Destaques, Notícias

Os ursos polares podem estar armazenando comida para enfrentar a escassez de alimento

Enterrar as presas mortas é comportamento comum de ursos de regiões montanhosas ou de florestas, mas não em regiões cobertas por gelo

Urso polar enterrando presa exibe raro comportamento. Foto Divulgação

Um estudo sobre ursos polares, realizado ao longo de 45 anos, acusou um resultado surpreendente e, ao mesmo tempo assustador: num comportamento extremamente raro, os animais estão enterrando suas presas mortas na neve como uma possível forma de armazenar comida já que, em função do derretimento das grandes geleiras, já começa a faltar alimento.

Por meio de fotos e vídeos, os pesquisadores viram que os ursos estão comendo apenas parte de suas presas e enterrando o restante para comer mais tarde ou até nos dias seguintes. O comportamento é relativamente comum em outras espécies de ursos, especialmente ursos pardos, que normalmente vivem mais próximos de outros ursos fazendo com que os animais sintam necessidade de esconder suas presas devido à concorrência por alimento. Os ursos pardos também competem com corvos e outros animais que podem roubar sua comida.

No entanto, os ursos polares que se alimentam principalmente de focas, vivem mais afastados uns dos outros e não enfrentam tantos sequestradores de alimento como os pardos. Ocorre que a perda de gelo devido às mudanças climáticas está provocando um impacto direto na capacidade dos ursos polares de se alimentar e sobreviver.

Usos polares estão cada vez mais sem condições de caçar seu alimento. Foto Divulgação

“Minha curiosidade sobre o armazenamento de alimentos surgiu ao receber a foto de um urso polar deitado no gelo com uma foca na maior parte coberta de neve”, disse Ian Stirling, do Conselho Científico para Ursos Polares em matéria do Daily Mail. “Eu tinha visto esse tipo de comportamento apenas uma vez em mais de 40 anos de pesquisa em ursos polares”, acrescentou.

Para seu estudo, Stirling revisou dados observacionais de ursos polares obtidos entre 1973 e 2018 em Svalbard, Groenlândia e no Ártico Canadense, encontrando apenas 19 casos de animais enterrando a presa na neve, ou seja, apenas 0,5% de todos os ursos polares analisados.

“Basicamente, a gordura e a carne de focas menores, como filhotes ou de um ano, são amplamente devoradas imediatamente, deixando pouco para acumular. Já as focas adultas são cobertas por neve para talvez reduzir a chance de roubo por parte de outro animal”, disse Stirling.

As medições do final do verão de gelo marinho no Ártico, em setembro de 2019, revelaram que a região atingiu a oitava menor extensão em registros modernos.  Se não houver gelo marinho suficiente os ursos polares não podem continuar a caçar as focas. A mudança de comportamento dos usos polares indica que esses animais já estão percebendo a necessidade de armazenar alimento – algo que nunca tiveram que fazer antes.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

 

 

​Read More
Notícias

Aumenta o números de ursos polares famintos que entram nas cidades procurando alimento

Foto: Charlotte Moshj / WWF-Denmark
Foto: Charlotte Moshj / WWF-Denmark

Encontrar um urso polar em uma cidade ou vila na Groenlândia costumava ser um acontecimento raro há 10 anos.

Mas as coisas mudaram de forma intensa. Um número cada vez maior de animais famintos está entrando nas comunidades procurando por comida à medida em que o aumento da temperatura derrete o gelo em que eles estão acostumados a caçar.

Em um exemplo, um urso polar muito magro e faminto continuava entrando na cidade e ignorando as tentativas dos moradores de assustá-lo.

O pobre animal acabou sendo morto por ser considerado uma ameaça. O urso polar estava apenas com fome.

Julius Tilerilaaquk, que vive na cidade de Tasiilaq, na parte sudeste da ilha, disse: “Em nossa infância, nunca vimos um urso polar – nenhum. Então os ursos começaram a entrar na cidade na nossa adolescência.

“Este urso voltou dia após dia e durante a noite também em busca de comida, não sabíamos como fazer”.

Imagens feitas pela equipe de pesquisa do Greenlandic Perspectives Survey mostram o urso andando em Tasiilaq.

