Notícias

ANDA move ação para transferir orangotango Sansão de zoo para santuário

Reprodução/Facebook/Zoológico de São Paulo

A Agência de Notícias de Direitos Animais (ANDA) acionou a Justiça para solicitar a guarda definitiva do orangotango Sansão, que vive no Zoológico de São Paulo, e garantir a transferência do animal para um santuário.

Sansão está com seu bem-estar comprometido por ter uma vida solitária no zoológico – já que ele vivia com outros dois animais no passado – e por ficar mais de 16 horas preso na área de cambiamento, espaço reduzido onde os animais são mantidos no período em que o parque está fechado para visitantes. O assédio da visitação pública diária também é citado na ação.

O processo expõe ainda um flagrante de comportamento estereotipado e repetitivo de Sansão que comprova o estresse sofrido por ele.

A ANDA solicita a transferência do orangotango para o Instituto Anami, no Paraná, onde ele poderia desfrutar de um recinto com mais de 400 metros quadrados e 12 metros de altura, com estruturas que enriquecem o ambiente, na companhia da orangotango fêmea Katai. O santuário, que é especializado em grandes primatas, não permite visitação pública, o que garantiria paz e tranquilidade a Sansão.

Na ação, a ANDA também alerta o judiciário sobre o risco iminente do zoológico ser privatizado por conta do Projeto de Lei (PL) 529/2020, enviado recentemente à Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp).

“Ao ser administrado pela iniciativa privada, o zoológico se tornará um negócio e a situação dos animais tende a se agravar ainda mais em nome do lucro e da redução de custos”, afirmou o coordenador da área jurídica da ANDA, Leandro Ferro.

“Essa espécie é 97% semelhante aos humanos. Imagine passar a vida toda isolado, 16 horas por dia trancado num pequeno quarto e, quando solto, ter de lidar com assédio dos visitantes? Não experimentados nós mesmos o desconforto do isolamento com esta crise sanitária que estamos passando?”, completou.

Ativista pelos direitos animais, Ferro considera que a transferência de Sansão para o santuário é de fundamental importância, já que o local dispõe das condições necessárias para promover qualidade de vida ao animal. “Caso Sansão seja resgatado, tanto ele quanto Katai, sua futura companhia, vão desfrutar de uma melhora substantiva em seu bem-estar, por estarem em companhia um do outro e Sansão, finalmente poderá ter uma vida mais próxima do que teria na natureza, sem o assédio diário do público frequentador e sem passar mais de 16 horas preso em espaço extremamente reduzido e inóspito como acontece hoje no zoológico de São Paulo”, disse.

O advogado que representa a ANDA na ação judicial, Frederico dos Santos França, explicou que foram oferecidos no processo todos os elementos necessários para que o juiz decida favoravelmente à transferência de Sansão.

“Nosso pedido está perfeitamente em consonância com a Constituição Federal, que dispõe de artigos que visam a proteção à fauna e à flora. Esperamos que o juiz decida antecipadamente pela transferência de Sansão para o Instituto Anami, e utilizaremos de todos os meios jurídicos para atingirmos esse objetivo”, reforçou.

ANDA transforma a vida de animais através de ações judiciais

Em 2019, a ANDA conseguiu liminarmente na Justiça o resgate do Chimpanzé Black do Zoológico de Sorocaba para o Santuário dos Grande Primatas localizado na mesma cidade paulista. Black se adaptou ao santuário e pode socializar com uma fêmea.

Neste ano, foi feita uma perícia judicial no santuário que confirmou a melhora substancial no bem-estar de Black em sua nova casa. O processo ainda está aguardando decisão definitiva.

Além do chimpanzé, a elefanta Bambi também foi beneficiada por uma ação judicial que contou com a participação da ANDA. Em agosto deste ano, o Tribunal de Justiça de São Paulo determinou a transferência da elefanta do Zoológico Municipal Dr. Fábio Barreto, em Ribeirão Preto (SP), para o Santuário de Elefantes Brasil (SEB), na Chapada dos Guimarães (MT).

A ação foi movida pelo Fórum Nacional de Proteção e Defesa Animal e contou com a importante participação da ANDA, que desempenhou o papel de “amicus curiae” – isso é, o responsável por fornecer informações aos tribunais para que os magistrados tenham base para tomar suas decisões.

Com cerca de 56 anos de idade, Bambi foi explorada pela indústria circense por quase toda a vida e passou pelo Zoológico de Leme antes de ser transferida, em 2014, para Ribeirão Preto, onde vivia em condições degradantes.

