Destaques

Menina escreve carta para gato que morreu e coloca o céu como destinatário

Reprodução

Nevaeh, de 5 anos de idade, vivia um difícil período de luto quando decidiu escrever uma carta para seu gato que morreu. O céu se tornou o destinatário e, para a surpresa da garota, Tin Tin respondeu – através de um carteiro com um coração gigante.

Tin Tin teve que ser sacrificado após o agravamento de problemas de saúde. E embora a mãe da menina tivesse alertado-a que o céu estava longe demais e que, por isso, talvez a carta não chegasse até o gatinho, Nevaeh resolveu arriscar e colocou a carta no correio.

O que Tamara, de 26 anos, não esperava é que um carteiro daria uma resposta a sua filha. Mas foi o que aconteceu. Uma semana depois, Nevaeh soube que Tin Tin lhe respondeu e ainda enviou um livro e um gatinho de brinquedo. As informações são do The Mirror.

“Quero que você saiba que estou bem e que fiz bons amigos aqui, um deles, chamado Tibbles, ronca muito quando temos cochilos de gatos. Estou sendo alimentado e bem cuidado pelos anjos”, dizia a carta.

“Eu sei que você está triste por eu não estar aí com você, mas por favor, não fique. Aqui está um gatinho que eu pensei que se parecia um pouco comigo. Então, se você se sentir triste, pode abraçá-lo como nós costumava. Para sempre seu melhor amigo, Tin Tin”, finalizou o carteiro.

A pessoa que se comoveu com a triste história vivida pela família ainda teve o cuidado de assinar a carta com uma patinha de gato. Tamanha sensibilidade comoveu Tamara, que está à procura do carteiro para agradecê-lo por ajudar sua filha a superar o luto.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


​Read More
Notícias

Menina de 13 anos realiza sonho de criar projeto para alimentar cães abandonados

Foto: Arquivo pessoal

A estudante Letycia Mariana Rodrigues Cardoso tem apenas 13 anos, mas tem muito a ensinar aos adultos. Dona de um coração no qual cabem todos os cãezinhos abandonados, ela idealizou um projeto para alimentá-los.

Moradora de Indiara, em Goiás, ela pediu ajuda a amigos e familiares e conseguiu realizar seu sonho de minimizar o sofrimento dos cachorros em situação de rua.

“Eu sempre tive o sonho de alimentar os cães de rua, porque alguns rasgam até lixo para poder ter alimento. Eu vi na internet a ideia de uma amiga e falei para meu pai, minha mãe e minha madrinha, que é apaixonada por cães e abraçou a causa”, disse ao G1.

Tio Renê, como é conhecido o empresário Ronecharles Plácido dos Santos, contou que 32 comedouros foram produzidos desde a última quinta-feira (6). A maior parte já foi colocada nas ruas da cidade.

“Juntamos quatro amigos e a Letycia, que é a idealizadora. Ela tinha vontade de fazer o projeto, e a gente abraçou a causa. Pedimos doação pela cidade. Muita gente doou material para fazermos os comedouros e a ração também”, contou.

Também estão sendo fabricados comedouros para moradores do município que pediram que os objetos fossem colocados em frente as suas casas. Nesses casos, os solicitantes ficam responsáveis por fornecer a ração.

“A gente colocou nas redes sociais, e as pessoas viram e mobilizaram. Já ganhamos sete sacos de ração. Tem pessoas que estão nos ligando e pedindo para a gente instalar um perto deles, porque eles já tem o costume de colocar vasilha de ração na porta de casa, mas quando chove, molha. Nesse projeto, a ração não molha”, concluiu.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


​Read More
Notícias

Empregada doméstica de 8 anos teve sua vida ceifada por libertar papagaios

alvaroas8a0/pixabay/imagem ilustrativa

Dois papagaios conquistaram a liberdade graças ao coração nobre de uma garota. Com apenas 8 anos, ela demonstrou ter muito o que a ensinar aos adultos, não só aos que consideram correto aprisionar aves em gaiolas, mas principalmente aos que não só mantiveram papagaios engaiolados, como tiraram a vida da menina para puni-la, de maneira extremamente cruel, por ter praticado um gesto altruísta e digno de aplausos: soltar as duas aves na natureza.

A paquistanesa Zohra Shah teve sua vida tirada de maneira brutal. Foi espancada e viveu extremo sofrimento por ter olhado para os papagaios com a compaixão que havia sido negada, até então, às aves. A Revista Pazes, munidas de informações retiradas dos sites GreenMe, Nacional e Justgiving, publicou um artigo em homenagem à garota.

