Notícias

Cães e gatos precisam de cuidados especiais no inverno

Pixabay

Todos sabemos que o inverno é o período mais frio do ano, e dependendo da região, as temperaturas podem chegar a níveis baixíssimos. Mas, além dos seres humanos, os animais também precisam de cuidados extras e especiais. Além dos cuidados básicos que os tutores devem ter com seus animais.

Nessa época, algumas dicas são essenciais para você deixar seu amigo de quatro patas bem protegido e bem aquecido, abaixo listamos algumas:

Local de dormir: alguns animais, como gatos e cachorros, mesmo tendo sua casinha, às vezes preferem ficar ao relento. Nesses casos, a principal dica é que não deixem eles saírem durante a noite. Proteja a caminha do animal do frio colocando alguns revestimentos de borracha ou estrado, evitando o contato do animal com o chão gelado.

Roupinhas: nesse período de inverno, o mais indicado é que seu animal esteja protegido com roupas quentes, como tecido de lã ou soft, são tecidos que esquentam mais que os outros, geralmente.

Banhos: no inverno, recomenda-se, que os animais tomem menos banho e de preferência seja com água morna, e principalmente não molhe o animal nos dias mais frios. Seque-o bem após o banho e não o deixe sair para rua.

Vacinas: gripes são normais em cachorros e em gatos nessa época, então sempre deixe seus animais domésticos imunes a qualquer doença que possa afetá-los no inverno.

Escovação: é recomendável que aumente o número de escovação nessa época, devido, principalmente, aos animais se lamberem mais nesse período eles acabam engolindo pelos que formam bolas de pelo no estômago, o que pode acarretar nos animais uma constipação intestinal.

Exercícios: estimule seu animalzinho doméstico a fazer exercícios. Assim como nos seres humanos, o corpo do animal também precisa estar aquecido. Use brinquedos, como bola, elásticos, faça ele se locomover por toda casa, assim ele sempre estará aquecido.

A última dica e não menos importante: com animais muito velhinhos, a partir de sete anos, é importante sempre manter uma atenção redobrada, pois a perda muscular é normal em animais com essa faixa etária e isso faz com que sintam mais frio.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


​Read More
Notícias

Petição pede que STF mantenha liminar que proíbe matança de animais resgatados

Pixabay/Suju/Imagem Ilustrativa

Uma petição online está fazendo um apelo ao Supremo Tribunal Federal (STF) em prol da vida dos animais resgatados após maus-tratos. A intenção do abaixo-assinado é convencer os ministros a garantirem a manutenção de uma liminar, concedida pelo ministro do STF Gilmar Mendes, que proíbe que esses animais sejam mortos.

Recentemente, a Advocacia-Geral da União (AGU) solicitou ao Supremo que a liminar seja cassada, o que foi criticado por defensores dos direitos animais. Até o momento, a petição já tem mais de 34 mil assinaturas – confira clicando aqui.

A liminar é resultado de uma ação constitucional ajuizada pelo Partido Republicano da Ordem Social (PROS), que prevê a anulação de normas da Lei de Crimes Ambientais (Lei 9.605/1998) que permitem que animais silvestres e domésticos resgatados após maus-tratos sejam mortos.

O pedido da AGU foi feito na última sexta-feira (24) e tem o objetivo de garantir o indeferimento da ação acatada pelo ministro-relator Gilmar Mendes, que suspendeu, em 30 de março, as ações administrativas e judiciais que autorizavam a matança desses animais. 

A questão, no entanto, é bastante complexa. Isso porque, embora ativistas defendam que os animais resgatados de maus-tratos não devem ser mortos, há quem alerte sobre os riscos representados pela decisão de Gilmar Mendes, por se tratar de uma medida que não determina a criação de locais para onde esses animais devem ser levados.

Enquanto cachorros e gatos são protegidos pela legislação – embora seja uma lei branda, que abra margem para a impunidade, há uma proteção que outros animais não dispõem – e encontram lares temporários ou abrigo em ONGs e Centros de Zoonoses dos municípios com mais facilidade, outras espécies ficam completamente desamparadas, como os galos.

A decisão do ministro Gilmar Mendes tem como defensor o senador Telmário Mota (PROS), que é a favor da exploração de galos em rinhas. Isso pode ser um sinal de que a medida expedida pelo ministro pode acabar com a fiscalização de rinhas de galos ou permitir que, após operações promovidas pelas autoridades para coibir essa prática criminosa, as pessoas que exploram esses animais fiquem como suas fiéis depositárias durante a tramitação da ação judicial.