Confira a íntegra da ação judicial do caso Sansão clicando aqui.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Leandro Ferro (@leandro_ativista) em


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


​Read More
Destaques, Notícias

Após viver preso, orangotango perde os dois braços durante fuga de cativeiro

Foto: Fundação/Dailymail/Reprodução

Um orangotango que viveu preso em uma gaiola desde que era filhote perdeu os dois braços ao fugir do cativeiro na Indonésia. Resgatado, ele recebeu tratamento e foi levado para um santuário.

Kopral, como passou a ser chamado o animal, foi salvo por uma equipe do Programa de Reintrodução de Orangotangos do Leste de Kalimantan.

Após ser socorrido, o orangotango teve que ser submetido a uma cirurgia de amputação dos braços. Sua nova realidade, no entanto, não o impediu de se recuperar e evoluir.

Foto: Fundação/Dailymail/Reprodução

No programa de reabilitação, ele aprendeu a construir ninhos, escalar árvores e selecionar alimentos naturais para consumir. As informações são do jornal Daily Mail.

Atualmente, Kopral vive em um santuário criado com o propósito de se assemelhar o máximo possível ao seu habitat. Futuramente, ele poderá morar na ilha, onde terá condição de viver “tranquilamente”, segundo um porta-voz da instituição que o resgatou.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


​Read More
Destaques, Notícias

Orangotango adota bebê órfão na Indonésia

Anggun, o filhote, possui três anos, já a mãe adotiva, Monti, 12 anos


International Animal Recue / MercuryPress

Recentemente, uma orangotango “adotou” um bebê órfão e, juntos, começaram uma nova vida, após os animais serem libertados de um cativeiro na Indonésia.

Monti, a mãe adotiva, e Anggun, o filhote, foram libertados no Parque Nacional Bukit Baka Bukit Raya, em Bornéu Ocidental, no início do mês de fevereiro, após passarem alguns meses em um santuário de reabilitação de vida selvagem, para que Anggun pudesse reaprender alguns comportamentos naturais, como escalar árvores, procurar comida e fazer ninhos essenciais para a sobrevivência nas florestas.

Durante o tempo no santuário, os especialistas esperavam que Monti ensinasse a Anggun o que ela sabia. Karmele L Sanchez, diretor do programa da IAR Indonésia, disse ao site Daily Mail (20): “Esperava-se que Monti ensinasse à Anggun as habilidades necessárias para sobreviver em seu habitat natural, além de protegê-lo e alimentá-lo”.

A estratégia deu certo e Monti aflorou seu lado maternal assim como Anggun ficou mais confiante em aprender coisas novas. Geralmente, os bebês orangotangos ficam com suas mães até os seis e oito anos. Anggun possui três anos, já Monti, 12 anos.

International Animal Recue / MercuryPress

Durante o processo de soltura dos animais no Parque Nacional, os voluntários viajaram por três dias até o ponto de liberação, no ponto central do parque. Agung Nugroho, chefe do Parque Nacional Bukit Baka Bukit Raya, disse: “Felizmente, os orangotangos liberados poderão formar uma nova população e ajudar a manter a existência da espécie”.

Confira o vídeo dos animais, AQUI. 


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Destaques, Notícias

Foto de camundongos ‘brigando’ por comida ganha prêmio internacional

A fotografia, escolhida pelo público, recebeu aproximadamente 28 mil votos


A foto de dois camundongos “brigando” por comida no metrô de Londres, na Inglaterra, ganhou o prêmio Wildlife Photographer of the Year: Lumix people’s choice award. Para fazer a imagem, o fotógrafo Sam Rowley passou uma semana em uma estação de metrô, deitado de bruços, tentando fotografar os pequenos roedores.

Foto: SAM ROWLEY/WPY/BBC

A escolha da foto foi feita pelo público. Fãs do concurso anual de fotografia foram convidados para selecionar fotos que não foram escolhidas pelos juízes para a premiação principal, em outubro de 2019.

Aproximadamente 28 mil pessoas votaram na fotografia de Sam, denominada Station Squabble (“Briga na Estação”, em tradução livre).

Antes da foto ser feita, os camundongos estavam procurando comida separadamente. Os animais, então, acabaram diante do mesmo pedaço de comida e “brigaram” por ele.

“Eu geralmente tiro uma sequência de fotos e tive sorte com essa imagem, mas depois de cinco dias deitado em uma plataforma, era provável que isso acontecesse em algum momento”, disse Sam.