A história, que ensina sobre a importância de respeitar toda forma de vida, humana e não humana, mantém vivo o exemplo de Zohra e mostra à sociedade que o lugar de animal silvestre é na natureza, livre, desfrutando de seu habitat. A ANDA, como defensora dos direitos animais, registra aqui seu agradecimento à pequena Zohra e o desejo de que ela descanse em paz.

Confira o artigo da Revista Pazes abaixo:

A história de Zohra Shah viralizou na rede e tem causado comoção e severas reflexões sobre o mundo que estamos a construir no presente.

A menina tinha somente 8 anos de idade, mas sequer a sua inocência foi suficiente para salvá-la da morte. Zohra Shah foi morta no Paquistão por ter cometido o crime de amar, neste mundo de desamor e maldades: ela libertou dois papagaios da gaiola.

Os crimes contra Zohra não se iniciam no momento do homicídio. Ela fora mandada para a casa de uma família abastada para trabalhar: lembrando que ela tinha apenas 8 anos.

Essa entrega da filha advém da pobreza generalizada existente no Paquistão. Em razão dessa miserabilidade reinante, não raro as famílias entregam seus filhos para outras famílias para servirem de ajudantes domésticos, não obstante a sua pouca idade.

Esse também foi o destino de Zohra, que trabalhava como empregada doméstica em um rico distrito de Rawalpindi, a quarta maior cidade do Paquistão.

A história de Zohra, contudo, demonstra uma crueldade inédita. Ela encontrou não só a exploração do seu trabalho, mas também a morte, e por um motivo justo, honroso e elevado: ela queria ver os pássaros livres a voar pelos ares. Talvez tenha se angustiado ao vê-los aprisionados em uma gaiola.

Quatro meses antes do crime, Zohra começou a trabalhar para a família de Hasan Siddiqui e sua esposa Umm Kulsoom. Mas, no início de junho, o homem confessou à polícia que sua esposa havia espancado Zohra porque a menina havia libertado seus papagaios.

A garota veio de Muzaffargarh, um distrito no sul de Punjab, localizado a cerca de 580 quilômetros da capital Islamabad. A família a enviou para viver e trabalhar para o casal e “receber uma boa educação”, mas, infelizmente, ela encontrou a morte.

O casal foi preso e confessou o crime.

“Siddiqui chutou a garota, havia hematomas por todo o corpo e ela estava sangrando”, disse o policial Mukhtar Ahmed, que está investigando o caso.

Depois de cometer a violência, os dois levaram a menina ao Hospital Memorial Begum Akhtar Rukhsana, onde a equipe confirmou sinais de violência, mas a menina não resistiu e faleceu em virtude dos graves ferimentos.

O assassinato brutal provocou indignação geral no Twitter. Todo mundo está pedindo justiça para a pobre Zohra. O ministro paquistanês de direitos humanos, Shireen Mazari, escreveu no Twitter que seu ministério estava em contato com a polícia, ele estava acompanhando o caso e propondo reformas internas nas leis trabalhistas.

A Organização Internacional do Trabalho estima que existam pelo menos 8,5 milhões de trabalhadores domésticos no Paquistão, muitos dos quais são mulheres ou crianças. A situação de dezenas de milhares de crianças que trabalham no país é alarmante. Eles são contratados pelos pais anualmente ou mensalmente e a violência contra eles é comum. Em janeiro do ano passado, Uzma, 16, foi assassinado na cidade oriental de Lahore por empregadores por comerem seus alimentos.

No ano passado, a Assembléia do Punjab aprovou a Lei dos Trabalhadores Domésticos do Punjab para regular o trabalho doméstico e registrar os funcionários, mas infelizmente isso não é suficiente para evitar assassinatos brutais como o de Zohra.

“Ainda um grande número de funcionários em Punjab não está registrado, faz trabalho não remunerado e crianças são torturadas até a morte”, disse Arooma Shahzad, secretário geral do Sindicato dos Trabalhadores Domésticos.

Que a terra seja leve para você.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


​Read More
Notícias

Cachorro se torna melhor amigo de criança com nanismo e a ajuda a andar

Foto: Reprodução/Caters News Agency

Ivy Sutcliffe, de dois anos, conta com uma amizade muito especial: a do cachorro Lenny. A menina, que mora em West Yorkshire, na Inglaterra, tem nanismo e venceu as dificuldades de desenvolvimento geradas pela doença genética graças à ajuda do animal.

Os pais da menina, Keeley Bailey e Carl Sutcliffe, acreditam que Ivy começou a andar antes do esperado porque queria correr atrás do cachorro.

