Notícias

Homem filmado agredindo foca pode ser preso no Havaí

O rapaz nega ter agredido o animal e afirma que apenas registrou a agressão sofrida pela foca


Um homem pode ser preso no Havaí por agressão a uma foca. Eric Mustevoy publicou um vídeo na rede social TikTok no qual aparece dando um tapa em uma foca e correndo em seguida.

A foca-monge-do-havaí é protegida pela Lei de Proteção de Mamíferos Marinhos do país e também pela Lei de Espécies Ameaçadas.

Foto: Reprodução/TikTok/@ericmust

Nas imagens, o animal aparece descansando na praia de Oahu. Eric se aproxima, dá um tapa na parte traseira do corpo da foca, próximo à cauda, e corre. O vídeo foi feito há mais de um mês, segundo ele, durante uma viagem ao Havaí.

Eric nega, no entanto, que tenha sido ele o agressor do animal e afirma que apenas filmou a cena. Ele também pediu desculpas pelo ocorrido.

O caso é investigado pelas autoridades do país, que reforçam que maltratar animais é crime passível de prisão e multa.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


​Read More
Notícias

Cinco baleias morrem após encalhe em massa em praia do Havaí

Baleia-cabeça-de-melão após encalhe na praia de Kihi no Havaí | Foto: AP
Baleia-cabeça-de-melão após encalhe na praia de Kihei no Havaí | Foto: AP

Cinco baleias morreram, incluindo quatro que foram sacrificadas em função da gravidade de seus ferimentos, após um encalhe em massa na quinta-feira (29) em uma praia na ilha de Maui, no Havaí.

Dez baleias-cabeça-de-melão (Peponocephala Electra), também conhecidas como golfinhos-cabeça-de-melão, foram encontradas presas vivas no início da manhã em Sugar Beach, na comunidade costeira de Kihei.

Horas depois, um filhote de baleia que se acredita pertencer ao mesmo grupo social foi encontrado morto na praia, a cerca de 1,6 km ao norte, disse David Schofield, coordenador regional de resposta de mamíferos marinhos da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica.

Os veterinários da NOAA determinaram que quatro das baleias estavam em estado grave e nada mais poderia ser feito para salvá-las, disse Jeffrey Walters, ramo de gerenciamento e conservação da vida selvagem da NOAA, em comunicado.

Os animais foram sedados e depois sacrificados humanamente para aliviar seu sofrimento, disse ele.

As seis baleias restantes foram levadas para o oceano, mas encalharam novamente, disse Schofield. A NOAA disse inicialmente que o prognóstico para dois dos seis cetáceos não era bom, mas eles finalmente conseguiram chegar a águas mais profundas.

Walters disse que os cientistas da NOAA e da Universidade do Havaí examinarão as baleias para determinar o que causou o encalhe.

Kealoha Pisciotta, uma praticante da cultura nativa do Havaí, se opôs à eutanásia das baleias, animais que ela disse serem uma manifestação do deus do mar Kanaloa.

Ela e outros locais queriam segurar as baleias na água para que pudessem se recuperar, nadar ou morrer dignamente. Mas ela disse que os funcionários da NOAA não os deixavam se aproximar das baleias.

“Tudo o que estamos procurando é ter um relacionamento com o nosso Kanaloa”, disse ela.

Walters disse que a NOAA trabalhou em estreita colaboração com os praticantes da cultura havaiana, que oraram antes e depois da eutanásia.

“Continuaremos a trabalhar com profissionais e outros membros da comunidade na máxima extensão possível, enquanto cumprimos nosso dever de obter respostas para o que ocorreu e exames post mortem sob a Lei de Proteção de Mamíferos Marinhos”, disse Walters.

Pisciotta disse que nove praticantes da cultura nativa havaiana estavam no local e realizavam um ritual de morte, no qual chamavam os ancestrais e akua ou deuses, para que as baleias pudessem ser capturadas rapidamente. Ela disse que eles apenas realizaram o ritual porque os animais estavam sendo mortos. Ela disse que os praticantes nunca concordaram com a eutanásia.

“Não estamos dizendo que você não pode fazer uma necropsia, apenas dizendo que eles deveriam dar a esses animais a chance de morrer normalmente”, disse ela.

As baleias-cabeça-de-melão são encontradas em águas tropicais profundas em todo o mundo. Eles crescem até cerca de 3 metros de comprimento.

Estima-se que existam 400 animais da espécie nas ilhas havaianas.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Havaí está perto de proibir testes em animais para produtos cosméticos

Foto: Adobe

Ao longo dos anos, o Havaí tem se mostrado mais compassivo com os animais e preocupado com o futuro do planeta.