A paixão do fotógrafo é fazer imagens da vida selvagem urbana que, segundo ele, tem uma conexão com as pessoas, já que divide o mesmo espaço com elas. Sam disse ainda que admira a perseverança dos animais ao sobreviver em um ambiente adverso.

“Esses camundongos do metrô, por exemplo, nascem e passam a vida inteira sem sequer ver o Sol ou sentir a textura da grama. E, num certo nível, é uma situação desesperadora — eles percorrem passagens sombrias por alguns meses, talvez um ano ou mais, e depois morrem. E, como há tantos ratos e tão poucos recursos, eles precisam brigar por algo tão irrelevante quanto uma migalha”, afirmou.

Foto: AARON GEKOSKI/WPY/BBC

Michael Dixon, diretor do Museu de História Natural de Londres, instituição que organiza o concurso Wildlife Photographer of the Year, elogiou a foto de Sam.

“A imagem de Sam oferece uma visão fascinante de como a vida selvagem funciona em um ambiente dominado por humanos. O comportamento dos camundongos é moldado pela nossa rotina diária, pelo transporte que usamos e pelos alimentos que descartamos”, disse Dixon.

“Essa foto nos lembra que, embora a gente possa passar por eles todos os dias, os seres humanos estão inerentemente entrelaçados com a natureza que está à nossa porta — espero que inspire as pessoas a pensar e valorizar mais esse relacionamento”, completou.

Além da fotografia dos camundongos, outras fotos foram finalistas na votação do público. Uma delas é de um orangotango deprimido ao ser explorado para uma performance. A imagem é de Aaron Gekoski. A fotografia de Michel Zoghzhogi, que mostra uma onça-pintada e um filhote caçando uma sucuri, também faz parte da lista. As imagens de Martin Buzora, de um guarda florestal cuidando de um filhote de rinoceronte negro, e de um grupo de renas brancas do Ártico, fotografadas na neve por Francis De Andres são outras vencedoras do concurso.

Atualmente, especialistas julgam fotografias da 56ª edição do Wildlife Photographer of the Year. Os vencedores do prêmio principal serão anunciados em outubro.

Foto: MICHEL ZOGHZOGHI/WPY/BBC

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


​Read More
Destaques, Notícias

Orangotango estende a mão para ajudar trabalhador de ONG a sair de rio

As imagens foram captadas na Ilha de Bornéu, na Indonésia


Anil Prabhakar,

Recentemente, um orangotango tentou ajudar um homem parado em um rio oferecendo seu braço estendido na floresta protegida de Bornéu, na Indonésia.

O homem estava no local a procura de cobras e as imagens do momento foram registradas pelo fotógrafo amador Anil Prabhakar, que estava em um safari com seus amigos quando avistou a cena.

Posteriormente, o fotógrafo descobriu que o homem trabalhava para a Fundação de Sobrevivência do Orangotango em Bornéu – uma organização sem fins lucrativos destinada a proteger as espécies ameaçadas de extinção.

Segundo informações do site Daily Mail (6), o trabalhador estava retirando as cobras a fim de proteger os orangotangos, quando foi surpreendido com a presença do macaco.

Ainda segundo informações do site, o fotógrafo amador revelou que o homem recusou a mão do orangotango, por ser um animal selvagem.

Atualmente, a Fundação de Sobrevivência do Orangotango em Bornéu, que é uma organização sem fins lucrativos da Indonésia fundada em 1991, possui 400 funcionários e cuida de quase 650 orangotangos.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Mãe orangotango e seu bebê são resgatados após incêndio em floresta na Ilha de Bornéu

Os orangotangos foram levados por moradores locais para Ketapang, na Indonésia


Créditos: International Animal Rescue

Recentemente, uma equipe da Unidade de Resgate de Animais Selvagens (WRU) do Centro de Conservação de Recursos Naturais (BKSDA Kalbar) e do Resgate Internacional Animal (IAR) da Indonésia  resgatou uma mãe e um bebê orangotango depois que um incêndio destruiu o habitat dos animais, na floresta em Bornéu Ocidental.

De acordo com o site World Animals News desta terça-feira (28), o animal, de cerca de 10 anos, e seu bebê de dois meses, foram os primeiros orangotangos a serem resgatados no distrito de Ketapang, na Indonésia, depois que foram levados por moradores locais e mantidos numa jaula.

