Notícias

Foca é encontrada tentando atravessar rodovia na Califórnia

Redação ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais

Foto: ABC7 News
Foto: ABC7 News

Uma foca foi encontrada perdida na enseada próxima à Highway 37 no condado de Sonoma (Califórnia, EUA). O animal parou o tráfego, com tentativas repetidas de atravessar a rodovia na última segunda-feira (28). Funcionários do Centro de Mamíferos Marinhos esperam reconduzi-la ao mar. As informações são do ABC7.

A foca, que é fêmea e pesa cerca de 400 quilos, foi vista inicialmente por volta das 13:00 da tarde da segunda-feira, bloqueando o trânsito perto da pista leste da rodovia, próximo a Sears Point e à Highway 121, de acordo com funcionário do departamento rodoviário de estradas da Califórnia, Andrew Barclay.

O animal, muito grande e determinado, tentava escalar o divisor do centro, enquanto uma motorista que tentou pará-la para ajudar conta que ela atacou o seu veículo, disse Barclay.

As equipes do Serviço de Vida Selvagem (USFW) e do Centro de Mamíferos Marinhos conseguiram retirar a foca da rodovia, mas ela fez várias tentativas de voltar, e esforços para levá-la para o mar não tiveram sucesso.

Foto: Twitter/JanetOnews
Foto: Twitter/JanetOnews

Funcionários do USFW monitoraram-na durante toda a noite enquanto ela dormia, e disseram que na manhã de terça-feira ela já estava de volta à água, nadando livremente.

Foto: Twitter/CHP Marin
Foto: Twitter/CHP Marin

Barbie Halaska, pesquisador assistente do Centro de Mamíferos Marinhos baseado no condado de Marin, disse que não se sabe por que a foca estava tentando atravessar a rodovia em uma área longe de onde as focas elefantes costumam frequentar.

Ele informou que o animal parecia estar muito saudável, e não mostrava sinais de ferimentos.

Uma possibilidade é que ela esteja prenha e tentando encontrar um lugar para dar à luz, mas Halaska diz que não há como confirmar isso a não ser com um exame ultrassom.

Foto: Twitter/CHP Marin
Foto: Twitter/CHP Marin

“Eu acho que ela ficou um pouco desorientada”, disse o pesquisador. “Nós não sabemos por que ela veio parar aqui, pois ela deveria estar do lado do oceano, nas áreas de Point Reyes ou Ano Nuevo”.

Halaska planejava entrar no mar com um barco e tentar conduzir a foca para fora da enseada. Ele disse que é o único funcionário encarregado de cuidar de devolver o animal à natureza, mas outros serão enviados para dar assistência ao animal se ela tentar entrar novamente na rodovia.

​Read More
Notícias

Focos de incêndio em áreas protegidas crescem 275% em 2010

O número de focos de incêndios em áreas de proteção ambiental, como parques e reservas, cresceu 275% em 2010, em comparação com o mesmo período do ano passado. Até ontem, as unidades de conservação estaduais e federais registraram 20.905 focos de queimadas – há um ano, foram 5.562 focos entre 1.º de janeiro e 23 de agosto de 2009. Os dados são do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e incluem todos os satélites que monitoram focos de calor no País.

O Parque Nacional do Araguaia, no Tocantins, era, até ontem, o recordista em focos de incêndio: 2.843, seguido da Área de Preservação Ambiental Triunfo do Xingu, no Pará (1.607 focos) e do Parque Estadual do Mirador, no Maranhão, com 923 focos.

O avanço expõe problemas como a escassez de equipes treinadas para conter incêndios, as dificuldades de logística para se chegar aos focos no interior das unidades e evidencia o risco da prática agrícola de se atear fogo no solo em épocas de estiagem prolongada.

“Há regiões do Norte e do Centro-Oeste onde não chove há mais de 120 dias. A vegetação mais seca e o hábito ainda muito difundido das queimadas entre os agricultores ajudam a espalhar o fogo e a situação foge do controle”, afirma Luiz Cavalcante, meteorologista do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

Cana

Em São Paulo, o risco de mais queimadas levou a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) a proibir a queima da palha de cana-de-açúcar em 28 regiões. Ontem, havia mais de 600 focos de incêndio em todo o Estado.

Fonte: Estadão



​Read More