Destaques

Crueldade: homem borrifa tinta vermelha em macaco e animal chora de dor

Macaco | Foto: Reprodução Pixabay

Na Malásia, país do sudeste asiático, a população convive com a presença de macacos no seu dia a dia, mas infelizmente não são todas as pessoas que têm respeito pelos animais. É o que evidencia um grupo de direitos animais da Malásia, que está procurando por um homem que foi filmado borrifando tinta vermelha em um macaco. De acordo com organização Malaysia Animal Crime Transparency (MyAct), um vídeo divulgado nas redes sociais mostra o homem borrifando tinta no macaco enquanto ele chora de dor.

“Pintar com spray macacos, macacos-de-cauda-longa e macacos-rabo-de-porco que foram pegos pelos habitantes locais por causar “problemas” é um crime e não é a primeira vez que isso acontece. Houve quatro casos até agora este ano, e o último parece ter ocorrido em Johor. Este vídeo mostra um ato horrível e antiético [em relação aos animais] ”, disse o porta-voz do MyAct. No vídeo, você pode ver a pessoa pulverizando a tinta horrível no macaco que está claramente indefeso.

Nos comentários da postagem as pessoas parecem horrorizados com o vídeo. Sendo que uma escreveu: “Ele está borrifando tão perto do rosto do macaco, não vai atingir seus olhos? O ser humano pode ser muito cruel mesmo. ”

O artigo 86 da Lei de Conservação da Vida Selvagem de 2010 afirma que aqueles que forem considerados culpados de crueldade contra a vida selvagem podem ser multados ou presos.

Mas infelizmente as leis contra a crueldade em animais no país divergem da realidade. Por que outros usuários da rede social em que o vídeo foi divulgado, disseram que essa é uma prática comum entre as pessoas borrifarem substancias em macacos como forma de punição. O que demonstra falta de cuidado do poder público quanto aplicação da lei, e a preservação da vida animal.

https://www.facebook.com/watch/?v=412726546377266


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


​Read More
Notícias

Cachorro é pintado de tigre e caso gera revolta nas redes sociais

Reprodução/Facebool/Persatuan Haiwan Malaysia – Malaysia Animal Association

Um cachorro foi pintado de laranja com listras pretas para ficar parecido com um tigre na Malásia. Imagens do animal, visto perambulando por ruas do país, foram divulgadas na internet e geraram revolta.

O caso foi divulgado pela ONG de proteção animal Persatuan Haiwan Malaysia, que pediu ajuda para localizar o cachorro e o tutor dele. Não se sabe, no entanto, se o cão tem uma família ou vive em situação de rua.

Nos comentários da publicação, internautas demonstraram preocupação com o cachorro, que pode sofrer uma intoxicação por conta dos componentes da tinta usada para pintá-lo.

Reprodução/Facebool/Persatuan Haiwan Malaysia – Malaysia Animal Association

A humilhação a qual o animal foi exposto, sendo tratado como um objeto por quem o pintou, também revoltou os internautas. “Acham isso engraçado? Pobre cão!”, escreveu um usuário do Facebook.

Em um dos comentários, uma pessoa pontuou que ter sido pintado deve ser desconfortável para o animal, além de acarretar riscos a sua saúde. “Não faz sentido fazer isso. Espero que os criminosos sejam identificados e punidos”, disse um internauta. “Os humanos hoje em dia são desprezíveis”, afirmou outro.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


​Read More
De olho no planeta, Notícias

Lixos da Alemanha e da Malásia são encontrados em praia do litoral de SP

Os lixos serão submetidos à análise de ecotoxicidade, que medirá o impacto desses produtos na natureza


O monitor ambiental Márcio Ribeiro, de 36 anos, encontrou lixos da Alemanha e da Malásia em uma praia de Peruíbe, no litoral de São Paulo. Os países estão a mais de 9 mil e 16 mil km de distância do Brasil, respectivamente.

