Notícias

Cachorrinho que foi devolvido ao abrigo por não conseguir subir escadas encontra o lar ideal

Foto: Mackenzie Purdy
Foto: Mackenzie Purdy

Quando Mackenzie Purdy viu Charlie pela primeira vez, parecia que o cão tímido tinha desistido de encontrar um lar ou uma família para ele. O cão da raça Shih Tzu, de 7 anos, recusou-se a fazer contato visual com qualquer um que passasse por ele – o cachorrinho manteve as costas viradas para a parede de concreto de seu canil na Associated Humane Tinton Falls, um abrigo em Nova Jersey, nos Estados Unidos.

Charlie chegou primeiro ao abrigo em maio. Alguns meses antes, ele havia sido adotado e logo foi devolvido por não conseguir subir as escadas em sua nova casa.

Seu tutor não conseguia se abaixar para pegá-lo e carregá-lo para cima, então Charlie se viu de volta no mesmo canil solitário.

Foto: Mackenzie Purdy
Foto: Mackenzie Purdy

Purdy, que estava visitando o abrigo na esperança de adicionar outro cachorro à sua família, acreditava que por trás do comportamento frio e da aparência abatida de Charlie havia um cachorro amoroso esperando para sair; no entanto, ela temia que outros adotantes pudessem não conseguir enxergar o potencial dele.

“Ele era um pouco mais velho e andava um pouco engraçado, então eu tinha a impressão de que muitas pessoas não se interessariam por ele”, disse Purdy ao The Dodo. “Muitas pessoas não se interessam pelos cães que não vêm para a frente da gaiola fazer festinha no abrigo.”

Mas Purdy não se assustou nem se intimidou com o desprezo do cachorrinho magoado, e continuou a passar o tempo com Charlie, procurando o menor indício de que ele estava pronto para tentar novamente.

Foto: Mackenzie Purdy
Foto: Mackenzie Purdy

“Perguntei ao pessoal do abrigo se eu poderia passar algum tempo com ele no quintal”, disse Purdy. “Ele era muito reservado e não se mostrou muito interessado em mim. Charlie não mostrou quase nada em termos de afeto, mas fez um pequeno abanar de cauda quando me aproximei dele”.

Encorajado, Purdy trouxe seu cachorro Baxter para se encontrar com Charlie, e o pequena mexida de rabo inicial deu lugar a uma excitação total. “Charlie estava abanando o rabo mais e mais, e Baxter estava muito interessado nele”, disse Purdy. “Eles me disseram que eu poderia ir no dia seguinte para trazê-lo para casa.”

Um exame feito por um veterinário revelou que Charlie pode ter sofrido uma lesão em um disco da coluna em suas costas, causando mobilidade reduzida nas pernas traseiras. “Ele cambaleia um pouco quando anda e às vezes cai porque está fraco”, observou Purdy, “então ele não pode lidar com escadas”.

Foto: Mackenzie Purdy
Foto: Mackenzie Purdy

Charlie pode nunca ser capaz de subir os degraus, mas isso não o impede de brincar com todos os cães que ele conhece ou de se divertir durante um banho.

Purdy está feliz em seguir na velocidade do cachorro mais velho – algo pelo qual Charlie é muito grato.

“Ele vem se adaptando bem”, disse Purdy. “Meu namorado e eu o levamos em caminhadas curtas e o pegamos quando encontramos degraus. Ele é um menino muito bom. Ele é muito comportado e se adapta a qualquer situação.

Foto: Mackenzie Purdy
Foto: Mackenzie Purdy

Depois de uma semana em sua nova casa, o cão que não fazia nem contato visual agora se recusa a dormir sozinho, todo feliz ele aconchega-se a sua nova família sempre que pode é muito bem recebido.

Foto: Mackenzie Purdy
Foto: Mackenzie Purdy

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More