Infelizmente, os dados coletados pela Unidade de Proteção ao Orangotango (OPU) do  Resgate Internacional Animal (IAR), indicaram que o número de conflitos entre humanos e orangotangos na área tem aumentado desde o último verão devido à ocorrência de constantes incêndios florestais.

Sadtata Noor Adirahmanta, chefe da BKSDA West Kalimantan, relatou em um comunicado:  “Muitos trabalhos de conservação foram realizados nos últimos anos, tanto pelo governo quanto por seus parceiros. No entanto, os desafios e os problemas estão aumentando e, em resposta, outras ações precisam ser tomadas”.

Ela continuou: “As raízes do problema decorrem de conflitos decorrentes do fato de não ter sido dada atenção suficiente à conservação de plantas e animais selvagens”.

O orangotando mãe e filho, foram nomeados Qia e Mama Qia, enviados à Unidade de Proteção ao Orangotango (OPU) do IAR em 4 de janeiro e estavam em condições normais de saúde.

Créditos: International Animal Rescue

Dias depois, a  OPU liberou os orangotangos para que eles pudessem voltar à floresta, no entanto, os orangotangos não foram muito longe, muito menos migraram para a floresta.

Logo após o incidente, a OPU revolveu fazer uma pesquisa no local e constatou que as florestas na área haviam sido fragmentadas pelos incêndios, que já não estavam mais conectadas a uma grande floresta. Com isso, a a equipe de resgate do IAR e os membros da BKSDA, decidiram levar os orangotangos para um local mais seguro.

A floresta escolhida foi a Sentap Kancang, há 5 km de distância de onde os orangotangos se encontravam, uma área com mais de 40 mil hectares, e foi escolhida não só pelo tamanho, mas porque a quantidade de orangotangos na região, é baixa.

A translocação dos animais foi feita com êxito, no entanto, os ativistas estão cientes que não estão lidando com a raiz do problema, que é combater os incêndios e ameaça à sobrevivência das populações de orangotangos


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Orangotango transportado dentro de mala será devolvido à natureza

O animal, que tem dois anos de idade, vai viver em um centro de conservação em Sumatra


Um filhote de orangotango que foi drogado e colocado dentro de uma mala para ser traficado em Bali, na Indonésia, será devolvido ao seu habitat.

Foto: Janine Cirino, Munandar Syamsuddin, Scarlett de Mattos / AFPTV / AFP

O traficante Andrei Zhestkov foi preso em março quando se preparava para retornar à Rússia. A prisão aconteceu após as autoridades abrirem a mala que ele carregava e se depararem com o animal, que tem dois anos de idade. As informações são da agência AFP.

Zhestkov foi levado a julgamento e condenado a um ano de prisão. Com ele estavam também duas lagartixas e cinco lagartos, todos vivos e dentro de sua bagagem.

Na segunda-feira (16), enquanto a transferência do orangotango para um santuário era preparada, Bon Bon, como passou a ser chamado, recebeu um grande prato de frutas. Ele viverá em um centro de conservação em Sumatra.

Além do orangotango, dezenas de tartarugas, quatro filhotes de leão e um filhote de leopardo foram vítimas recentes do tráfico. Dois homens foram presos na província de Riau, em Sumatra, enquanto tentavam vender os animais. Eles são suspeitos de pertencer a uma rede internacional de tráfico de animais.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


​Read More
Destaques, Notícias

Orangotango ameaçado de extinção é encontrado vivo após ter sido baleado 24 vezes

O orangotango conhecido como 'Paguh' foi cegado pelo ataque | Foto: EPA
O orangotango conhecido como ‘Paguh’ foi cegado pelo ataque | Foto: EPA

Um orangotango de Sumatra foi encontrado gravemente ferido com 24 balas no corpo de carabina de ar comprimido (alimentada com projétil de chumbo), incluindo 16 delas na cabeça, na ilha indonésia de Sumatra.

A espécie está criticamente ameaçada, pois as florestas tropicais estão sendo rapidamente destruídas para dar lugar a plantações de óleo de palma.

O enorme animal do sexo masculino está sendo tratado por suas feridas, o que o deixou cego, mas os veterinários estão otimistas de que o orangotango pode sobreviver.

O macaco de 25 anos, chamado Paguh, foi encontrado na quinta-feira (28) em Gampong Teungoh Village, Trumon, South Aceh, no noroeste de Sumatra.