Foto: Arquivo Pessoal/Márcio Ribeiro

Ribeiro encontrou uma embalagem de leite de soja produzida na Malásia e um saco plástico para armazenar sulfito de sódio produzidos na Alemanha. Os objetos foram encontrados em uma região preservada, na Praia do Arpoador, no Parque Estadual do Itinguçu.

“É comum aparecer lixo dos países asiáticos, mas da Europa é mais difícil. Faz a gente pensar sobre a responsabilidade de quem produz”, disse o monitor.

“Trabalho com monitoramento ambiental há 15 anos e não é tão raro encontrarmos lixo vindo de outros países, mas mesmo assim a gente fica triste, principalmente por ser uma área de preservação ambiental. É um ambiente muito rico em questão de biodiversidade, e lixos acabam servindo de alimento e levando os animais a óbito”, completou.

Colaborador da ONG Ecologia e Movimento (Ecomov), Ribeiro contou que parte do lixo foi descartada, mas que os itens internacionais foram levados para a entidade para serem submetidos à análise de ecotoxicidade, que medirá o impacto desses produtos na natureza.

Foto: Arquivo Pessoal/Márcio Ribeiro

De acordo com o presidente da Ecomov, Rodrigo Azambuja, não é possível determinar como os lixos chegaram ao litoral de São Paulo. No entanto, indícios apontam que os materiais são resultado do descarte irregular de navios que passam pela costa brasileira.

Azambuja lembrou que Peruíbe está entre os portos de Santos e Paranaguá (PR), região com grande fluxo de embarcações internacionais, e que o lixo não estava degradado, o que indica que não foi descartado há muito tempo.

Foto: Arquivo Pessoal/Márcio Ribeiro

“Recolhemos esse material e o encaminhamos para análise no Laboratório de Ecotoxicidade da Universidade Santa Cecília (Unisanta)”, disse.

“Vamos encaminhar os laudos para o Ministério Público, pois apesar da dificuldade, é preciso determinar a responsabilidade de quem produz esses resíduos. Não temos como fiscalizar 100% das nossas praias o tempo todo, mas são inúmeras as denúncias de descarte irregular. Esses são crimes silenciosos, onde não há flagrante. Quando são empresas nacionais, há punições, e isso também deve acontecer com as companhias internacionais”, completou.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


​Read More
Notícias

Morre o último rinoceronte-de-sumatra fêmea da Malásia

Com a morte da fêmea, a espécie é oficialmente considerada extinta na Malásia


Morreu a última fêmea da espécie rinoceronte-de-sumatra da Malásia. Com a morte do animal, restam menos de 80 rinocerontes na natureza, segundo a International Rhino Fundation, entidade que promove ações de proteção aos rinocerontes.

Foto: Wikimedia Commons

Iman, de 25 anos, morreu no último dia 23. Sua morte determina a extinção da espécie na Malásia. O último macho que habitava a região, de nome Tam, morreu há seis meses com 30 anos. A causa da morte foi a falência de seus órgãos. As informações são da revista Galileu.

O material genético dos dois animais foi guardado para que sejam feitas tentativas de converter células em embriões viáveis para serem transplantados em outros rinocerontes.

Iman foi capturada em 2014 e encaminhada a um programa de reprodução que tinha como objetivo salvar a espécie. A fêmea tinha tumores no útero e na bexiga que a faziam sentir muita dor. Uma cirurgia para reverter o caso seria inviável devido ao risco de perda de sangue após o procedimento.

Iman morreu de choque, isso é, seus órgãos pararam de funcionar por não receberem fluxo sanguíneo. Ela pesava 476 kg, tendo perdido 44 kg devido à doença.