“Lenny sempre esteve ao lado dela e eles são melhores amigos. Eles passam o tempo todo juntos, quando ela era bebê, ele descansava a cabeça ao lado dela na cama”, contou a mãe à Caters News Agency.

“Quando Ivy foi diagnosticada, fiquei absolutamente arrasada e não conseguia parar de chorar. Mas, agora, eu não a mudaria nada e me sinto incrivelmente abençoada por ter tido um bebê com nanismo. Ela é absolutamente incrível e ilumina qualquer sala em que entra”, completou.

O animal, que convive com a menina desde que ela nasceu, também esteve ao seu lado quando ela começou a engatinhar.

Foto: Reprodução/Caters News Agency

“Estamos tão orgulhosos dela por dar os primeiros passos. Espero que nossa história dê esperança a outros pais que estão passando por algo semelhante”, disse Carl.

Além de fazer companhia para Ivy em casa, Lenny costuma ir com a família ao parque. Segundo a mãe da menina, em locais públicos é comum que desconhecidos pensem que a criança tem meses de idade, por conta de seu tamanho.

“Ela ainda usa roupas para bebês de seis a nove meses. Portanto, não é surpresa que algumas pessoas estejam confusas com a idade dela, especialmente agora que ela está andando, mas ainda é muito pequena”, disse Keeley.

“Ivy é a melhor coisa que já aconteceu conosco e ela é a criança mais feliz que a maioria das pessoas já conheceu, pois está sempre sorrindo”, concluiu o pai.

Confira mais fotos da dupla inseparável:

Foto: Reprodução/Caters News Agency
Foto: Reprodução/Caters News Agency
Foto: Reprodução/Caters News Agency
Foto: Reprodução/Caters News Agency
Foto: Reprodução/Caters News Agency

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


​Read More
Notícias

Vídeo: mãe adota cadela para amenizar solidão da filha e menina se emociona

Arquivo Pessoal/RIC Mais

Julia Rocha, de sete anos, ficou emocionada após conhecer o novo membro da família. A cadela, que ainda é filhote, foi adotada pela mãe da menina. A adoção garantiu um lar para o pequeno animal e serviu também para amenizar a solidão de Júlia, que pertence ao grupo de risco do coronavírus por sofrer de asma e não sai de casa há cerca de 45 dias.

A reação da garota foi registrada em um vídeo (veja abaixo) que viralizou nas redes sociais. Apaixonada por animais, Júlia nunca deixou de alimentar os que apareciam, abandonados e famintos, em frente a sua casa em Araucária (PR).

No último sábado (2), a mãe da menina, Gabriela Rocha, trouxe a cadelinha para casa e a colocou em cima da menina, que dormia na cama. Quando acordou, Julia pareceu não acreditar no que via. Perguntou se a cadela era dela e, ao receber uma resposta positiva, chorou de felicidade.

Belinha, como passou a ser chamada, aninhou-se na menina antes dela acordar, demonstrando já sentir confortável com a família que a escolheu. A garota, por sua vez, logo que despertou do sono abraçou o filhote carinhosamente.

Arquivo Pessoal/RIC Mais

A adoção foi intermediada pelo avô de Julia. “Meu pai conversou com um amigo que a cadelinha dele tinha dado cria, aí a gente falou ‘ah vamos pegar essa vira-latinha, não vamos comprar, vamos adotar’. E aí eu gravei o vídeo despretensiosamente no sábado, pensando ‘ah, quando a Ju crescer ela vai relembrar como foi esse encontro, e postei no meu Facebook”, contou Gabriela, em entrevista ao portal RIC Mais.

A mãe não esperava, no entanto, que o vídeo viralizasse. As imagens já foram vistas por quase dois milhões de internautas e muitos deles se emocionaram com o registro.

“Muitas pessoas falam que assistiram e choraram, se emocionaram… Então é muito legal, tá sendo muito legal. A Julia tá muito feliz com a nova amiguinha, a gente já ama o novo membro da família”, concluiu.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


​Read More
Notícias

Menina que ofereceu dinheiro de cofrinho por cão desaparecido reencontra o animal

Thomas, da raça shih-tzu, havia sido resgatado por uma família de um bairro vizinho. A recompensa prometida pela menina foi paga pelo pai dela


Após oferecer o dinheiro de seu cofrinho como recompensa para quem devolvesse seu cachorro que havia desaparecido, Yasmin Oliveira Araújo Goulart, de 8 anos, reencontrou o o animal.