Só em 2018, o estado proibiu a exploração de animais selvagens em circos e fechou uma fazenda de laticínios por irregularidades ambientais.

Já em 2019, ele está a um passo de proibir o comércio de pele animal e agora avançou significativamente para abolir também o uso de animais em testes para produtos cosméticos.

De acordo com a Cruelty-Free International , a Lei de Cosméticos sem Crueldade do Havaí (HB 704, que foi apresentada pela representante Chris Lee e visa acabar com a venda de cosméticos testados em animais no estado depois de 2020) passou na Câmara e agora vai para o Senado para consideração. As informações são do Plant Based News.

A Cruelty Free International, que trabalha com a The Body Shop para testar animais para cosméticos, apoia a Lei, que diz que traria o Havaí à Califórnia, à UE e a outros 30 países para impedir a venda de cosméticos testados em animais. As organizações aconselham as pessoas que vivem no Havaí a escrever para o senador estadual, pedindo-lhes que apoiem o projeto.

Alternativas éticas

“Hoje, métodos modernos de testes não animais que são mais rápidos e melhores para prever a resposta humana do que os testes em animais que eles substituem estão amplamente disponíveis”, disse Monica Engebretson, Gerente de Campanha para a Crueldade Internacional na América do Norte. As informações são do Plant Based News.

“Nosso sucesso em acabar com testes desnecessários em animais em outros países e estados prova que é possível uma mudança positiva. Agradecemos à representante Lee por apresentar este projeto de lei e à Câmara por seu apoio esmagador e pedir ao Senado que faça o mesmo.”

“Por mais de 20 anos, a The Body Shop tem feito campanhas para proibir testes em animais em cosméticos e estamos imensamente orgulhosos do impacto que fizemos na mudança da lei na União Européia”, disse Andrea Blieden, gerente geral dos EUA no The Body Shop.

“Como líder na indústria de beleza global, gostaríamos de ver todos os estados nos EUA finalizando os testes de cosméticos em animais”.

​Read More
Notícias

Recifes marinhos havaianos enfrentam ameaça de extinção

Foto: Alana Eagle/Civil Beat
Foto: Alana Eagle/Civil Beat

Na batalha para manter a frágil vida selvagem dos recifes de corais no Havaí longe dos ambientes artificiais de colecionadores do continente e preservá-los em seus habitats nativos, os defensores dos aquários domésticos costumam usar as palavras de ordem “sustentável” e “legalmente aceito” em defesa própria, quando se referem a essa atividade destrutiva que já dura décadas e vêm devastando a espécie.

A cronologia dessa luta em prol dos recifes é antiga e cheia de percalços, porém agora mais do que nunca, necessária e urgente, além de contar com o apoio massivo da população. De acordo com pesquisa realizada pela ONG Civil Beat Honolulu 84% dos residentes do pais querem ver o fim desse comércio.

Em 2014 o então administrador da Divisão de Recursos Aquáticos do Havaí se demitiu após dar um depoimento perante Junta de Terras e Recursos Naturais (BLNR), ratificando sua oposição às regras do comércio de aquários aritificiais propostas pelos colecionadores.

O depoimento dele explicava porque as regras eram incompatíveis com uma boa gestão dos recursos naturais, além não terem base científica e terem sido desenvolvidas em um processo falho, onde importantes partes envolvidas haviam sido excluídas.

A BLNR ignorou estas preocupações, e em vez disso votou junto com o seu então presidente, um antigo colecionador de aquários. Contudo, um importante conjunto de fatos emergiu da reunião que a BLNR subseqüentemente realizou com os cientistas após o incidente: os pontos em que o comércio de aquários de corais eram classificados como “sustentáveis” não haviam sido definidos e nem os meios para medí-los, os objetivos da gestão do estado, ou as métricas para atingir essas metas.

Em 2017, um projeto de lei tentou mais uma vez definir a “sustentabilidade” do comércio de recifes em aquários artificiais, mas a DLNR novamente se opôs a ela, alegando que era uma lei desnecessária e muito cara. O governador então, vetou o projeto.

A redução de cerca de 60% a 90% em peixes e outras criaturas marinhas capturadas para o comércio de animais em áreas que ainda permanecem abertas à coleta, preocupa cientistas ligados à instituições de conservação da vida marinha.

Além disso, embora algumas pescarias esgotem rotineiramente as populações de peixes em mais de 80% e ainda assim sejam consideradas “sustentáveis”, esse não é o caso dos ecossistemas de recifes de coral próximos à costa, agora ameaçados de extinção também pelo efeito das mudanças climáticas.

Segundo um estudo da ONG Honolulu´s Civil Beat Hawaii, sem uma drástica redução dos gases causadores do efeito estufa, 70% dos recifes de corais do Havaí deverão estar mortos em 30 anos, restando apenas 1% até o final do século, em um processo que ocorrerá bem diante dos olhos de todos, e pode começar já em 2030.

