Notícias

Filhote de lontra órfão aprende a nadar e caçar com voluntários e é devolvido a natureza

Lázaro treinando com seu cuidador | Foto: Owl Rescue Center
Lázaro treinando com seu cuidador | Foto: Owl Rescue Center

Uma lontra filhote que nunca havia se aventurado na água precisou aprender a nadar e foi ensinada pelos voluntários que a resgataram.

Lázaro nunca pegou sua própria comida ou mesmo enfiou a cabeça na água, apesar de já ter três anos de idade.

Após três semanas de treinamento, a lontra-africana-sem-garras (Aonyx capensis) agora já consegue nadar duas milhas e meia.

Levou horas de persuasão antes que o animal submergisse no rio que fica no Santuário de Pássaros de Hartbeespoort, relata o The Sunday Times.

Mas Lázaro não está sozinho nessa tarefa, um dos voluntários do centro, Brendan Murray, passa seis horas por dia incentivando e ajudando o animal.

Lázaro | Foto: Foto: Owl Rescue Center
Lázaro | Foto: Foto: Owl Rescue Center

A lontra do sexo masculino, tem 7 kg e está e sendo treinada para se tornar uma caçadora eficiente de peixes, caranguejos e mexilhões no rio Crocodile da África do Sul.

Mesmo quando não há predadores na água, Lázaro “se gruda” aos locais próximos mais rasos para garantir que ele possa tocar com as patas o leito do rio.

Murray diz que Lázaro ainda tem medo das águas mais profundas, mas domina a arte de pregar caranguejos e mexilhões. No entanto, ele terá que mergulhar mais fundo se quiser pescar, explicou o voluntário.

Lázaro mudou-se para o Owl Rescue Center no mês passado, depois de passar seus primeiros anos em um santuário sem água em ambiente aberto.

Ele foi abandonado quando filhote e nunca teve a oportunidade de dominar a arte da natação até agora.

Lontras-africanas-sem-garras passam 18 meses com suas mães em estado selvagem, aprendendo a cuidar de si mesmas.

Os animais são capazes de serem tanto noturnos quanto diurnos. Eles caçam em água doce ou água do mar nas costas e pântanos de toda a África.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

 

​Read More
Notícias

Países votam pela proibição do comércio de lontras como animais domésticos

Uma proibição no comércio de duas espécies de lontras ameaçadas de extinção está sendo cogitada depois que 100 países votaram para aumentar a proteção dos animais.

Uma lontra em um cartaz de um café que deixa os turistas passarem a mão nos animais
Foto: Toshifumi Kitamura/AFP/Getty Images

A maioria dos participantes da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas (Cites) espera colocar a lontra Lutrogale perspicillata em listas de espécies mais ameaçadas, assim como a lontra-anã-oriental.

Conservacionistas concordaram com a votação, afirmando que a proibição do comércio é essencial para a sobrevivência das duas espécies – cuja população na natureza diminuiu no mínimo 30% nos últimos 30 anos. Os especialistas acreditam que a diminuição foi causada principalmente por um costume na Ásia – especialmente no Japão – de manter as lontras como animais domésticos.

Matt Collis, o chefe de política do Fundo Internacional para o Bem-Estar Animal, acredita que a votação foi um passo importante para a conservação das espécies. “Espero que o movimento envie uma mensagem para os comerciantes inescrupulosos, controle melhor este comércio e melhore a fiscalização de reproduções em cativeiro”, declarou ele.

Os votos foram para mover as espécies do Apêndice II da Cites, onde o comércio deve ser monitorado, para o Apêndice I, onde o comércio é proibido. A votação ainda deve ser aprovada por um plenário antes que a conferência de Genebra termine, na quarta-feira (28).

As espécies de lontras já eram ameaçadas pela perda de habitat e comércio de peles, mas os conservacionistas dizem que a recente popularização dos animais nas redes sociais aumentou a procura por filhotes na Ásia de forma intensa, o que pode levar as lontras à extinção.

Para atender à demanda, caçadores estão matando animais adultos para roubar os bebês, que são enjaulados e enviados para se tornarem animais domésticos. O principal destino é o Japão, onde um filhote pode custar 10 mil dólares (quase 40 mil reais).


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

 

​Read More
Notícias

Com olho perfurado, lontra é resgatada de casa após sofrer maus-tratos

Uma lontra encontrada em uma casa de um condomínio foi resgatada após ser submetida a maus-tratos. O resgate foi realizado na quarta-feira (20), no bairro Tabatinga, na região norte do município de Caraguatatuba, no litoral do estado de São Paulo.

