Notícias

Primeira mulher eleita presidente da Eslováquia é ativista ambiental

Foto: Petr David Josek/AP
Foto: Petr David Josek/AP

A primeira mulher presidente da Eslováquia, Zuzana Čaputová, advogada e ativista ambiental, foi empossada no sábado, prometendo combater a impunidade e restaurar a justiça em um país amplamente afetado pela corrupção política em larga escala.

“Ofereço minha experiência, emoção e ativismo. Ofereço minha mente, meu coração e minhas mãos”, disse ela em sua cerimônia de posse.

“Eu quero ser a voz daqueles que não são ouvidos”.

Čaputová, advogada e novata na política, além da primeira mulher é também a pessoa mais jovem a ser presidente da Eslováquia. Ela é às vezes chamada de “Erin Brokovich da Eslováquia” por sua luta de uma década para fechar um aterro sanitário tóxico em sua cidade natal, o que ela conseguiu fazer, ganhando o Prêmio Goldman de 2016 para o meio ambiente.

Foto: Goldman Prize
Foto: Goldman Prize

Em um país católico romano conservador, Čaputová, mãe divorciada de dois filhos, apóia os direitos LGBT e o acesso aos cuidados de saúde reprodutiva.

“Sob a constituição, as pessoas são livres e iguais em dignidade e em direitos, o que significa que ninguém é tão irrelevante para ter seus direitos comprometidos, e ninguém é poderoso para se posicionar acima da lei”, disse ela em seu discurso de posse.

Embora o papel presidencial na Eslováquia seja principalmente cerimonial – o primeiro-ministro supervisiona a maioria dos assuntos do país – Čaputová tem poderes de bloqueio, é comandante-chefe das forças armadas e pode nomear os principais juízes.

Čaputová assume a presidência após o assassinato do jornalista Ján Kuciak, 27 anos, e de sua noiva, Martina Kušnírová, que foram encontrados mortos a tiros na casa que dividiram no ano passado. Kuciak cobriu histórias de evasão fiscal para o site de notícias Aktuality.sk, onde sua última peça foi publicada em 9 de fevereiro de 2018. Ele relatou principalmente casos de fraude envolvendo empresários com conexões políticas, incluindo líderes partidários do governo na época.

O escândalo levou à demissão do primeiro-ministro Robert Fico no ano passado. E o assassinato de Kuciak levou a um enorme protesto na Eslováquia, onde dezenas de milhares de pessoas foram às ruas para protestar contra a corrupção do governo.

Foto: Vladimir Simicek/AFP
Foto: Vladimir Simicek/AFP

Čaputová fez campanha em uma plataforma anticorrupção e foi eleita vice-presidente da Progressive Slovakia, um partido liberal estabelecido há apenas dois anos, que então não tinha cadeiras no parlamento, fazendo com que ela ganhasse depois de um segundo turno ainda mais notável.

Sua eleição contrastou com a mudança européia em direção a partidos populistas e nacionalistas.

“Eu vejo um forte apelo por mudanças nesta eleição após os trágicos acontecimentos da última primavera e uma reação pública muito forte”, disse Čaputová após sua vitória na eleição presidencial em março, referindo-se ao assassinato de Kuciak. “Estamos numa encruzilhada entre a perda e a renovação da confiança pública, também em termos da orientação da política externa da Eslováquia”.

Em seu discurso de posse, Čaputová sugeriu que os funcionários que não combatessem a corrupção deveriam ser removidos de seus cargos. Ela prometeu tornar o sistema de justiça mais igualitário para todos.

Sua presidência pode representar um ponto decisivo para a Eslováquia, que se classificou em 83 dos 149 países no Relatório Global sobre Intervalo de Gênero de 2018, atribuindo uma pontuação muito baixa à participação das mulheres na política.

​Read More
Notícias

Startup quer tornar os alimentos à base de vegetais acessíveis em toda a Índia

O empresário de 22 anos, fundou inicialmente a marca vegana Goodmylk usando a cozinha de sua mãe, ele revela que tem como missão tornar os alimentos à base de vegetais acessíveis para todos e em todo o país.

Rangan que é vegano, confessa que surpreendeu-se com a receptividade e a alta demanda do público indiano por produtos base de vegetais. Ele tornou-se recentemente o empresário indiano mais jovem a entrar na lista de 30 nomes de empreendedores de sucesso com menos de 30 anos da Forbes Asia.

Em 2016, o jovem empreendedor, fundou a marca Goodmylk, uma empresa vegana que oferece entrega em domicílio de produtos como leite à base de vegetais, manteiga e requeijão.

Café e panquecas veganas | Foto: Goodmylk
Café e panquecas veganas | Foto: Goodmylk

“É empolgante ver que há reconhecimento pelo trabalho que nos propusemos fazer – tornar os alimentos à base de vegetais acessíveis em preço e disponíveis para aquisição na Índia”, afirmou Rangan no Instagram.

“Estou impressionado e repleto de gratidão hoje. Cada mentor, fornecedor, membro da equipe, investidor, familiar, cliente e simpatizante, essa é uma conquista de todos nós”.

O verdadeiro sucesso é quando somos capazes de começar de baixo e vencer. ”Durante os estágios iniciais do negócio, Rangan viajou quilômetros em sua scooter elétrica para entregar seus produtos veganos – que ele fazia com a mãe na cozinha de sua casa em Bangalore.

Em 2018, a Rangan conseguiu levantar 400 mil dólares em capital de investimento para expandir seus negócios.

Foto: Goodmylk
Soothie vegano| Foto: Goodmylk

“Eu não vejo sentido quando as pessoas dizem que você tem que desistir de alguma coisa para ser vegano. Eu não abri mão de nada. Eu só substituí algumas coisas por coisas melhores”.
Rangan postou uma foto de si mesmo no Instagram vestindo uma elegante jaqueta de couro sintético.

“Se ganhei alguma coisa, ganhei foi um propósito, ganhei um estilo de vida onde consegui tornar o mundo um lugar melhor e ganhei uma comunidade onde me sinto em casa”.

​Read More