Uma imagem de raios-X mostra os projéteis de carabina na cabeça de Paguh, um orangotango de Sumatra (EPA)
Uma imagem de raio-X mostra os projéteis de carabina na cabeça de Paguh, um orangotango de Sumatra | Foto: EPA

Ao total foram encontradas 16 balas na cabeça, quatro nas mãos e nos pés, três na anca e uma na barriga, segundo a revista indonésia Time.

A veterinária do Programa de Conservação de Orangotangos de Sumatra, Meuthya Sr, disse à revista: “Daremos tratamento intensificado a Paguh até que ele melhore”.

“Inicialmente, esperávamos que os olhos de Paguh não estivessem completamente danificados ou que pelo menos um olho ainda estivesse funcionando, mas, infelizmente, descobrimos que Paguh estava cego dos dois olhos”, disse ela, de acordo com o The Jakarta Post.

A Agência de Conservação de Recursos Naturais disse que o animal foi encontrado por funcionários da agência que estavam realizando uma patrulha.

Foto: Kemal Jufri
Foto: Kemal Jufri

“O oficial, durante a patrulha, encontrou um orangotango ferido e imediatamente coordenou junto ao Centro de Informações sobre Orangotangos para uma verificação”, disse a organização.

Não é o primeiro incidente desse tipo na região. Em março, uma orangotango chamada Hope foi encontrada com 74 balas de fuzil no corpo.

Nos últimos 10 anos, as agências de animais selvagens trataram cerca de 20 orangotangos mortos com espingardas de ar, muitos dos quais morreram devido aos ferimentos.

Apenas alguns milhares de orangotangos de Sumatra sobrevivem em bolsões fragmentados no norte da ilha, devido à destruição das florestas tropicais para serem usadas como terras agrícolas com o objetivo de satisfazer a demanda insaciável de óleo de palma.

Foto: Kemal Jufri
Foto: Kemal Jufri

À medida que os seres humanos se infiltram cada vez mais no que antes era a floresta tropical, incidências de conflito com orangotangos, que podem atingir 5,6 pés de altura e pesar até 90 kg, tornaram-se cada vez mais comuns, enquanto a caça também ameaça as populações restantes.

O óleo de palma é encontrado em cerca de metade dos produtos nas prateleiras dos supermercados, incluindo cosméticos, produtos de higiene pessoal e alimentos.

É significativamente mais barato que outros óleos, mas o custo ambiental é monstruoso.

Na Indonésia e na Malásia, os orangotangos perderam 80% de seu habitat em apenas 20 anos, com extração ilegal de madeira e vastos incêndios florestais, limpando milhões de hectares de floresta tropical.

Foto: Kemal Jufri
Foto: Kemal Jufri

Um relatório do Greenpeace publicado este mês (novembro) ligou grandes empresas internacionais, incluindo Nestlé, Unilever e Mondelez, a milhares de incêndios na Indonésia desde 2015.

Essas empresas usam óleo de palma em produtos como chocolate Kit Kats, chocolates da Cadbury e shampoos Dove.

Muitas marcas procuraram tranquilizar os consumidores sobre o impacto que o óleo de palma que eles usam causa no meio ambiente, afirmando que o produto que eles estão usando é “sustentável”. Mas os ativistas alertaram que esse rótulo é “sem sentido”.

Uma área que foi queimada para limpar terras para plantações em 2015 na província de Kalimantan Central. Os incêndios no ano passado destruíram mais de 1.650 milhas quadradas de floresta somente na província, ou 16% de seu total | Foto: Kemal Jufri
Uma área que foi queimada para limpar terras para plantações em 2015 na província de Kalimantan Central. Os incêndios no ano passado destruíram mais de 1.650 milhas quadradas de floresta somente na província, ou 16% de seu total | Foto: Kemal Jufri

Quando o relatório foi publicado, Richard George, chefe de florestas do Greenpeace do Reino Unido, disse: “Os consumidores estão sendo enganados pelo ‘óleo de palma sustentável certificado’, uma frase usada por supermercados e grandes marcas que tentam se distanciar do desmatamento”.

“Mas a frase é totalmente sem sentido porque o organismo responsável pela certificação do óleo de palma é composto por alguns dos produtores mais destrutivos da Indonésia. Este é um esquema de seguro de galinheiro administrado por raposas”.

Na Indonésia, quem for pego atacando um orangotango pode ser preso por até cinco anos e multado em até 100 milhões de rupias (£ 5.500). As informações são do Independent.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Fotos flagram bebê orangotango acompanhando a mãe na busca por alimento

Foto: Julia Wimmerlin/Caters News
Foto: Julia Wimmerlin/Caters News

Abraçar seu filho de três meses de idade, depois de um longo dia, é uma expressão de amor e carinho com a qual todos os pais podem se identificar. E com esta mãe orangotango não é diferente.