Foto: Reprodução / Portal O Vale

A Polícia Militar Ambiental (PMA) esteve na residência para resgatar o animal marinho após uma denúncia anônima. As informações são do portal O Vale.

Privada de viver em liberdade e do convívio na natureza com outros animais de sua espécie, a lontra era mantida em cativeiro dentro do condomínio residencial.

De acordo com os policiais que participaram da ação de resgate, o animal estava com um olho perfurado e sem condições de sobrevivência quando foi encontrado.

Devido ao risco de morte, a lontra foi resgatada imediatamente e encaminhada para a Fundação Animalia, que está localizada no município de São Sebastião, também no litoral paulista. A instituição ficará responsável pelo animal durante todo o período de recuperação e, posteriormente, fará também a reintrodução da lontra no habitat.

​Read More
Notícias

Eddie, a lontra estrela da internet, morre aos 20 anos nos Estados Unidos

A lontra, que se tornou um dos animais mais famosos do mundo quando um vídeo de suas habilidades no basquete viralizou na internet, morreu aos 20 anos de idade.

Eddie foi considerado uma das lontras marinhas mais antigas do mundo, atingindo a idade de 20 anos, quando os machos de sua espécie raramente passam dos 15 anos.
Em 2013, Eddie se tornou uma sensação da internet quando um vídeo, se ele mergulhar uma bola em um aro, o viu se tornar um astro do YouTube

Eddie, que morava no zoológico de Oregon, era considerado uma das mais antigas lontras marinhas do mundo.

Ele se tornou uma sensação da internet em 2013, quando um vídeo dele enfiando sua bola em um aro se tornou viral. Suas habilidades lhe renderam fama mundial ao longo de seus anos dourados, mas a idade chegou para Eddie, que teve que ser sacrificado.

O zoológico de Oregon confirmou que Eddie sofreu um declínio em sua saúde relacionado à velhice e morreu pouco antes de seu 21º aniversário.

Infelizmente, Eddie passou toda sua vida em cativeiro, privado da liberdade marinha.

Ele era apenas um pequeno filhote órfão quando foi encontrado ao longo da costa da Califórnia em 1998. Sem as habilidades necessárias para sobreviver sozinho, Eddie foi resgatado e levado ao Monterey Bay Aquarium, onde começou um programa de reabilitação.

Segundo o Serviço de Pesca e Vida Selvagem dos EUA, ele não foi considerado apto para ser libertado em seu habitat natural, e por questões de segurança para sua própria vida, foi transferido em 2000 para o zoológico de Oregon.

Com terapia para suas articulações artríticas do cotovelo, os tratadores treinavam a lontra idosa para enterrar uma bola de basquete de brinquedo em um aro em miniatura.

Um vídeo sobre sua rotina de exercícios nos bastidores lhe rendeu mais de 1,7 milhão de visualizações no canal do zoológico do YouTube e fez dele um dos animais mais famosos da Internet.

No início deste ano, o time de basquete Portland Trail Blazers deu a ele um novo aro com seu logo como presente para seu 20º aniversário.

O mascote da equipe, Blaze, entregou o presente para os guardiões de Eddie em sua área de treinamento, uma pequena piscina conectada ao habitat do zoológico Steller Cove via túnel subaquático.

Oregon Zoo twittou ontem: “Em memória de Eddie. Com quase 21 anos, ele era uma das mais antigas e amadas lontras marinhas do planeta“.

O amor de Eddie pelo basquete começou quando seus treinadores lhe deram um aro e uma bola como terapia para suas articulações de cotovelo artríticas.
Eddie ficou órfão ainda filhote e foi enviado para o zoológico de Oregon quando foi considerado “não-liberável” pelo Serviço de Pesca e Vida Selvagem dos EUA em 2000.

De acordo com o Daily Mail, Amy Cutting, que supervisiona a área de vida marinha do zoológico, disse que as lontras do sexo masculino raramente vivem depois dos 15 anos e que Eddie ainda era muito agressivo, apesar de sua velhice.

Ela acrescentou: “As lontras marinhas raramente vivem nos últimos 15 anos, então Eddie estava entre os mais antigos de sua espécie. Ele era muito mal-humorado como uma jovem lontra e ainda vimos aquele espírito passar durante seus últimos anos”.

“Ele se dava muito bem com nossas duas lontras mais jovens, Juno e Lincoln, e era frequentemente visto lutando e brincando com elas. Mas ele era o estadista mais velho do grupo e eles aprenderam a deixá-lo em paz quando ele queria descansar”.