Há uma década, havia apenas oito relatos de ursos polares em assentamentos em todo o país, segundo o World Wide Fund for Nature.

Foto: Charlotte Moshj/WWF-Denmark
Foto: Charlotte Moshj/WWF-Denmark

No ano passado, apenas em uma vila, houve pelo menos 21 casos desses animais circulando à procura de comida.

O problema é tão grave que as crianças no assentamento estão sendo escoltadas para a escola por uma patrulha criada pelo WWF. Os animais são selvagens e normalmente não atacam a menos que se sentirem ameaçados.

O grupo carrega rifles para disparar apenas na intenção de assustar os ursos que virem. A vila do Ártico – Ittoqqortoormiit está na linha de frente das mudanças climáticas.

Era um evento raro ver um urso polar lá. Torbjørn Ydegaard, o diretor da escola, disse: “Nos últimos anos, mais e mais ursos polares tem chegado bem perto da vila.

“Se vamos a um passeio escolar, temos que trazer proteção”.

Mette Hammeken, dona do posto de turismo, disse: “Durante o inverno, está muito escuro pela manhã para ver longas distâncias. Um dia, meus filhos queriam brincar na neve antes da escola.

“De repente, vi um homem armado ao lado da minha casa.

Foto: WWF
Foto: WWF

“Encontramos um urso polar dormindo não muito longe de nossa casa enquanto eu estava mandando meus filhos para a escola”.

Os ursos, que estão limpando os latões de lixo, são os maiores predadores da terra. Pesando o mesmo que 10 homens adultos, eles assustam as pessoas, embora não ataquem sem motivo.

A patrulha dos ursos polares foi criada por Kaare Winther Hansen, coordenador da sessão Groenlândia no WWF.

Kaare disse: “Os ursos polares sempre entram em assentamentos no Ártico, mas o problema está aumentando”.

Ele disse que a mudança climática encolheu o habitat natural desses animais, não dando-lhes outra opção a não ser procurar restos de comida.

Kaare, 49 anos, acrescentou: “Os ursos polares seguem a borda do gelo do mar enquanto ele se retira para o norte na primavera.

“Mas nos últimos cinco ou seis anos, a borda do gelo esteve mais próxima da costa, de modo que os ursos podem cheirar o assentamento, principalmente a comida dos cachorros e o local de despejo do lixo, causando um risco à segurança”.

Ittoqqortoormiit fica no leste da Groenlândia, tem 370 residentes e um policial em período integral, Torben Klose.

Foto: WWF
Foto: WWF

Esta vila fica a mais de 500 milhas da cidade mais próxima. Não há acesso rodoviário.

A única maneira de entrar na cidade em nove meses do ano é de helicóptero.

Erling Madsen, oficial de caça do governo em Ittoqqortoormiit, disse: “Dez anos atrás, tínhamos gelo marinho, agora não há mais nenhum gelo no verão. E quando o grande gelo vai, os ursos polares vêm.

O WWF disse que houve dois incidentes muito graves de ursos polares na Groenlândia no ano passado.

Em outubro, um piloto e dois passageiros de um helicóptero escaparam por pouco, depois que um urso polar quebrou o para-brisa da aeronave em busca de comida, o incidente ocorreu em Sandersons Hope, perto de Upernavik.

Eles conseguiram escapar ilesos e alertar a polícia depois de se trancarem em uma cabana próxima.
Um período de mais de cinco meses por ano sem gelo pode ser mortal para os ursos, com números estimados em 22 mil.

Como o Ártico está esquentando duas vezes mais rapidamente que a média global, diminui o gelo marinho que os ursos dependem para caçar focas.

Os ursos estão seguindo o gelo para o norte e estão desesperadamente procurando comida nas cidades. Até 2050, o número de ursos polares poderá cair 30%.

E se o gelo do mar derreter dois meses antes do que atualmente, mais da metade das gestações de ursos polares podem falhar, alerta a União Internacional para a Conservação da Natureza.

Relatórios produzidos por equipes da Groenlândia detalham como, após anos de clima cada vez mais quente, uma onda de calor está dominando o Ártico, derretendo a camada de gelo de três milhões de anos em um ritmo abrasador.

