Histórias Felizes

Cadelinha segue alpinistas e é adotada ao final da expedição

Foto: Don Wargowsky

Durante uma expedição através de Mera Peak e Baruntse, duas montanhas no Nepal, o alpinista Don Wargowsky e sua equipe ganhou um novo membro.

No 10º dia da expedição, que duraria 34, a cerca de 18 mil pés de altitude, em uma geleira com toneladas de fendas e obstáculos, uma doce cadelinha apareceu repentinmente. Wargowsky a reconheceu de uma das aldeias pelas quais passaram. Enquanto ela parecia tímida e assustada na aldeia, ela subia confiante na montanha, enquanto e alegremente cumprimentava seus novos amigos.

“Já tive cães que me seguiram nas subidas antes, mas nunca algo assim”, escreveu Wargowsky em um post sobre suas viagens .

“Eu imediatamente começo a imaginar esse cachorro se juntando a nós durante a viagem. Seria ótimo ter um companheiro, um cão temporário de terapia nepalesa. Então começo a pensar exatamente sobre o que faremos nas próximas semanas e o sonho desaparecerá.”

Foto: Don Wargowsky

Wargowsky pensou que não havia como “Baru” conseguir se juntar a eles em sua jornada potencialmente traiçoeira – mas a corajosa cadela mostrou que ele estava errado.

Na primeira noite ela estava nervosa preferiu dormir do lado de fora da tenda, apesar do frio. Ao perceber que ningúem a faria mal, ela dormiu na tenda.

“Ela ficou conosco durante a viagem”, disse Wargowsky ao The Dodo. “Ela se saiu excepcionalmente bem. Ela subiu melhor que a maioria dos humanos. Com o passar dos dias, Baru conseguia ainda se superar.

Foto: Don Wargowsky

Em algum momento, “Baru” se perdeu do grupo, mas logo encontrou o caminho de volta, demonstrando novamente o quão especial ela era.

“Por tudo isso, ela é uma campeã”, escreveu Wargowsky.

“Eu tenho quantidades limitadas de comida, mas eu divido todas as minhas refeições com ela 50/50. Ela nunca implora por comida ou ganância”.

Quando a jornada se aproximava do fim, Wargowsky começou a se preocupar com o destino de sua amiga. Eles formaram um vínculo  forte e o pensar em deixá-la era muito ruim.

Foto: Don Wargowsky

Ainda assim, ele pensou que seria injusto trazê-la para casa com ele para seu minúsculo apartamento, quando ela claramente adorava ter tanto espaço para caminhar e ser livre.

“Meu amor e respeito por essa cadela é imenso”, escreveu Wargowsky. “Pensar em partir… ela sozinha na rua quebra meu coração.”

Para a alegria e a paz do alpinista, o gerente do acampamento de base do grupo, Kaji, ficou tão impressionado com “Baru” quanto todos os outros e decidiu que ele e sua família iriam adotá-la. Wargowsky fez tudo o que pôde para ajudar no processo. Apesar de odiar ter que se separar dela, ele ficou muito feliz por “Baru” ter encontrado uma casa e sabia que, independente de tudo, eles seriam amigos por toda a vida.

“Ela está muito bem”, disse Wargowsky.

“Vou visitá-la no Nepal neste outono.”

​Read More