Destaques, Notícias

Filhote de elefante atormentado pelo barulho de festival de música invade o evento

Foto: Viral Press
Foto: Viral Press

Um filhote de elefante selvagem, cuja família foi assustada e incomodada pelo barulho de um festival de música, saiu em defesa dos seus, invadiu o evento que acontecia na Tailândia e provocou pânico nos presentes.

Com seus habitats invadidos pela presença humana, esses animais selvagens se veem cada vez mais restritos em seus espaços e, desacostumados com o barulho e a agitação que vieram junto com a chegada do festival, os animais se assustaram e reagiram.

A banda estava ensaiando para sua apresentação quando a música assustou um rebanho de elefantes próximo a cidade de Chiang Mai.

A matriarca dos elefantes fugiu para a floresta, mas o bebê se dispersou da manada antes do começo do show na segunda-feira à tarde (06).

Alguns moradores da região aterrorizados fugiram enquanto outros dois tentavam puxar o elefante pelo rabo.

Mas o elefante os ignorou e continuou sua jornada de autodefesa, arremessando as cadeiras para fora do caminho com sua tromba poderosa.

Foto: Viral Press
Foto: Viral Press

O músico Watcharin Yodkamlueng estava no palco na hora e gravou o bebê enorme atacando as cadeiras e os equipamentos.

Watcharin disse que a mãe foi encontrada e os locais ajudaram a acalmá-la. Mas o bebê se recusou a render-se e desapareceu na floresta.

O cantor disse: “Fui contratado para tocar aqui pela vila e o local onde montamos o palco era perto de um local frequentado por elefantes”.

Foto: Viral Press
Foto: Viral Press

“Quando estávamos ensaiando para o show, a mãe e o filhote elefante que estavam em uma manada, ficaram assustados com o barulho alto e correram para a área do evento”.

A mãe foi pega com facilidade e se acalmou, mas o bebê foi mais difícil de ser contido. Ele entrou e derrubou as mesas e cadeiras.

“Posso dizer com certeza que esta é a primeira vez que os elefantes interrompem qualquer um dos meus shows”.

A banda continuou com a apresentação da música folclórica tailandesa tradicional uma hora depois, os danos foram resolvidos e a mãe elefante foi levada de volta à floresta

Foto: Viral Press
Foto: Viral Press

Acredita-se que o filhote de elefante acabaria voltando ao seu rebanho.

Infelizmente para esses animais os espaços em que estão acostumados a viver e circular estão cada vez mais reduzidos e a presença humana traz consigo os inconvenientes de barulhos altos, carros, casas, pessoas, sem falar nas ameaças de caça e exploração para o turismo que rondam esses gigantes gentis.

Animais selvagens, belos, livres, inteligentes e com um forte senso de vínculo e estrutura familiar são frequentemente capturados para servir de entretenimento para turistas, escravizados para carregar madeira em indústrias ou mortos pelo marfim de suas presas. Isso quando não são vendidos para serem caçados, mortos e depois terem partes de seu corpo exportadas como troféus de caça.

O legado de crueldade e indiferença da humanidade deixa suas marcas, muitas delas indeléveis na natureza, nos animais e no planeta, que indefesos assistem a tudo em silêncio. As informações são do Daily Mail.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

​Read More
Notícias

Elefante se revolta e persegue morador de vila que o agredia com paus e gritos

Foto: Newsflare/NewsCrunch1
Foto: Newsflare/NewsCrunch1

As imagens flagram o momento em que um homem se arrepende instantaneamente de bater em um elefante selvagem por trás quando o animal reage, se vira e começa a persegui-lo.

Nas filmagens registradas na segunda-feira (30), os moradores podem ser ouvidos gritando para o homem correr mais rápido, enquanto o animal enorme avança atrás dele, reagindo a agressão.

O momento inesperado foi registrado na estrada principal que cruza de Karanjia, perto de Mayurbhanj, no leste da Índia.

Os moradores haviam visto um elefante faminto se alimentando de colheitas, então um grupo de homens rapidamente se reuniu para persegui-lo.

Alguns homens podem ser vistos pulando para cima e para baixo, fazendo gestos e gritando para, esperançosamente, afastar o elefante dos campos, mantendo uma distância.

Mas um homem, sentindo-se mais corajoso, decide se aproximar do animal e agredi-lo tentando mostrar quem está no comando.

Ele corre atrás do animal com um graveto e consegue dar alguns golpes nele enquanto pode-se ouvir gritos dos espectadores.

Foto: Newsflare/NewsCrunch1
Foto: Newsflare/NewsCrunch1

Enfurecido e reagindo ao ataque humano, o elefante se vira no local em que está e avança em direção ao agressor, enquanto os moradores gritam para ele se mover mais rápido.