Estes rinocerontes foram dizimados pela caça, que visa retirar seus chifres para comercializá-los na Ásia. Com mais de 70% de queda na população da espécie, o rinoceronte-de-sumatra é provavelmente o mamífero mais ameaçado do planeta. Atualmente, as populações selvagens da espécie se concentram na Indonésia.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


​Read More
Notícias

Homem é condenado à prisão por matar gata grávida em secadora de roupas

Uma câmera de segurança registrou o momento em que a gata foi colocada dentro da secadora de roupas em uma lavanderia em Kuala Lumpur, capital da Malásia


Um homem foi condenado a 34 meses de prisão na Malásia por maus-tratos a animais após colocar uma gata grávida em uma secadora de roupas, levando o animal à morte. A decisão judicial foi emitida nesta terça-feira (5).

Pixabay/Konevi/Imagem Ilustrativa

O crime aconteceu em setembro de 2018 em uma lavanderia em Kuala Lumpur, capital da Malásia. Uma câmera de segurança registrou o ato brutal e as imagens revoltaram a população, segundo a agência de notícias Bernama.

“Espero que esta sentença sirva de lição para o acusado e para o público em geral. Para que ninguém seja cruel com os animais”, declarou o juiz Rasyihah Ghazali.

Ao ser interrogado, K. Ganesh, de 42 anos, confessou o crime. Além da prisão, ele foi condenado a pagar uma multa de 40.000 ringgit (9.700 dólares). As informações são da AFP.

No entanto, embora tenha sido condenado, Ganesh permanece em liberdade sob fiança enquanto aguarda análise de recurso.

Ao matar o animal, o homem contou com a ajuda de um taxista que, em janeiro, foi condenado a dois anos de prisão. O corpo da gata foi encontrado por um cliente da lavanderia, que acionou a polícia.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


​Read More
Notícias

Elefante pigmeu raro é morto por caçadores com 70 tiros

Foto: Sabah Wildlife Department
Foto: Sabah Wildlife Department

Um elefante pigmeu de Bornéu (Elephas maximus borneensis), espécie ameaçada de extinção, foi encontrado morto e atingido por 70 balas na Malásia depois de ter sido assassinado por caçadores que tinha como objetivo roubar suas presas.

O elefante foi encontrado boiando em um rio em Sabah, região da Malásia, na quarta-feira da semana passada, depois que os pescadores notaram seu cadáver amarrado a uma árvore.

Um exame post-mortem revelou que o animal havia sido baleado 70 vezes a curta distância, incluindo uma bala que perfurou sua têmpora esquerda, matando-o.

Os responsáveis pelo exame disseram que é impossível saber em que ordem as balas entraram em seu corpo ou por quanto tempo o elefante do sexo feminino sofreu antes de morrer.

No entanto, eles confirmaram que no momento em que o tiro atingiu sua têmpora, a morte teria sido instantânea.

O diretor do Departamento de Vida Selvagem de Sabah, Augustine Tuuga, disse que a morte do animal foi “cruel”, independentemente de quanto tempo ele sofreu.

O vídeo mostra como o corpo foi descoberto – a maioria dele submersa em água marrom escura e amarrada ao banco de terra por uma corda.

Foto: Tawau.my
Foto: Tawau.my

Os pescadores alertaram as autoridades que precisavam buscar máquinas específicas em uma fazenda próxima para trazer o corpo para a margem.

O cadáver do animal foi então levado para um exame post-mortem, que confirmou que as presas haviam sido serradas, informou o Straits Times.

A polícia está agora à procura dos culpados, uma equipe de pelo menos quatro ou cinco caçadores ilegais, que acredita ser responsável pelo assassinato.

Foto: @kosmo.com.my
Foto: @kosmo.com.my

Restam apenas 1.500 elefantes pigmeus na natureza e a espécie é protegida pela lei da Malásia.

Qualquer um considerado culpado de matar um desses animais pode ser preso por cinco anos ou receber uma multa de até 60 mil dólares (cerca de 249 mil reais).

Foto: @kosmo.com.my
Foto: @kosmo.com.my

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

População de orangotangos cai 30% nas florestas da Malásia

O número de orangotangos ameaçados de extinção que vivem em fragmentos de florestas encontrados em plantações de óleo de palma no estado de Sabah, no leste da Malásia, caiu 30% entre 2002 e 2017, mas a população geral da região é estável segundo informações do World Wide Fund for Nature (WWF) divulgadas na quinta-feira.

