Histórias Felizes, Notícias

Raposa mantida como animal doméstico e abandonada chega em santuário e se apaixona imediatamente

Foto: Tierart/Henri Schuh
Foto: Tierart/Henri Schuh

Nada poderia descrever melhor a situação de Zoe do que a palavra milagre. A raposa que possui um lindo pêlo prateado, saiu viva de uma fazenda de peles.

Zoe é uma “raposa pastel”, o resultado do cruzamento entre uma raposa-prateada e uma raposa-de-cara-branca para criar peles com aquele brilho prateado, algo que nunca teria ocorrido na natureza. Zoe enfrentou uma vida de miséria e com certeza teria uma morte precoce na fazenda de peles na Holanda onde sua vida começou – mas, em 2012, ela foi alvo de um golpe de sorte.

Foto: Tierart/Henri Schuh
Foto: Tierart/Henri Schuh

A raposinha foi resgatada quando tinha apenas um ano e foi trazida para Tierart, um santuário na Alemanha, que acolhe principalmente grandes felinos, administrado pela ONG Four Paws International.

A luz do sol e alimentos frescos e nutritivos estavam muito longe do que Zoe havia experimentado antes. Durante anos após seu resgate, Zoe aprendeu a amar sua nova vida no ambiente natural do santuário, livre de sofrimento e medo.

Então, em 2016, algo inesperado aconteceu em uma cidade próxima – e estava prestes a abalar o mundo de Zoe.

Foto: Tierart/Henri Schuh
Foto: Tierart/Henri Schuh

Os moradores locais viram um animal de aparência incomum vagando pelo bairro. O animal parecia um cachorro e tinha um pelo marrom prateado que ninguém nunca tinha visto antes.

O animal misterioso foi preso e levado para Tierart. Ele também não era um cachorro. Na verdade tratava-se de uma raposa, e não qualquer raposa: ele era uma “raposa pastel” como Zoe.

Foto: Tierart/Henri Schuh
Foto: Tierart/Henri Schuh

Os socorristas o nomearam Frodo. E Frodo era estranhamente amigável com as pessoas, dando aos seus socorristas uma dica sobre de onde ele poderia ter vindo.

“Como a coloração de uma raposa pastel não é encontrada originalmente na natureza e Frodo parecia estar acostumado com as pessoas, a equipe da Tierart suspeitava que Frodo tivesse sido mantido como animal doméstico e simplesmente abandonado”, disse Florian Eiserlo, gerente da unidade em Tierart, ao The Dodo. “Infelizmente, ainda existem criadores na internet que anunciam “raposas pastéis” como animais de estimação exóticos. Ficamos felizes em oferecer a ele um lar para sempre”.

Foto: Tierart/Henri Schuh
Foto: Tierart/Henri Schuh

Que duas dessas raposas raras, criadas em cativeiro, acabassem no mesmo santuário parecia uma questão do destino – mas, como as raposas são territoriais, as pessoas no santuário não queriam apressar nenhum tipo de relacionamento entre Frodo e Zoe.

Eles colocaram Frodo em um recinto que compartilhava uma cerca com a casa de Zoe. Dessa forma, as duas raposas poderiam muito lentamente se acostumar com a visão e o cheiro da outra.

Foto: Tierart/Henri Schuh
Foto: Tierart/Henri Schuh

“Planejamos introduzir lentamente as raposas”, escreveu o Four Paws. “Nós os encontramos abraçados através de uma cerca que separa seus recintos”.

Demorou apenas uma noite para Zoe e Frodo perceberem o quanto eles queriam estar perto um do outro. De manhã, os funcionários encontraram as raposas, cada uma ao lado da cerca, o mais perto possível para trocarem carinhos e abraços.

Logo depois disso, Zoe e Frodo se mudarame passaram a viver juntos – e eles se tornaram inseparáveis desde então.

Foto: Tierart/Henri Schuh
Foto: Tierart/Henri Schuh

“Quais são as chances de Zoe, uma raposa inicialmente trazida a Tierart de outro país, e Frodo, uma raposa mantida por humanos e depois abandonada, se encontrarem?”, disse Claire LaFrance, chefe de comunicações da Four Paws USA.