Testemunhas oculares disseram que o homem fugiu para salvar sua vida antes de rastejar para debaixo de um bueiro na intenção de evitar o elefante furioso.

O diretor honorário da vida selvagem, Subhendu Mallik, disse: “As pessoas nunca devem chegar perto de um elefante, pois eles podem alcançar uma velocidade incrível, muito mais rápido do que os humanos podem fugir”.

Foto: Newsflare/NewsCrunch1
Foto: Newsflare/NewsCrunch1

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Destaques, Notícias

Elefante estressado e obrigado a se apresentar em shows em zoo pisoteia seu cuidador

Foto: Yvonne Ying'er/Weibo
Foto: Yvonne Ying’er/Weibo

Um elefante adulto do sexo masculino, estressado e exausto, mantido em cativeiro em um zoológico no sul da China, pisoteou seu cuidador até a morte na frente de visitantes chocados.

Estudos comprovam que animais mantidos em cativeiros e afastados de seu habitat natural desenvolvem comportamentos agressivos devido ao imenso sofrimento mental a que são submetidos. No caso deste zoo Chinês para piorar o stress dos animais, eles ainda são explorados para entretenimentos em shows para turistas.

O animal de duas toneladas e 56 anos, estava desesperado para se acasalar e atacou seu cuidador que o impedia, o incidente ocorreu na semana passada em Changsha, capital da província de Hunan, segundo o Daily Mail.

O incidente ocorreu pouco antes de um show de circo com animais na terça-feira passada (24) e foi filmado por turistas que esperavam para assistir à apresentação.

O elefante asiático, chamado “Ai A”, vive em Changsha há 10 anos e tem um temperamento “suave”, de acordo com o Zoológico Ecológico de Changsha, onde ocorreu o incidente.

Ele estava esperando para entrar no local da apresentação quando se revoltou contra o cuidador, conhecido por seu sobrenome Bu, disse o zoológico em um comunicado postado nas mídias sociais em 29 de dezembro.

Changsha zoo | Foto: Trip.com
Changsha zoo | Foto: Trip.com

Cinco outros tratadores tentaram acalmar o elefante antes de levar Bu ao hospital.
A vítima foi declarada morta pelos médicos depois que o atendimento de emergência falhou.

As imagens que circulam no Weibo (rede social chinesa), equivalente chinês ao Twitter, mostram três elefantes, incluindo “Ai A”, em pé no campo de performance.

Em seguida, “Ai A” é visto arrastando um homem, que parece sem vida, pelo chão.

Changsha zoo | Foto: Trip.com
Changsha zoo | Foto: Trip.com

Uma testemunha ocular do sexo masculino é ouvida gritando “ele se foi, ele se foi”, indicando que o homem pode estar morto enquanto outros espectadores são ouvidos lamentando a perda.

Especialistas do zoológico suspeitam que “Ai A” estava em seu período de reprodução, época em que os elefantes machos têm relações com as fêmeas.

Quando um elefante asiático masculino está em um estado de “musth”, seu desejo de acasalar aumenta e seus níveis de testosterona e outros hormônios são elevados. Torna-o mais agressivo e briga com outros elefantes machos para competir por parceiras.

Foto: Yvonne Ying'er/Weibo
Foto: Yvonne Ying’er/Weibo

Como os elefantes normalmente vivem na natureza, esse comportamento é absorvido pelo grupo naturalmente sem maiores danos.

Ainda não está claro se os outros elefantes no local eram do sexo masculino ou feminino.

O zoológico manteve “Ai A” em um recinto separado, longe de outros elefantes.

Fundado em 2010, o Zoológico Ecológico de Changsha mantém um total de seis elefantes asiáticos em um pavilhão que ocupa 1.271 metros quadrados.

Todos os elefantes são treinados para realizar acrobacias circenses, incluindo massagens, chute de futebol e bambolês, todos comportamentos antinaturais obtidos à custa de treinamentos dolorosos e cruéis.

O zoológico prometeu impedir que incidentes semelhantes ocorram no futuro.

Entende-se que a polícia e o departamento florestal regional estão investigando o caso. As informações são do Daily Mail.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Elefantes ameaçados de extinção voltam a aparecer na Nigéria

Foto: Pinterest
Foto: Pinterest

No nordeste da Nigéria, perto das fronteiras do países Chade e dos Camarões (África Ocidental), cerca de 250 elefantes foram vistos. Esta é a primeira vez em uma década ou mais que um rebanho desse tamanho é visto desde que os jihadistas do Boko Haram (organização terrorista) começaram sua insurgência na área.