A mudança climática pode colocar o mundo inteiro em grave perigo devido à ascensão dos oceanos.

Kaare, do WWF, alertou: “O recuo do gelo marinho faz com que os ursos polares se aproximem da costa e mais perto dos assentamentos. O grande problema é a mudança climática e temos que lutar contra isso”.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
De olho no planeta

NASA investiga derretimento de geleiras na Groenlândia

A campanha Oceans Melting Greenland (OMG) da NASA chega ao seu terceiro ano de coleta de dados sobre o o oceano ao redor da Groenlândia, que está derretendo suas geleiras.

Josh Willis, do Laboratório de Propulsão a Jato (JPL, na silga em inglês) da Nasa em Pasadena, Califórnia, e o gerente de projetos Steve Dinardo, também do JPL, estão indo para a Groenlândia esta semana em uma campanha aérea.

Pelo terceiro ano consecutivo, eles vão soltar cerca de 250 sondas ao largo da ilha, perto das frentes de geleiras que terminam no oceano. As sondas afundam mil metros na água do mar, registrando a temperatura e a salinidade à medida que se locomovem.

Os pesquisadores esperam fazer seu primeiro vôo em 22 de agosto e completar o trabalho em duas ou três semanas, dependendo do clima.

Foto de uma das expedições da NASA na Groenlândia (Foto: ScienceDaily)

Sobre a missão

Os dois primeiros anos de operações da OMG coletaram os dados mais abrangentes disponíveis sobre o assunto, mas o investigador principal da OMG, Josh Willis, está em busca de mais informações.

“Estamos começando a ver algumas mudanças surpreendentes no oceano, desde o início da OMG em 2016, que estão afetando o gelo”, disse Willis, um oceanógrafo do JPL. “Queremos ver se essas mudanças ainda estão lá depois de dois anos e se estão se espalhando ao longo da costa da Groenlândia.”

Entretanto, o melhor momento para soltar as sondas no oceano ao redor da Groenlândia é durante a temporada de furacões. “Os furacões vão até a Groenlândia para morrer”, disse Dinardo. “Em 2016, houve dias em que os ventos eram tão fortes que nem conseguimos abrir as portas do hangar”. As bases meteorológicas estenderam a implantação planejada de três semanas para cinco semanas.

Em 2017, o clima atacou mais perto de casa: o furacão Harvey incapacitou o avião e a tripulação de Houston poucos dias antes do início planejado da campanha. Dinardo conseguiu localizar uma aeronave alternativa viável para a missão e colocar a equipe da OMG no ar dentro de um mês do início originalmente planejado.

O novo avião deste ano e a nova base devem melhorar as condições meteorológicas da OMG. O avião escolhido foi um Basler BT-67, operado pela Airtec, empresa contratada pela NASA. Ele é capaz de decolar e aterrissar em uma pista mais curta do que qualquer um dos aviões anteriormente utilizados pela OMG.

Isso permite que a equipe baseie suas operações na costa leste em Kulusuk, um pequeno aeroporto no sudeste da Groenlândia, em vez de um grande aeroporto na Islândia. O longo “trajeto” da Islândia reduziu o tempo disponível para pesquisa em cada voo, e a maior trajetória de voo significou mais lugares onde pode haver mau tempo.

“Estar na Groenlândia o tempo todo fará com que fiquemos mais perto e que conheceremos melhor a camada de gelo e geleiras”, disse Willis.

Quando eles completarem a costa leste, a equipe se mudará para Thule, uma base aérea dos Estados Unidos no noroeste da Groenlândia, por quedas no lado oeste da ilha.

Animais marinhos da Groenlândia

Narvais são pequenas baleias dentadas, de longas presas. Elas adaptam-se exclusivamente nas águas do Ártico, movendo-se sazonalmente do oceano aberto para as frentes glaciais da Groenlândia e do Canadá. O oceano em transformação ao redor da Groenlândia tem afetado essas criaturas vivas, assim como geleiras.