Foto: Arquivo Pessoal/Bianca Oliveira dos Santos Goulart

Moradora de Itaquaquecetuba (SP), Yasmin escreveu uma carta anunciando o desaparecimento do cachorro e oferecendo a recompensa. Thomas, da raça shih-tzu, ficou desaparecido por quase dois meses. As informações são do G1.

O cachorro fugiu no dia 12 de novembro após familiares deixarem o portão da casa, na Vila São José, aberto. A família divulgou o caso nas redes sociais.

Um dia após o desaparecimento do animal ser noticiado pela imprensa, a família recebeu um telefonema indicando o paradeiro de Thomas.

“Depois que a matéria foi divulgada, o post no Facebook viralizou mais. Aí recebemos a ligação de um rapaz que disse que poderia estar com ele”, disse.

Thomas foi resgatado num bairro vizinho por Cristiane Romão Silva de Andrade. Segundo ela, Thomas andava pela rua quando foi encontrado no dia 15 de novembro. O marido dela ligou para a família do cão para devolvê-lo.

“Eu estava indo buscar minha filha na creche na parte da tarde. Na ida eu avistei ele na rua. Só que tinha umas pessoas numa calçada conversando e imaginei que fossem tutoras dele. Um cachorrinho desse, bem tratadinho, com coleira e tudo na rua? Deve ser daquele pessoal”, contou.

Foto: Arquivo Pessoal/Bianca Oliveira dos Santos Goulart

No entanto, ao voltar para casa, Cristiane viu que o cachorro permanecia na rua e estava sozinho. “Eu desci do carro, olhei para cima, olhei para baixo e não tinha ninguém. Chamei, ele veio. Continuei na rua mais um pouco esperando para ver se ia aparecer alguém, mas ninguém apareceu”, disse Cristiane.

Thomas foi levado para a casa da família e recebeu o nome de Jack. No local, passou a conviver com uma menina de 4 anos e um menino de 13, filhos de Cristiane. A dona de casa, no entanto, sempre falou para as crianças sobre a possibilidade dos tutores do cão aparecerem.

“Eu sempre falava para os meus filhos ‘não vamos nos apegar muito a ele, porque ele tem um tutor’. Avisei algumas pessoas que eu tinha encontrado um cachorrinho, que se alguém soubesse de alguma coisa ele estava comigo”, relatou.

Após ver a publicação dos tutores de Thomas nas redes sociais, Cristiane desconfiou que poderia estar com o cão desaparecido e marcou um encontro com a família.

Depois de receber o telefonema, a pequena Yasmin ficou ansiosa para rever o animal. O reencontro aconteceu na quarta-feira (1º).

“Nós estávamos na casa da minha avó. Na hora estava chovendo bastante. A gente estava deixando a chuva passar. Mas ela, de tanta ansiedade, ficava acelerando a gente. Não queria esperar”, contou a mãe da menina.

“Quando vimos que era ele mesmo, a gente não acreditou. A Yasmin pegou ele no colo, ele ficou abanando o rabo. Foi só alegria”, relembrou Bianca.

A recompensa prometida por Yasmin a quem devolvesse Thomas, no valor de R$ 100, foi paga, mas não com o dinheiro do cofrinho da menina, e sim pelo pai dela. O valor foi dado como forma de agradecer pelos cuidados que o cachorro recebeu.

Foto: Arquivo Pessoal/Bianca Oliveira dos Santos Goulart

“A gente entregou a recompensa. Eles cuidaram direito. Tanto que eles compraram até coleira para ele. A gente deu a recompensa até para cobrir esses gastos”, afirmou.

Cristiane contou ao G1 que não foi fácil devolver o cachorro, mas que tomou a decisão certa. “A gente está sentindo muita falta dele. A gente tinha se apegado demais. Eles estão muito sentidos, mas a gente fez o certo. Ele tinha um tutor. Ele fez a gente muito feliz aqui em casa”, explicou.

A dona de casa disse ainda que não contou nas redes sociais que procurava o tutor do cão que ela havia encontrado porque temia que, por se tratar de um animal de raça, alguém se passasse pelos tutores para ficar com ele.

A mãe de Yasmin compreendeu com a atitude de Cristiane. “Acredito que a família não tenha divulgado com medo disso de aparecer gente que não fosse o tutor. Eu entendo a família e estamos muito gratos. A gente sabe que tem muitas pessoas de má fé, mas a gente tinha fé de que ele estava com uma família que teria carinho”, disse.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


​Read More
Notícias

Criança oferece dinheiro de seu cofrinho como recompensa por cão desaparecido

O cachorro, que tem quase dois anos de idade, é o companheiro da pequena Yasmin


Yasmin Oliveira Araújo Goulart, de 8 anos, escreveu uma carta informando sobre o desaparecimento de seu cão e ofereceu R$ 100, guardados por ela em seu cofrinho, para quem encontrá-lo e devolvê-lo. Thomas, como é chamado o cão, sumiu em Itaquaquecetuba, no interior de São Paulo, há quase dois meses.

