Notícias

Cachorrinha é abandonada após quebrar a perna

Foto: MSPCA
Foto: MSPCA

Criadores de animais nada mais são que exploradores de animais que os comercializam como se fossem produtos e tiram vantagem de seus atributos naturais, precificando-os e reproduzindo-os como mercadorias.

Tahani, uma cachorrinha sem raça definida mistura de lulu da pomerânia com husky siberiano de apenas 3 meses, nasceu de um desses criadores ambiciosos e estava prestes a ser vendida quando de alguma forma ela quebrou a perna. A lesão foi bastante severa e, quando o criador percebeu que não seria mais capaz de vender o filhote, Tahani foi entregue ao centro de adoção da MSPCA em Boston.

A partir do momento em que chegou ao abrigo, todos ficaram impressionados com a beleza do filhote. Um cão nascido dessas duas raças é uma mistura bastante rara de se encontrar, e apesar de Tahani estar com muita dor, ela ficou olhando para todos os seus novos amigos com seus grandes olhos azuis, tão grata a todos por ajudá-la.

Foto: MSPCA
Foto: MSPCA

“Ela estava em excelente estado, exceto pela fratura na perna, que era uma fratura séria e provavelmente causou muita dor ao animal no momento em que ocorreu, então a equipe veterinária do abrigo a colocou imediatamente em analgésicos intravenosos antes de avaliar se ela precisava de cirurgia para ajudar na recuperação da fratura, ou se ela se curaria por conta própria, a cachorrinha precisaria usar uma tala por várias semanas”, disse Rob Halpin, diretor de relações públicas da MSPCA, ao The Dodo.

Depois de fazer alguns raios-x, foi determinado que a pequena Tahani não precisava de cirurgia, desde que os veterinários pudessem colocar uma tala em sua perna, monitorá-la de perto e controlar sua dor. Ela passa por troca de curativos, bandagens e avaliações toda semana, e está se curando muito bem até agora, para a alegria de todos que a conhecem.

Apesar de tudo o que ela está passando, Tahani permaneceu doce e brincalhona, e a agitada cadelinha mal parece notar que está usando uma tala.

Foto: MSPCA
Foto: MSPCA

“Para ela, a vida é uma aventura e Tahani não permite que a natureza lenta e desajeitada de seu andar (temporário) a incomode”, disse Halpin. “Ela é uma cachorrinha muito feliz.”

Atualmente, Tahani está em um lar temporário concedido por um dos funcionários do centro de adoção, mas ela ainda visita todos os seus novos amigos do abrigo com frequência por causa de seus exames médicos, e conquista seus corações um pouco mais mais a cada visita. Ela é tão corajosa e cheia de vida, e não é difícil ver que cachorra maravilhosa ela será para a família de muita sorte que a adotá-la.

Foto: MSPCA
Foto: MSPCA

“Ela é um filhote apenas, então ela adora brincar e explorar tudo e ela absolutamente ama ganhar atenção”, disse Halpin. “Ela vai buscar amor e carinho de todos que ela conhece e é provável que seja encontrada aninhada no ombro de alguém que a pegou no colo e decidiu nunca colocá-la no chão porque ela é uma campeã mundial em amar carinhos”.

Foto: MSPCA
Foto: MSPCA

Como Tahani está indo muito bem em seu caminho para a recuperação, o abrigo já publicou um post sobre ela, incentivando as pessoas a se candidatarem a adotá-la – e a adorável cachorrinha já recebeu mais de 100 pedidos.

Todos estão tão felizes que ela terá um lar e uma família especial em breve, porque depois de tudo o que ela passou, ela mais do que merece.

Foto: MSPCA
Foto: MSPCA

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Passarinho com necessidades especiais recebe sapatos ortopédicos e volta a andar

Foto: California Wildlife Center
Foto: California Wildlife Center

Há muitas pessoas que adoram apreciar e conviver com animais. Mas quando se trata de ajudar, muitas pessoas os ignoram, deixando-os sozinhos. Felizmente, alguns humanos não conseguem permanecer indiferentes a esses animais em necessidade e decidem ajudá-los.

A equipe do California Wildlife Center está acostumada a lidar com animais feridos. Recentemente, eles resgataram um pássaro indefeso que tinha um pé machucado.