Zoe e Frodo se divertem tomando banho de sol um ao lado do outro, brincando juntos, abraçando-se, explorando sua casa recém-expandida – eles adoram qualquer coisa desde que possam participar daquilo juntos.

Foto: Tierart/Henri Schuh
Foto: Tierart/Henri Schuh

Em cativeiro, as raposas podem viver até 14 anos. Como Zoe tem 7 anos e acredita-se que Frodo tenha 4 anos, parece que esse casal feliz tem muitos anos alegres pela frente.

“Esperamos que esses dois tenham uma vida longa e feliz juntos”, disse Eiserlo.

Foto: Tierart/Henri Schuh
Foto: Tierart/Henri Schuh

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Pássaro da Amazônia bate recorde mundial como a ave que emite o som mais alto já registrado

Foto: Anselmo d'Affonseca
Foto: Anselmo d’Affonseca

Um pássaro endêmico da Amazônia se tornou o animal que emite o som mais alto já registrado.

O pássaro araponga-da-amazônia (Procnias albus) foi capturado em vídeo produzindo seu zumbido ensurdecedor e mais alto que o som de uma serra elétrica ou os decibéis emitidos em um show de rock.

É um pequeno pássaro branco com bico preto, parece despretensioso e pesa apenas meio quilo (250g), mas emite o monstruoso ruído de 125dB (decibéis) ao procurar por um companheira.

O araponga-da-amazônia foi filmado entre as copas das árvores nas montanhas no norte da floresta amazônica, cantando para uma fêmea para tentar agradá-la e seduzi-la.

Os cientistas que filmaram o pássaro disseram que as fêmeas podem colocar sua audição em risco ao pousarem tão perto dos machos, mas pode valer a pena para que elas possam examinar seu parceiro.

“Tivemos a sorte de ver as fêmeas se juntando aos pássaros do sexo masculino em seus poleiros”, disse o professor Jeff Podos, biólogo da Universidade de Massachusetts.

“Nesses casos, vimos que os machos cantam apenas suas músicas mais altas”.

Foto: Anselmo d'Affonseca
Foto: Anselmo d’Affonseca

“Não apenas isso, eles giram dramaticamente durante essas músicas, de modo que cantam a nota final da música, diretamente tocando nas fêmeas”, disse o biólogo.

O professor Podos confessa ainda que gostaria “muito de saber porque as fêmeas voluntariamente ficam mais próximas dos machos quanto mais alto eles cantam”.

“Talvez elas estejam realmente tentando avaliar os machos de perto, embora correndo o risco de danificar seus aparelhos auditivos”, considera ele.

O pássaro emite uma chamada que soa como uma campainha e, no vídeo, começa com uma nota e depois passa para outra mais alta ainda.

Ele mantém a boca aberta enquanto faz o som e parece estar sentado no ponto mais alto de uma árvore.

Foto: Anselmo d'Affonseca
Foto: Anselmo d’Affonseca

Em comparação com outros animais, o chamado araponga-da-amazônia canta três vezes mais alto que o recorde anterior pertencente ao pássaro criócró ou piha-gritador (Lipaugus vociferans).

O ouvido humano começa a ficar danificado quando ouve sons a partir de 85dB – cerca de 40dB abaixo do choro do pássaro.

Ficar a um metro de distância de uma buzina de carro quando dispara é igual a cerca de 110dB, enquanto uma broca pneumática – ou britadeira – é de 100dB.

Uma serra elétrica tem cerca de 120dB e música rock ao vivo é de 110dB.

Os pesquisadores não sabem como o pássaro consegue fazer um barulho tão alto, mas concordam que é preciso um esforço significativo para tanto.

À medida que o canto fica mais alto, o professor Podos e seus colegas notaram que ele se torna mais curto – potencialmente porque os pássaros ficam sem fôlego enquanto o fazem.