Em um artigo científico entitulado Changes to Orangutan Population in Recent Times: 2002-2017 (Mudanças na população orangotra em tempos recentes: 2002-2017, na tradução livre), foi o levantamento mais intensivo da espécie já realizado em Sabah, no nordeste de Bornéu.

Ele revelou que, em um período de 15 anos, pelo menos 650 orangotangos foram mortos nas áreas protegidas das terras baixas do leste, onde populações fragmentadas são “pressionadas” por plantações de dendezeiros em grande escala e estabelecidas há muito tempo.

“Esses declínios soam um alerta de conservação e enfatizam a necessidade de monitoramento populacional”, dizem os autores do relatório, publicado na revista Public Library of Science.

A população total permaneceu estável em cerca de 11 mil indivíduos e cerca de 70% vivem em santuários, parques estaduais ou áreas de conservação da vida selvagem.

Os orangotangos são encontrados nas florestas tropicais de Bornéu, onde fica Sabah, e na ilha indonésia de Sumatra, onde também estão criticamente em perigo.

“Enquanto a população de orangotangos se estabilizou em grandes áreas de floresta, seus números diminuíram em manchas florestais nas paisagens de dendezeiros das planícies orientais de Sabah”, disse a WWF em um comunicado.

“A natureza monocultora (só se planta palma) das plantações de dendê significa que elas tendem a não apoiar espécies que dependem do ambiente florestal, como o orangotango”.

Foto: ROMEO GACAD/AFP
Foto: ROMEO GACAD/AFP

Fragmentos florestais dentro das plantações são críticos para a sobrevivência do animal, destacando a necessidade de uma estratégia abrangente de conservação, disse Augustine Tuuga, diretor do Departamento de Vida Selvagem de Sabah.

“Essa conectividade, através de corredores de vida selvagem que ligam trechos de floresta, é fundamental para a sobrevivência dos orangotangos em plantações de óleo de palma, especialmente nas terras baixas de Sabah”, disse ele na declaração do WWF.

O óleo de palma, representa a maior safra agrícola e exportação do país do Sudeste Asiático e Sabah é o seu maior estado produtor.

Infelizmente o país depende da commodity – que é usada como ingrediente de produtos que vão de alimentos a cosméticos – por bilhões de dólares em ganhos em divisas e centenas de milhares de empregos.

No entanto, os ambientalistas alertam que a indústria do óleo de palma gera um impacto generalizado à medida que a terra é desmatada, muitas vezes por meio de práticas destrutivas de derrubada e queimada.

No mês passado, o Parlamento Europeu votou pela restrição e proibição do biocombustível de óleo de palma até 2030.

A Malásia deve se juntar à Indonésia, maior produtor mundial de óleo de palma, para desafiar a tentativa de proibir o biocombustível na Organização Mundial do Comércio.

Donna Simon, diretora de programa do WWF da Malásia e uma das três autoras do estudo, sugeriu otimismo, já que a conclusão de que o número de orangotangos em outros lugares em Sabah parecia ter se estabilizado indicando que as populações poderiam ser protegidas quando a caça fosse proibida e as florestas bem geridas.

“Esta pesquisa nos permite defender um melhor plano de uso da terra e identificar o habitat degradado crucial do orangotango a ser reservado para restauração e conectividade de habitat ou para proteção”, disse ela em um comunicado.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Elefante ameaçado de extinção morre após ser atropelado em rodovia na Malásia

Imagem do elefante selvagem morto após ser atingido por um caminhão em uma estrada no estado malaio de Terengganu. | Foto: Bernama
Imagem do elefante selvagem morto após ser atingido por um caminhão no estado malaio de Terengganu. | Foto: Bernama

Um elefante morreu depois de ser atropelado por um caminhão em uma rodovia da Malásia, informou a polícia nesta segunda-feira (29 de julho), a mais recente vítima entre as criaturas ameaçadas de extinção a serem mortas enquanto seus habitats são destruídos.