Muitos passaram pela ave, sem fazer nada. Mas esse grupo não pensou duas vezes e decidiu ajudar. Eles descobriram que o pássaro era incapaz de andar e não tinha força para se agarrar aos objetos.

Foto: California Wildlife Center
Foto: California Wildlife Center

O problema com esse passarinho era um nó que se formava em seus dedos, algo comum, especialmente nos pássaros mais jovens. Além disso, ele só podia ficar na ponta dos pés, e isso causava a ave desconforto e sofrimento.

O pessoal do centro resolveu este problema de uma forma muito criativa. Eles fizeram pequenos “sapatos ortopédicos” que ajudarão o pássaro a andar! É um tipo de bota de gesso improvisada.

“Geralmente, leva uma semana ou duas semanas para usar a “bota de neve” (nome dado ao sapato por sua forma) até o pé voltar ao normal”, explica Duane Tom, do Centro de Vida Selvagem.

Após o tratamento, o pássaro estará pronto para voar e encantar a todos com suas belas canções.

Ao encontrar um animal ferido ou em necessidade é importante socorrê-lo e prover-lhe os cuidados básicos como comida ou água. No caso de sinais de doença ou ferimento uma visita ao veterinário é de extrema importância.

Animais são vidas, sofrem, sentem, amam e compreendem o mundo como nós.

Não finja que não viu ou vire o rosto, ao ajudar um animal em necessidade, você estará fazendo a diferença em uma vida e o planeta – e os animais – agradecem.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Você é o Repórter

Gatos presos em coluna de gesso de loja são resgatados por cliente, em SP

Beth Julianelli
bethwj@uol.com.br

Foto: Divulgação

Dia 13 de fevereiro, por volta das 10 horas da manhã, estive na loja Express Americanas da Rua Augusta 2499, onde ouvi miados de um gatinho. Passei a procurar por toda a loja, algumas pessoas confirmaram que também estavam ouvindo. Passou por mim uma funcionaria que disse que o gatinho estava dentro de uma das colunas no centro da loja.  Imediatamente me dirigi à gerente, que disse não ter tempo naquela hora para me atender sobre esse assunto. Pedi a ela um martelo para eu mesma quebrar um buraco na coluna, que era de gesso, ela se negou e disse que mais tarde trataria disso.

Deixei meu telefone com ela para quando  necessario me chamassem para eu ir buscar o gatinho.  Nada aconteceu, fiquei em casa esperando uma ligação, mas meu coração estava cada vez mais apertado.

Meu marido chegou tarde para almoçar, pedi a ele que me levasse até lá de carro, já passava das 3 da tarde.  Quando cheguei, a gerente me olhou feio e disse que nada havia feito porque o gato tinha parado de miar, constatei que era mentira, nesse momento falei alto que eu iria chamar os bombeiros, ela disse que nada adiantava pois na semana anterior eles já haviam chamado e ninguém apareceu, conclui que  outro gatinho que havia caído dentro de uma outra coluna já estava morto. Ela também me falou que há, dentro dessas colunas de gesso, passagem (buracos)  pelo forro, onde vivem gatos abandonados, e que como não tinha culpa disso, não iria tomar nenhuma atitude.

Fiquei muito nervosa e disse que a responsabilidade desses acidentes é dela pois  ela é a gerente  e que deveria já ter providenciado a proteção devida dos buracos nas colunas, para os animais não caírem mais por lá.  Meu marido e mais uma cliente ouviram e disseram que iriam chamar a polícia se nada fosse feito.

Ela foi chamar uma pessoa que estaria almoçando.  Esperei, até que veio um senhor com uma ferramenta e a gerente. Depois da ameaça de polícia, aí sim apareceu com um martelo.

Consegui resgatar dois gatinhos muito pequeninos que estou alimentando diretamente na boquinha.  Eles estão bem e serão encaminhados para adoção.  O que peço é que alguém mais jovem do que eu e com mais dinamismo ajude a solicitar que essa loja tome as providencias cabíveis para proteger o resto da ninhada (se é que restou mais algum) e que isso seja resolvido.  Seria bom também tentar tirar esses gatos desse telhado.

Foto: Divulgação
​Read More