Especialistas insistem na importancia de focar na restauração da abundância da flora e fauna marinhas, remoção de estressores e construção de resiliência nesses ecossistemas. Antes da decisão da suprema corte havaiana em 2017, que encerrava o comércio de aquários artificiais somente no oeste do Havaí, até que fosse feita uma revisão ambiental adequada, quase duas vezes mais peixes e recifes eram retirados do estado para o comércio de aquário artificais do que os que eram pescados para alimentação.

Cientistas afirmam que são muitas as ameaças aos aos ecossistemas oceânicos, incluindo poluição e as diversas formas de pesca empregadas, no entanto, isso não justifica, segundo eles, os impactos da indústria de aquário artificiais, com taxas de mortalidade elevadíssimas e irreversíveis.

O Havaí proibiu a captura de corais, rochas e areias em 1986, mas mais de 30 anos depois continua a permitir a extração crítica e ilimitada da vida marinha. Segundo a dra. Marjorie Ziegler, que se opõe fortemente ao comércio de aquarios artificiais, “se o estado não permite que nossas aves nativas e outros animais sejam levados e vendidos no continente essa proteção deve se estender também à vida marinha”.

Há uma lei pedente de aprovação no congresso havaiano que fixa a data efetiva de 2024 para o fim definititvo e completo do comércio da vida marinha em aquários, o texto prevê cinco anos de prazo para sua eliminação total, um compromisso importante que deve dar aos animais marinhos e seus lares de recifes de coral tempo para construir alguma resiliência enquanto enfrentam uma batalha cada vez maior pela própria sobrevivência.

​Read More
Home [Destaque N2], Notícias

Havaí está a um passo de proibir o comércio de pele animal

Animais sofrem terrivelmente em fazendas de peles e em armadilhas em todo o mundo. Nos últimos anos, mais e mais grifes e países baniram a venda e o uso produto, Versace, Coach, Burberry, Chanel, Sérvia, Bélgica, Luxemburgo são alguns dos bons exemplos a serem seguidos para o fim dessa crueldade sem sentido.

Marta de garganta amarela. Foto: Pixabay

Muitos outros países estão introduziram projetos de lei para fazerem o mesmo e, agora, e a vez do Havaí.

O novo projeto, que acaba de ser introduzido, quer banir produtos feitos de peles de animais em todas as ilhas.

Apoiado pelo senador Mike Gabbard , ele visa “proibir a fabricação ou a venda de certos produtos de peles de animais no Estado do Havaí, e o embarque ou transporte de certos produtos de peles para o Estado para venda ou distribuição”. As informações são do World Animal News

A Fur Free Society, Inc. disse em  um comunicado  que no dia 24 de janeiro, o senador Gabbard compartilhou com eles que “proibir produtos de peles de animais em nossas ilhas é a coisa certa a se fazer e mostrar nosso ‘aloha’ por animais”.

Imagem: Fur Free Society

“O Havaí está caminhando para ser livre de peles”, a organização compartilhou em um post em sua página no Facebook.

“Trabalhamos com o senador Mike Gabbard desde o ano passado e ele acaba de apresentar o projeto lei SB-1350 que proíbe a venda de peles no Havaí.”

“Esta é uma mensagem para o comércio de peles saber que eles não são bem-vindos”

A cada ano, perto de um bilhão de animais são cruelmente torturados e mortos em fazendas de peles, enquanto muitos são vítimas de esportes sangrentos.

​Read More
Notícias

2.600 vacas esperam resgate após fechamento de fazenda leiteira

A ANDA já noticiou sobre os crimes ambientais cometidos pela fazenda leiteira Big Island Dairy, no Havaí. No fim do ano passado, descartou ilegalmente 600.000 galões de resíduos tóxicos de animais nas águas costeiras através do Kaohaoha Gulch. Antes disso, em maio, a fazenda já havia descartado 2,3 ​​milhões de galões de resíduos, seguida por outro descarte de 5,6 milhões de galões em agosto.

Foto: Pixabay

Felizmente, após a crescente pressão da comunidade sobre desconsiderar a lei federal da Água Limpa, a Big Island Dairy anunciou em novembro passado, que as operações cessariam em fevereiro.

Agora, membros do Hawaii Lava Flow Animal Rescue Network (HLFARN) estão se engajando para resgatar 2.600 vacas da fazenda. As informações são do VegNews e do West Hawaii Today.