A morte de Eddie tocou também o time de basquete, com um porta-voz twittando uma homenagem à lontra que estava morrendo: “Nunca esqueceremos nosso amigo Eddie, um verdadeiro embaixador das lontras e do jogo de basquete. Graças ao @OregonZoo por trazê-lo para nossas vidas”.

Eddie sendo alimentado por seus guardiões no zoológico de Oregon. Apesar de atingir a idade madura de 20 anos, Eddie foi sacrificado depois de sofrer um declínio na saúde

Consideradas uma espécie-chave, as lontras marinhas desempenham um papel fundamental no ecossistema marinho da costa do Pacífico, promovendo florestas de algas saudáveis, que por sua vez apoiam milhares de organismos e reduzem os níveis de CO2 na atmosfera.

As lontras marinhas estão listadas como espécie ameaçadas. Estimadas por suas peles, elas foram caçadas à beira da extinção durante o final do século XIX e início do século XX.

Conservacionistas estão agora olhando para a possibilidade de reintroduzi-las na costa de Oregon, onde elas não estabelecem colônias desde 1907.

Nota da Redação: zoológicos e outros locais que aprisionam animais devem ser completamente extintos. Casos como zoo do Oregon servem para alertar a população mundial sobre a injustiça e crueldade escondida atrás de zoológicos e outros locais que mantém animais em cativeiro apenas para divertimento humano. É preciso clarear a consciência para entender e respeitar os direitos animais. Eles não são objetos para serem expostos e servirem ao prazer de seres humanos. As pessoas podem obter alguns minutos de entretenimento, mas para eles é uma vida inteira de exploração e abusos condenados pelo egoísmo humano.

​Read More
Notícias

Moradora encontra filhote de lontra perdido da mãe, em Florianópolis (SC)

Uma moradora da Tapera, no Sul da Ilha de Santa Catarina, encontrou em seu terreno um filhote de lontra que estava perdido da mãe, na manhã da última sexta-feira (21). Ela acionou o Projeto Lontra, que enviou equipe para realizar o resgate do animal, que tem aproximadamente três ou quatro meses de vida, e é da espécie Lontra longicaudis, conhecida como lontra-neotropical.

Foto: Pixabay

Segundo Alessandra Bez Birolo, pesquisadora e presidente do instituto Ekko Brasil, ONG responsável pelo Projeto Lontra, ao avistar o animal, a moradora achou que se tratava de um furão, mas logo percebeu que era uma pequena lontra. Até as 15h, as equipes estavam no local, próximo à Base Aérea de Florianópolis, fazendo a avaliação do filhote, para decidir se ele passará por tratamento ou será reintroduzido na natureza.

“Toda essa região da Tapera, que tem o mangue, é da lontra. Com certeza ela deve ter se perdido da mãe por alguma entrada”, disse Alessandra, ao explicar que a espécie gosta de nadar por canais, mas acaba se perdendo em áreas onde há intervenções humanas.

A pesquisadora detalhou que as lontras são animais solitários e semiaquáticos, por isso não dormem dentro da água e precisam de áreas seguras para abrigo, como beiradas de rios, lagoas, mangues, costões rochosos e ilhas costeiras. No caso de mãe e filhote, essas regiões são buscadas para que o bebê possa aprender a viver na natureza.

Alerta para o número de lontras mortas em Florianópolis 

A pesquisadora do Projeto Lontra chamou a atenção para o número de animais que têm aparecido mortos em Florianópolis. Ela alertou que a população da espécie diminuiu e que as principais causas são agressões cometidas por pessoas – a pauladas e até por arma de fogo -, atropelamento por embarcações e afogamento em armadilhas de pesca.

“Normalmente estas armadilhas são postas ilegalmente, não por pescadores tradicionais, mas por amadores. Os tradicionais já sabem do perigo e têm cuidado com as lontras”, destacou.

Uma das regiões com maior presença de lontras em Florianópolis é a Lagoa do Peri, no Sul da Ilha. Atualmente, são entre 8 e 10 animais na área. “Estamos recebendo muitas lontras mortas, e isso preocupa porque não é um animal que dá filhotes todos os anos. Elas dão poucos filhotes, e quando a lontra tem esse filho, fica com ele por muito tempo. O tempo de vida também não é longo, de 10 a 12 anos. Cada um que perdemos é muito caro para repor”, alertou.

Alessandra ainda explicou que as lontras atacam apenas quando se sentem ameaçadas. A dieta delas é composta por 70% de peixes, 20%de crustáceos e moluscos, e 10% de pequenos mamíferos e répteis. Estes animais comem, todos os dias, 10% do peso deles – uma lontra chega a pesar entre 10kg e 15kg.