Os arapongas-da-amazônia têm músculos invulgarmente grossos no abdômen e costelas particularmente fortes, o que pode ajudá-los a fazer o barulho alto, disseram os cientistas.

O professor Podos acrescentou: “Não sabemos como os pequenos animais conseguem ficar tão barulhentos. Estamos realmente nos estágios iniciais de compreensão dessa biodiversidade”.

A pesquisa foi publicada na revista Current Biology.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Alce é resgatado após cair em piscina e ficar preso

Foto: NH Fish and Game
Foto: NH Fish and Game

Um jovem alce que ficou preso em uma piscina de New Hampshire, nos Estados Unidos foi resgatado e liberado com sucesso.

Os biólogos e agentes de conservação do departamento de peixes e caça de New Hampshire foram chamados na terça-feira última (01) a uma casa em Bedford para ajudar a remover o jovem macho. Os policiais contam que ele não foi capaz de sair da piscina sozinho, então eles colocaram um degrau de madeira para ajudá-lo.

De acordo com a emissora de televisão WMUR, os oficiais de conservação trabalharam até tarde da noite tentando ajudar o alce a sair da piscina antes de “eventualmente deixar o animal ter a piscina para si durante a noite”, finalmente persuadindo-a na manhã de quarta-feira.

O departamento postou um vídeo do alce olhando cautelosamente para frente e para trás enquanto a equipe segurava uma corda e o encorajava a ir para a beira da piscina. Depois de sair da água, ele fugiu correndo para a floresta.

O coronel Kevin Jordan sugeriu que o incidente estava relacionado com a época de reprodução dos alces.

Ele disse ao WMUR que “o alce mais jovem percorrerá longas distâncias lutando para encontrar uma fêmea”.

Jordan acrescentou que os proprietários devem ter se assustado imensamente quando encontraram o anima na piscina. “Eu não consigo imaginar a cena, o morador indo até as portas de vidro deslizantes e olhando para fora e vendo um alce de 1.200 libras ou 800 libras na piscina”.

Em uma postagem que acompanhava o vídeo no Facebook, o departamento de peixes e caça de New Hampshire escreveu:

“Com a temporada de reprodução de alces começando a aumentar, os machos estão em movimento à procura de parceiros. Em suas viagens, esse jovem alce acidentalmente encontrou uma piscina em Bedford na noite passada em seu caminho. Os biólogos da NHF & G Wildlife, com assistência dos oficiais locais de conservação, conseguiram remover o alce da piscina. O animal não estava conseguindo sair depois de várias horas preso, pois a piscina não tinha escadas. Ao colocar um apoio de degraus de madeira na piscina e persuadir o alce na direção deles, ele conseguiu encontrar o caminho de saída e voltar para a floresta”.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Feridos e debilitados, cães são encontrados sem comida e água no Paraná

Três cachorros, sendo um macho e duas fêmeas da raça pit bull, foram resgatados pela Polícia Civil do Paraná (PCPR) após serem encontrados em situação de maus-tratos no bairro Boqueirão, em Curitiba. Um homem de 48 anos foi detido.

Foto: Reprodução/XV Curitiba

Na casa, as fêmeas eram mantidas presas em um canil insalubre, sem água e comida. O macho estava amarrado a uma corrente, também faminto e com sede, e com ferimentos abertos pelo corpo.

Todos os animais estavam visivelmente debilitados e não recebiam os cuidados necessários. As informações são do portal XV Curitiba.

Levado à delegacia, o tutor dos animais assinou um temo circunstanciado de ocorrência. Ele responderá pelo crime de maus-tratos a animais e, se for condenado, poderá ser punido com até um ano de detenção, além de multa.

A condenação, no entanto, tende a ser revertida em prestação de serviços comunitários por se tratar de um crime considerado pelo ordenamento jurídico como de menor potencial ofensivo.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


​Read More
Notícias

Filhote de espécie rara de onça resgatado em MT recebe tratamento para cegueira

O filhote de onça-pintada melânica resgatado na quinta-feira (13) em Paranaíta, no Mato Grosso, está recebendo tratamento para tentar reverter um quadro de cegueira. O animal foi levado para o Hospital Veterinário da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), campus Sinop, a 503 km de Cuiabá.