A razão que poderia levar à concessão da tutela provisória dos galos a quem os maltratou é a falta de local para abrigá-los, não só pela ausência de espaço, já que são muitas aves, mas também pela falta de um ambiente seguro, visto que parte desses animais é comercializada a preços altíssimos e pode acabar sendo sequestrada por criminosos se não for bem protegida. Na prática, esses animais podem voltar a ser explorados e, assim sendo, continuarão sofrendo.

Por isso, é de suma importância proibir que animais resgatados sejam mortos, mas essa medida só será de fato eficaz se junto dela for determinado que sejam criados locais ou firmadas parcerias com proprietários de espaços que possam receber esses animais.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


​Read More
Notícias

Conheça as cinco maneiras pelas quais os cães demonstram gratidão aos tutores

Foto: Pinterest
Foto: Pinterest

O Dia da Gratidão é comemorado em 6 de janeiro em todo o Brasil. É uma data que traz à tona momentos de reflexão, oportunidade de ser grato por tudo que recebemos de bom e pela vida.

Assim como os seres humanos demonstram gratidão, os animais também são capazes de expressar esse belo sentimento, como não falam, o fazem por meio de seu comportamento, demonstrando carinho, afeto e ficando o mais próximo possível daqueles que amam.

Algumas pessoas até podem argumentar que os animais domésticos não têm a mesma capacidade que os humanos de expressar gratidão. Embora nossos cães e outros animais que vivem em família possam ter uma maneira diferente de expressar seu amor e apreço, é difícil olhar nos olhos de um cachorro sorridente e não sentir seu afeto.

Como esta é a época dos agradecimentos, onde a família e os amigos se reúnem para refletir sobre tudo o que apreciam, vale a pena fazer uma pausa para observar as muitas maneiras como nossos cães expressam amor e gratidão. Eles podem não gritar um claro “obrigado”, mas as ações de um companheiro peludo falam mais alto que palavras.

Neste Dia da Gratidão vamos mostrar as cinco formas pelas quais os cães demonstram gratidão aos seus tutores.

Cães apreciam até pequenos atos de bondade

Tutores de cães sabem que mesmo o menor gesto, de um tratamento inesperado, uma voz macia, a uma massagem na barriga, leva os peludos a lamber e abanar o rabo suficiente para derrubá-lo? Não importa se você dá um tapinha rápido na cabeça ou deixa que eles pulem no sofá para serem abraçados durante o horário nobre da TV, a apreciação emocionada deles corresponde ao agradecimento de um ator vencedor do Oscar durante um discurso .

Os cães dizem obrigado com abraços e beijos

Talvez os abraços desses companheiros caninos te derrubem e seus beijos envolvam babar por todo o seu rosto, o sentimento permanece o mesmo. Pulando e dando abraços e lambendo o rosto com “lambeijos” é o jeito deles de agradecer. Pelo que eles estão dizendo obrigado? Não importa. Pode ser o café da manhã, ou o fato de você ter chamado o nome deles com um sorriso, ou simplesmente porque o sol está brilhando e eles começam a brincar.

Cães mostram gratidão com proximidade

Seja seguindo o tutor em todos os lugares, deitado aos seus pés ou rastejando ao seu lado em todas as chances que tiverem, os cães gostam de estar perto de pessoas que são gratos por terem em sua vida. Se seus amados animais domésticos querem estar ao seu lado (ou mesmo em cima de você) o tempo todo, é provável que eles estejam tentando mostrar seu amor e carinho.

Cães expressam gratidão com amor incondicional

Ricos ou pobres, com um bom dia ou de mau humor, com roupas finas ou trapos elegantes, seus cães ainda te amam. Se você está feliz ou triste, faz tudo certo ou comete erros, o amor deles permanece constante. Esse amor é a maneira de mostrar gratidão por seus companheiros humanos. Esse sentimento está presente em cada caminhada diária, em todas as refeições e em cada momento passado com a família. A capacidade de um cão para amar incondicionalmente é uma expressão maravilhosa e única de gratidão.