“A observação deste rebanho significa que a população de elefantes da Nigéria dobrou efetivamente”, disse Tunde Marokinyo, co-fundador da ONG conservacionista Africa Nature Investors, entusiasmado.

A Floresta Sambisa se tornou o marco zero para a base de operações do Boko Haram em 2014. Isso teve um forte impacto nas populações de elefantes, pois as três principais rotas de migração atravessam diretamente a floresta que antes era uma reserva do tamanho da Bélgica.

Essas rotas de migração seguiram os rios e outras fontes de água que o Boko Haram usou como rota de fuga durante o bombardeio de sua posição pela artilharia. Os intensos combates e bombardeios aéreos, tanto lá como nas margens do lago Chade, mataram e assustaram a maioria dos animais selvagens, particularmente os animais maiores, como elefantes.

Foi um mistério o que aconteceu com os elefantes que antes viviam nas savanas de Borno e a floresta da Sambisa até agora.

“Isso mostra que a paz está ressurgindo lentamente”, disse à RFI Kabiru Wanori, comissário ambiental do estado de Borno.

“Enviámos nosso diretor do Departamento de Florestas, Peter Ayuba, para confirmar a observação e realizar uma avaliação de impacto”, confirmou Wanori.

Enquanto a guerra está morrendo lentamente, os elefantes enfrentam uma nova ameaça, pois a demanda por carne aumentou muito mais do que os elefantes ou outros animais selvagens locais. Como é visto em todo o mundo, ultimamente nas florestas tropicais da Amazônia, a pastagem de animais de criação, principalmente bois e vacas, destrói habitats e na Nigéria e redondezas isso não é diferente. Os elefantes estão sendo empurrados ainda mais para Camarões (país vizinho), e saindo da Nigéria, pela destruição do habitat que ocorre com a limpeza de terras para pastagens.

“O Parque Nacional Gashaka Gumti costumava ter elefantes e leões, mas devido às pressões por pastagem esses animais atravessaram a fronteira para Camarões”, explica Marokinyo, cuja ONG, Africa Nature Investors, espera treinar os criadores de bois e vacas Fulani (etnia africana) como guardas florestais para proteger o Gashaka Gumti do excesso de pastoreio na tentativa de atrair elefantes e leões de volta ao parque. As informações são do Vegannews.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Rinoceronte negro mais velho do mundo morre na Tanzânia

Foto: AYO TV
Foto: AYO TV

O rinoceronte negro mais velho do mundo morreu aos 57 anos em um santuário na Tanzânia, depois de viver a maior parte de sua vida na natureza.

Acredita-se que o rinoceronte do sexo feminino, chamado Fausta, tenha morrido de causas naturais em 27 de dezembro, segundo o Departamento de Conservação de Ngorongoro, reserva localizada no norte da Tanzânia.

A declaração dizia: “Os registros mostram que Fausta viveu mais do que qualquer rinoceronte no mundo e sobreviveu no Ngorongoro, ao ar livre, por mais de 54 anos”.

Fausta foi transferida para o santuário em 2016, depois de ser atacada por hienas.

Especialistas consideraram liberar o mamífero na natureza, mas ponderaram que ela poderia estar correndo o risco de contrair uma doença.

A declaração acrescentou: “Fausta foi vista pela primeira vez na cratera Ngorongoro em 1965 por um cientista da Universidade de Dar Es Salaam, com idade entre três e quatro anos”.

“Sua saúde começou a se deteriorar em 2016, quando fomos forçados a colocar o animal em cativeiro, depois de vários ataques de hiena e ferimentos graves depois disso”.

Sana, uma fêmea rinoceronte branco do sul, com 55 anos, foi considerada o rinoceronte branco mais antigo do mundo quando morreu em cativeiro no parque zoológico La Planete Sauvage, na França, em 2017.

O Departamento de Conservação de Ngorongoro estima que a expectativa de vida dos rinocerontes esteja entre 37 e 43 anos na natureza, enquanto eles podem viver até mais de 50 em cativeiro.

Contudo, a vida de um animal é cativeiro é sempre mais infeliz, limitada e menos próspera que na natureza, onde é o seu lugar, animais levados para viver em santuário não se encontram aptos para a vida na selva. As informações são do Daily Mail.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Vídeo flagra bebê elefante escorregando e levantando na lama enquanto tenta ficar em pé

Wings2Tusks/Caters News
Wings2Tusks/Caters News

Um adorável elefante bebê foi flagrado em um vídeo se debatendo graciosamente enquanto tentava levantar.

Como filmagens foram gravadas por Michelle Broadhurst durante uma viagem pelo Parque Nacional Kruger, na África do Sul.