Foto: Sema-MT/Assessoria

A espécie, que também é conhecida como onça preta ou pantera-negra, é rara e está ameaçada de extinção. O filhote tem cerca de três meses de idade e foi encontrado por um morador da cidade em uma região de pastagem. Ele manteve o animal em casa por uma semana, mas decidiu pedir ajuda da Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema) quando notou que o filhote estava bastante debilitado.

De acordo com professora da UFMT, Elaine Conceição, a onça está com cegueira devido a um desequilíbrio nutricional. Exames constataram também que o animal apresenta desidratação. As informações são do G1.

“Em consequência desse estado, ela apresenta um quadro de cegueira, que agora estamos priorizando para ver se ocorre a reversão desse quadro, o que é um pouco difícil”, explicou.

O destino do animal já é estudado pelos profissionais da universidade. “Estamos vendo se ele deverá ser solto ou se será destinado para um cativeiro, pois é uma espécie de bastante valor biológico”, disse Elaine.

Foto: Sema-MT/Assessoria

A cor escura da onça se deve a uma alteração genética rara que esconde as pintas comuns da espécie. Trata-se de uma condição rara que acomete apenas de 5% a 10% das onças.

“Esse animal é precioso por conta da pelagem. Dentre as onças-pintadas, ele se torna uma raridade”, ressaltou Elaine.

Nota da Redação: caso o filhote se recupere, a ANDA se posiciona veementemente contra a manutenção dele em cativeiro. O “valor biológico” do animal, apontado pela professora, não pode ser considerado motivo para manter um animal silvestre aprisionado. Onças nasceram para viver no habitat e a natureza delas deve ser respeitada, assim como seu direito à liberdade.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. Doe agora!


​Read More
Você é o Repórter

Cachorro da raça lhasa apso está para adoção em Campinas (SP)

O cão da foto é da raça lhasa apso. Ele está castrado, tem aproximadamente 10 kg e cerca de 2 anos. Está para adoção em Campinas (SP). Precisa de companhia o tempo todo. Gosta de estar com pessoas. É sociável com outros animais e crianças. Interessados em adotá-lo devem entrar em contato com a ONG Operacão Resgate pelo e-mail adote@operacaoresgatecampinas.com.br.

​Read More
Notícias

Aniversário de um ano da morte do último rinoceronte branco traz reflexões sobre a extinção

Foto: Ol Pejeta/Arquivo
Foto: Ol Pejeta/Arquivo

Faz um ano desde a morte do Sudão, o último rinoceronte branco do norte macho do mundo. Ele viveu até os 45 anos quando as complicações de saúde relacionadas à idade e as infecções levaram a sua morte em Ol Pejeta, a reserva de conservação da vida selvagem em Nanyuki, no Quênia (África), que o rinoceronte branco chamava de lar.

Ele deixou uma filha, Najin, e a filha dela, Fatu – mas nenhum macho para garantir a sobrevivência da espécie. A única esperança de continuidade é a possibilidade de reprodução assistida por fertilização in vitro.

O conflito, a caça e a perda de habitat reduziram as populações de rinocerontes brancos do norte, com o último grupo vivendo em estado selvagem no Parque Nacional de Garamba, na República Democrática do Congo, perdido no conflito há cerca de duas décadas.

A perda do Sudão provocou protestos relacionados a ameaça contra a biodiversidade e a extinção de animais, sendo que o aniversário dessa perda representa um momento para os grupos de defesa da vida selvagem exigirem um compromisso renovado pela a proteção de espécies.

“Sudão achava que eu era amigo dele”, disse James Mwenda, um cuidador de rinocerontes em Ol Pejeta, que trabalhou com o Sudão a partir de 2014, em uma mensagem em vídeo.

“Ele era a verdadeira face da extinção, e por isso me tornou mais compassivo, e mais preparado para tentar falar por ele e defender o que ele representava”, conta o cuidador.