Foto: Bianca Oliveira dos Santos Goulart/Arquivo Pessoal

Comovido com o sofrimento da criança, que está sentindo a falta do cachorro, o pai da menina, Danilo Araújo Goulart, de 32 anos, contou a história nas redes sociais. A publicação viralizou. As informações são do G1.

“Eu perdi o meu cachorro. Ele é pequeno. As cores dele são branco e marrom. É um shih-tzu, é macho e está tosado. Quem o achar será recompensado”, diz a carta da menina.

Bianca Oliveira dos Santos Goulart, de 27 anos, é mãe da menina e contou que Yasmin decidiu escrever a carta e oferecer a recompensa após se emocionar com o clipe da música Happier, do DJ norte-americano Marshmello, no qual a protagonista vive anos de sua vida com um cachorro.

“Estávamos assistindo uns vídeos na internet aleatoriamente e começou a passar o clipe. Aí eu vi que a Yasmin ficou bem sentida, se emocionou bastante. Na mesma hora ela pegou o caderninho e começou a escrever. Ela ia me perguntando como escrever as palavras que ela não sabia. Quando terminou, me mostrou e falou ‘mãe, faz um cartaz assim para colocar nos bairros’”, disse.

Foto: Bianca Oliveira dos Santos Goulart/Arquivo Pessoal

Thomas fugiu de casa, na Vila São José, no dia 12 de novembro, após um familiar esquecer o portão aberto. Danilo conta que quem devolver o animal será recompensado.

“Eu tenho um cofrinho com ela [Yasmin] e juntamos umas moedas. A Yasmin disse que ia dar o dinheiro dela como recompensa para quem achasse o cachorro”, afirmou.

A mãe da menina, porém, tenta fazer a menina aceitar que o animal pode não voltar. Ela acredita que o cachorro, que tinha quase 2 anos, está com alguém.

Foto: Bianca Oliveira dos Santos Goulart/Arquivo Pessoal

“Falei para ela que a gente não vai encontrar. Eu acredito que ele foi achado e alguém pegou. Então eu converso com ela, falo para orar e ver se Deus toca no coração da pessoa e devolve. Ela tem feito isso”, revelou.

Movidos pela intenção de ajudar Thomas a voltar para casa, várias pessoas postaram fotos de cães parecidos com ele nos comentários da publicação feita pelo pai de Yasmin. Nenhum deles, porém, era o cachorro da família. Ainda assim, Danilo ajudou um outro cão a encontrar seus tutores.

“Na última semana achamos um cachorro da mesma raça, mas que não era o nosso. Divulguei e conseguimos encontrar o dono”, disse. O cão ficou três dias com a família, o que deixou Yasmin ainda mais triste.

Foto: Bianca Oliveira dos Santos Goulart/Arquivo Pessoal

“Ela sempre fui muito apegada com ele. Tanto que quando essa cachorra chegou, era uma raça parecida, minha sogra até brincou que Deus mandou ela para substituir o Thomas. Mas para a Yasmin, nenhum cachorro substitui”, disse.

“Minha filha era muito apegada a ele. Não só ela. Minha esposa e eu também. Estamos com saudades”, concluiu Danilo.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


​Read More
Notícias

Menina de oito anos pede ração de presente de Natal para ajudar os animais necessitados

Foto: Abrigo de animais Tri-Cities Animal Shelter
Foto: Abrigo de animais Tri-Cities Animal Shelter

Uma menina de oito anos foi presenteada com doações que resultaram em cerca de 270 kg de ração neste Natal depois de demonstrar seu desejo de ajudar os animais necessitados.

Em vez de brinquedos, Landyn Wadsworth, pediu dinheiro para comprar ração para cães e gatos sem teto do Abrigo de Animais das Tri-Cities que fica na cidade de Pasco, no estado de Washington (Estados Unidos).

O abrigo de animais postou uma foto de Landyn em sua página no Facebook, mostrando a pilha de sacos de ração para animais que se erguia ao lado da jovem.

Com o dinheiro que recebeu ela conseguiu comprar cerca de 270 quilos de comida para os moradores do abrigo.

Foto: Abrigo de animais Tri-Cities Animal Shelter
Foto: Abrigo de animais Tri-Cities Animal Shelter

“O desejo de Landyn para o Natal era doar comida para o abrigo e parece que seu pedido se tornou realidade! Somos muito gratos por sua gentileza e tenho certeza de que os cães e gatos também são!”, dizia o post.