Narvais são animais marinhos que existem na Groenlândia | Foto: Divulgação

Kristin Laidre, pesquisadora da Universidade de Washington em Seattle, e Ian Fenty, do JPL e um investigador co-principal da OMG, estão no lado oeste da Groenlândia da equipe OMG em agosto, em um cruzeiro de pesquisa de seis dias. Sua equipe colocará amarras na frente de três importantes geleiras no noroeste da Groenlândia, com gravadores acústicos e registradores de dados OMG ligados às correntes de ancoragem. Esses instrumentos registrarão a temperatura e a condutividade oceânicas (usadas para calcular a salinidade) e as detecções de narvais.

“Esse conjunto de dados locais provavelmente adicionarão novas revelações às medições em larga escala da OMG”, disse Fenty. “Como os instrumentos farão medições a cada hora durante dois anos, teremos uma compreensão totalmente nova do oceano em mudança perto do gelo”.

“Esses dados nos ajudarão a interpretar os dados da nossa sonda OMG e nos permitirão avaliar e melhorar nossas simulações computacionais das correntes oceânicas na área”, observou ele.

Laidre estuda esses mamíferos indescritíveis e seus habitats. Ela achou as informações observadas pela OMG valiosas e publicou o primeiro artigo de análise pelos pares que usou dados da OMG.

“Não sabemos muito sobre o que é importante para os narvais e como a oceanografia física influencia suas preferências de habitat. A OMG está coletando informações realmente detalhadas sobre a física do sistema. Para nós, ter acesso a esses dados e trabalhar com os investigadores do OMG podem nos trazer um longo caminho no estudo desses animais”, ela explica.

​Read More
De olho no planeta

Iceberg gigante ameaça pequeno vilarejo da Groenlândia

Um iceberg de 100 metros de altura aproxima-se de um pequeno vilarejo de Innaarsuit, na costa oeste da Groenlândia, e provoca preocupação devido à gravidade das consequências que pode causar caso haja colisão.

Um iceberg de 100 metros de altura aproxima-se de um pequeno vilarejo de Innaarsuit, na costa oeste da Groenlândia, e provoca preocupação.
Foto: Scanpix Denmark/Reuters

Os moradores que residem perto da costa, foram instruídos a mudarem-se para áreas mais altas. “Nós tememos que o iceberg possa inundar a aldeia”, disse a membro da polícia nacional, Lina Davidsen.

Susanne Eliassen, membro do conselho de Innaarsuit, disse que não é incomum que grandes icebergs sejam vistos perto da comunidade. Porém, ela afirmou que esse é o maior de todos, e que a existência de rachaduras e buracos no grande bloco de gelo preocupa ainda mais os moradores locais. “Ninguém está ficando desnecessariamente perto da praia e todas as crianças foram orientadas a ficar em áreas mais altas”, disse Eliassen.

A polícia enviou um helicóptero de busca e resgate para a comunidade remota, que tem uma população de cerca de 170 pessoas.

Blocos de gelo que se desprendem do círculo polar durante o verão passam com frequência pela Groenlândia, região autônoma da Dinamarca que é banhada pelo Oceano Glacial Ártico. Mas autoridades da Groenlândia afirma que nunca viram um bloco de gelo tão grande e tão perto.

A incidência de icebergs que se libertam das geleiras provavelmente se tornará mais comum, afirmou o pesquisador geológico da Dinamarca e pesquisador da Groenlândia, William Colgan.

“A ocorrência de icebergs na Groenlândia tem aumentado nos últimos 100 anos, à medida que a mudança climática se torna mais forte”, disse ele, enquanto o crescente número de icebergs, por sua vez, “aumentam os riscos de tsunami”.

Diversas ações antrópicas contribuem para a aceleração das mudanças climáticas, como a queima de combustíveis fósseis, atividades industriais, agropecuária, descarte de resíduos sólidos e desmatamento. Sem a mudança de hábitos e instauração de regulamentos que protejam o planeta, as populações humana e animal serão irreversivelmente afetadas.

​Read More
Gelo
De olho no planeta

Derretimento do gelo pode afetar animais marinhos na Groenlândia

 

Gelo
Foto: Reprodução, The Indian Express

Pela primeira vez, cientistas da Aarhus University, na Dinamarca, revelaram o impacto em longo prazo do derretimento da camada de gelo da Groenlândia. O aumento observado na quantidade água doce afetará as condições em todos os fiordes da Groenlândia, disseram os pesquisadores.

