Notícias

Abandono deixou de ser prática exclusiva do período de férias em Portugal

O abandono de animais de estimação em Portugal deixou de ser uma prática exclusiva dos meses que antecedem as férias de verão e passou a acontecer todos os dias do ano, acusam responsáveis de associações de proteção animal. “Qualquer pretexto serve para abandonar um animal de estimação”. Quem o afirma é Ana Pino, uma das responsáveis da Associação Portuguesa de Cães Abandonados (APCA), que diariamente acolhe os animais que tiveram a rua como destino ou os que são entregues diretamente à porta da associação.

“Vou trabalhar para o estrangeiro” ou “vou mudar para uma casa onde o senhorio não permite animais” são, segundo a responsável da APCA, apenas “algumas das muitas desculpas” que diariamente ouve.

“Há dois ou três anos verificava-se um aumento significativo de cães abandonados antes do verão. Mas essa tendência já não se nota. Infelizmente, o abandono passou a acontecer todos os dias do ano”, lamenta Ana Pino, que já conta 206 cães na associação.

É uma “situação dramática que já vinha aumentando e que agora foi agravada pela crise econômica”, diz, por sua vez, o presidente da associação Animal, para quem, no entanto, continuam a “notar-se picos de abandono entre junho e agosto”.

Segundo disse à Lusa Miguel Moutinho, os fatores econômicos contribuem cada vez mais para o abandono de animais em Portugal. “Muitos já não conseguem suportar as despesas mais básicas, como a alimentação, e optam pelo abandono do animal, que é sempre o elo mais fácil”, critica.

Mas não é apenas o aumento do número que preocupa Ana Pino. A responsável da associação sediada em Sintra lamenta que os cães que até lá conseguem chegar estejam “em cada vez pior estado”.

“Há uma grande falta de responsabilidade. As pessoas não percebem o que significa ter um cão e as despesas quase nunca são tomadas em conta”, critica, referindo que “tudo o que tem a ver com dinheiro é muito complicado”.

Quando os tutores são confrontados com “grandes despesas veterinárias – que não têm nenhum tipo de comparticipação nem podem ser descontadas no IRS – os cães são simplesmente abandonados porque não há como os tratar”.

Há até, muitos que “recusam pagar um cêntimo quando entregam os animais à associação”, que para receber um cão pede “uma taxa de 20 a 50 euros”, diz.

As estimativas que apontam para que cada ano sejam abandonados dez mil cães em todo o país não convencem quem já está no terreno há muitos anos. “Parece-me muito pouco, quando a APCA, que é pequena, acolhe cerca de 300 cães por ano e os canis municipais, em média, entre 40 e 50 por semana”, reage Ana Pino.

Opinião partilhada por Miguel Moutinho, que considera tal número “absurdo”. “Se fossem apenas dez mil animais estaríamos muito bem”, refere, salientando que as estimativas que as associações fazem no terreno “são muito mais dramáticas”.

“Não existe qualquer estudo que permita falar de números próximos da realidade. Mas, se admitirmos, que, em média, 500 animais (números conservadores) são abandonados em cada um dos 308 concelhos por ano, já estamos a falar de 150 mil”, explicou.

Fonte: Expresso

​Read More