Nenhum vídeo, ou mamífero coberto pelo lama pode ser visto coberto pelo lado enquanto o lama ao redor e se revolve no barro marrom.

Dois elefantes adultos estão andando por perto, enquanto o jovem balança para frente e para trás vigorosamente.

O filhote parece estar tentando ganhar impulso para levantar enquanto sua tromba se agita descontroladamente.

Eventualmente, o elefantinho consegue um giro de frente para descansar um pouco de quatro, com o rosto colado no chão.

Wings2Tusks/Caters News
Wings2Tusks/Caters News

Ele continua se arrastando por mais algum tempo, e é aí que o vídeo termina.

Michelle gravou lançado como filme em agosto deste ano, mas o clipe voltou recentemente a ficar on-line com tudo.

Falando sobre a visão divertida, ela disse: “Parecia honestamente que ele estava tentando fazer abdominais”.

Wings2Tusks/Caters News
Wings2Tusks/Caters News

Os elefantes balançam como pernas para frente e para trás, para que possam obter algum movimento da posição deitada.

“Eles são realmente adoráveis”

Acredite se houver um mínimo de 17.100 elefantes vivendo no Parque Nacional Kruger, segundo dados de 2015.

Wings2Tusks/Caters News
Wings2Tusks/Caters News

Os elefantes são o maior mamífero terrestre do mundo e podem pesar até sete toneladas, além de atingir uma altura de mais de três metros.

Eles podem viver até uma idade potencial de 70 anos.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Destaques, Notícias

Dois filhotes de elefantes órfãos e gravemente feridos são resgatados da morte certa

Kadiki que foi atacada por um leão quando tinha apenas um dia de idade, sofrendo profundas feridas na tromba e no rabo | Foto: Roger Allen
Kadiki que foi atacada por um leão quando tinha apenas um dia de idade, sofrendo profundas feridas na tromba e no rabo | Foto: Roger Allen

Perdidos, sozinhos, sofrendo de dores atrozes resultado de ferimentos fatais e no meio da savana africana devastada pela seca, o futuro parecia sombrio para esses dois filhotes de elefante órfãos.

Kadiki havia sido atacada por um leão quando tinha apenas um dia de idade, sofrendo profundas feridas deixadas pelas garras do felino na tromba e danos terríveis no rabo. Ela era tão jovem que ainda não havia sido alimentada por sua mãe.

Em um incidente separado no calor escaldante do Zimbábue, Bumi, de um mês, ficou preso de alguma forma estranha entre as rochas e sofreu queimaduras solares graves. Geralmente, os filhotes de elefante são protegidos do sol pela sombra de suas mães.

Bumi, de um mês de vida, ficou preso entre as rochas e sofreu queimaduras solares graves antes de ser resgatado | Foto: Roger Allen
Bumi, de um mês de vida, ficou preso entre as rochas e sofreu queimaduras solares graves antes de ser resgatado | Foto: Roger Allen

Felizmente, os socorristas os encontraram a tempo e agora sua sobrevivência já pode ser anunciada, mesmo contra as todas as probabilidades, e foi registrada nessas imagens encantadoras.

Kadiki e Bumi foram acolhidos pela resgatadora de animais veterana Roxy Danckwerts, 53, fundadora da ONG de proteção animal Wild Is Life (Selvagem é a Vida) e do Zimbabwe Elephant Nursery (Orfanato de Elefantes do Zimbábue) conhecido como ZEN, o único santuário de elefantes bebês do país.

Desde que os filhotes foram transportados de avião para o orfanato apoiado pelo Fundo Internacional para o Bem-Estar Animal (IFAW, na sigla em inglês), perto de Harare, ela e sua equipe ficaram ao lado deles.

Kadik já consegue caminhar, ela segue ao lado de seu cuidador que segura seu acesso | Foto: Roger Allen
Kadik já consegue caminhar, ela segue ao lado de seu cuidador que segura seu acesso | Foto: Roger Allen

Kadiki, cujo nome significa “o pequeno” no idioma local de Shona, passou por uma cirurgia para amputar parte de sua cauda e tratamento para sua tromba. Agora com cerca de dez dias, ela está bem o suficiente para andar de novo, apesar de estar recebendo soro e medicação endovenosa ainda.

Quanto a Bumi, a equipe do berçário diz que agora ele está “quase irreconhecível” desde a sua chegada, desenvolveu uma personalidade travessa e adora brincar com pneus.

Não se sabe o que aconteceu com suas mães. Assim como por causa da seca, os filhotes podem acabar sozinhos ou feridos devido à caça, cair em valas, separar-se de seus rebanhos ou sofrer ataques de predadores, diz a IFAW.