O país do Sudeste Asiático é o lar de muitos animais exóticos, mas eles se vêem cada vez mais forçados a sair de suas casas na selva à medida que as plantações e os assentamentos humanos se expandem.

O elefante foi morto no final do domingo em uma estrada movimentada ao norte de um parque nacional no estado de Terengganu, no nordeste do país, disse à AFP o policial Mohamad Adli Mat Daud.

“Uma manada de elefantes selvagens de repente emergiu da floresta saindo da escuridão”, disse ele.

“Um elefante selvagem do seco feminino com idade entre cinco e seis anos foi atingida e morta por um caminhão.”

“O clima na hora do incidente estava bom, sem neblina, mas a distância era muito pequena para o motorista evitar os elefantes a tempo”, afirmou o oficial.

“O acidente fez com que um elefante ficasse sob o pneu traseiro do caminhão, e o animal morreu devido a graves lesões na cabeça”, disse ele.

O motorista do caminhão que transportava aço para um porto saiu sem ferimentos, acrescentou.

Em 2017, dois elefantes foram mortos na mesma rodovia no norte da Malásia dentro de dois meses.

Os paquidermes na península da Malásia são elefantes asiáticos, espécie classificada como ameaçada pelo grupo de proteção União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN).

Mais de 2.000 animais selvagens foram mortos em estradas na Malásia peninsular entre 2013 e 2018, de acordo com autoridades da vida selvagem.

A península da Malásia faz parte do sudeste da Ásia, enquanto os estados do leste do país ficam na ilha de Bornéu.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Cantora é presa após adotar um filhote de urso pensando ser um cachorro

A cantora Zarith Sofia Yasin, de Kuala Lumpur, na Malásia, adotou um filhote de urso após confundi-lo com um cachorro e acabou sendo presa por manter um animal silvestre em seu apartamento.

A jovem, de 27 anos, afirmou que levou o urso para casa porque o encontrou doente e, pensando ser um cachorro, decidiu ajudá-lo.

Reprodução / Facebook

Zarith alegou que não planejava manter o animal em cativeiro, segundo informações divulgadas pelo Metro Reino Unido

“Era noite quando encontrei o filhote de urso muito fraco ao lado da estrada, e eu pensei que era um cachorro. Eu sei que um urso não pode ser criado, não pode ser mantido como animal de estimação. Eu só queria salvá-lo, não tinha intenção de explorá-lo”, justificou.

A cantora deu para o urso o nome de Bruno. Ela contou que ficou com medo de enviá-lo a um zoológico, porque nesses locais os animais são muito magros e argumentou que o tratou bem.

“Eu não o coloquei em uma jaula porque não queria que ele ficasse lá por muito tempo – isso teria sido ainda mais cruel. Se Bruno pudesse falar, certamente diria que a comida que eu dei a ele estava deliciosa. Comia até chocolates!”, se defendeu. O alimento, no entanto, não é indicado para ursos.

Após saber do caso por meio de um vizinho de Zarith, que viu o animal e denunciou a situação às autoridades, o Departamento de Vida Selvagem e Parques Nacionais foi ao apartamento da cantora.

A defesa da jovem afirmou que ela tem o “próprio negócio para administrar durante o dia e à noite, canta, e não tem tempo de vender animais”. A cantora disse também que acredita que “animais assim não deveriam estar à venda”.

O gesto de Zarith pode levá-la a ser multada e a ser condenada a até 10 anos de prisão. Após ser levada à delegacia, ela foi liberada sob fiança. Em julho, o caso será julgado por um tribunal.

Um vídeo mostra o urso rugindo e colocando a cabeça para fora de uma janela. Confira abaixo.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. Doe agora.