Quando uma fazenda de gado leiteiro fecha, as vacas são normalmente leiloadas e distribuídas para os matadouros e outras fazendas. No entanto, em negociações com a HLFARN, a Big Island Dairy concordou em permitir que 55 vacas fossem resgatadas por uma taxa negociada, com potencial para mais liberação quando e se mais casas permanentes forem encontradas.

O grupo procura especificamente lares que não continuarão a trabalhar os animais como vacas leiteiras ou abatê-los para carne ou explorá-los de outras maneiras.

Até agora, apenas algumas casas foram encontradas, incluindo o Santuário de Plantas e Animais da FPG e o Criaturas Mágicas do Santuário Animal de Hamakua.

Helena Lundblad e Kinsey Heinrichs alimentam três dos 10 bezerros comprados da Big Island Dairy. Foto: Hollyn Johnson|  Tribune-Herald

Localizada em Laupahoehoe, em terras rurais e imensas com vista para o Pacífico, a Magical Creatures – que já abriga cavalos, porcos, cabras e cordeiros – recebeu 10 bezerros dos 55 comprados da Big Island Dairy.

Cinco permanecerão no santuário, enquanto outros cinco serão encaminhados para suas novas casas, possivelmente, até quarta-feira.

A Big Island Dairy deve ser fechada até 28 de fevereiro.

​Read More
alguns dos bezerros resgatados
Notícias

Ativistas resgatam mais de 60 bezerros de fábrica de laticínios

Cerca de 60 bezerros foram resgatados pela equipe do Hawaii Flow Animal Rescue (HLFARN). A fábrica de laticínios Big Island Dairy foi fechada após uma ação judicial contra a empresa pela violação da Lei Federal da Água Limpa, por ter despejado lixo em córregos próximos.

alguns dos bezerros resgatados
Foto: HLFARN

“Quando uma empresa de laticínios fecha suas operações, as vacas geralmente são leiloadas e distribuídas para matadouros e outras fábricas de laticínios. A Big Island Dairy tem cerca de 2600 vacas, bezerras e bezerros para serem removidos das instalações”, disse HLFARN à PBN. “Após reuniões iniciais com representantes do setor de laticínios, a HLFARN recebeu permissão para remover várias vacas por uma taxa negociada.”

“As equipes de resgate ajudaram os 61 bezerros de dois e três meses enquanto saíam de suas jaulas com as pernas bambas e entravam no trailer,” acrescentou o porta-voz. “Essas jaulas eram a única casa que os bezerros conheciam durante a vida na fábrica, comendo, bebendo, dormindo e fazendo suas necessidades lá.”

“Eles não estavam acostumados a sentir a grama sob seus pés ou o sol em seu rosto. Voluntários passaram o dia inteiro – alguns só voltando para casa depois de meia-noite – levando os bezerros para suas novas casas, onde seus cuidadores os aguardavam ansiosamente.”

Segundo o porta-voz da organização, os bezerros foram adotados por pessoas qualificadas e que tinham condições de abrigar adequadamente os animais.

Em Santa Catarina

No Brasil, oito animais resgatados após serem torturados e explorados em farras do boi foram covardemente mortos pela Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de SC (Cidasc). O órgão invadiu a Associação Catarinense de Proteção Animal (Acapra) na quarta-feira (16), onde os animais estavam abrigados há 10 meses, e encaminhou os animais para um matadouro, mesmo tendo concordado com a transferência dos animais para um santuário.

Na quinta-feira (17) todos os animais já estavam mortos sem que os ativistas tivessem tempo de recorrer da atitude abusiva do órgão público. Os animais nem mesmo tiveram a chance de serem encaminhados para o santuário vegano, conforme os planos, onde poderiam ter vivido o resto de suas vidas em segurança.

​Read More
De olho no planeta

Havaí já sente os graves efeitos da mudança climática

Uma faixa de 40 quilômetros de estrada, que envolve o nordeste de Oahu, é o único acesso às comunidades rurais de Kahaluu e Kaaawa, lar de vários nativos havaianos e das ilhas do Pacífico, entre vários milhares de outros residentes.

Este trecho da Rodovia Kamehameha também serve a fortaleza do futebol americano em Kahuku e o enclave mórmon em Laie.

Rochas empilhadas protegem temporariamente a Rodovia Kamehameha ao longo da costa nordeste de Oahu.

Os surfistas contam com as duas pistas pavimentadas para acessar os mundialmente famosos breaks Pipeline e Waimea Bay e os turistas as usam para chegar a Waikiki.

Os cientistas alertam que a maior parte desta rodovia costeira – e muitas milhas de estradas semelhantes em todo o Havaí – em breve estará submersa devido à elevação dos mares, tempestades mais fortes e inundações extremas.

Sacos de areia gigantes já estão amontoados em frente a casas e enormes rochas e pedaços de concreto revestem as partes mais perigosas como uma tentativa desesperada de salvar partes de algumas rotas, enquanto soluções duradouras são surgem.

