Notícias

Especialistas ressaltam a importância do mel para abelhas

Foto: Livekindly/Reprodução
Foto: Livekindly/Reprodução

Muitas pessoas usam mel como adoçante para chá e alguns produtos assados, mas o produto é feito por abelhas, a questão de seu status vegano ser uma discussão em andamento nas comunidades.

Algumas das dúvidas mais frequentes das pessoas é sobre o que seria o mel e como as abelhas o produzem, como isso acontece?

Primeiro, o néctar – um líquido açucarado encontrado nas flores – é coletado por uma abelha usando sua probóscide, uma espécie de língua longa e fina semelhante a palha. O inseto armazena o néctar em seu estômago extra, chamado de “colheita”. O néctar é tão importante para as abelhas que, se uma abelha operaria de mel encontra uma boa fonte, ela é capaz de comunicá-la a outras abelhas por meio de uma série de danças.

Foto: Livekindly/Reprodução
Foto: Livekindly/Reprodução

O pólen é tão importante quanto o mel: os grânulos amarelos encontrados nas flores são uma fonte de alimento para as abelhas, ricos em proteínas, lipídios, vitaminas e minerais. Eles são armazenadas em favos vazios e podem ser usados para fazer “pão de abelha”, um alimento fermentado que os insetos fazem umedecendo o pólen. Mas a maioria dos alimentos é coletada via busca por alimentos.

Enquanto as abelhas zumbem em torno da coleta de pólen e néctar, as enzimas em seu estomago se misturam com o néctar que ele já possui. Isso transforma sua composição química e pH, tornando-o melhor para armazenamento a longo prazo.

Uma vez que a abelha retorna à sua colmeia, ela passa o néctar para outra abelha via regurgitação em sua boca (daí porque alguns chamam mel de “vômito de abelha”). O processo é repetido até que o néctar, transformado em um líquido mais espesso rico em enzimas do estômago, seja depositado em um favo de mel.

Foto: Livekindly/Reprodução
Foto: Livekindly/Reprodução

As abelhas ainda têm mais trabalho para transformar o néctar em mel. Os insetos usam suas asas para “ventilar” o néctar, acelerando o processo de evaporação. Uma vez que a maioria da água se foi, as abelhas finalmente têm mel. Uma abelha vai selar o favo de mel por meio da secreção de seu abdômen, que endurece em cera de abelha, e o mel pode ser armazenado indefinidamente. Do início ao fim, as abelhas reduzem o teor de água de 90% do néctar para 20%.

Segundo a Scientific American, uma colônia pode produzir cerca de 250 libras (carca de 113 kg) de néctar – um feito significativo, considerando que a maioria das flores produzirá apenas a mais ínfima gota de néctar.

Um pote típico de mel requer um milhão de visitas à flores. Uma colônia pode produzir entre 50 a 100 potes de mel por ano.

As abelhas precisam de mel?

As abelhas tem bons motivos para trabalhar tanto para fazer mel.

De acordo com BeeSpotter, uma colônia média consiste em cerca de 30 mil abelhas residentes. Estima-se que as abelhas usem entre 135 a 175 galões (ou cerca de 2.100 libras) de mel anualmente.

O pólen é a principal fonte de alimento das abelhas, mas o mel também é importante. Abelhas operárias usam o mel como fonte de carboidratos para manter seus níveis de energia elevados. Ele também é consumido por abelhas adultas antes dos vôos de acasalamento e é essencial para ajudar seus filhos (larvas) a crescer. Quando o néctar é escasso, leva a uma alta chance de falha no desenvolvimento em adultos.

Foto: Livekindly/Reprodução
Foto: Livekindly/Reprodução

Um dos usos mais importantes do mel é durante o inverno, quando as abelhas operárias e a rainha se agrupam e metabolizam para gerar calor. Há poucas flores para polinizar após a primeira geada, então o mel se torna uma fonte vital de alimento. A ação ajuda a proteger a colônia do clima frio, mantendo-a a 85 ° F (cerca de 29°C). A colônia perecerá se o suprimento de mel ficar aquém.

O homem e o mel

O mel tem sido parte da alimentação humana por milhões de anos.

Alyssa Crittenden, ecologista comportamental e antropóloga nutricional da Universidade de Nevada, em Las Vegas (EUA), escreveu sobre a história do consumo humano de mel na revista Food and Foodways. Ela argumenta que o mel pode ter sido uma importante fonte de alimento assim como carne e batata para ajudar os primeiros membros do gênero Homo a evoluir.