A mãe de Landyn, Alisha, disse à afiliada da CNN KEPR que a jovem caridosa começou a fazer essas doações desde 2016, tornando este ano o terceiro em que ela repete o gesto.

Segundo a mãe ela começou a doar ração depois de visitar o abrigo e ficar chateada com tantos animais de rua que permaneciam lá durante o período festivo.

Landyn já começou a coletar valores para sua doação de 2020.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Menina de um ano é filmada conversando com cachorro e vídeo viraliza

O carinho de Melina com o cachorro encantou os internautas. Os dois são amigos inseparáveis


Melina, de 1 ano, foi filmada pelo pai em um momento de afeto com Theodoro. O cachorro, que se escondeu na varanda de casa com medo de trovões, recebeu o carinho da menina, que conversou com ele e o abraçou. As imagens (veja abaixo) foram publicadas no Facebook da mãe de Melina, Joyce Basílio, e viralizaram.

(Foto: Reprodução Facebook)

“Minha filha de 1 ano conversando com o cachorro dela, na língua dela! Agora me diga: como não amar os dois? Quando engravidei muita gente me perguntou se eu ia doar o Theodoro… e tá aí a resposta!”, escreveu Joyce.

Desde que Melina nasceu, sempre esteve perto de Theodoro. “O contato sempre foi muito respeitoso e eu fui colocando eles juntos quando ela era um pouco maior”, contou a mãe, que lembrou ainda que o cachorro dorme com a menina. “Só depois de dormir com ela que ele vai para o nosso quarto. Quando ela tinha uns três meses de vida, deixei o Theodoro subir na minha cama… e ela já estava mais espertinha, ficava observando os movimentos dele, quando ele chegava perto, quando cheirava ela… muito fofo os dois! O Theodoro vive dentro da minha casa, mesmo por ser um cachorro de porte grande, ele não foi acostumado a ficar na sacada! Então esse contato dos dois era inevitável, ainda mais quando ela começou a engatinhar”, relatou, em entrevista à Revista Crescer.

O carinho entre os dois sempre foi tão grande que a primeira palavra que a menina disse foi “Thé”, apontando para o animal.

No momento em que o vídeo foi gravado, Theodoro estava na varanda, para onde havia ido para se esconder de trovões.

“Quando passou a chuva, ele permaneceu lá. Ela foi até lá conversar do jeito dela com ele.  Meu marido gravou para eu ver ela abraçando e fazendo carinho nele! Ela sempre faz isso!”, concluiu.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


​Read More
Notícias

Menina de seis anos vende limonada para ajudar animais afetados por incêndio

Foto: Virginia Pilot Journal
Foto: Virginia Pilot Journal

Exemplos que mostram como grandes realizações começam com compaixão e uma boa ideia. É isso que Carly Gray, de seis anos, tinha. Conforme relatado pelo jornal Virginia Pilot, ela montou uma barraca de limonada em frente a uma igreja na Virgínia, Estados Unidos, com a intenção de arrecadar dinheiro por uma boa causa que não é muito conhecida. Carly queria arrecadar dinheiro para adquirir kits de oxigênio para animais domésticos.

Esses kits são máscaras projetadas para serem usadas em animais após incêndios quando eles sofrem por inalação de fumaça. Como uma criança de seis anos sabe sobre algo que a maioria dos adultos não sabe? Ela sempre foi apaixonada por animais, então sua avó enviou um vídeo sobre os kits de oxigênio sabendo que ela gostava do conceito.

Carly pode ter apenas seis anos de idade, mas é já uma empreendedora porque imediatamente percebeu a necessidade e decidiu que queria ajudar as pessoas a evitar a perda de seus animais em incêndios domésticos. Ela rapidamente disse à mãe que queria arrecadar dinheiro para comprar kits. Ela montou uma banca de limonada um dia em setembro e ganhou 189 dólares, o suficiente para dois kits.

Como as boas ações frequentemente são recompensadas e as pessoas boas recebem o bem mais adiante, o pastor da igreja se ofereceu para comprar cinco kits se Carly levasse sua barraca de limonada para o canteiro de abóboras da igreja todo fim de semana de outubro.

Agora, a pequena Carly está tocando sua barraca de limonada e fazendo um trabalho maravilhoso para os animais. Seu objetivo é arrecadar dinheiro para pelo menos 15 kits, que serão distribuídos para vários bombeiros na área em que ela vive.

