Destaques

Veterinária usa Facebook para vender filhotes de canguru

Foto: Facebook
Foto: Facebook

Animais não são produtos para serem precificados são vidas sencientes, companheiros de planeta e qualquer tentativa de lucrar sobre eles, e afastá-los de seu habitat natural, tornando-os de animais selvagens em animais domésticos trará imensos danos e sofrimento a esses seres.

Uma criadora de animais americana enfrentou uma onda de revolta e criticas ferozes dos usuários da rede social por vender cangurus bebês no Facebook por 7100 dólares cada.

A mulher que se diz natural e residente do Texas (EUA), se descreve como uma “veterinária simples e exótica” no Facebook, vende também “zebras de qualidade, camelos e cangurus” online.

Foto: Facebook
Foto: Facebook

Seu último post provocou protestos violentos depois que a veterinária postou uma foto de seis filhotes de canguru, com um preço inicial de 7,1 mil dólares para cangurus do sexo feminino e 2800 dólares cangurus do sexo maculino.

Infelizmente não é considerado ilegal pela lei americana possuir um canguru no estado do Texas, mas os marsupiais não podem ser treinados em casa.

Eles podem crescer até dois metros de altura e pesar até 90 kg e requerem espaço adequado para se movimentar e correr.

Grupos que atuam em defesa dos direitos animais questionaram se a prática da veterinária era legal, alegando que os animais precisavam ser criados livres na natureza, de onde jamais deveriam ter saído.

“Estes animais indefesos jamais deveriam estar à venda, eles pertencem a natureza e não devem ser criados em cativeiro! Pobres filhotes de cangurus! Isso é absolutamente horrível! ”, escreveu um deles.

“Especialistas em animais devem estar envolvidos”, comentou outro.

Foto: Facebook
Foto: Facebook

“Eles não poderiam estar em estado selvagem agora, eles todos ainda tomam mamadeira infelizmente eles não se ajustariam em estado selvagem agora. Pelo menos na minha compreensão, mas devem ser soltos quando estiverem maiores, prontos e adaptados”, explicou um deles.

Desde então, a veterinária removeu a postagem do Facebook, mas ainda anuncia em seu site a venda dos animais selvagens, segundo informações do Daily Mail.

Animais selvagens nativos da Austrália sendo vendidos em redes sociais

Os animais nativos mais emblemáticos da Austrália estão sendo negociados por criadores americanos que os vendem como animais domésticos por milhares de dólares.

A repercussão do terrível comércio de animais nativos surgiu depois que os australianos ficaram chocados com um kookaburra chamado “Thunder” sendo vendido em uma gaiola em uma loja de animais em Virginia Beach por 1.200 dólares (cerca de 5 mil reais).

Infelizmente, Thunder é apenas a ponta do comércio crescente de animais nativos australianos nos EUA.

Uma pesquisa rápida em sites de animais domésticos nos EUA revela que cangurus, wallabies, planadores de açúcar e emas estão disponíveis – por um preço. Um criador divulgou online de seis cangurus albinos 45 mil dólares (cerca de 175 mil reais).

Jeff, que mora no estado de Nova York e cria emus, disse ao Daily Mail na quinta-feira (28) que entendia completamente a popularidade dos animais nativos da Austrália – especialmente os cangurus.

“Quem não gostaria de um?” ele disse.

“Eles são fofos e fofinhos quando são bebês – não há nada como ter um canguru, as pessoas enlouquecem quando o veem.”

Ele disse que viu uma pessoa passeando com seu canguru em uma loja dentro um carrinho de compras para o deleite de outros compradores.

Chris, que cria lorikeets, disse ao Daily Mail Austrália que ela estava confusa sobre o motivo pelo qual os australianos ficaram tão indignados ao saber que um kookaburra estava à venda, e alega que animais australianos nativos foram legalmente enviados para zoológicos nos Estados Unidos na década de 1970, e esses zoos passaram o excedente para os criadores – o que significa que não é ilegal para os criadores americanos venderem os animais.

