Notícias

Estudo revela que cães apresentam os mesmos níveis de stress de tutores

Foto: Earth.com
Foto: Earth.com

Pesquisas confirmam o que muitos tutores já concluíram por si mesmos: cientistas descobriram que os animais domésticos não são alheios às ansiedades de seus companheiros humanos, ao contrário, eles apresentam a mesma quantidade de estresse que seus tutores sentem.

A descoberta vem de um estudo sobre o cortisol, um hormônio do estresse, que circula no sangue e também deixa sua marca em fios de cabelo. Com o tempo, à medida que o hormônio se liga ao cabelo em crescimento, cada haste se torna um registro biológico do estresse que um indivíduo experimenta.

Depois de conseguir a contribuição voluntária de 25 cães da raça border collies, 33 cães pastores de Shetland e os tutores do sexo feminino dos animais, pesquisadores na Suécia descobriram que o maior nível de cortisol no cabelo humano batia com o maior nível de hormônio no pelo de cão. Todos os cães moravam dentro de casa com seus tutores.

“Esta é a primeira vez que vemos uma sincronização de longo prazo nos níveis de estresse entre membros de duas espécies diferentes”, disse Lina Roth, etologista que liderou o trabalho na Universidade de Linköping, na Suécia. “Nós não vimos isso entre humanos e cães antes.”

A equipe de Roth mediu as concentrações de cortisol em fios curtos de cabelo cortados perto da pele no inverno e no verão de 2017 e 2018. A ligação entre o cortisol humano e de cães foi mantida durante as estações, mas foi maior nos cães durante o inverno.

Para investigar se o estilo de vida canino teve um impacto sobre os níveis de estresse, cerca de metade de cada raça inscrita estava envolvida em algum tipo de atividade regular e testes de habilidades como obediência e agilidade. O resto dos cães eram animais de companhia comuns.

Escrevendo em relatórios científicos, os pesquisadores descrevem como o estresse nos cães testados (competições) mais se espelhava mais acuradamente nos proprietários, potencialmente porque os animais tinham formado um vínculo mais forte com seus tutores do que os animais domésticos comuns.

Roth acredita que há mais fatores envolvidos na sincronização dos níveis de estresse do que simplesmente compartilhar o mesmo ambiente. Quando os cientistas observaram se os cães tinham um jardim para brincar; as horas que o proprietário trabalhava e se os cães viviam com outros cães, não encontraram nenhum efeito nos níveis de cortisol nos cães.

O que realmente teve efeito sobre os níveis de estresse dos animais foi a personalidade de seus tutores, avaliada por uma pesquisa padrão. O maior fator foi o neuroticismo (indivíduos que, a longo prazo, possuem uma maior tendência a um estado emocional negativo).

De acordo com o estudo, os tutores que obtiveram maior pontuação no neuroticismo tendiam a ter cães com níveis mais baixos de cortisol no cabelo. Uma explicação, disse Roth, é que os tutores mais neuróticos podem buscar mais conforto de seus animais de estimação, e o ataque de abraços e atenção reduz o cortisol nos cães. “Sugerimos pelas análises que os cães, em grande medida, espelham os níveis de estresse de seus companheiros humanos”, escrevem os cientistas na revista.

Se as descobertas forem suficientes para fazer os tutores de cães estressados se sentirem culpados, Roth tem algumas palavras de conforto. “A maioria dos tutores de cães sabe que seus companheiros caninos recebem muitos sinais deles, mesmo os não intencionais, mas ainda é benéfico estar juntos”, disse ela.

Enquanto o estudo afirma ser a primeira evidência de diferentes espécies sincronizando seus níveis de estresse a longo prazo, o contágio de estresse de curto prazo já foi identificado em membros da mesma espécie anteriormente.

Em 2016, James Burkett, da Universidade Emory, em Atlanta, mostrou que os ratos-da-pradaria, ou ratos-do-prado, monogâmicos reagiriam a um parceiro estressado aumentando seus próprios níveis de estresse e cuidando mais deles.

Burkett, que não esteve envolvido no estudo mais recente, disse que o trabalho foi adicionado a um crescente corpo de pesquisas mostrando que os cães são empáticos aos seus tutores.

“Os cães são afetados pelo sofrimento de seus companheiros humanos e respondem com comportamentos consoladores”, disse ele. “Agora sabemos que os cães também são afetados pelas personalidades e níveis de estresse de seus tutores. Embora isso possa ser senso comum para os tutores de cães, a pesquisa empírica ainda está atualizando nossas intuições sobre a empatia animal ”.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA


 


 

​Read More
Notícias

Cientistas revelam que os níveis de antibióticos dos rios se tornam perigosos

Foto: Adobe/Reprodução
Foto: Adobe/Reprodução

A notícia tem sido considerada altamente “preocupante” por cientistas que revelaram que a poluição por drogas (remédios) é uma das principais formas pelas quais as bactérias podem se tornar resistentes aos antibióticos.

Centenas de rios em todo o mundo estão contaminados por altos níveis “perigosos” de antibióticos, de acordo com o novo estudo, publicado recentemente.

O estudo, realizado pela Universidade de York, analisou 144 antibióticos comumente usados em amostras dos principais rios em 72 países no mundo todo, incluindo o Danúbio, Mekong, Sena, Tamisa, Tibre e Tigre.

Eles encontraram antibióticos em 65% dos rios – com concentrações superiores a ‘níveis seguros’ (conforme definido pela AMR Industry Alliance, que visa combater a resistência antimicrobiana) em até 300 vezes acima do ideal em algumas amostras.

As descobertas preocuparam os cientistas pois a poluição por drogas medicamentosas é uma das principais formas pelas quais as bactérias podem se tornar resistentes aos remédios desenvolvidos exatamente para combatê-las. Além disso, existe também a possibilidade da água contaminada entrar tanto no suprimento de consumo quanto na cadeia alimentar.

