salvaram humanos e outros animais de incêndios, afogamentos e até assaltos.

Eles também têm um grande coração. Quando veem um outro animal ou uma pessoa em sofrimento, demonstram desconforto e tentam fazer com que se sintam melhor.

Por que você deve saber mais sobre porcos?

Atualmente, muitos porcos são criados em locais nos quais não podem expressar seus comportamentos naturais, como brincar, manter-se limpo ou socializar com outros animais. Conhecer as características de uma espécie nos ajuda a compreender suas necessidades físicas e mentais, e a proporcionar a ela melhores condições de vida.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA


 

​Read More