Destaques, Notícias

Safári leiloa caça a elefantes legalmente e sem pudor

O leilão é apenas um dos eventos do safári realizados durante o ano


Cocoparisienne/Pixabay

David Little, presidente do clube de Calgary Alberta do Safari Club International, no Canadá, organização que defende a liberdade de caçar, se diz esperançoso para que uma boa oferta seja feita no leilão deste ano, para uma caça aos elefantes licenciada em Botsuana, na África.

Este leilão, é apenas um dos eventos do clube realizados durante o ano, além disso, o local não pede desculpa pela perda dos animais que serão mortos durante a caçada leiloada, na África. O presidente também alega que a temporada legal de caça em Botsuana reabriu legalmente em maio do ano passado e que agora eles enfrentam um problema com a “superpopulação” de elefantes.

Ainda segundo o site Calgary Herold e de acordo com fontes on-line, é estimado que haja pelo 130 mil elefantes em Botsuana, embora eles migrem de área.

Trevor Miller, da Calgary Animal Rights Effort, entidade de defesa dos animais, repudia a atividade e diz que independente da quantidade de animais, o ação não é justificável.

“Embora eles possam justificar isso dizendo que é legal, e o governo possa justificá-lo como algum tipo de medida de conservação – não nos sentimos da mesma maneira”, relatou Miller. “Esse animal certamente não se sente assim”, completa ao site Calgary Herold.

O ativista também vê a ação de matança como desnecessária em função dos países terem programa de contracepção para controlar as populações de animais.

Além disso, em maio do ano passado, em um comunicado de imprensa do governo de Botsuana, o Ministério do Meio Ambiente, Conservação de Recursos Naturais e Turismo do país disse ter optado por retomar a caça com base no consenso dos consultados, também justificando ‘o aumento do conflito elefante-humano e o efeito negativo nos meios de subsistência dos produtores’.

O ministério citou o aumento do conflito elefante-humano e o efeito negativo nos meios de subsistência dos produtores, como algumas das razões para permitir uma caçada.

Embora a caça seja legal, o comércio de marfim é proibido no Canadá e os caçadores não podem vender os produtos de marfim. Ainda segundo Little, um caçador canadense, defendendo a casa, diz que um elefante é caçado e a carne é distribuída localmente. “Eu vou te dizer, há muita carne em um elefante. Alimenta muita gente ”, relatou Little. Além disso, o mesmo diz que o valor dessa caçada do leilão é de cerca de US $ 70.000.

As entidades de proteção animal foram ao evento a fim de protestar e reivindicar a proibição da caça aos elefantes.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Bar incentiva caça virtual de animais e promove insensibilização em Londres

 

Dois adultos em um bar escuro mirando suas armas
Fonte: Smoky Barrels

Segundo o site inglês Indepedent, o bar Smoky Barrels, localizado em Londres,  permite que seus clientes cassem virtualmente animais selvagens.

O pub, que é de propriedade do grupo de restaurantes escocês Mac and Wild, é descrito como “o primeiro conceito virtual de caça e bar do mundo”.

O estabelecimento promove a formação equipes usando roupas de caça, enquanto atiram em animais. Entre os animais envolvidos no “jogo”, há veados, javalis, ursos e pássaros, em uma tela gigante no cenário das Terras Altas da Escócia.

Embora a atividade seja virtual, ela contribui para que o desejo e prazer de matar animais, sejam manifestados e instigados, além do mais, a ação do estabelecimento é fortemente criticada pela organização de defesa dos direitos animais People for the Ethical Treatment of Animals (Peta).

Ainda segundo o site, “A Peta se opõe à caça em videogames, porque glorifica a violência contra os indefesos, incentiva a insensibilidade e dessensibiliza os jovens ao sofrimento dos outros”, diz um porta-voz ao Metro .

Em defesa, o Smoky Barrels diz que “não tolera a violência contra animais” e que é atividade é meramente entretenimento social. O espaço também diz não favorecer  a agricultura ou o consumo de agricultura insustentável e que as carnes (e a vegetação), devem estar mais próximas possíveis de seus ecossistemas naturais.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More