Cães falam sem dizer nada

As pessoas podem dizer obrigado ou agradecer, mas nossa família de animais grita palavras que não podemos traduzir. Felizmente, os cães, como os melhores amigos do homem, são capazes de expressar gratidão de muitas outras maneiras que podemos entender. Lembrar essas diferentes maneiras pelas quais os cães demonstram gratidão também pode nos ajudar a lembrar de ser gratos por nossos animais domésticos e mostrar-lhes apreço durante nossa convivência e agradecer por sua companhia.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Atendente de hotel de cachorros é filmado dando socos e chutes nos animais

Foto: Facebook/Chelsea Devine
Foto: Facebook/Chelsea Devine

Um cuidador de cachorros está sendo investigada por suposto abuso de animais depois que um vídeo surgiu nas redes sociais mostrando-o agredindo os animais. A RSPCA (maior e mais antiga ONG de proteção animal do Reino Unido) confirmou que estava analisando imagens que pareciam mostrar John Walker, 67 anos, socando, chutando e usando alças de esfregão para gredir cães cães no Hotel e Creche de Animais Mucky Pups em Lancashire, na Inglaterra.

A ex-funcionária da empresa, Chelsea Devine, de 19 anos, vazou as imagens depois de afirmar que foi forçada a desistir do trabalho quando se queixou do abuso à filha de Walker, Lauren, dona do estabelecimento. Ela disse que trocou mensagens de texto com Lauren, que negou que o pai tivesse abusado dos cães.

Devine, que contou que um dos animais estava mancando depois de ser abusado, disse ao jornal Sun: “É desprezível o que ele faz com esses pobres animais”. Lauren, a proprietária, acrescentou posteriormente: “Abusar deles é a palavra errada. Métodos de correção pesados, sim. Dizer que meu pai estava abusando deles, está incorreto.”

O Mucky Pups, que cobra 15 libras (cerca de 80 reais) por dia para cuidar de cães, publicou um comunicado em seu Facebook antes de desativá-lo na sexta-feira (27). O post dizia: “Atualmente, estamos cientes dos vídeos que circulam no Facebook, eles são angustiantes, mas não são a história completa, o homem no vídeo foi mordido em um dos vídeos porque ele teve que intervir para impedir que qualquer dano acontecesse ao outro cachorro. Esses vídeos foram filmados por uma ex-funcionária que foi primeiro aos jornais antes de me informar à RSPCA ou ao colega dela”.

A declaração acrescentou: “A polícia não está levando isso adiante devido às circunstâncias em que o homem estava, a menina estava sentada lá, filmando, em vez de ajudar. Nenhum cachorro foi ferido ou foi para casa ferido. O procedimento legal está em vigor e teremos nosso nome limpo”.

Foto: Facebook/Chelsea Devine
Foto: Facebook/Chelsea Devine

“Agradecemos a todos os nossos clientes fiéis que entraram em contato com nossa empresa primeiro para verificar os fatos. Se alguém precisar de mais informações, ficaremos felizes em fornece-las”.

Um porta-voz da RSPCA disse: “A RSPCA apenas promove métodos de treinamento positivos e baseados em recompensas e não tolera esse tipo de comportamento para treinar cães ou educa-los. A denúncia foi feita para nós e estamos analisando o caso, para iniciar os procedimentos legais”. As informações do METRO UK.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Cachorro morre ao ser deixado do lado de fora de casa no calor escaldante sem água ou sombra

Imagem ilustrativa | Foto: The Animal Club
Imagem ilustrativa | Foto: The Animal Club

Um cachorro vítima de negligência morreu depois de ter sido deixado do lado de fora de uma residência sem água ou proteção do sol, exposto à onda de calor que atinge a Austrália.

“Este cão morreu, mas outros animais estão sendo encontrados sem água ou sombra, pois as pessoas continuam a ignorar os riscos extremos durante a atual onda de calor”, disse um porta-voz da RSPCA (Royal Society for the Prevention of Cruelty to Animals) no país. A RSPCA é maior e mais antiga ONG de proteção animal do Reino Unido com sedes no mundo todo.

O cachorro que morreu terça feira (17) tinha apenas um ano e estava amarrado em um quintal na cidade de Whyalla sem água ou proteção do sol.

Uma investigação deve ser conduzida pela RSPCA antes de uma possível ação legal.

É importante manter os animais hidratados e protegidos do sol | Fonte: The Animal Club
É importante manter os animais hidratados e protegidos do sol | Fonte: The Animal Club

Whyalla, que fica no sul da Austrália, estava sofrendo com temperatura de 34 graus na terça-feira (17) e a previsão é de que chegue aos 42 graus.