De acordo com a lei australiana, os animais nativos não podem ser retirados do país, mas Chris disse que não acredita que “Thunder” tenha sido obtido ilegalmente, pois conhece seu criador – um homem idoso que está no mercado há décadas. A loja de animais também negou que o Thunder fosse contrabandeado para o país.

Anúncios em lojas de animais online mostram que os animais australianos estão à venda em todos os EUA, com preços que atingem mais de alguns milhares de dólares.

Casais de baby emus são vendidos online de 500 a 979 dólares (cerca de 2 a 4 mil reais), com um site oferecendo até mesmo o envio de aves nativas australianas para qualquer lugar dos EUA via avião.

O petauro-do-açúcar é outro animal faz sucesso entre os americanos, com os marsupiais sendo criados para uso doméstico por mais de uma década nos Estados Unidos. As informações são do Daily Mail.

O pet shop onde está “Thunder” disse em um comunicado postado em sua conta do Facebook que não há qualquer irregularidade da parte deles, mas explicaram com detalhes de onde o kookaburra veio.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA


 

​Read More
Notícias

Ovelhas exploradas em pesquisa são forçadas a usar microfones e fraldas

Ovelhas estão sendo exploradas em uma pesquisa realizada em Lages, no estado de Santa Catarina. Forçadas a viver uma situação anti-natural, elas são obrigadas a usar fraldas e microfones. O objetivo do estudo é analisar o processo de alimentação desses animais para recomendar aos criadores a altura ideal da grama para otimizar a produção. Isso é, encontrar meios de garantir maior lucro aos produtores rurais com a exploração e o sofrimento das ovelhas – que, além do que vivenciam durante a pesquisa, também são vítimas da indústria que as explora e mata para produção de lã, leite e carne.

Foto: Cassiano Eduardo Pinto e Fábio Cervo Garagorry/Divulgação

O manejo do pasto é um dos parâmetros definidores do ganho de peso das ovelhas, do quilo de peso vivo por hectare e da produção de leite por dia, segundo informações da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri), divulgadas pelo G1. Por essa razão, a pesquisa foi realizada.

As ovelhas são pesadas antes e depois de comerem e as fraldas são colocadas nelas para evitar a perda de peso da urina e das fezes, porque a diferença entre os pesos é a referência para o resultado do estudo. Os microfones são utilizados para medir a mastigação dos animais em função do tempo. O desconforto causado nas ovelhas é totalmente ignorado pelos pesquisadores e produtores rurais, que focam apenas no lucro.

Os testes são realizados em um pasto com grama tipo missioneira-gigante. O estudo está sendo feito em parceria Epagri, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc).

​Read More
Você é o Repórter

Protetora pede doações de fraldas e tapetes higiênicos para cadela paraplégica em SP

Fausto Vigino
fausto.vigino@uol.com.br

Cristal é uma cachorrinha que foi resgatada há dois anos após ser encontrada rastejando em uma estrada.
Cristal tem cerca de 12 anos e é provável que ela tenha sido atropelada. Ela ficou paraplégica, está cega de um olho e agora está com incontinência urinária.

Uma protetora está precisando de ajuda para cuidar da cachorrinha em São Paulo. Ela ajuda mais de 50 cães e pede doações de fraldas e tapetes higiênicos. Quem puder contribuir, fale com a Miriam por telefone.

Contato:
Mirian Lima
(11) 4485 2592
(11) 4485 2675
(11( 9 5328 0040

​Read More
Você é o Repórter

Cães paraplégicos precisam de doações de fraldas em São Paulo (SP)

Lais Figueiredo
richardfigueiredo3@gmail.com

Os cachorrinhos paraplégicos Duque e Felipe são animais muito especiais e moram na zona Leste de São Paulo, em SP. O tratamento deles gera muitos gastos. Agora, eles precisam de doações de fraldas geriátricas, fraldas para bebês tamanhos M e G, além de tapetes higiênicos. Quem puder ajudar entre em contato com a Eudora através do telefone abaixo.

Divulgação
Divulgação

Contato: Eudora, tel: 11 96366 3851

​Read More
Colunistas, Veganismo Frugal

E as fraldas descartáveis?