Embora não existam fósseis para provar que os primeiros humanos comiam mel, há evidências. Arte rupestre retratando favos de mel, enxames de abelhas e coleta de mel que remontam a 40 mil anos atrás foi encontrada na África, Europa, Ásia e Austrália.

Crittenden aponta para uma série de outras provas de que os primeiros seres humanos podem ter incluído o mel em suas dietas. Primatas como babuínos, macacos e gorilas são conhecidos por comer mel. Por causa disso, ela disse ao Smithsonian, “é muito provável que os primeiros hominídeos fossem tão capazes de coletar mel”.

Foto: Livekindly/Reprodução
Foto: Livekindly/Reprodução

A Science Magazine reforça esse argumento com mais evidências: os hieróglifos egípcios que descrevem abelhas datam de 2400 aC. Cera de abelha foi encontrada ao lado de panelas de barro com 9 mil anos de idade na Turquia – especula-se que se eles impermeabilizavam os vasos ou poderia ser um resíduo de favo de mel usado como adoçante. O mel também foi encontrado em túmulos egípcios do Faraó.

O mel é vegano?

É possível que o mel, assim como a carne, o leite, o queijo e os ovos, possa ter sido uma parte antiga da dieta humana. Mas comer mel é parte da ética vegana?

De acordo com a The Vegan Society, “o veganismo é um modo de vida que procura excluir, na medida do possível e praticável, todas as formas de exploração e crueldade dos animais para alimentação, vestuário ou qualquer outro propósito”.

Seguindo esta definição, o mel não é vegano, é o mesmo que usar animais para comida. Mas alguns podem argumentar que enquanto o mel produzido comercialmente não é bom, o mel coletado das abelhas de quintal é. Mas a Vegan Society afirma que nenhum mel é vegano:

“O mel é feito pelas abelhas para as abelhas e sua saúde pode ser sacrificada quando é colhido por humanos. É importante ressaltar que colher mel não se correlaciona com a definição de veganismo da The Vegan Society, que procura excluir não apenas a crueldade, mas a exploração”.

O mel não é apenas importante para a sobrevivência de uma colônia, mas também é uma tarefa que exige muito trabalho. A Vegan Society observa que cada abelha produzirá apenas uma duodécima de uma colher de chá de mel durante a vida.

A prática de tirar o mel das abelhas também pode prejudicar a colmeia. Quando os apicultores convencionais “colhem” o mel, ele o substituem como um derivado do açúcar que não possui os micronutrientes encontrados no mel.

Também não é correto criar abelhas selvagens apenas para coletar pólen. Assim é feito com bois e vacas, as abelhas criadas para aumentarem a eficiência são criadas especificamente para elevar a produtividade. O pool genético estreito que resulta da criação seletiva torna a colônia mais suscetível a doenças e a extinções em larga escala.

Além disso, as colônias são regularmente destruídas após a colheita, em nome de manter os custos baixos. As abelhas rainhas, que normalmente deixam a colmeia para começar novas colônias, têm suas asas eliminadas.

As abelhas produtoras de mel são comercializadas para fins de polinização e produção de mel, mas não são nativas da América do Norte e sua presença tem um efeito negativo sobre os polinizadores (abelha mangava) e sobre o meio ambiente.

Doenças causadas por overbreeding (reprodução exagerada) podem se espalhar para polinizadores nativos, como as abelhas mangava, que fazem o trabalho de polinização melhor do que as abelhas de mel, de acordo com uma pesquisa da Universidade da Califórnia.

Outros estudos descobriram que as abelhas têm um efeito negativo sobre as populações de polinizadores nativos, mas a questão é complicada – as abelhas contribuem com 20 bilhões de dólares para a produção agrícola dos EUA anualmente.

As abelhas enfrentam outras questões, como o Transtorno do Colapso das Colméias (CCD), uma morte em massa misteriosa de abelhas que tem sido ligada a pesticidas, estresse de ser transportado como vacas e bois para “serviços de polinização” e outras questões, de acordo com a EPA (Agência de Proteção Ambiental). O CCD diminuiu nos últimos anos, mas suas causas ainda não são totalmente compreendidas. A maior parte do mel do mundo é coletada dessas abelhas usadas para polinizar culturas de monoculturas.

Para o mel que vem de abelhas de quintal, alguns podem comê-lo, enquanto outros veganos o evitam porque as abelhas fazem isso por si mesmas, não por seres humanos.

​Read More