Artigos

Alimentação e Equilíbrio Intelectual?

Acredito que quando você escolhe qualquer coisa nesta vida, você escolhe também um destino. E isso não é misticismo, é apenas lógico, se consideramos que existe uma seqüência de fatos que formam a vida de uma pessoa.

Com a alimentação isso também acontece: a pessoa que come tudo sem problemas, mesmo sabendo que existe diferença de qualidade de vida e de experiência a partir do que se come e bebe não poderá ver além daquilo que cultivou, não poderá sentir de mais e nem chorar demasiado. Sentirá dor, estará perdida dentro de si mesma e apostará tudo na conquista de algum objetivo imediato. Se sentirá com o tempo reduzido e sem tempo para pensar, quando não sentir pânico pelo fato de que o tempo está chegando ao fim. Não é possível considerar tudo isso como equilíbrio, como também não é possível estar equilibrado apenas na parte da cabeça, sem controlar as mãos, as orelhas, a boca, etc…

Quem começa pensando naquilo que come e bebe pode continuar um dia fazendo muito mais. Está abrindo as portas da vida, está fechando diversas portas que dão para a morte, simbolicamente falando. Não matar é muito mais do que se pensa. é um caminho sem fim….

Alimentação, em última instância, é a conseqüência do nível de consciência conseguido, é a capacidade de utilizar os  elementos da natureza para beneficiar criativamente a própria vida ou para prejudicar o equilíbrio natural da superfície do planeta, afetando a longo prazo toda a existência de forma indireta e irresponsável.

Cada ação tem uma resposta que gera no todo uma reação na hora certa.

Dificilmente a utilização de alimentos e bebidas, como cadáveres, produtos feitos de plástico ou algo muito parecido, ou outros que afetam o estado normal de  funcionamento do organismo poderão permitir que alguém descanse, relaxe e medite profundamente sobre as coisas da vida. Isso somente será possível quando este quiser ver além do mundo que lhe serve diariamente para satisfazer fisicamente e emocionalmente a sua pessoa.

Raciocinar sim, porém pensar com sabedoria e desenvolver um caminho é ir para um lugar onde não se pode mais retornar, onde a cada passo se vê um novo horizonte que abre o céu e a terra para poder passar.


Mario Gabriel Guarino
 


Fonte
: Site Syntonia 

​Read More
Artigos

Os sete estágios na escolha dos alimentos

Para Refletir:

Em um de seus ensinamentos mais preciosos, Ohsawa (responsável pela difusão da macrobiótica) relaciona sete estágios de discernimento na escolha dos alimentos.
 
Estágio Inferior:

Os alimentos são escolhidos mecânica e indiscriminadamente, sem nenhum critério seletivo.
 
Estágio Emocional:

É o estágio em que a maioria das pessoas se encontra. O alimento não é escolhido por sua capacidade nutritiva, mas pelo sabor e prazer que pode proporcionar.
 
Estágio Religioso:

Este nível de consciência baseia-se em padrões religiosos ou ditados por um dogma ou doutrina em que o julgamento individual não participa da seleção do alimento. Existem religiões que proíbem o consumo de carne.
 
Estágio Racional:

Neste estágio a alimentação é escolhida com base num padrão racional de seleção. Procura-se conhecer as necessidades quantitativas alimentares do organismo e priorizam-se os alimentos capazes de fornecer proteínas, vitaminas, açúcares, gorduras, sais minerais, etc. É o estágio que busca o balanceamento quantitativo na alimentação.
 
Estágio Intelectual:Transcende o estágio racional, levando em conta a qualidade de vida, a pureza dos alimentos, sua origem, sua combinação bioquímica e outras particularidades da alimentação.
 
Estágio Filosófico:

 

É o estágio em que o indivíduo ultrapassa a compreensão analítica dualista e admite uma abordagem mais unificante ou dialética quanto à seleção dos alimentos. Inclui aspectos importantes, como a recusa ao sacrifício animal e a busca dos alimentos em obediência às leis cósmicas.
 
Estágio Supremo:

Este é o nível superior de consciência, julgamento e discernimento, quando o indivíduo se alimenta com perfeição, em harmonia espontânea com a Ordem do Universo, sem nenhuma dependência dos instintivos, desejos ou tabus alimentares. 
 

Ernani Fornari

Fonte: Syntonia

​Read More