Fonte: ND Online

​Read More
Notícias

Morre lontra encontrada na praia da Barra de Santo Antônio (AL)

Reprodução

A lontra encontrada na praia da Barra de Santo Antônio, no Litoral Norte alagoano, morreu por desidratação, informou o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

O animal de 60 centímetros havia sido puxado pela rede de um pescador que estava no local na manhã de hoje, segundo a coordenadora de monitoramento e regaste do Instituto Biota de Conservação, Bruna Teixeira.

Na ocasião, apesar de não apresentar ferimentos, a lontra estava cansada e estressada. Após o resgate, ela foi levada para o Centro de Triagem de Animais Silvestres do Ibama, onde passaria por reabilitação.

Fonte: G1

​Read More
Notícias

Lontra é resgatada em praia da Barra de Santo Antônio (AL)

Lontra é encontrada na praia da Barra de Santo Antônio, em Alagoas (Foto: Instituto Biota/Divulgação)

Uma lontra foi encontrada na praia da Barra de Santo Antônio, Litoral Norte de Alagoas.

De acordo com a coordenadora de monitoramento e resgate do Instituto Biota, Bruna Teixeira, o animal, de aproximadamente 60 centímetros, foi puxado pela rede de um pescador que estava no local.

“A gente foi acionado e fez o resgate, mas como ela é um animal de água doce, a gente encaminhou para o Cetas [Centro de Triagem de Animais Silvestres], do Ibama”, disse a coordenadora.

Segundo a coordenadora, a lontra não estava ferida, mas aparentava estar cansada e estressada. Após reabilitação, ela voltará ao seu habitat natural.

Fonte: G1

​Read More
Notícias

Biólogo encontra lontra passeando na Lagoa da Pampulha, em BH

Lontra é vista na Lagoa da Pampulha, em Belo Horizonte (Foto: Whatsapp TV Globo/ Evandro Bouzada)

Uma lontra foi flagrada passeando na orla da Lagoa da Pampulha, em Belo Horizonte.

O biólogo Evandro Bouzada que fez o flagrante. Segundo ele, era por volta das 6h45 quando o animal apareceu perto da pista de caminhada, na altura da Igrejinha da Pampulha.

“Fiquei surpreso, pois já vimos diversas espécies na lagoa, mas esse animal foi surpresa para mim”, disse.

Ele afirmou que não é possível saber de onde veio a lontra. Há córregos que desaguam na lagoa e reservas naturais próximas, mas a lontra também pode ter sido jogada na região, segundo Bouzada.

Ainda de acordo com o biólogo, o animal não é perigoso, principalmente em um local onde a alimentos para ele como é o caso da lagoa.

Esta é a primeira aparição de lontra nos últimos anos na Lagoa da Pampulha registrada pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente. O órgão disse que irá monitorar para saber se essa é uma aparição isolada ou se existe uma população de lontras na lagoa.

A secretaria disse ainda que o habitat da lagoa é diversificado com grande variedade de peixes, répteis, anfíbios e pequenos mamíferos. Entre os moradores ilustres da orla estão jacarés e capivaras.

Fonte: G1

​Read More
Notícias

Bebê lontra supera perda da família com a ajuda de ativistas

 

Foto: Scottish SPCA

Felizmente, os motoristas viram o filhote de lontra perdido e confuso e imediatamente entraram em contato com a Scottish SPCA.

Misty foi levada para o Centro Nacional de Resgate de Animais Selvagens da Scottish SPCA e a equipe rapidamente agiu cuidar dela. A lontra tinha apenas 10 semanas e era muito jovem para sobreviver sozinha. No início, ela estava insegura e amedrontada em seu novo lar temporário.

“Nós chamamos o filhote de Misty porque ela é muito pequena e a névoa é composta de pequenas gotas de água. Foi difícil alimentá-la quando chegou, pois não pegava uma mamadeira, mas conseguimos que ingerisse peixe”, explica Colin Seddon, gerente do centro, ao The Dodo.

Foto: Scottish SPCA

Uma lontra tão jovem requer cuidado e orientação de sua família e, para ajudá-la a se sentir segura e lhe oferecer um pouco de conforto, a equipe apresentou-lhe um amigo especial que ela amou e do qual se aproximou instantaneamente.

O brinquedo macio é algo confortável que Misty pode acariciar no lugar de seus pais e ajudará com que ela se sinta amada até retornar à natureza e encontrar outra família de lontras.

Foto: Scottish SPCA

“Ela será colocada com outro bebê lontra de uma idade semelhante, chamado Fin, que chegou aos nossos cuidados no Boxing Day. Misty será libertada com cerca de um ano, quando estiver madura o suficiente para se defender na natureza”, observa Seddon.