Antibióticos

Entre os antibióticos encontrados na água estavam o trimetoprim – que é usado principalmente para tratar infecções do trato urinário, metronidazol – que é usado para tratar infecções de pele e boca, e ciprofloxacina – usado no tratamento de infecções respiratórias, urinárias e de pele.

As áreas que mais excederam os limites de segurança foram Ásia e África, mas os níveis encontrados na Europa, América do Norte e América do Sul provaram que a contaminação por antibióticos é um “problema global”.

Foto: Adobe/Reprodução
Foto: Adobe/Reprodução

Locais de alto risco estavam normalmente próximos de sistemas de tratamento de esgoto, depósitos de lixo ou depósitos de esgoto, de acordo com o estudo.

Problema em escala

O Dr. John Wilkinson, que coordenou o trabalho de monitoramento, disse que nenhum outro estudo foi feito nessa escala tão abrangente.

“Até agora, a maioria dos trabalhos de monitoramento ambiental em relação à contaminação por antibióticos foi feita na Europa, América do Norte e China. Muitas vezes, com apenas alguns antibióticos. Sabemos muito pouco sobre a escala real do problema global”, acrescentou.

“Nosso estudo ajuda a preencher essa lacuna de conhecimento chave com dados sendo gerados peça primeira vez para países que nunca haviam sido monitorados antes”, disse Wilkinson

Conscientização e preocupação

O professor Alistair Boxall, do Instituto de Sustentabilidade Ambiental de York, na Inglaterra, disse: “Os resultados são realmente surpreendentes e preocupantes, demonstrando a contaminação generalizada de sistemas fluviais em todo o mundo por compostos antibióticos”.

“Muitos cientistas e políticos reconhecem agora o papel do ambiente natural no problema da resistência antimicrobiana. Nossos dados mostram que a contaminação por antibióticos dos rios pode ser um importante e perigoso contribuinte”.

“Resolver o problema será um desafio gigantesco e necessitará de investimentos pesados em infraestruturas para tratamento de resíduos e águas contaminadas, regulamentação mais rigorosa e limpeza de locais já contaminados”.

​Read More
Notícias

Poluição contamina golfinhos e lança alerta sobre níveis de mercúrio no mar

06
Divulgação

Alguns peixes como a pescada ou a cavala, estão a contaminar os golfinhos da costa portuguesa, devido os elevados níveis de mercúrio no mar.

Uma das causas para a concentração elevada desse metal pesado nas presas dos golfinhos e , logo, no organismo dos cetáceos, é a poluição da costa portuguesa, concluiu uma investigação conduzida por um grupo do departamento de Biologia da Universidade de Aveiro (UA).

“Uma das maiores fontes da contaminação com mercúrio é a poluição nas zonas costeiras portuguesas”, sublinha a bióloga Sílvia Monteiro. Segundo o estudo agora divulgado, a principal via de entrada do mercúrio e de outros poluentes químicos nos golfinhos acontece por ingestão. “Alguns dos principais peixes que estes golfinhos se alimentam são espécies também comerciais, frequentemente ingerido pelos humanos”.

Os níveis elevados desse metal pesado em populações de golfinhos estudadas – roazes (visíveis no estuário do Sado, por exemplo) ou botos (mais pequenos)- tem consequências para a saúde destes animais. “Existem já vários estudos que mostram que a exposição a metais pesados interfere no desenvolvimento e crescimento, em processos neurológicos e no sucesso reprodutivo, e pode provocar alterações mutagénicas, imunossupressão e danos hepáticos e renais”, esclarece Sílvia Monteiro.

Os mesmos danos podem acontecer a seres humanos expostos a elevadas quantidades de mercúrio mas o estudo não extrapola para essa análise. “Já há estudos feitos em humanos relativamente aos efeitos do mercúrio no organismo mas são precisos níveis muito elevados para acontecerem esses danos. E é diferente do que acontece nos golfinhos”.

Divulgação
Divulgação

Sentinelas do meio marinho
Sílvia Monteiro explica que “os golfinhos possuem um conjunto de características – são predadores de topo, têm uma limitada capacidade de excreção de poluentes, têm uma elevada longevidade e elevada mobilidade – que os torna potencialmente ameaçados por poluentes químicos e potenciais sentinelas do estado de contaminação do ecossistema marinho”.

O estudo foi baseado na observaão de uma amostra de 25 roazes e 42 botos. “O boto é o cetáceo mais pequenino, encontra-se em estado vulnerável em Portugal, o que torna ainda mais premente perceber o impacto que esta espécie poderá ter com os níveis elevados de mercúrio”, adianta a bióloga.

As concentrações das duas populações acontecem em toda a costa mas com incidência na zona entre o Porto e a Figueira da Foz, em Peniche, no estuário do Sado e na costa algarvia.

Considerando o estatuto de conservação destas espécies e a sobreposição entre algumas atividades humanas e os habitats mais utilizados pelos golfinhos da costa continental portuguesa, Sílvia Monteiro diz que “é fundamental conhecer o impacto das ameaças antropogénicas sofridas por estas espécies de modo a permitir uma implementação eficaz de estratégias de conservação”.

Atividades como a agricultura, a indústria, o tráfego marítimo ou a exploração mineira podem ter influência na poluição e consequente presença do mercúrio nos golfinhos analisados.

O estudo lança o alerta para uma questão que diz respeito a todos.”Podemos estar perante um potencial problema associado ao mercúrio no ecossistema marinho em Portugal”.

*Esta notícia foi escrita, originalmente, em português europeu e foi mantida em seus padrões linguísticos e ortográficos, em respeito a nossos leitores.

Fonte: Diário de Notícias

​Read More