 

​Read More
Destaques

Morre o último rinoceronte-de-sumatra na Malásia

Tam, ó último rinoceronte-de-sumatra morre na Malásia | Foto: AFP
Tam, ó último rinoceronte-de-sumatra morre na Malásia | Foto: AFP

O último sobrevivente do sexo masculino dos rinocerontes-de-sumatra da Malásia, chamado de Tam, morreu na segunda-feira (27), afirmaram autoridades da vida selvagem, deixando apenas uma fêmea no país e colocando a espécie criticamente ameaçada para mais próximo da extinção.

Descoberto rondando de uma plantação de dendezeiros em 2008, Tam foi capturado e transferido para a Reserva de Vida Selvagem de Tabin, no estado de Sabah (Malásia). Esforços para que ele se reproduzisse com dois rinocerontes do sexo feminino – Puntung, capturado em 2011, e Iman, capturado em 2014 – não tiveram sucesso.

Com a eutanásia de Puntung em 2017 devido ao câncer, o Iman (uma fêmea) é agora o único membro remanescente de sua espécie na Malásia. Devido a décadas de perda de habitat e caça, acredita-se que existam menos de 80 rinocerontes de Sumatra na natureza, a maioria na ilha vizinha de Sumatra. O resto está espalhado por Kalimantan, no Bornéu indonésio.

Uma vez com uma espécie tão populosa que atingia todo o leste da Índia e toda a Malásia, o rinoceronte da Sumatra foi quase dizimado, restando menos de 80 indivíduos no mundo, de acordo com o World Wildlife Fund.

Apenas um punhado dessas belas criaturas permanece nas selvas da Indonésia.

Os rinocerontes-de-sumatra são tão poucos que, de fato, os especialistas acreditam que o isolamento é a maior ameaça à existência da espécie. Isso ocorre porque as fêmeas dessa espécie podem desenvolver cistos e miomas em seus tratos reprodutivos se ficarem muito tempo sem acasalamento.

Segundo os especiaistas envolvidos, essa foi a causa da infertilidade de Iman. A incapacidade de Puntung em transportar fetos pareceu se originar de ferimentos causados por armadilhas de caçadores e uma gravidez fracassada quando estava na natureza.

O diretor do Departamento de Vida Selvagem de Sabah, Augustine Tuuga, disse que o macho malaio Tam vivia em uma reserva natural na ilha de Bornéu para protegê-lo de ser caçado.

A causa da morte do animal não foi imediatamente esclarecida, mas relatos anteriores sugeriram que ele sofria de problemas renais e hepáticos.

A condição de Tam estava em constante declínio desde o final de abril, quando seu apetite e estado de alerta diminuíram, disse Tuga ao jornal malaio The Star. Testes de urina revelaram que os rins do rinoceronte e talvez outros órgãos haviam começado a falhar.

As autoridades ainda não sabem dizer por que Tam se deteriorou tão rapidamente, mas pode ter sido apenas a velhice. Estima-se que Tam tivesse trinta e poucos anos, e esses animais só têm uma expectativa de vida de 35 a 40 anos, disse Tuuga ao jornal de Singapura The Straits Times.

A morte de Tam vem de encontro a um esforço contínuo de conservacionistas na esperança de usar técnicas de fertilização in vitro (FIV) para criar descendentes do último rinoceronte-de-sumatra da Malásia, Iman, e um macho indonésio.

Tuuga disse que houve problemas com o útero de Iman e que ela era incapaz de engravidar, mas ainda era capaz de produzir óvulos.

“Nós apenas temos que cuidar do último rinoceronte remanescente. É tudo o que podemos fazer e tentar, se possível, trabalhar em conjunto com a Indonésia”, disse ele.

*Uma nova esperança*

Por mais trágica que a morte de Tam seja, ela representa um alerta para buscar mais animais em estado selvagem, diz Kinnaird, que tem coordenado os esforços de rinocerontes de Sumatra na WWF International nos últimos dois anos.

A boa notícia é que no final do ano passado a coalizão já havia conseguido capturar uma nova fêmea chamada Pahu. Sua transferência para uma nova instalação de criação em Kelian foi tão importante que o rinoceronte recebeu uma escolta da polícia e dos tratores de limpeza de deslizamentos de terra.