Para Mwenda, que prometeu ao rinoceronte branco que trabalharia para proteger outros animais selvagens antes que fosse tarde demais, o legado do Sudão é “para que nós abramos nossos olhos e enxerguemos a realidade do que é a extinção”.

Ele se juntou aos esforços de grupos de defesa da vida selvagem e protetores, incluindo a CITES. “Vamos todos aprender com essa triste perda e ampliar nossos esforços para acabar com a caça e com o tráfico de vida selvagem”, disse o CITES.

Caso as tentativas de fertilização in vitro não tenham sucesso, Sudão leva consigo o legado de último representante da espécie de rinocerontes brancos no norte.

Uma notícia que pode ser dada em relação a diversas outras espécies ameaçadas, caso não sejam tomadas medidas urgentes de proteção e preservação desses animais.

​Read More
Você é o Repórter

Cãozinho castrado busca uma família em SP

Maraisa Oliveira
maraisasampa@hotmail.com

Um cachorrinho nomeado Bob Ângelo foi abandonado na portaria de um prédio em São Paulo, e foi resgatado pela Maraisa, que o vacinou, castrou, vermifugou e passou remédio anti-pulgas.

Porém, agora o cãozinho encontra-se em um lar temporário pago, e precisa de uma família com muito amor para lhe adotar e fornecer uma casa.

Bob Ângelo precisa de adoção de família carinhosa e responsável

Atualmente Bob Ângelo está em um lar temporário, mas precisa de uma família que o adote conscientemente, que o ame e cuide dele.

Ele é macho, SRD, tem 1 ano, porte médio/pequeno (12 kg). É dócil com pessoas. É carente, carinhoso, ativo. Gosta de brincar e de ficar próximo às pessoas. Está no bairro Tatuapé, em São Paulo.

Bob Ângelo precisa de adoção de família carinhosa e responsável

Quem desejar adotar o Bob Ângelo, basta entrar em contato com Maraisa pelo telefone/WhatsApp (11) 95276-7549 ou no e-mail: maraisasampa@hotmail.com.

​Read More
Você é o Repórter

Cachorro da raça poodle está para adoção em São Paulo

Adota Amigo
bimendesandrade@gmail.com

O Bob é um poodle que foi abandonado nas ruas do Itaim Paulista, na Zona Leste. Estava muito sujo e triste. Ele é muito inteligente, amoroso, brincalhão, carente e se dá bem com outros cães.

Bob está castrado, vacinado e vermifugado, tem porte médio, pesa em torno de 17 quilos e tem cerca de um ano. Ele fez um mês de adestramento para aprender a caminhar na rua sem puxar a guia e ficar calmo.

Interessados devem entrar em contato com a responsável por ele por meio do telefone 11-98159.9089 (WhatsApp).

​Read More
Você é o Repórter

Cachorro busca um novo lar nas cidades de SP e região do ABC Paulista

adota.amigo@gmail.com

O cão da foto é o Benji. Ele é macho, está castrado, vacinado e vermifugado. Será doado com questionário, entrevista, termo  de  adoção responsável,  carteirinha  de vacinação e plaquinha de  identificação.

Será entregue na casa  do adotante,  somente  para  cidade de São Paulo e  região do ABC devido as visitas  de  acompanhamento.

Interessados devem entrar em contato através dos seguintes meios:

Email: adota.amigo@gmail.com.

Instagram: @adotaamigo.

Facebook: Projeto Adota Amigo.

​Read More
Você é o Repórter

Tutora procura cachorro desaparecido no Butantã, em SP

Rosa Viva
rotak2@gmail.com

Billy está desaparecido no Butantã, em São Paulo. Fugiu na Rua Barroso Neto, na Vila Indiana, ao lado do 51° DP, na 3° Companhia da Polícia Militar. É um filhote muito dócil e carinhoso.

Quem tiver notícias sobre o seu paradeiro deve entrar em contato com Rosa pelo telefone 11 37267963.

​Read More