Notícias

Investidores ameaçam boicote ao Brasil por conta de desmatamento na Amazônia

Foto: Bruno Kelly/Reuters

Uma carta assinada por 29 instituições financeiras internacionais ameaça por fim ao comércio com o Brasil por conta do desmatamento na Amazônia. O posicionamento dos investidores, que são de toda parte do mundo, foi publicado nesta terça-feira (23) pelo jornal britânico Financial Times. A carta foi entregue ao governo brasileiro.

“Como instituições financeiras, que têm o dever fiduciário de agir no melhor interesse de longo prazo de nossos beneficiários, reconhecemos o papel crucial que as florestas tropicais desempenham no combate às mudanças climáticas, protegendo a biodiversidade e assegurando serviços ecossistêmicos”, diz o documento.

Para as empresas, que juntas gerenciam mais de US$ 3,7 trilhões em ativos totais, o aumento do desmate na Amazônia preocupa. “Considerando o aumento das taxas de desmatamento no Brasil, estamos preocupados com o fato de as empresas expostas a desmatamento potencial em suas operações e cadeias de suprimentos no Brasil enfrentarem uma dificuldade crescente de acessar os mercados internacionais. Também é provável que os títulos soberanos brasileiros sejam considerados de alto risco se o desmatamento continuar”, afirma a carta.

O jornal britânico lembrou que o desmatamento na Amazônia aumentou durante o governo Bolsonaro, que defende a exploração de terras protegidas. O Financial Times reforçou que o Brasil registrou, nos primeiros quatro meses do ano, o desmate de uma área com o dobro do tamanho da cidade de Nova York. O desmatamento, em meio à pandemia de coronavírus, foi promovido por madeireiros e garimpeiros. O jornal informou ainda que a floresta é desmatada para dar lugar a pasto para criar bois.

Executivo-chefe da Storebrand Asset Management, que detém US$ 80 bilhões sob sua gestão, afirmou ao Financial Times que o Brasil precisa proteger a Amazônia. “Queremos continuar investidos em empresas brasileiras, mas é preciso haver um uma regulação estável e previsível e arcabouço ambiental e políticas que estão alinhados com a sustentabilidade que trarão uma mudança de curso”, disse. “Eventualmente, se não virmos esse tipo de mudança, o risco de permanecer investido poderá chegar a um ponto em que não permaneceremos investidos”, completou.

Na opinião de um gerente de portfólio de um grupo europeu de gerenciamento de ativos, o boicote pode, de fato, ser executado. Segundo ele, não se trata apenas de uma ameaça. “Acreditamos que o Brasil pode enfrentar desafios econômicos estruturais se não ajustar seu curso de ação”, disse.

A agropecuária brasileira é um setor que causa especial preocupação aos investidores internacionais. A JBS do Brasil, uma das maiores empresas do ramo, já foi alvo de diversas acusações de compra de vacas advindas de áreas desmatadas na Amazônia. De acordo com o jornal britânico, a indústria brasileira de frigoríficos pode ser excluída dos mercados internacionais por conta do desmatamento gerado por ela.

Para o gerente de portfólio da empresa europeia, “o maior medo é sempre que nossos ativos percam valor. Isso pode ser causado por empresas que perdem o acesso ao mercado, mas também devido a danos à reputação”.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


​Read More