Até onde os especialistas podem dizer, Pahu parece ser reprodutivamente saudável, diz Kinnaird; ela está se adaptando bem em sua nova casa e, com alguma sorte, poderá em breve ter companhia.

“Nossas pesquisas mais recentes indicam que há outros rinocerontes ainda andando pelas florestas de Kalimantan”, diz Kinnaird, “o que me dá esperança renovada”.

“Precisamos continuar focados no laser para salvar os restantes 80 rinocerontes-de-sumatra, usando uma combinação de proteção intensiva e criação em cativeiro, e trabalhando com a população local para incutir orgulho de que o rinoceronte faça parte de sua herança biológica”, diz Ellis. “Esta é uma batalha que não podemos perder”.

​Read More
Notícias

Tailândia vai permitir o comércio de elefantes para países estrangeiros

Foto: WWF-Malaysia
Foto: WWF-Malaysia

O governo tailandês acaba de anunciar que permitirá o comércio de elefantes para outros países, segundo Lek Chailert, fundador da Save Elephant Foundation.

De acordo com Chailert, a decisão também incluirá o envio de partes de corpos de elefantes, como marfim, com permissão concedida a partir de 23 de junho deste ano.

Ela descreveu o movimento como uma “tragédia muito grave”, dizendo que essa medida coloca em risco o “bem-estar dos elefantes selvagens e cativos”.

Regulamento estrito

De acordo com reportagens locais, o Departamento Nacional de Parques Naturais, Vida Selvagem e Conservação de Plantas da Tailândia (DNP) acredita que a nova regulamentação será rigorosa o suficiente para evitar o abuso potencial de traficantes de animais selvagens.

“Elefantes e produtos relacionados a elefantes só podem ser exportados para pesquisa, fins diplomáticos ou para intercâmbio entre institutos acadêmicos e museus”, disse Adul Chotinisakorn, diretor-geral do Departamento de Comércio Exterior.

“Elaboramos cuidadosamente este regulamento em estreita consulta com agências relacionadas e podemos assegurar que os elefantes tailandeses exportados serão bem cuidados por especialistas em um bom ambiente quando estiverem no exterior.

“Estamos conscientes de que o envio de elefantes tailandeses ou produtos de elefantes para outros países é uma questão muito sensível, por isso vamos garantir que as decisões nesta matéria serão cuidadosamente consideradas, sendo o interesse nacional a principal prioridade”.

Tomada de atitude

Mas Chailert está pedindo às pessoas que tomem medidas e se movimentem contra a decisão, que ela diz que coloca os animais em risco. “Eu estou pedindo a todos aqueles ao redor do mundo que amam os elefantes, que por favor, fiquem ao meu lado, e escrevam para o consulado tailandês em seu país, e para o link abaixo, pedindo ao governo para rever esta decisão, segundo o aconselhamento daqueles que trabalham para a conservação das espécies”, disse ela na mídia social.

“Esta visão míope não é defensável. Peço a todos que ajudem-me a lutar pelos direitos do elefante tailandês. Devemos parar o tráfico. Na Tailândia há cerca de 4 mil elefantes trabalhando em cativeiro, e apenas pouco mais de mil permanecem na natureza. Em 1986, o elefante asiático tornou-se uma espécie em extinção A passagem do tempo não lhes fez nenhum favor”.

“O risco de extinção é crítico. Qualquer decisão tomada em relação ao seu futuro deve ser considerada com total escrutínio público e científico. Devemos estar vigilantes em seu nome, até que permaneçam salvaguardados ou até que não haja mais nenhum”.

​Read More
Notícias

Cientistas descobrem que ursos imitam expressões faciais para se comunicar

Foto: Daniela Harmann
Foto: Daniela Harmann

Os pesquisadores responsáveis pelo estudo e observação da espécie ursos-do-sol ou ursos-malaios (Helarctos malayanus) na Malásia notaram que eles copiavam uns aos outros enquanto franziam o rosto para mostrar os dentes incisivos. A característica podem indicar que a comunicação sofisticada seja uma característica inerente a todos os animais.