Misty pode ter tido um começo difícil na vida, mas, graças a seus salvadores, ela terá a companhia do melhor brinquedo até ser liberta.

​Read More
Notícias

Bombeiros resgatam lontra e veado em bairros de Rio Claro (SP)

Lontra foi solta em um rio de Rio Claro neste domingo (Foto: Arquivo pessoal)

Uma lontra e um veado foram resgatados pelo Corpo de Bombeiros em Rio Claro (SP). Ambos os animais estavam bem e não apresentavam ferimentos.

A lontra foi encontrada no bairro do Estádio. Moradores acionaram os bombeiros, que conseguiram resgatar o animal. Já o veado foi visto na Vila Paulista.

Lontra estava em um terreno no bairro do Estádio (Foto: Arquivo pessoal)

Após o resgate, a lontra foi solta em um rio próximo ao bairro do Estádio, enquanto o veado foi solto no horto florestal.

Fonte: G1

​Read More
Notícias

Lontra filhote é resgatada em Itanhaém (SP)

Lontra tinha ferimentos no pescoço
Animal foi encaminhado para Instituto de reabilitação de animais marinhos

O filhote que foi encontrado na margem do Rio Preto, tinha ferimentos de mordida no pescoço e foi encaminhado para o Instituto Resgate de Animais Marinhos (Gremar).

No veterinário, exames iniciais além de identificarem as mordidas, constataram que o filhote estava desidratado. Para o tratamento, a equipe médica fez a limpeza e o curativo do local machucado e também ministrou medicamentos para dor e antibióticos.

Com aproximadamente 1kg, a lontra segue em observação devido dificuldades para se alimentar. “O animal segue em observação porque tem alguma dificuldade para se alimentar sozinho. Acredito que o tratamento ainda demore um pouco. Agora, foi encaminhado para a base do Gremar no Guarujá, que é mais bem aparelhada e conta com um número maior de profissionais, para poder seguir a reabilitação”, disse Rafaela Riesco, bióloga do instituto.

A ação é mais um resultado do Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos – PMP/BS. A atividade é desenvolvida para o atendimento de condicionante do licenciamento ambiental federal do Polo Pré-Sal da Bacia de Santos pela Petrobras, conduzida pelo IBAMA.

O objetivo do Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS) é avaliar a interferência das atividades de produção e escoamento de petróleo sobre as aves, tartarugas e mamíferos marinhos, através do monitoramento das praias e do atendimento veterinário a animais vivos e mortos. O PMP-BS tem caráter regional e está relacionado ao processo de licenciamento ambiental da Etapa 2 do pré-sal.

A área de abrangência do monitoramento engloba os municípios litorâneos dos estados de Santa Catarina, Paraná, São Paulo e do Rio de Janeiro. Considerando-se a extensa área a ser monitorada (mais de 1.500 km de costa), o PMP será executado em duas fases.

​Read More
Notícias

Lontra bebê é resgatada por policiais em casa do Lago Sul, no DF

Lontra foi colocada dentro de gaiola após ser capturada por policiais militares, em Brasília (Foto: Polícia Militar/Divulgação)

Um filhote de lontra foi resgatado por policias militares que se deslocavam para uma ocorrência na região do Lago Sul. O animal foi levado ao zoológico e passou por exames clínicos que vão diagnosticar o estado físico atual e se foi alvo de maus-tratos.

A lontra estava no conjunto 11 da QL 6 do Lago Sul, em Brasília. Os moradores que a encontraram pararam um carro policial que passava pelo local para pedir ajuda. Quando chegaram ao local, os policiais tiveram trabalho para resgatar o animal que se escondeu em uma área gradeada, nos fundos da casa.

A lontra foi levada ao Centro de Triagem de Animais Silvestres, na Floresta Nacional, próximo a Taguatinga, e ainda na quarta-feira foi encaminhada para o Hospital Veterinário do Zoológico para avaliação.

Especialistas não descartam a possibilidade do animal ter sido alvo de maus-tratos. Outra hipótese, é que ele tenha se perdido da mãe, já que o Lago Paranoá – que fica próximo da casa aonde a lontra foi encontrada – é habitat da espécie.

Após os exames, a lontra pode ter dois destinos diferentes. O primeiro é ser devolvido ao habitat natural para viver junto com outros exemplares da espécie. Mas caso os veterinários avaliem que o animal não tenha condições de ser solto na natureza, ele será tratado em cativeiro no próprio Zoológico de Brasília.

Fonte: G1

​Read More