Ao longo dos anos, o colapso dramático do gelo no oceano Ártico recebeu muito atenção e é fácil de observá-lo por meio de imagens de satélite. Além disso, as geleiras derreteram e os pesquisadores sabem que o colapso atual da camada de gelo da Groenlândia mais do que duplicou em comparação com o período de 1983 a 2003. Não se sabe como o aumento do influxo de água doce afetará o ambiente marinho, segundo o The Indian Express.

As medições anuais feitas pelo “Programa de Monitoramento do Ecossistema da Groenlândia” desde 2003, no Nordeste da região, mostram que a água fresca da camada de gelo se acumula nas camadas superficiais do mar e flui para os fiordes. As medidas revelam que as camadas superficiais de água tornaram-se até 1,5 menos salgadas, o  equivalente a um aumento do teor de água doce de cerca de um metro em 2003 para quase quatro metros em 2015.

​Read More
Notícias

Renas são duramente afetadas pelo aquecimento global na Groenlândia

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

O derretimento de gelo no Ártico vinculado ao aquecimento global tem um impacto inesperado nas renas do oeste da Groenlândia, reduzindo o nascimento de filhotes e elevando sua taxa de mortalidade, revelou um estudo publicado nesta terça-feira.

O degelo acelerado fez com que a temporada de crescimento das plantas na Groenlândia começasse mais cedo, em média cerca de 16 dias antes em 2011 em comparação com 2002, escreveram estudiosos em artigo divulgado na revista Nature Communications.

A temporada de nascimento de filhotes, no entanto, se manteve igual. Isto significa que os recém-nascidos e suas mães precisam comer plantas mais velhas que já passaram de seu pico nutricional.

As renas da Groenlândia, grandes animais semelhantes aos alces dotados de grandes chifres, são parentes próximas da rena selvagem, e há 3 mil anos migram do oeste para o leste do final de maio ao início de junho em busca de plantas jovens, como salgueiros-do-ártico, ciperáceas e ervas florescentes de tundra,  quando estão prestes a dar à luz.

Comer plantas jovens suculentas nesta época aumenta as chances de terem filhotes saudáveis.

Após passarem um longo inverno ártico tendo que cavar a neve para encontrar líquens, “os animais aparecem esperando uma fartura de comida, mas acabam descobrindo que a cafeteria já fechou” por causa da temporada de crescimento alterada, disse Jeffrey Kerby, estudante de pós-graduação da Universidade Penn State, que contribuiu para este estudo.

O declínio atual no gelo marinho tem sido associado a temperaturas terrestres mais altas em muitas regiões do Ártico. As plantas respondem às temperaturas mais quentes ajustando o ritmo de seu crescimento, destacaram os autores do estudo.

Mas as renas, cujos ciclos reprodutivos são determinados por mudanças sazonais na duração da luz diurna ao invés da temperatura, continuam a dar à luz quase na mesma época da primavera.

“Este cenário é o que nós chamamos de desacordo trófico – uma desconexão entre o momento em que as plantas são mais nutritivas e o momento em que os animais são mais dependentes delas para a sua nutrição”, disse Kerby.

O co-autor do estudo, Eric Post, professor de Biologia da Penn State, começou a estudar o relacionamento entre o nascimento de renas e a temporada de crescimento vegetal na Groenlândia 20 anos atrás.

Os dois também usaram dados de um estudo dos anos 1970, quando havia uma produção muito maior de filhotes e de sobrevivência na região.

“O gelo marinho é parte de um sistema climático mais amplo que claramente tem efeitos importantes tanto nas plantas quanto nos animais”, disse Post.

“Exatamente como o declínio de gelo marinho pode afetar as interações entre as espécies neste e em outros tipos de cadeias alimentares terrestres no Ártico é uma questão que merece maior atenção”, concluiu.

Fonte: Terra

​Read More
Notícias

Migrações misteriosas das baleias nos Açores estão sendo seguidas por satélite

São mais as incógnitas do que as certezas sobre as razões da passagem migratória das baleias pelos Açores. Uma equipe de investigadores, que as tem seguido por satélite, acredita que o arquipélago é um local de alimentação e orientação importante.