Com uma mão livre enquanto o bebê recém-nascido se apega firmemente ao seu peito para mamar, ela não tem tempo para parar enquanto coleta comida para os dois. Nesse meio tempo o bebê se alimenta do leite materno enquanto ela está subindo nas árvores.

Foto: Julia Wimmerlin/Caters News
Foto: Julia Wimmerlin/Caters News

A fotógrafa Julia Wimmerlin capturou esta série belíssima de fotografias no Parque Nacional Tanjung Puting, na Indonésia.

Ela disse ao Daily Mail em 04 de novembro: “Quando eu vi essa mãe e esse bebê em particular, eu simplesmente não podia acreditar na minha sorte – essa foi a cena mais humana e emocionante que eu já assisti”.

Foto: Julia Wimmerlin/Caters News
Foto: Julia Wimmerlin/Caters News

“O bebê tem apenas dois a três meses de idade, assim como um bebê humano, ele é totalmente dependente da mãe”, disse a fotógrafa.

“Fiquei espantada com a interação entre os dois. Essa provavelmente foi uma das duas ‘entregas diárias’ de comida de orangotango para a estação da alimentação”, disse ela se referindo ao fato de que entidades especializadas deixam comida para os animais reintegrados na natureza.

Foto: Julia Wimmerlin/Caters News
Foto: Julia Wimmerlin/Caters News

“Você nunca pode prever o que acontecerá, já que essas refeições são principalmente ‘uma ajuda’ para ex-residentes de centros de reabilitação”.

Mesmo depois de serem libertados na natureza, eles podem ter problemas para encontrar comida.

“Desta vez, o primeiro na fila de comida foi o rei dessa área – um enorme macho alfa que se divertia comendo e definitivamente não estava com pressa”.

Foto: Julia Wimmerlin/Caters News
Foto: Julia Wimmerlin/Caters News

O poder e o domínio de um rei são tão fortes que ninguém ousa vir buscar comida até que o rei termine sua refeição.

“Esta mãe parecia muito impaciente para comer, então desceu, pegou tudo o que podia e rapidamente correu pelo tronco da árvore. Essa é a razão pela qual você vê os braços dela com comida diferente e pode contar pelo menos três laranjas na boca dela”.

Foto: Julia Wimmerlin/Caters News
Foto: Julia Wimmerlin/Caters News

“Esse ritmo de ocorrências continuou por um tempo: comer no topo – descer para pegar rapidamente alguma comida e subir de novo rapidamente”, conta Júlia.

“O bebezinho agarrou-se à mãe enquanto ela subia pelas árvores – ela até parecia estar tirando uma soneca em determinado momento. Eu pensei: ‘isso é maravilhoso’.”

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Quarto orangotango é resgatado em apenas duas semanas dos incêndios nas florestas indonésias

Orangotango de 20 anos | Foto: IAR
Orangotango de 20 anos | Foto: IAR

Equipes de resgate vem fazendo um trabalho heroico em Bornéu Ocidental ao salvar a vida de orangotangos afetados pela devastação na região. Desta vez o animal resgatado é um macho grande, com idade estimada em mais de 20 anos. A Agência de Conservação de Kalimantan do Oeste (BKSDA) e o International Animal Rescue (IAR) da Indonésia realizaram a operação de resgate de emergência na vila de Tanjungpura, Muara Pawan, no distrito de Ketapang.

Embora as notícias sejam positivas, marcando o quarto orangotango a ser salvo dentro de um período de duas semanas, também serve como um aviso sombrio das terríveis circunstâncias que os orangotangos enfrentam atualmente em seu habitat. Infelizmente, essa situação se deve aos incêndios terrestres e florestais causados pela indústria de óleo de palma (devastação para plantação).

A quantidade de orangotangos salvos até agora remete aos incêndios devastadores que ocorreram na Indonésia em 2015.

A destruição do habitat dos orangotangos deixa os primatas desabrigados e famintos, forçando-os a se aventurar em jardins de residências e aldeias em busca de comida. Isso geralmente leva a conflitos entre orangotangos e moradores locais. A cooperação das comunidades no relato da presença de orangotangos é vital para salvar a vida dos animais.

