Notícias

Centenas de tubarões mortos foram encontrados presos em rede de pesca descartada no oceano

Foto: Dominick Martin-Mayes/Instagram
Foto: Dominick Martin-Mayes/Instagram

Um grupo de mergulhadores flagrou uma cena perturbadora nas Ilhas Cayman (Inglaterra) – centenas de corpos de tubarões já em decomposição e outras criaturas do mar emaranhadas em uma “rede fantasma” flutuante.

Dominick Martin-Mayes, um instrutor de mergulho de 27 anos, disse ao Independent que estava com um grupo de amigos quando encontraram a “imensa rede com centenas de peixes e tubarões presos a ela já em decomposição”.

“No começo, pensamos que era um tronco de árvore, mas quando nos aproximamos, vimos que era uma rede flutuante”, disse ele ao jornal. “Eu pulei na água primeiro e fiquei chocado com o que vi. Isso me deixou sem fôlego – a primeira coisa que vi foi o corpo de um tubarão oceânico jovem ainda”.

“Eu pedi ao meu amigo que estava comigo para pegar uma faca e agir”, continuou ele. “Fizemos o possível para libertar parte da vida marinha presa ali, mas a maior parte já estava morta”.

Apesar dos esforços da equipe, Martin-Mayes disse que ele e seus amigos tiveram que interromper o resgate improvisado por medo de ficarem presos na rede.

“O único objetivo da rede de pesca na vida marinha é matar”, disse ele ao Independent. “Você prende sua mão nela por acidente e se afoga”.

Felizmente, o jornal Cayman Compass informou que o pescador Charles Ebanks mais tarde redescobriu a rede descartada e a rebocou para a marina Harbor House (Ilhas Cayman), onde ela foi retirada com sucesso do oceano.

A rede teria sido levada a um aterro onde aguarda a ação de uma ONG internacional de proteção à vida marinha, que se ofereceu para descartá-la com segurança.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Mergulhador retira faca cravada na cabeça de tubarão nas Ilhas Cayman

Foto: Reprodução/YouTube(Matt Lamers)

Um mergulhador que explorava, na última semana, um recife nas caribenhas Ilhas Cayman viveu um momento inusitado com um tubarão. Não, Brett Johnson não se sentiu ameaçado pelo animal.

Na verdade, ele o salvou. Brett retirou uma faca de cozinha cravada na cabeça do tubarão.

“Primeiramente, o tubarão estava dormindo. Mas percebemos (ele e o grupo de mergulhadores) que havia algo na cabeça dele”, contou Brett ao “Cayman Compass”.

“Não sei dizer o que aconteceu e por que ele acabou com uma faca na cabeça. Mas, felizmente, consegui retirá-la facilmente, e está tudo bem com o tubarão”, completou.

Fonte: O Globo

​Read More
Notícias

Conheça cinco crueldades que tartarugas sofrem ainda hoje

(Foto/Divulgação)
(Foto/Divulgação)

As tartarugas marinhas são criaturas solitárias e naturalmente tímidas. Elas nadam milhares de quilômetros ao longo de suas vidas, migrando de um lado para o outro no oceano.

Em cativeiro são impedidas de viajar. Ainda hoje, milhares de tartarugas vivem confinadas em tanques pequenos e são alimentadas com ração ao invés de desfrutar da vegetação natural do mar. Os turistas que visitam criadouros são incentivados a agarrá-las e suspendê-las no ar, submetendo esses animais incríveis a um sofrimento físico e mental.

Como se não bastasse, as tartarugas também servem de “alimento exótico”.

Só restou uma única atração do mundo que ainda cria tartarugas para consumo humano e ela fica bem aqui: na América Latina.

É a famosa Cayman Turtle Farm.

Descubra, abaixo, por que esses animais sofrem:

1. Brigas por espaço em tanques rasos

(Foto/Divulgação)
(Foto/Divulgação)

Em seu habitat, as tartarugas marinhas nadam grandes distâncias. Já imaginou o quão cruel é viver aprisionada em um tanque pequeno? Milhares de tartarugas passam suas vidas brigando por espaço no criadouro das Ilhas Cayman. Não há profundidade suficiente para que expressem seu comportamento natural, seja ele mergulhar ou buscar comida. Isso gera muito estresse e faz com que as tartarugas alterem o seu comportamento – mordendo e mutilando umas às outras.

2. Protetor solar e repelentes causam doenças

(Foto/Divulgação)
(Foto/Divulgação)

Repelentes e protetores solares são produtos tóxicos para tartarugas. O contato com turistas as coloca em risco, já que são cotidianamente tocadas e seguradas. Infelizmente, ambos produtos são comuns na América Latina, onde viajantes precisam se proteger do sol e das picadas de mosquitos.

3. O estresse enfraquece seu sistema imunológico

(Foto/Michelle de Villiers)
(Foto/Michelle de Villiers)

Devido à sua timidez natural, as tartarugas sofrem muitíssimo estresse ao serem seguradas. Esse estresse enfraquece seu sistema imunológico e aumenta as chances de contrair doenças.

4. Fraturas e unhas arrancadas

(Foto/Divulgação)
(Foto/Divulgação)

 

Quando um turista segura uma tartaruga marinha, o animal tende a entrar em pânico e agitar suas nadadeiras em desespero. O que, infelizmente, pode causar fraturas e unhas arrancadas.

5. Cascos quebrados

Entenda porque manusear tartarugas marinhas é uma das atrações mais cruéis do mundo 06

Para completar, muitos turistas têm dificuldade de segurar tartarugas assustadas e acabam deixando-as cair. Isso ocasiona sérias lesões, incluindo rachaduras no casco – que podem ser fatais para tartarugas marinhas.

200.000 pessoas concordam: a crueldade contra tartarugas e outros animais silvestres deve acabar.

Enquanto você lê isso, a TripAdvisor está vendendo passeios para a Cayman Turtle Farm. Como se não bastasse, o famoso site premiou o criadouro com seu Certificado de Excelência.

Junte-se a mais de 200.000 pessoas e peça para a TripAdvisor parar de lucrar com atrações turísticas que exploram a vida silvestre assinando a petição.

Fonte: World Animal Protection.

​Read More