É claro que são convenientes pelo ponto de vista ocidental, de dar menos trabalho e serem “descartáveis”. Mas sabemos que lixo como plástico e compostos sintéticos não são bio-degradáveis e perduram por décadas ou centenas de anos (no caso das fraldas até 500 anos) no meio ambiente, assim como toxinas, gasto de recursos naturais em sua produção, entre outras questões que não são pertinentes a este livro, pois lida com saúde da criança, mas extremamente pertinentes a todos os pais que devem se preocupar com o meio ambiente até mesmo para o futuro do seu bebê, já que mesmo que essas fraldas sejam enterradas em aterros, sua toxicidade vai se espalhar pelo solo, água e ar e retornar a um ciclo sem fim de contaminação a tudo que vive.

Muitas dessas fraldas são feitas de polietileno, tem “fragrâncias” sintéticas que dão odor agradável e corantes que colorem as fraldas, são derivados do petróleo e outras fontes químicas sintéticas, contendo obviamente, dioxinas e compostos similares. Só no Brasil, são descartadas 17.625.600 fraldas por dia, sendo aproximadamente 6 bilhões e meio ao ano sendo jogadas fora, indo parar em aterros, então gera uma questão de saúde pública na produção e disseminação destas toxinas ambientais que vão obviamente alcançar os lençóis freáticos, assim como na contaminação direta da criança devido ao contato com a fralda.

Estas fraldas descartáveis são branqueadas com cloro e possuem um gel absorvente (SAP – Poliacrilado de Sódio), resultando na formação de dioxinas que contaminam o meio ambiente e as fraldas, e consequentemente a criança. E como previamente mencionado, tais toxinas são relacionadas a reações cutâneas, alteração do funcionamento hepático, prejudicam o funcionamento do sistema imune, nervoso, endócrino e reprodutor. A maioria dos pais não compreende que estas fraldas, em contato diário e frequente por anos com os órgãos reprodutores de seu bebê, podem surtir efeitos nocivos e de duração a longo prazo, como erupções cutâneas, alergias e asma, infertilidade masculina, hepatopatias, câncer testicular etc.

Além dos compostos tóxicos, a temperatura do escroto é elevada em até 1ºC para crianças que usam fraldas descartáveis, comparado a crianças com fraldas de pano. A hipotermia do escroto é essencial para sua saúde. Todos estes fatores, de acordo com as pesquisas podem prejudicar na maturação testicular e na espermatogênese na fase adulta e ainda facilitar o desenvolvimento de câncer nos testículos e prejudicar a qualidade do esperma. Tornando as fraldas descartáveis com certeza, um fator contribuinte ao aumento da infertilidade nas últimas décadas.

Tirando obviamente a questão econômica, que para os pais, fraldas de pano podem consumir talvez mais tempo, mas economizam consideravelmente o orçamento.

​Read More
Você é o Repórter

Cachorro deficiente precisa de doações de fraldas em Muriaé (MG)

Ricardo Galvão
ricardogalvao_@hotmail.com

O cachorro da imagem foi covardemente espancado em Muriaé, Minas Gerais. Devido as agressões, ele teve a coluna fraturada e precisou amputar uma das patas. Ele foi adotado e ganhou um lar, mas devido aos cuidados especiais, a atual tutora do animal está tendo dificuldades de mantê-lo. Ela pede doações de fraldas tamanho G. Quem puder ajudar, deixe as doações no endereço abaixo:

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Centro Médico Veterinário
Rua Manoel Alves A. Sobrinho, 69 Barra
Muriaé – MG
Cep: 36880 – 000

​Read More
Você é o Repórter

Cão resgatado precisa de fraldas e ração

Denise Meiry
denisemeiry2000@yahoo.com.br


Resgatei um cãozinho na sexta-feira (14) á noite no Bairro do Ipiranga, na capital paulista. Ele estava num canteiro próximo à rua onde eu moro, e se encontrava em um estado lastimável: sem andar, com dificuldade em se alimentar, todo sujo, em estado quase cadavérico.