Orangotango sendo transportado | Foto: IAR
Orangotango sendo transportado | Foto: IAR

Já existem dezenas de pessoas que formaram uma parceria com a Unidade de Proteção ao Orangotango (OPU) em cinco aldeias. Felizmente, uma das aldeias tem uma equipe de parceiros especializados em conflitos com orangotangos na vila Tanjung Pura, onde o último orangotango foi encontrado.

Uma vez alertado sobre os avistamentos do orangotango pelos moradores locais, uma equipe da OPU foi enviada para verificar a denúncia. No mesmo dia, os socorristas encontraram o enorme animal preso em um trecho de floresta onde a maior parte da área circundante já havia sido queimada.

A avaliação da equipe de observação da OPU, combinada com a análise e o mapeamento da vegetação circundante realizada com drones, confirmou que o orangotango não podia ser devolvido ao seu habitat porque o fogo o havia queimado ou fragmentado. Foi acordado entre as equipes que a única maneira de salvá-lo era realocá-lo.

“Temos uma equipe de parceiros montada em vilarejos onde o risco de conflito humano-orangotango é alto”, disse Argitoe, gerente de campo da IAR Indonésia, em comunicado à WAN. “Com parcerias como essa, os orangotangos ainda podem ser salvos e deixados ilesos pelas pessoas daqui. Mas como a floresta na área circundante já foi queimada, não temos outra alternativa a não ser capturar os orangotangos e realocá-los em outra floresta onde eles estarão seguros”.

O orangotango idoso estava empoleirado no alto de uma árvore alta e incapaz de alcançar outras árvores porque havia muito poucas ao redor. A equipe de resgate usou uma arma de dardo para anestesiá-lo e capturou-o sem incidentes.

Durante o check-up veterinário inicial, observou-se que o orangotango estava cego do olho esquerdo. Ele voltou ao centro da IAR para um exame mais aprofundado. O primata permanecerá no centro recebendo tratamento médico e cuidados até que seja considerado apto a ser liberado em uma área protegida da floresta.

“A resolução de conflitos homem-animal exige políticas mais abrangentes e de longo prazo. As operações de resgate ou mesmo a realocação não atendem às necessidades de longo prazo dos animais selvagens”, compartilhou Sadtata Noor, chefe do Kalimantan Ocidental da BKSDA. “Por esse motivo, o governo, juntamente com os parceiros e a comunidade, deve ser mais presente ao discutir a formulação de medidas concretas no campo que respondam ao problema de tal conflito. E não há tempo a perder”.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Destaques, Notícias

Orangotangos são treinados para fazer gestos obscenos em fotos com turistas

Foto: Supplied
Foto: Supplied

Um turista australiano compartilhou na redes sociais uma selfie que tirou com um orangotango enquanto visitava um zoológico em Bali, na Indonésia. A foto foi postada como um momento de descontração, porém esconde uma verdade cruel por trás da imagem “divertida”.

Milhões de animais pelo mundo todo são explorados pela indústria do turismo e do entretenimento, obrigados a aprender truques antinaturais para divertir plateias e trazer lucro para seus inescrupulosos algozes.

Os treinamentos para esse tipo de “truque” envolvem choques, espancamentos, fome, sede, confinamento e todo tipo de crueldade para conseguir obediência desses animais.

No caso da selfie com o orangotango, a história se passou com Ian Roles, 42, que estava no zoológico de Bali, com sua família no sábado (19 de outubro), quando parou para tirar uma foto com o animal.

Foto: Supplied
Foto: Supplied

Foi só quando ele parou para olhar a foto mais atentamente que percebeu que o enorme macaco estava fazendo um gesto obsceno com o dedo para ele.

“Tirei a foto e me sentei para tomar café da manhã e, quando olhei para a foto, pensei que bela foto, depois ampliei o zoom e consegui ver o que ele estava fazendo”, disse ele ao Daily Mail Australia.

“Ele não parecia muito feliz de estar ali. As pessoas costumam dar comida para ele quando ele tira uma foto, mas eu pulei essa parte e tirei a foto sem ter dado comida, então acho que ele não gostou muito”, especulou o turista.

A foto rapidamente se tornou viral depois que Roles a compartilhou nas mídias sociais, com dezenas de pessoas comentando a imagem inusitada.

Enquanto muitas pessoas se divertiam com a fotografia, Kobe Steele, presidente da fundação australiana de orangotangos, disse que a imagem na verdade era o retrato da “face sombria da indústria do entretenimento”.