A infra-estrutura em perigo é apenas a frente mais aparente na guerra do Aloha contra o planeta em aquecimento. Outras batalhas semelhantes acontecem em todas as ilhas.

No alto das montanhas, o abastecimento de água doce está em risco e as espécies endêmicas enfrentam extinção. No mar, os recifes de coral que fornecem bilhões de dólares em valor econômico e valor cultural imensurável estão morrendo à medida que o oceano aquece e o branqueamento se intensifica.

O futuro é incerto mas cientistas e formuladores de políticas dizem que a ação rápida pode torná-lo “menos feio”.

O tempo está se esgotando para desenvolver e implementar estratégias para tornar o Havaí mais resistente e os especialistas dizem que quanto mais tempo adiar, mais custará para se adaptar e atenuar.

“Mesmo as melhores intenções hoje não parecem ser rápidas o suficiente para o ritmo da mudança climática”, diz o cientista do clima da Universidade do Havaí, Camilo Mora. As informações são do Civil Beat.

“No estado do Havaí, por exemplo, 2045 foi definido como o ano para atingir 100% de energia limpa”, disse ele. “No entanto, nossos próprios estudos, na Universidade do Havaí, sugerem que mudanças climáticas sem precedentes serão comuns no estado até 2030.”

Para evitar os piores efeitos, os cientistas mais importantes do mundo dizem que os humanos devem fazer mudanças massivas em seu comportamento para evitar que o planeta aqueça mais de 1,5 graus acima dos níveis pré-industriais até 2040.

As propriedades à beira-mar perto da praia de Ehukai, comumente conhecida como oleoduto, são revestidas com material preto para proteger contra a erosão.

A avaliação de Outubro do Painel Intergovernamental sobre as Alterações Climáticas, convocada pelas Nações Unidas, estreitou a janela que os humanos têm para afastar as ameaças à segurança alimentar, transporte, energia e muito mais.

O grupo já havia previsto os efeitos terríveis para a quando o planeta aqueceu 2 graus. Os seres humanos já causaram um aumento de 1 grau desde 1880.

O problema não é da próxima geração; é nosso.

O relatório foi apresentado por 91 cientistas de 40 países em resposta a um pedido da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança Climática quando o Acordo de Paris foi adotado, em 2015 para combater as mudanças climáticas reduzindo significativamente as emissões de gases de efeito estufa e mantendo a temperatura média global.

A avaliação exige reduzir a poluição em 100% dos níveis de 2010 até 2050. Esse esforço inclui abandonar o carvão quase inteiramente até 2050 e triplicar a quantidade de energia renovável no atual cenário elétrico, que é de aproximadamente 20%, diz o relatório.

“A avaliação indica desafios políticos e geopolíticos sem precedentes”, escreveu o painel.

A perspectiva nacional não é excessivamente otimista sob a atual administração, mas há sinais esperançosos em um nível local para reduzir a poluição e se adaptar aos efeitos de um clima em mudança.

Em 2017, O presidente Donald Trump começou a retirar os EUA do acordo de Paris , embora a retirada completa não seja possível até 4 de novembro de 2020 – o dia após a próxima eleição presidencial. Os EUA seriam o único país a fazê-lo, embora o novo presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, tenha expressado intenções semelhantes.

Nesse meio tempo, Trump trabalhou para aumentar a perfuração de petróleo doméstica e aumentar a produção de carvão. Apesar da posição federal, numerosas cidades e estados, incluindo o Havaí, comprometeram-se a seguir o acordo de Paris e o amplo consenso dos principais cientistas do clima do mundo.

O prefeito de Honolulu, Kirk Caldwell, e o governador do Havaí, David Ige, ambos democratas, começaram a dar muito mais atenção à mudança climática. Ele planeja dedicar todo o seu discurso sobre o estado da cidade neste ano, e Ige promove uma ampla iniciativa de sustentabilidade que o ajudou a ganhar um segundo mandato em novembro do ano passado.

A resposta a estes esforços exigirá muito mais do que palavras e planos ambiciosos, que por vezes acumulam poeira nas prateleiras do governo.

Estudos, auditorias e relatórios Abundam

Uma auditoria do ano passado do Plano de Sustentabilidade do Havaí 2050, uma iniciativa de 2008 da governadora republicana Linda Lingle, encontrou uma melhor ética de sustentabilidade no Havaí na última década, mas uma falta de implementação.

Autoridades do governo lamentaram como o financiamento inadequado impediu sua capacidade de fornecer os serviços técnicos que as agências precisam para fazer avaliações detalhadas do clima.