Levei o cachorro ao veterinário e foi constatado que ele está com uma infecção urinária.  O fato de ele não andar deve-se a uma sequela da cinomose, provavelmente o motivo de o terem abandonado na rua.

Ele ficou um tempo internado e no momento está em um abrigo com vários outros cães. O cachorro já tomou soro, vitamina B12, antibiótico, e continua tomando os demais medicamentos prescritos pela veterinária.

O cão tem entre 2 e 3 anos, e preciso muito de ajuda, pois o cão vai ter que usar fraldas, além de precisar de uma ração especial, para animais desnutridos. Quem puder contribuir com ração, fraldas ou demais coisas, entrar em contato pelos telefones (11) 3892-0839 / (11) 9225-1452

 

Nota da Redação: A Denise, protetora que resgatou este cãozinho, informou que ele voltou a ser internado e infelizmente veio a falecer no dia 3 de junho.

​Read More
Notícias

Orangotangos de fraldas causam polêmica na Malásia

Um santuário de filhotes de orangotangos na Malásia e gerou polêmica por tratar os animais como se fossem bebês humanos. A fundação Ilha Orangotango, em Bukit Merah, localizada numa ilha de 35 acres no norte da Malásia, abriga 25 filhotes de orangotangos que usam fraldas, dormem em berços e são cuidados por enfermeiras.

A instituição é uma grande atração para turistas, que tiram fotos dos animais no berçário. Mas o cuidado dispensado aos animais, alimentados a cada duas horas pelas sete enfermeiras em serviço, não agrada especialistas, que dizem que essa não é a forma adequada para cuidar de animais selvagens em perigo de extinção.

Monitorados 24 horas por dia, os animais tomam vitaminas, fazem exames de sangue, e são tratados com aparelhos de alta-tecnologia do mesmo nível de uma unidade de pré-natal.

“Eles cuidam deles como se fossem bebês porque esses animais perderam as mães ou houve algum outro problema”, disse à BBC Brasil a Associação Australiana de Sobrevivência de Orangotangos de Bornéo.

“Há vários níveis, primeiro é o berçário, depois a escola na floresta, onde eles aprendem e ficam preparados para, mais tarde, serem transferidos ao seu habitat natural. Eles não se apegam às pessoas, mas é como cuidar de uma criança pequena”, disse Susan Chen, da associação, que recentemente visitou o local.

Críticas
Segundo especialistas, o tratamento dado aos animais distancia eles da realidade de seu habitat natural. “Até o momento nenhum dos animais foi libertado no habitat natural”, disse Roy Sirinanne, veterinário que trabalha em zoológicos na Ásia por mais de 40 anos.

“É ridículo ter orangotangos em fraldas. Como eles vão conseguir ser reintroduzidos à selva”, disse Sirinanne à mídia australiana. “Manter os animais em uma ilha em cativeiro não é um programa de conservação, pois é quase impossível colocá-los novamente nas florestas”. O Grupo Amigos da Terra, na Malásia, também se opõe ao santuário, que chama de “parque temático com vida selvagem em cativeiro”. “Orangotangos criados em cativeiro não possuem resistência a doenças”, disse Mohamad Idris, presidente da instituição.

Ecoturismo
O centro veterinário, aberto em 2000, foi inaugurado como um parque de ecoturismo; Um dos diretores, D. Sabapathy, admitiu que houve falhas que induziram a morte de animais entre os anos de 2000 e 2003. “Mas muito foi aprendido desde então. O que queremos é proteger a espécie da extinção”, disse.

A Fundação estuda e coleta dados de orangotangos confiscados no estado florestal de Sarawak, em Bornéo. “Depois de estudá-los os levaremos de volta a Sarawak”, disse ele.

Segundo Sabapathy, os filhotes são apenas removidos das mães no caso de estarem desnutridos, terem sido rejeitados ou estarem correndo risco de vida. Cerca de 60 mil orangotangos vivem em habitat natural atualmente. Destes, 80% estão na Indonésia e o resto na Malásia.

Fonte: BBC Brasil

​Read More