Roxy Danckwerts com Kadik | Foto: Roger Allen
Roxy Danckwerts com Kadik | Foto: Roger Allen

Graças a um projeto inovador entre a ONG Wild é Life e a IFAW, com a criação do orfanato ZEN, o primeiro do gênero no Zimbábue, eles e outros elefantes resgatados têm a chance de um futuro totalmente novo, de volta à natureza, onde podem andar em segurança com outros rebanhos em uma vasta reserva florestal, protegida contra caça.

À medida que o restante do rebanho do santuário continua aprendendo as habilidades necessárias para sobreviver na natureza, nove dos elefantes residentes originais já estão parcialmente realocados, tendo sido transportados 17 horas via terrestre no ano passado para Panda-Masuie, uma reserva florestal de 86 mil acres perto da cidade de Victoria Falls. As entidades IFAW e ZEN garantiram juntas um belo futuro para esta antiga terra de caça.

Bumi medicado das queimaduras brinca com pneus | Foto: Roger Allen
Bumi medicado das queimaduras, brinca com pneus | Foto: Roger Allen

Danckwerts, que resgatou mais de 20 elefantes nos últimos cinco anos, disse: “Os elefantes são altamente inteligentes, com necessidades físicas e emocionais incomparáveis em outros mamíferos”.

“A conservação do quadro geral de populações da espécie é extremamente importante. Ao trabalhar com a IFAW, estamos fazendo isso acontecer e estou feliz por podermos criar juntos um legado de proteção a longo prazo”, concluiu a conservacionista. As informações são do Daily Mail.

Bumi medicado das queimaduras brinca com pneus | Foto: Roger Allen
Bumi medicado das queimaduras brinca com pneus | Foto: Roger Allen

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

​Read More
Destaques, Notícias

Vídeo flagra elefanta quebrando barreira em rodovia para que sua manada pudesse atravessar

Foto: Twitter
Foto: Twitter

A Internet está cheia de inúmeros vídeos de elefantes lidando com obstáculos criados pelo homem, provando que eles são um dos animais mais inteligentes sobre a Terra. Uma filmagem recente de uma manada de elefantes tentando atravessar uma rodovia movimentada, que se tornou viral nas redes sociais, tem atraído a atenção de usuários do mundo todo.

O clipe mostra uma elefanta tentando quebrar uma barreira central em uma movimentada estrada que liga as cidades indianas de Coimbatore e Mettupalayam para ajudar sua manada a alcançar o outro lado da estrada e assim entrar na floresta.

O vídeo foi compartilhado no Twitter pelo oficial da IFS ou Indian Forest Service (Serviço Florestal Indiano), Parveen Kaswan, que elogiou a qualidade de liderança da elefanta ressaltando a capacidade única dos elefantes de nunca esquecem suas rotas.

Ele compartilhou o vídeo com a legenda: “Liderança é principalmente sobre responsabilidade. Uma elefanta abre caminho para outros cinco membros da família atravessarem a movimentada estrada Coimabtore até a Rodovia Nacional Mettupalayam. Os elefantes nunca esquecem suas rotas”.

No vídeo, a elefanta que lidera o rebanho pode ser vista empurrando as barreiras divisórias do canteiro central da rodovia com sua tromba, exercendo sua força e depois quebrando o obstáculo. Assim que ela abre o caminho, os demais atravessam rapidamente a estrada movimentada e entram na floresta.

O vídeo alcançou 17 mil visualizações, 1,5 mil curtidas e 421 retweets.

Foto: Twitter
Foto: Twitter

Internautas elogiaram a memória dos elefantes e alguns deles criticaram a maneira como os humanos invadiram seus habitats. As informações são do jornal Indian Times.

Vida de elefante

Grupos de elefantes ou manadas seguem uma estrutura matriarcal em que a elefanta mais velha fica no comando dos demais. Os rebanhos são compostos principalmente por membros da família do sexo feminino, filhotes e elefantes mais jovens, de acordo com o LiveScience e incluem cerca de 6 a 20 membros, dependendo do suprimento de alimentos. Quando a família fica muito grande, os rebanhos geralmente se dividem em grupos menores que permanecem na mesma área.

A matriarca conta com sua experiência e memória para lembrar onde estão os melhores locais para comida, água e onde encontrar proteção. A matriarca também é responsável por ensinar aos membros mais jovens de sua família como se socializar com outros elefantes.

Foto: Jasoprakas Debdas
Foto: Jasoprakas Debdas

Os elefantes são muito sociais e podem se comunicar entre si e identificar outros elefantes a distâncias de até 3 quilômetros usando sons estrondosos e agudos que ficam abaixo do alcance audível dos seres humanos, de acordo com o LiveScience.