O senador Karl Rhoads disse que prevê que a mudança climática seja um problema antes da Assembléia Legislativa a partir de agora até que ele morra.

Disponibilizar dinheiro para futuras edições não tem sido uma das principais prioridades do Legislativo, mas alguns legisladores acham que isso pode mudar, pelo menos no que diz respeito às mudanças climáticas.

“Eu prevejo que para cada sessão a partir de agora até o dia em que eu morrer, o aquecimento global será um grande problema”, disse o senador Karl Rhoads, presidente da Comissão de Água e Terra.

“Isso já está acontecendo”, disse ele, ressaltando as decisões desafiadoras que confrontam políticos e cidadãos.

“Como fazer as pessoas usarem menos carbono é um problema enorme, muito difícil”, disse ele.

Observando como o limite superior das estimativas de elevação do nível está na faixa de 8 a 10 pés, Rhoads disse que a cidade de Honolulu está em perigo e que o estacionamento do Ala Moana Center deve ter cerca de 60 cm de água.

“Se você olhar para todas as rodovias ao redor de Oahu, você pode ser atingido por ondas enquanto dirige pela estrada”, disse ele. “Mover essas estradas é muito caro, muito controverso, porque você tem que condenar a terra da população.”

O estado tem políticas e dados que identificam os muitos indicadores de um clima em mudança, disse a auditoria de sustentabilidade de 2050, observando que 70% da costa do Havaí está se desgastando, os riachos estão secando, a chuva está diminuindo e os corais estão descorando.

A auditoria de março do ano passado concluiu que o planejamento abrangente ajudaria o estado a se adaptar, mas isso não aconteceu de maneira significativa.

“Ao longo dos últimos 10 anos, o Plano de Sustentabilidade do Havaí 2050 foi desconsiderado”, disse a auditoria.

Os avisos foram consistentes

Os cientistas alertaram o público sobre o aquecimento do planeta no último século. Mas nunca foi tão sombrio.

A Avaliação do Clima Nacional dos EUA, divulgada em novembro de 2018, tem um capítulo inteiro dedicado aos efeitos da mudança climática no Havaí e em outras ilhas do Pacífico.

Por mais que o último relatório do IPCC previsse que os piores efeitos aconteceriam até 2040, em vez de anos depois, a avaliação dos EUA no ano passado teve uma sensação similar de urgência.

Victoria Keener, pesquisadora climática do Centro Leste-Oeste em Honolulu, foi a principal autora do capítulo sobre ilhas do Pacífico e Havaí da mais recente Avaliação Nacional do Clima.

Victoria Keener, pesquisadora do Centro Leste-Oeste em Honolulu e principal autora da seção de ilhas do Havaí e Pacífico do NCA, disse que o estado de Aloha, e qualquer outro lugar, não está preparado para os efeitos da mudança climática. Mas ela viu o Havaí e outros estados tomarem medidas progressivas.

“Precisamos fazer mais e precisamos fazer mais rápido”, disse ela. “A ação antecipada vai reduzir o impacto econômico final da adaptação e mitigação”.

Esperava-se que os níveis do mar subissem até 3,2 pés em todo o mundo até 2100, mas as últimas projeções dizem que isso pode acontecer em 2060.

Estudos no Havaí mostram que o valor de todas as estruturas e terras projetadas para serem inundadas por um aumento de 3,2 pés no nível do mar equivale a mais de US $ 20 bilhões. Isso não explica o efeito combinado sobre o turismo, o principal impulsionador econômico do estado e outras indústrias.

As consequências atingiriam mais do que estradas e edifícios. Em todo o estado, cerca de 550 sítios culturais havaianos seriam inundados ou erodidos e cerca de 20 mil moradores seriam deslocados, segundo o relatório.

Alguns icônicos pássaros da floresta havaiana provavelmente se extinguiriam à medida que os mosquitos portadores de doenças invadem seus habitats nas montanhas graças ao clima mais quente. Os modelos mostram que, mesmo sob aquecimento moderado, 10 das 21 espécies de aves florestais existentes em todo o estado perderão mais da metade de sua faixa atual até 2100. Destas, seis devem perder 90% ou mais.

Colônias de corais na costa oeste da Ilha Grande foram devastadas por um massivo branqueamento de corais em 2015. Até 90% das colônias de coral branqueadas morreram, segundo um estudo.

O Havaí abriga quase um terço das plantas e animais da nação listados como ameaçados ou ameaçados de extinção. Extima-se que corais são serão branqueados anualmente a partir de 2040, tornando quase impossível para se recuperar. Sua morte significa menos peixe e menos proteção costeira.

É o que mais assusta Keener.

“Não é, se vai acontecer … é quando”, disse ela. “O argumento é se é 2030 ou 2050. Isso é em breve.”

