Destaques, Notícias

Grupo de direitos animais flagra crueldades em rodeios nos EUA

(da Redação)

Um vídeo feito por um grupo de direitos animais, divulgado esta semana nos Estados Unidos, revela mais uma vez as crueldades a que são submetidos os animais explorados em rodeios. As imagens mostram cavalos e touros sendo submetidos a choques elétricos, chutes e outras violências, durante as apresentações das finais do National High School Rodeo, em Farmington.

“Isso é tortura”, disse Michael Kobliska, investigador de crueldade animal, durante uma entrevista via satélite de Chicago. Ele gravou os eventos e afirma que o uso de cassetetes elétricos nos animais é inadmissível.

“Eles não têm como se defender. Os cavalos e touros levam choques com o objetivo de ficarem nervosos e agressivos para que as pessoas se divirtam”, disse Kobliska.

“Eu acho que é pura crueldade, estamos indignados com isso”, adicionou Bob Baker, da Sociedade Americana para a Prevenção da Crueldade contra os Animais.

“Eles certamente sabiam que o que estavam fazendo era errado, e eles devem ser punidos por suas ações”, disse Baker.

Aguilhões elétricos são comumente utilizados em rodeios, mas a prática é escondida do público. Os peões armados com bastões elétricos, secretamente, dão descargas de milhares de volts nos animais e, em seguida, movem rapidamente a mão para não serem notados.

Kent Sturman, representante do National High School Rodeo Association, afirmou que “a utilização de um padrão de produtos de gado de forma adequada não é abuso”. De acordo com as regras do NHRA os bastões elétricos  podem ser usados quando os cavalos não se moverá.

No entanto, o vídeo comprova o contrário. A crueldade é corrente com todos os animais.

Torturar um animal, no Novo México é considerado crime. Mas, a lei não se aplica ao uso de práticas comumente aceitas do rodeio.

O escritório do xerife do condado de San Juan disse que não há nenhuma investigação em andamento porque parece que não há leis foram violadas.

Mais informações: http://www.sharkonline.org/

*Com informações de KRQE

​Read More