Os elefantes demonstram prontamente boas maneiras aos membros de seu rebanho e outros rebanhos. Por exemplo, eles usam suas trombas para cumprimentar um ao outro, segurando-a no alto ou inserindo a extremidade da tromba na boca de outro elefante.

Os elefantes também prestam muita atenção ao bem-estar de todos os membros de seu rebanho e farão o possível para cuidar e proteger os membros fracos ou feridos.

Foto: Pinterest
Foto: Pinterest

Eles são considerados uma espécie extremamente inteligente e foram observados mostrando habilidades avançadas de resolução de problemas e demonstrando empatia, luto e autoconsciência, de acordo com um artigo da Scientific American.

Estado de conservação

A União Internacional para Conservação da Natureza e Recursos Naturais (IUCN) classifica o elefante asiático como ameaçado de extinção. Embora não se saiba exatamente quantos elefantes asiáticos restam no planeta, os especialistas acreditam que a população está diminuindo.

Foto: The Economist
Foto: The Economist

O elefante africano é considerado vulnerável, de acordo com a IUCN, e a população da espécie está aumentando. Segundo a African Wildlife Foundation, existem cerca de 415 mil elefantes africanos em estado selvagem.

Ameaças contra a sobrevivência de elefantes africanos e asiáticos incluem caça e perda de habitat, segundo o World Wildlife Fund.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Bebê elefante albino desafia as probabilidades, sobrevive e prospera

Foto: Mostafa Elbrolosy/Caters News
Foto: Mostafa Elbrolosy/Caters News

Um frágil bebê elefante nascido com albinismo não só sobreviveu como também tem prosperado na natureza, apesar dos problemas causados pela pigmentação de sua pele.

O filhote raro nasceu em abril deste ano na reserva de Maasai Mara, no Quênia.

Imagens do pequeno paquiderme foram capturadas pela câmera por um fotógrafo da vida selvagem que viu sua pigmentação incomum de pele, em tons de rosa, mas acredita-se que ele esteja se fortalecendo.

Foto: Mostafa Elbrolosy/Caters News
Foto: Mostafa Elbrolosy/Caters News

Mostafa Elbrolosy, um guarda florestal que administra a reserva, disse que ouviu falar do nascimento do elefante, mas ficou surpreso ao ver o adorável bebê ao vivo.

Ele disse ao Daily Mail em matéria de 27 de novembro: “Foi um avistamento raro”.

“As criaturas raras são sempre as mais atraentes para qualquer fotógrafo de vida selvagem, e ter a chance de assistir e fotografar algo assim foi como um sonho realizado”.

Foto: Mostafa Elbrolosy/Caters News
Foto: Mostafa Elbrolosy/Caters News

“Moro aqui na reserva de Maasai Mara, cuido de meu acampamento acolhedor aqui, recebi uma notícia no rádio de uma fêmea de elefante dando à luz um bebê albino”.

“Terminei meu trabalho, guardei minha câmera e fui procurá-la com um de nossos guias”.

“Ficamos surpresos à tarde, depois de um longo e silencioso tempo de busca, apenas poucas pessoas o viram, pois ninguém esperava que fosse um elefante albino”.

Foto: Mostafa Elbrolosy/Caters News
Foto: Mostafa Elbrolosy/Caters News

“Tive muita sorte de ter a chance de ver e fotografar esse bebê extremamente raro”.

Elbrolosy disse que o filhote recém-nascido é extremamente raro e está prosperando, apesar da luz solar forte que não é adequada para ele por causa de sua pele.
“Ele estava cercado e muito bem protegido pelo rebanho, tentando se alimentar da mãe e caminhar com ela”.

“O pequeno tinha apenas oito horas de vida”.

“Ficamos emocionados ao presenciar uma visão tão incrível”.

Foto: Mostafa Elbrolosy/Caters News
Foto: Mostafa Elbrolosy/Caters News

O albinismo é causado pela falta de pigmento na pele e geralmente resulta em camadas dermatológicas pálidas, além de olhos rosados e não pigmentados.

A condição também pode causar problemas de visão que podem levar à cegueira à medida que o filhote envelhece.

Existem muitos elefantes com manchas de pele sem pigmento atrás das orelhas, mas os verdadeiros albinos podem ser rejeitados por sua própria espécie devido à sua aparência incomum. As informações são do Daily Mail.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Destaques, Notícias

Mãe e bebê elefante presos em tanque de água são salvos após operação de resgate que levou horas

Foto: NewsFlare
Foto: NewsFlare

Um bebê elefante ferido que se separou de sua mãe ao cair em um tanque de água, foi resgatado em uma dramática operação de duas horas envolvendo equipes do exército, cordas e duas escavadeiras.