Até agora, acreditava-se que apenas humanos e gorilas – que são parentes genéticos próximos – usavam um complexo mimetismo facial para se comunicar.

As novas observações são significativas porque os ursos não têm nenhum elo evolutivo especial com os humanos; além disso, eles são animais não-sociais, gastando a maior parte do tempo apenas em busca de alimento, necessitando, portanto, de uma variedade menor de ferramentas de comunicação, conforme informações do jornal Telegraph.

Os pesquisadores da Universidade de Portsmouth disseram que esses fatores sugerem que o mimetismo facial, como uma forma de comunicação avançada, pode ser bastante comum entre os mamíferos, ao invés de estar relacionado apenas a espécies sociais altamente desenvolvidas.

Eles estudaram os 22 animais, também conhecidos como “ursos de mel” devido ao seu apetite voraz por favos de mel, na Malásia por dois anos.

Apesar de ser uma espécie solitária na natureza, os ursos se tornaram brincalhões em cativeiro, participando de centenas de ataques de brincadeiras brutas e gentis durante o período.

Os cientistas notaram que durante a inofensiva brincadeira os ursos provavelmente se envolviam em um mimetismo facial preciso.

O Dr. Davila-Ross disse: “Imitar as expressões faciais de outras pessoas de maneira exata é um dos pilares da comunicação humana”.

“Como os ursos-do-sol parecem realizar uma comunicação facial de tamanha complexidade e por não possuírem um elo evolucionário especial com os humanos – como os macacos que são primatas – nem são domesticados como cães, estamos confiantes de que essa forma mais avançada de mimetismo está presente em várias outras espécies”.

“O mais surpreendente é que o urso do sol não é um animal social”, afirmou o cientista.

“Na natureza, ele é um animal relativamente solitário, então isso sugere que a capacidade de se comunicar através de expressões faciais complexas pode ser um traço próprio dos mamíferos, permitindo que eles naveguem dentro de suas sociedades”, afirma o Dr. Ross

Pesquisas anteriores da equipe de Portsmouth comprovaram que os cães são capazes de se imitar mutuamente, mas de uma maneira muito menos sofisticada do que a mostrada pelos ursos.

Foto: Alamy
Foto: Alamy

No ano passado, outro estudo da mesma universidade mostrou que os cavalos podem se lembrar das expressões faciais dos seres humanos, assim como de vozes humanas.

No novo estudo, foi notado que os ursos frequentemente abrem a boca para os parceiros de brincadeiras de duas maneiras, com os dentes expostos ou escondidos sob os lábios.

Os pesquisadores descobriram que os ursos estavam fazendo, predominantemente, uma dessas expressões com a boca aberta quando viram o parceiro de brincadeiras olhando para eles.

Derry Taylor, co-autor da pesquisa, disse: “Os ursos-do-sol são uma espécie indescritível na natureza e muito pouco é conhecido sobre eles”.

“Sabemos que vivem em florestas tropicais, comem quase de tudo e que, fora do período de acasalamento, os adultos interagem pouco uns com os outro”.

“Isso é o que torna esses resultados tão fascinantes – eles são uma espécie não social que, quando face a face, pode se comunicar com sutileza e precisão.” Os ursos de sol chegam a atingir cerca de 120 a 150cm de altura e pesam até 80kg.

Os números da espécie estão diminuindo devido ao desmatamento, à caça e à mortes causadas por fazendeiros em virtude de ataques às plantações em busca de alimentos.

Especialistas estimam que as espécies tiveram uma queda de aproximadamente 30% nas últimas três gerações de ursos.

Novas mães tem sido mortas numa crescente de extermínio apenas para que seus filhotes possam ser levados e criados como animais de estimação ou mantidos em cativeiro como “ursos biliares”, situações em que esses animais ficam presos para que sua bílis seja colhida e usada em alguns remédios da medicina chinesa.

​Read More