Foto: Facebook/Ian John Roles
Foto: Facebook/Ian John Roles

A especialista disse que o orangotango provavelmente teria aprendido o gesto de um criador, que explorava sua imagem para poder ganhar dinheiro à custa do animal: “Essas criaturas são tão inteligentes. Aprender um gesto como este não significa nada para ele, é algo muito simples perto da capacidade desses primatas”.

Ela ainda disse que os orangotangos em cativeiro geralmente são forçados a aprender gestos e comportamentos para fins de entretenimento.

“É sempre tão triste ver bebês tão pequenos sendo usados em atrações turísticas. Em particular, sabendo que provavelmente sua mãe foi morta para que eles pudessem ser vendidos. Esses animais estão destinados a uma vida em cativeiro, sendo comercializados como produtos por meio do tráfico de animais”.

Foto: dogcatselfie
Foto: dogcatselfie

Os orangotangos são nativos da Indonésia e da Malásia e compartilham 97% de seu DNA com os seres humanos.

Eles são estudados há décadas por suas habilidades de aprendizado e inteligência.

Infelizmente, os especialistas preveem que os grandes símios serão extintos na natureza dentro de 10 anos em Sumatra e logo depois em Bornéu.

Extração de madeira, incêndios, plantações de óleo de palma e caçadores furtivos representam as maiores ameaças para os belos animais.

Foto: WORLD ANIMAL PROTECTION/ANDI S
Foto: WORLD ANIMAL PROTECTION/ANDI S

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Orangotango preso em árvore na floresta em chamas é salvo por equipes de resgate

Junai foi resgatado do topo de uma árvore depois de ter sido deslocado por um incêndio florestal que destruiu seu habitat natural | Foto: IAR
Junai foi resgatado do topo de uma árvore depois de ter sido encurralado por um incêndio florestal que destruiu seu habitat natural | Foto: IAR

Um orangotango que ficou preso na copa de uma árvores em uma floresta que queimava em chamas debaixo dele foi salvo da morte por equipes de resgate em Bornéu Ocidental.

O enorme animal do sexo masculino, chamado de Junai, foi resgatado na vila de Tanjungpura, Muara Pawan, no distrito de Ketapang, em 28 de setembro.

A Agência de Conservação de Kalimantan Ocidental (BKSDA) e o International Animal Rescue (IAR) da Indonésia realizaram a operação de emergência após os moradores de Tanjung Pura pedirem ajuda ao centro da IAR em Ketapang após terem visto Junai em perigo.

Junai, que tem cerca de 20 anos de idade, foi encontrado assustado e todo encolhido perto do topo de uma árvore muito alta. O orangotango não conseguia alcançar outras árvores porque havia muito poucas ao redor de onde ele estava.

Os incêndios terrestres e florestais são uma das ameaças mais graves à sobrevivência dos orangotangos, as chamas destroem seu habitat natural deixando-os sem lar, necessitados e famintos.

Os animais deslocados frequentemente se buscam refúgio em jardins e aldeias procurando por comida e causando conflitos entre orangotangos e a população local.

O chefe da West Kalimantan BKSDA, Sadtata Noor, disse: “A resolução de conflitos entre seres humanos e animais exige políticas mais abrangentes e de longo prazo. As operações de resgate ou mesmo a realocação não respondem às necessidades de longo prazo dos animais selvagens”.

Membros da equipe de resgate realizam um exame de saúde em Junai | Foto IAR
Membros da equipe de resgate realizam um exame de saúde em Junai | Foto IAR

“Por esse motivo, o governo, juntamente com os parceiros e a comunidade, deve ser mais corajoso ao discutir a formulação de medidas concretas que atendam na prática aos problemas de tal conflito. E não há tempo a perder!”.

Karmele L Sanchez, diretor do programa da IAR Indonésia, disse: “Contamos com a colaboração e cooperação da comunidade para garantir que os orangotangos que se espalham pelos jardins ou áreas residenciais não sejam prejudicados ou mortos”.

“Agradecemos imensamente a cooperação dos parceiros da equipe e dos moradores locais que imediatamente relataram a existência do orangotango para que a equipe de resgate da BKSDA e da IAR Indonésia pudessem intervir e salvar o orangotango a tempo”.

Equipes de resgate disseram que a única maneira de salvar Junai era translocá-lo por meio de sedação | Foto: IAR
Equipes de resgate disseram que a única maneira de salvar Junai era translocá-lo por meio de sedação | Foto: IAR

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More