As imagens mostram o filhote ferido se debatendo nas águas profundas do tanque de Guwahati, no nordeste da Índia, no domingo – depois que o bebê e sua mãe caíram enquanto tentavam beber um pouco de água.

Os dois foram flagrados em perigo durante uma patrulha de perímetro no 14 Depósito de Munições no Narangi, e o bebê estava sofrendo visivelmente.

Cerca de sete homens inicialmente tentam puxar o bebê agarrando suas orelhas e tromba, enquanto sua mãe é vista mais longe da borda.

Lutando para agarrar firmemente o filhote, vários outros homens se juntam a eles, enquanto as escavadeiras já estão preparadas para ajudar, uma delas com um cano preso para auxiliar a tirar o animal da água enquanto a outra o circula pelo lado oposto.

Os homens também usam cordas presas ao corpo do filhote para ajudar a puxar o animal, enquanto afastam a mãe com uma vara, pois a elefanta preocupada, involuntariamente dificulta a operação.

Foto: NewsFlare
Foto: NewsFlare

Eventualmente, os homens – contando cerca de uma dúzia nesse momento – conseguiram transportar o bebê e, mais tarde, sua mãe, que se separara do resto do rebanho.

Autoridades disseram que os animais foram vistos em perigo no tanque – que é usado para armazenar água para combater incêndios – no início da manhã de domingo (17), conforme informações do Daily Mail.

O comandante do depósito, coronel Sanjiv Vohra, foi informado e imediatamente acionou a operação de resgate.

Foto: NewsFlare
Foto: NewsFlare

As equipes de resgate inicialmente tentaram retirar os elefantes usando toras, mas depois trocaram por cordas e pelas escavadeiras.

O filhote foi posteriormente transferido para um abrigo improvisado.

Acredita-se que os elefantes se afastaram do Santuário da Vida Selvagem de Amchang, que compartilha a fronteira com o cantão de Narangi.

Foto: NewsFlare
Foto: NewsFlare

Vida de elefante

Grupos de elefantes, ou manadas, seguem uma estrutura matriarcal em que a elefanta mais velha fica no comando dos demais. Os rebanhos são compostos principalmente por membros da família do sexo feminino, filhotes e elefantes mais jovens, de acordo com o LiveScience e incluem cerca de 6 a 20 membros, dependendo do suprimento de alimentos. Quando a família fica muito grande, os rebanhos geralmente se dividem em grupos menores que permanecem na mesma área.

A matriarca conta com sua experiência e memória para lembrar onde estão os melhores locais para comida, água e onde encontrar proteção contra os elementos. A matriarca também é responsável por ensinar aos membros mais jovens de sua família como se socializar com outros elefantes.

Os elefantes são muito sociais e podem se comunicar entre si e identificar outros elefantes a distâncias de até 3 quilômetros usando sons estrondosos e agudos que ficam abaixo do alcance audível dos seres humanos, de acordo com o LiveScience.

Foto: Shutterstock
Foto: Shutterstock

Os elefantes demonstram prontamente boas maneiras aos membros de seu rebanho e outros rebanhos. Por exemplo, eles usam suas trombas para cumprimentar um ao outro, segurando-a no alto ou inserindo a extremidade da tromba na boca de outro elefante.

Os elefantes também prestam muita atenção ao bem-estar de todos os membros de seu rebanho e farão o possível para cuidar e proteger os membros fracos ou feridos.

Eles são considerados uma espécie extremamente inteligente e foram observados mostrando habilidades avançadas de resolução de problemas e demonstrando empatia, luto e autoconsciência, de acordo com um artigo da Scientific American.

Foto: Mark Wright/University of Hawaii Mānoa
Foto: Mark Wright/University of Hawaii Mānoa

Estado de conservação

A União Internacional para Conservação da Natureza e Recursos Naturais (IUCN) classifica o elefante asiático como ameaçado de extinção. Embora não se saiba exatamente quantos elefantes asiáticos restam no planeta, os especialistas acreditam que a população está diminuindo.

O elefante africano é considerado vulnerável, de acordo com a IUCN, e a população da espécie está aumentando. Segundo a African Wildlife Foundation, existem cerca de 415 mil elefantes africanos em estado selvagem.