A matéria completa com Carly e sua barraca de limonada pode ser acessada no site do jornal Virginia Pilot Online, onde foi tema de reportagem por seu trabalho altruísta.

Para aqueles que não moram na Virgínia e não podem comprar limonada diretamente de Carly, mas gostariam de doar um kit de oxigênio para animais domésticos ao quartel de bombeiros local, é possível adquirir máscaras de oxigênio para animais domésticos on-line.

Compaixão e altruísmo

Crianças compassivas podem mudar o mundo. Atualmente, jovens ativistas estão conquistando grandes vitórias com sua luta por ações contra as mudanças climáticas. E crianças ainda mais jovens estão constantemente contribuindo para tornar o mundo um lugar melhor. Eles são o futuro, afinal.

Uma menina de apenas dez anos ganhou um prêmio há três meses, oferecido pelo canal de notícias local, por sua dedicação e compromisso em ajudar os gatos de um abrigo. Dois anos atrás, uma jovem levantou 500 dólares para resgatar um cachorro do comércio de carne. Há cerca de oito meses, a ativista vegana de doze anos, Genesis Butler, desafiou o papa a tornar-se vegano para salvar o planeta.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Galo acompanha tutora diariamente até o ponto do ônibus escolar

Foto: Holley Burns
Foto: Holley Burns

Todas as manhãs, O galo Frog acompanha a pessoa que ele mais ama no mundo, sua tutora Savannah, de 13 anos, até o ponto de ônibus para ir a escola.

“Ele fica com ela no final da entrada da garagem até que ela entre no ônibus”, Holley Burns, a mãe de Savannah, disse ao The Dodo. “Ele então volta para casa e passa seu dia normalmente conosco e com participando de nossas rotinas diárias até a hora de encontrá-la quando ela volta para casa”.

Quando o ônibus da escola traz Savannah de volta para casa, Frog corre tão rápido quanto as pernas de frango conseguem para levá-lo até ela.

Foto: Holley Burns
Foto: Holley Burns

“Ele ouve o ônibus parar há algumas casas na estrada do condado”, disse Burns. “E então ele sai correndo até o final da estrada antes do veículo de chegar lá. Todo dia.”

Em fevereiro de 2017, Frog veio morar com a família Burns em Atlanta, no Texas (EUA). Todos imediatamente notaram que ele era diferente. Por um lado, ele tinha penas em seus pés, o que todos achavam que era um pouco estranho. Ele também tinha uma maneira incomum de se mover, o que lhe valeu seu nome (Frog quer dizer sapo).

“Ele não andou – ele pulou”, disse Burns. “Meu filho ficou tipo: ‘Está pulando como um sapo. Devemos chamá-lo de “sapo”(Frog).

Foto: Holley Burns
Foto: Holley Burns

Uma coisa mais incomum sobre Frog foi com quem ele escolheu se socializar. Em vez de sair com outras galinhas, ele preferia passar seu tempo com as pessoas – Savannah em particular.

“Ele foi muito atencioso”, disse Burns. “Ele não estava interessado no que as galinhas estavam fazendo, ele estava interessado no que os humanos estavam fazendo.”

Foto: Holley Burns
Foto: Holley Burns

Quando Frog era um franguinho apenas, Savannah começou a carregá-lo para todo lado enquanto fazia suas tarefas, e o vínculo entre eles cresceu.

“Ela o levava para a lavanderia e ele a observava atentamente”, disse Burns. “Ela ia lavar a louça e colocava-o no balcão e ele a observava lavar a louça.”

Foto: Holley Burns
Foto: Holley Burns

Logo, o par era inseparável. “Tudo é Frog e Savannah”, disse Burns. “Ela o puxa em uma carroça. Onde quer que ela vá, ele está logo atrás dela. Ele vai a até cama para dormir e acordar com ela. Ele se senta e assiste TV com ela.

Burns não fica tão surpresa que Frog tenha se unido à sua filha. “Ela é o que eu chamo de uma encantadora de animais”, disse Burns. “Ela pode fazer qualquer coisa ou ir a qualquer lugar, é instantâneo – todos os animais são atraídos para ela.”

Foto: Holley Burns
Foto: Holley Burns

Mas ela nunca conheceu um galo como o Frog. “Eu não acho que ele saiba que é um galo”, disse Burns.

Frog até tem um melhor amigo canino – um cachorro chamado Casper que havia sido abandonado em um estacionamento do McDonald’s. No ano passado, a família Burns encontrou-o e levou-o para casa para morar com eles.