“Já estamos aquecendo os motores das embarcações, a melhorá-las e a preparar o equipamento”, contou Rui Prieto, do Departamento de Oceanografia e Pescas da Universidade dos Açores (DOP/UAç). Esta primavera, uma equipe de investigadores sairá para o mar agitado do arquipélago à procura de três das espécies de baleias que ali ocorrem: a baleia-azul (Balaenoptera musculus), a baleia-comum (Balaenoptera physalus) e a baleia-sardinheira (Balaenoptera borealis).

A partir de semirrígidos ou de uma embarcação cabinada, a equipe vai marcar as baleias com transmissores de satélite, com 300 gramas de peso, implantados com recurso a uma arma pneumática especialmente desenvolvida para este fim. “O nosso objetivo é marcar com sucesso entre 20 e 25 animais destas três espécies”, adiantou Rui Prieto ao PÚBLICO.

Desde 2008 que o Programa de Telemetria por Satélite de Grandes Baleias conseguiu marcar com sucesso um total de 16 animais. No entanto, os transmissores são rejeitados naturalmente pelas baleias ao fim de algumas semanas. “A bateria tem autonomia para vários meses mas o fator limitante é a rejeição pelo organismo do animal.”

Estas três espécies foram as escolhidas porque, segundo Rui Prieto, “a baleia-sardinheira é praticamente desconhecida no Atlântico Norte e as outras duas são bons indicadores do que outras espécies semelhantes podem estar fazendo”. “Não temos meios para trabalhar todas as espécies porque é algo que exige muitos recursos. Ainda assim, queremos, no futuro, expandir este trabalho, que atualmente é financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia através do Projecto TRACE”, considerou.

Mas nem todas as baleias estão na mira destes investigadores. “Não colocamos transmissores em crias e tentamos causar a menor perturbação possível aos animais instrumentados com os transmissores.”

Açores como local de alimentação

Dos dados já recolhidos, Rui Prieto pode dizer que as baleias utilizam os Açores como local de alimentação, a meio das suas migrações de verão. “A alimentação acontece debaixo de água mas conseguimos reparar em alguns indícios, nomeadamente, os peixes que surgem à superfície, as manchas de krill [crustáceo altamente calórico que é abundante nos Açores durante a Primavera] e a defecação”, explicou.

Para este ano, um dos objetivos será saber quanto tempo se demoram estes grandes mamíferos no arquipélago. “Será que passam aqui um dia ou um mês? Param nos Açores para comer uma ‘sandes’ ou um verdadeiro ‘banquete’? Como escolhem os cardumes de presas e que estratégias utilizam para encontrá-las?”. Estas são apenas algumas das perguntas sem resposta. Mas desde 2008 já existem dados concretos que demonstram que as espécies não se comportam da mesma maneira. “As duas baleias-azuis marcadas com sucesso passaram quase dois meses dentro da ZEE (Zona Económica Exclusiva] dos Açores; andaram em ziguezague, sempre para nordeste, muito lentamente, um padrão que indica que estavam se alimentando. As baleias-comuns passaram cá alguns dias se alimentando e seguidamente retomaram a migração para norte num trajeto quase direto, aparentemente com destino às águas entre a Gronelândia e a Islândia. As baleias-sardinheiras marcadas não passaram cá muito tempo”, resumiu o biólogo.

De acordo com Rui Prieto, as três espécies não passam pelos Açores na mesma altura. “Embora ocorram em simutâneo, primeiro aparecem as baleias-azuis e as baleias-comuns e só mais tarde as sardinheiras”. Na verdade, pouco se conhece sobre as rotas migratórias das baleias no Atlântico Norte. Ninguém sabe ao certo onde passam o inverno e que rotas tomam para ir para as áreas de alimentação de verão. Mas os investigadores acreditam que o arquipélago poderá funcionar como ponto de orientação durante a migração destes animais. “As populações do Atlântico Norte podem estar subdivididas em diferentes unidades, que utilizam áreas diferentes para alimentação e reprodução e têm pouco contato, ou podem constituir populações coesas.”, salientou.