Ameaças contra a sobrevivência de elefantes africanos e asiáticos incluem caça e perda de habitat, segundo o World Wildlife Fund.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Documentário acompanha a vida de uma manada de elefantes por diversos anos na savana africana

Foto: Apple
Foto: Apple TV

“The Elephant Queen” é um documentário sobre a jornada de uma manada de elefantes e os desafios enfrentados pelos animais durante o trajeto em busca de comida e água. Narrado pelo ator Chiwetel Ejiofor e dirigido pelos premiados cineastas Mark Deeble e Victoria Stone, o filme aborda a imprevisibilidade da natureza e não se esquiva de mostrar as consequências da seca e da fome, mostrando alguns animais mortos nas cenas, segundo o Washington Post.

Especialmente tristes são as cenas que mostram um bebê elefante morrendo e o rebanho se reunindo para lamentar sua perda. Existem também algumas outras fotos de animais selvagens doentes, moribundos ou mortos. Os rituais de reprodução são discutidos ou retratados e, segundo o The New York Times, o filme passa uma mensagem forte sobre temas como perseverança e trabalho em equipe.

Gentil e esperançoso, “A Rainha Elefante” às vezes evita verdades difíceis. Mas, ainda segundo Ken Jaworowski, do Times, este documentário tem como objetivo celebrar essas criaturas, em vez de agitar a raiva sobre seu perigo de extinção. O crítico acredita que “considerando o público-alvo jovem, essa é uma estratégia inteligente”.

O filme se concentra em Athena, líder de uma extensa família de elefantes selvagens que vagueiam pela savana queniana. Em filmagens realizadas ao longo de vários anos, o rebanho é observado ao se reunir em seu poço de água, ter filhos e, durante uma seca, percorrer longas distâncias para encontrar uma nova fonte de água.

Também é mostrado como os elefantes são curiosos e perspicazes. Joworski ressalta especialmente uma cena em que o rebanho aparentemente reconhece os ossos de um membro morto e lamenta. Outras espécies também são observadas: “Os ciclos de vida de pássaros, répteis e insetos se entrelaçam com os dos elefantes e são tão fascinantes!”, diz o especialista.

Foto: Apple TV
Foto: Apple TV

Joworski observa ainda que as “omissões do filme podem ser flagrantes” – as mudanças climáticas estão afetando esses animais, mas nunca são mencionadas. Da mesma forma, a caça desenfreada mata dezenas de milhares de elefantes todos os anos.  Segundo o crítico, se essa insanidade não parar, a extinção é garantida: “Somente no final é mencionado o massacre, quase de passagem. Os telespectadores jovens certamente poderiam lidar com mais alguns fatos mais fortes”.

“No entanto, ‘The Elephant Queen’ decide, antes de tudo, usar uma narrativa para criar compaixão. E aqui, uma boa história é tão eficaz quanto um grito”, conclui o crítico.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Bebê elefante se diverte e aprende a correr perseguindo pássaros em poço de lama

Foto: Newsflare/moynotg
Foto: Newsflare/moynotg

Um filhote de elefante determinado e brincalhão pratica suas habilidades de corrida, perseguindo um bando de pássaros, enquanto sua família desfruta de uma pausa para beber água em um rio na África central.

O elefantinho corre através de poças de lama espessa e poças de água para perseguir um grupo de patos em Ippy, República Centro-Africana.

Gilles Moynot, um fotógrafo da vida selvagem, captura o momento em que o elefante dobra as patas dianteiras, abaixa a cabeça, levanta a cauda e empina as orelhas.

Mas, em vez de parecer intimidador, o jovem elefante é adorável, pois rapidamente ganha velocidade e se lança sobre a lama divertindo-se no processo.

Ao se cansar, o jovem elefante para, olha em volta, encontra um novo alvo e segue outro pássaro que precisa bater rapidamente suas asas para fugir do pequeno perseguidor.

Foto: Newsflare/moynotg
Foto: Newsflare/moynotg

Enquanto o bebê aprende a atacar, os membros de sua família bebem pacificamente das poças de água e serpenteiam lentamente pela lama.

Enquanto corre, o elefantinho parece não ter descoberto o que fazer com sua tromba e a arrasta desajeitadamente pelas poças de água.

Foto: Newsflare/moynotg
Foto: Newsflare/moynotg

Os elefantes vão para cima de qualquer ameaça percebida quando sentem que estão em perigo como forma de proteger a si mesmos e a sua família.

O conservacionista Mike Fay disse anteriormente que a melhor maneira de um ser humano reagir a uma investida de elefante é ficar no chão e fazer um barulho alto.

Foto: Newsflare/moynotg
Foto: Newsflare/moynotg

O elefante africano é o maior animal que caminha pela terra e seus rebanhos cruzam milhares de quilômetros por 37 países do continente.

Este clipe foi filmado em 10 de outubro de 2017.

Foto: Newsflare/moynotg
Foto: Newsflare/moynotg

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More