No Havaí, os corais cobrem atualmente cerca de 38% da área do oceano ao redor das ilhas. Até 2050, o projeto deve cair para 11% e cair para 1% até 2100.

Isso equivale a US $ 1,3 bilhão por ano perdido na economia em 2050, aumentando para US $ 1,9 bilhão em 2090, diz o relatório.

Se o mundo cumprir o acordo de Paris, isso atrasaria o branqueamento em cerca de 11 anos, economizando centenas de milhões de dólares, diz a avaliação.

Seguindo em frente

O Havaí avançou nos últimos anos. O mais notável é que o estado tem o mandato de energia renovável mais ambicioso do país – 100% até 2045 – e se comprometeu a ser neutro em carbono até a mesma data.

Melhorias foram feitas para proteger bacias hidrográficas e os cientistas estão criando “super corais” para resistir a um oceano mais quente e ácido. As organizações sem fins lucrativos têm estado cada vez mais ativas e o setor privado também está fazendo mudanças.

O próximo grande foco é a criação de um setor de transporte limpo, começando com veículos terrestres e, em seguida, passando para os muitos aviões que os residentes e turistas confiam.

Escritórios estaduais e municipais e comissões foram criados para coordenar o foco na mudança climática.

A Comissão do Clima do Havaí concordou por unanimidade em pressionar a Assembleia Legislativa a aprovar uma próxima sessão de imposto sobre o carbono, que começa no final deste mês.

O Escritório de Mudança Climática, Sustentabilidade e Resiliência, criado por Honolulu, vem desenvolvendo o primeiro Plano de Ação Climática de Oahu. As últimas reuniões públicas escopo serão nesta semana.

Sam Lemmo, administrador do Escritório Estadual de Conservação e Terras Costeiras, está moderando um painel com o geólogo climático da Universidade do Havaí, Chip Fletcher, para a aceleração da ação para se adaptar à elevação do nível do mar.

O Havaí já está testemunhando os efeitos da mudança climática que foram previstos décadas atrás, disse Lemmo.

“A maior incerteza agora é a gente – se vamos mudar nosso comportamento, se vamos cortar as emissões”, disse ele.

​Read More
De olho no planeta

Fazenda de laticínios descarrega 600 mil galões de resíduos tóxicos nas águas do Havaí

Semana passada, a fazenda leiteira Big Island Dairy descartou ilegalmente 600.000 galões de resíduos tóxicos de animais nas águas costeiras através do Kaohaoha Gulch, no Havaí.

Foto: Pixabay

O departamento de saúde do estado emitiu um alerta aos moradores para que evitassem o desfiladeiro, uma vez que continha níveis tóxicos de esgoto.

Em maio, a fazenda de 1.800 vacas descartou 2,3 ​​milhões de galões de resíduos, seguida por outro descarte de 5,6 milhões de galões de lixo em agosto, resultando em multa de US $ 25 mil pela poluição de hidrovias locais.

Moradores de Ookala entraram com uma ação em 2017 contra a fazenda de laticínios por esterco líquido, urina de gado e outras substâncias tóxicas que descarregou em três barrancos que desembocam no Oceano Pacífico.

Após a crescente pressão da comunidade por continuar a desconsiderar a lei federal da Água Limpa, a Big Island Dairy anunciou em novembro, as operações cessariam em fevereiro.

De acordo com o Miami Herald, a porta-voz do departamento de saúde, Anna Koethe, disse que a administração da fazenda informou que bombas foram usadas para drenar o esgoto.

Charlene Nishida, moradora de Ookala, diz que os vazamentos em andamento são alarmantes e está preocupada com a possibilidade de que a fazenda não possa operar ou terminar seus negócios sem descarregar mais águas residuais no meio ambiente.

É “alarmante e chocante que eles não tenham sido forçados a fechar neste momento. É o pior do governo”, disse Nishida.

​Read More
elefante sendo explorado em circo
Destaques, Notícias

Havaí proíbe exploração de animais selvagens em circos

Os animais no Havaí acabaram de receber um dos melhores presentes de Natal possíveis depois que o Estado proibiu a exploração de animais selvagens em circos. O Havaí é o segundo estado dos Estados Unidos a fazê-lo.

elefante sendo explorado em circo
Foto: Live Kindly

No mês passado, Nova Jersey se tornou o primeiro estado do país a proibir a exploração de animais selvagens, como elefantes, leões, tigres, leopardos, ursos e crocodilos, em shows itinerantes e circos.