Por isso, os investigadores utilizam fotografias para identificar os indivíduos e recolhem material genético, como pele, para permitir a comparação com animais de outras localidades dos dois lados do Atlântico e perceber a organização populacional das espécies.

Recentemente, O DOP/UAç levantou a ponta do véu. “Descobrimos que as baleias-sardinheiras que passam por aqui seguem para o mar do Labrador [mar do Atlântico Norte entre o Canadá e a Groenlândia]. Até hoje não se conhecia a origem dessas baleias que se sabiam estar naquele mar durante o verão. Foi uma surpresa completa”, considerou.

“São muitas as coisas que queremos tentar saber. Por exemplo, a forma como as baleias usam o habitat, as ilhas, os montes submarinos e as frentes oceânicas (zonas entre massas de água com características físicas diferentes) nos Açores e nas outras regiões”.

A boa notícia é que, enquanto os transmissores de satélite estiverem funcionando, “vai ser possível acompanhar os movimentos das baleias quase em tempo real numa página da Internet”, garantiu Rui Prieto.

Fonte: Público

​Read More
Notícias

Países liberam Groenlândia para caçar baleia jubarte

A Comissão Internacional da Baleia (CIB) aprovou ontem uma cota de caça de nove baleias jubartes por ano para a Groenlândia nos próximos três anos. É a primeira permissão para caça da espécie em 24 anos. Em contrapartida, foi reduzida a cota de caça de baleias da espécie fin para o mesmo período de 19 baleias para 16.

A moratória para a caça comercial de baleias começou em 1986 e, desde então, a Groenlândia tem caçado baleias das espécies minke e fin. A decisão foi tomada na reunião da CIB que terminou ontem em Agadir (Marrocos). A Groenlândia ameaçava deixar a CIB se sua demanda não fosse atendida, alegando se tratar de questão de sobrevivência.

Muitos países latino-americanos, incluindo o Brasil, fazem objeção à caça. Conservacionistas defendem que as baleias sejam objeto apenas do turismo de observação. Mas a discussão sobre o fim da moratória foi suspensa por um ano.

Fonte: O Estado de S.Paulo

Nota da Redação: É compreensível que haja necessidade de determinadas negociações políticas, em determinadas situações. No entanto, neste caso, os componentes da CIB são revestidos de tamanha prepotência que a comissão nos parece ser composta por deuses, poderosos a ponto de negociar vidas e decidir quais e quantas são importantes e merecedoras da existência. Animais não são objetos a serem tratados como números e nenhuma vida é mais ou menos importante do que a outra.

​Read More
Notícias

Ave marinha percorre 71 mil quilômetros por ano em rota migratória

Gaivina do Antártico. (Foto: Público)
Gaivota do Ártico. (Foto: Público)

Durante décadas desconfiou-se que uma pequena ave marinha chamada gaivota-do-ártico (Sterna paradisaea) fosse a ave que fazia a mais longa rota migratória. Mas não se sabia quanto conseguia mesmo percorrer durante um ano. A resposta é 71 mil quilômetros.

Uma equipe do British Antartic Survey conseguiu seguir a rota migratória da ave por meio de um geolocalizador sensível à luz, que conseguia, pelas horas de luz, traçar as coordenadas geográficas dos locais pelos quais passava a gaivota-do-ártico.

Sabia-se que ela percorria a distância entre os polos norte e sul na sua rota, começando na Groenlândia e acabando no mar de Wedell, no Oceano Antártico. Mas não se sabia por onde passava nem onde parava pelo caminho.

A equipe revela agora, nas páginas da revista Proceedings of the National Academy of Sciences, a PNAS, que a gaivina passa ainda quase um mês no Oceano Atlântico norte, a mil quilômetros dos Açores, em Portugal. É lá que se alimenta para mais uma longa etapa da viagem, escassa em alimento.

Depois, ao chegar à costa africana, parte delas opta por cruzar o continente africano e outra parte escolhe uma alternativa contornando a costa sul-americana. E passam o inverno em vários pontos da Antártida.

Já de regresso não fazem o caminho mais curto. Traçam antes um enorme “S” de regresso ao norte pelo Atlântico, fazendo ainda mais uns milhares de quilômetros por causa deste capricho.

Fonte: Público

​Read More