“Casper ficava realmente aterrorizado com as tempestades, e Frog o viu e aninhou-se com ele na lavanderia”, disse Burns. “Então o galo se aconchegou ao lado do cachorro. Era como se ele dissesse: “Ei, tudo bem. Não se preocupe com isso. Nada vai acontecer com você aqui em casa”.

Foto: Holley Burns
Foto: Holley Burns

Desde então, Frog e Casper são os melhores amigos. “Eles brincam muito juntos”, disse Burns. “Frog vai pular em cima de Casper, e Casper deita em cima dele, como se disse: hey, o que você está fazendo?'”

Enquanto a família Burns está acostumada com as formas incomuns de Frog, as pessoas que conhecem Frog pela primeira vez às vezes não têm certeza sobre ele.

“Quando as pessoas veem um galo correndo para elas, o primeiro instinto de todo mundo é: ‘Oh meu Deus, ele vai me atacar'”, disse Burns. “Mas ele vai cumprimentá-lo na entrada de casa e dizer: ‘Ei, estou aqui! Como vai você?'”

Depois disso, todo mundo acaba se apaixonando por Frog, incluindo o motorista do ônibus que Savannah pega.

Foto: Holley Burns
Foto: Holley Burns

“Chegou ao ponto de que, se eles [Savannah e Frog] não saírem do ônibus da escola a tempo, ele [Frog] vai com ela no ônibus escolar”, disse Burns. “Nosso motorista de ônibus é muito bom – ele sabe que deve tomar cuidado com Frog. Ele garante que eles estejam seguros antes de partirem.

Mas é Savannah quem o galo mais ama – e o sentimento é claramente mútuo.

“Eu não sei o que eles fariam sem um ao outro, sinceramente”, disse Burns. “Ele é um membro muito importante da nossa família”.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Menina de 4 anos faz cartazes com desenho à mão achar seu cão perdido e o encontra

Cartazes foram colados pelo bairro com a ajuda do avô | Foto: Arquivo pessoal

Cartazes foram colados pelo bairro com a ajuda do avô | Foto: Arquivo pessoal

Um cartaz de “procura-se” com o desenho à mão de um cachorro ganhou repercussão nas redes sociais, em Boa Vista, no último fim de semana. O anúncio foi feito pela tutora do animal, Maria Luiza Sena, de apenas 4 anos, que, determinada a reencontrar seu poodle Belo, preparou os cartazes e espalhou pelas ruas.

A avó da menina, Maria Isabel Sena, conta que Belo fugiu de casa na última quarta-feira (6), por volta das 7h30, no bairro Pricumã, zona Oeste de capital, quando o avô saiu para trabalhar. Ao saber do sumiço, a menina não pensou duas vezes e decidiu preparar os anúncios.

“Ela ficou triste e com dó ao mesmo tempo. Então, ficou fazendo desenhos do Belo quase a tarde inteira. Fez vários cartazes. Depois colocou tudo dentro de um saco, pôs a mochilinha nas costas e chamou o avô para pregá-los pelo bairro”.

O avô ainda tentou convencê-la de substituir o desenho à mão por uma foto do cachorro no anúncio, mas ela insistiu no desenho, pois na foto que eles tinham o cachorro estava peludo e recentemente havia sido tosado.
Pouco tempo depois de saírem pelas ruas colando os cartazes com a neta, os avós recebem uma ligação informando que o cachorro havia sido localizado.

Segundo a avó, o cachorrinho foi encontrado por uma mulher. Ela o resgatou e foi avisada que ele estava sendo procurado por crianças que viram os cartazes de Maria Luiza.

“Primeiro ela ficou estática, em seguida sorriu muito com ar de muita felicidade em tê-lo de volta. O Belo por sua vez demonstrou muita alegria com movimentos circulares em volta da Maria Luiza e muitos latidos”, relatou a avó sobre o reencontro de Belo e Maria.

Repercussão

A imagem que mostra um dos cartazes com o desenho feito à mão pela menina foi compartilhada na página da Associação Roraimense de Cuidados Animais (Arca) e comoveu internautas.

“Que imagem mais linda. Tô feliz que o Belo voltou para casa e para o amor da Maria Luiza”, disse uma internauta. “Onde curte 50 vezes?”, postou outra.

Belo foi achado por uma moradora do bairro e entregue à Maria Luiza | Foto: Arquivo Pessoal

Belo foi achado por uma moradora do bairro e entregue à Maria Luiza | Foto: Arquivo Pessoal

Na publicação, a tia da criança, Iza Sena, tranquilizou os internautas sobre o aparecimento do cãozinho. “Achamos (o Belo) graças a insistência dela para sair pelo bairro colando esses cartazes que ela fez”, comentou.

Fonte: G1

​Read More