O Governador Ige, do Havaí, assinou uma proposta de emenda ao Capítulo 4-71, Regras Administrativas do Havaí, para proibir a importação de animais selvagens para fins de entretenimento, incluindo circos, parques itinerantes e outras exposições públicas, segundo relatórios da Humane Society dos Estados Unidos (HSUS). A proposta foi aprovada em setembro em resposta a uma petição apresentada pela HSUS, uma organização de proteção animal.

“Essas reformas no Havaí e em Nova Jersey já vêm acontecendo há muito tempo. Animais silvestres explorados ​​em shows itinerantes são submetidos a períodos prolongados de confinamento extremo em caminhões e trailers não ventilados, à medida que são transportados de um local para outro durante meses,” disse Kitty Block, presidente e CEO da HSUS.

“Quando não estão em performance, os elefantes são acorrentados ou confinados a pequenas jaulas e os leões e tigres são mantidos em gaiolas de transporte onde quase não dá para se mexerem”, continuou Block, acrescentando que os animais frequentemente recebem cuidados inadequados, assim como alimentação precária.

Cinco estados e mais de 145 localidades em 37 estados americanos colocaram restrições à exploração de animais selvagens em circos. As mudanças estão ocorrendo devido à preocupação pública com o bem-estar animal, à medida que mais pessoas se conscientizam da crueldade envolvida no abuso de animais para entretenimento.

Fora dos EUA, projetos de lei semelhantes foram implementados. No final do ano passado, a Índia proibiu a exploração de todos os animais selvagens em circos após uma série de investigações preocupantes que expuseram graves abusos contra animais.

Em fevereiro, o Reino Unido anunciou uma promessa semelhante, e quando a Itália fez sua própria proibição e fechou 100 circos, salvou 2 mil animais no processo.

​Read More
Notícias

Fazenda que produzia laticínios é fechada no Havaí após ação de ativistas

A Big Island Dairy, uma fazenda de produção de laticínios que opera no Havaí, anunciou que deve encerrar suas operações. A Kuale Ookala, organização fundada por ativistas de Ookala, onde está instalada a empresa, entrou com um processo contra a propriedade em 2017. Segundo os ativistas, a Big Island Dairy violou a Lei federal de Água Limpa em diversas ocasiões.

A fazenda ocupa 8 quilômetros quadrados de terras com 1800 vacas. (Foto: pixabay)

A Kuale Ookala estima que, em maio, foram despejados mais de 8 milhões de litros de dejetos líquidos em canais da cidade. Em agosto, mais 21 milhões de litros acabaram no oceano. O Departamento de Saúde cobrou uma multa de 25 mil dólares a Big Island Dairy, no segundo incidente.

O futuro dos animais

A propriedade está à venda e os donos procuram por um comprador que possa continuar com as atividades. No entanto, as vacas que eram utilizadas para a produção de leite serão removidas até fevereiro de 2019.

 

​Read More
Imagens de satélite mostram a ilha havaiana após passagem do furacão Walaka.
Home [Destaque N2], Notícias

Furacão Walaka afunda ilha do Havaí, onde animais em extinção se abrigam

Uma ilha havaiana praticamente desapareceu do mapa após a passagem do intenso furacão Walaka, um dos ciclones tropicais mais intensos registrados. O alagamento da ilha East Island, do Havaí, atinge espécies de animais criticamente ameaçadas como as focas-monge havaianas e tartarugas-verdes-marinhas que podem sofrer com a perda de habitat.

Imagens de satélite mostram a ilha havaiana após passagem do furacão Walaka.
Imagens de satélite mostram a East Island após passagem do furacão Walaka (Foto: U.S. Fish And Wildlife Service/Reprodução)

Ambas as espécies já haviam partido para a temporada, então o furacão não as afetou, informou o Honolulu Civil Beat . Ainda assim, a ilha era um local importante para as tartarugas marinhas se abrigarem e para as focas carregarem seus filhotes.

Mais da metade das tartarugas-verdes marinhas se abrigam em East Island, tornando-se a área com a maior densidade de tartarugas-verdes do mundo. Agora, as tartarugas terão que encontrar em outro lugar para pôr seus ovos.

Os cientistas e pesquisadores que estudavam em East Island, antes do furacão, planejavam ficar lá durante o temporal. Quando a tempestade se tornou intensa demais, eles foram evacuados e as imagens obtidas após a tempestade revelaram que a ilha havia desaparecido.

Ainda é cedo para dizer o quão severo será o impacto nos animais. As tartarugas e focas podem encontrar outras áreas próximas hospitaleiras para seus filhos, mas há um limite para sua adaptação. Os cientistas planejam continuar estudando os animais em extinção e ver como eles se saem no ano que vem.

Os cientistas sabiam que a ilha corria o risco de afundar devido às crescentes marés ocorridas por conta das mudanças climáticas, mas esperavam que durasse pelo menos mais algumas décadas.

​Read More