“A RSPCA South Australia tem apenas um inspetor designado para cobrir a Península de Eyre, e ele foi sobrecarregado com relatórios de crueldade relacionados ao calor nas últimas 48 horas que convocou oficiais do conselho local para comparecerem aos locais e verificarem o bem-estar dos animais”, disse o porta-voz da ONG.

Terça feita última (17) foi o dia mais quente já registrado na Austrália e dados preliminares do Bureau of Meteorology (Birô de Meteorologia) revelaram as temperaturas recordes.

A RSPCA recomendou que, idealmente, os animais domésticos deveriam estar dentro de casa com ar-condicionado ligado, no entanto, se estiverem fora, devem ter acesso à sombra e água.

O chão quente também pode queimar as patas dos animais | Foto: NPS photo
O chão quente também pode queimar as patas dos animais | Foto: NPS photo

As raposas voadoras de cabeça cinza ameaçadas de extinção, também conhecidas como morcegos de frutas, estão caindo de árvores devido ao calor extremo.

O público foi avisado para não interagir com morcegos, pois eles podem transmitir doenças, mas doações de frutas são solicitadas pela ONG RSPCA e pelo Centro de Resgate de Animais Selvagens, SA Fauna Rescue.

Os animais são uma parte vital do ecossistema para polinizar florestas.

Os Park Rangers (guardas florestais), no estado de Victoria, estão pulverizando fisicamente os morcegos com água para ajudar a resfriá-los. As informações são do Daily Mail.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Destaques, Notícias

Imagens de cães assados vendidos em barracas de rua do Vietnã chocam turistas

Foto: Soi Dog ONG
Foto: Soi Dog ONG

Cães assados no espeto vendidos em barracas de rua pelos vendedores ambulantes do Vietnã foram flagrados em fotos horríveis de um mercado de carne.

Os corpos dos cães pequenos podem ser vistos dispostos sobre as grelhas, enquanto os vendedores se preparam para cortá-los e servi-los nos restaurantes de mercado de Hanói “Thit Cho”.

As imagens, capturadas por Josh Edelson, que estava viajando pelo país, mostram a pele endurecida e queimada dos animais se partindo enquanto eles são empilhados um sobre os outros.

Foto: Pinterest
Foto: Pinterest

Muitos dos cães ainda têm os dentes no lugar como pode ser vistos nas imagens.

Josh, que vive na Califórnia (EUA), disse que tentou por dois dias encontrar fornecedores que lhe permitissem filmar e fotografar suas barracas de espetos de carne de cachorro.

Ele disse: “A primeira vez que tentei, eles me expulsaram. Eles não gostam de tirar fotos, provavelmente porque é uma parte bastante controversa da cultura deles comer cachorro”.

“Os moradores afirmam que isso faz parte da cultura da região e que o costume deve permanecer”.

Foto: World Dog Alliance
Foto: World Dog Alliance

Josh disse que a certa altura, durante uma visita ao mercado, ele viu soldados se aproximarem de uma barraca e esperava vê-los fechá-la.

No entanto, ele ficou surpreso quando os soldados compraram alguns dos espetos de cachorro.

Josh acrescentou: “Eu pensei que os soldados estavam lá para fechar a barraca, mas fiquei surpreso ao vê-los comprar alguns espetos para comer”.

Comer cachorro ainda é legal no sudeste da Ásia, embora seja desaprovado pela maioria da população e o governo planeje proibir seu consumo até 2021.

No entanto, a indústria de carne de cachorro estava crescendo no país há alguns anos, com relatos de animais roubados de residências para serem transformados em comida.

Foto: We Animals

Em 2014, sete toneladas de cães vivos eram enviados para Hanói todos os dias, relata o Daily Mail.

A maioria dos animais enviados vinha da Tailândia, Camboja e Laos.

Histórias de horror de cães sendo espancados até a morte e recheados de pedras e facas para aumentar seu valor de mercado chocaram o mundo.

Outros têm a garganta cortada ou são esfaqueados no peito, enquanto outros são queimados vivos.

Foto: Wikimedia Commons/calflier001
Foto: Wikimedia Commons/calflier001

Alguns clientes dos mercados de carne de cachorro acreditavam que quanto mais o animal sofria em sua morte, mais saborosa ficava sua carne.

No entanto, nos últimos anos, essa indústria cruel viu seus números despencarem após crescentes pressões de grupos ativistas pelos direitos animais em todo o mundo. As informações são do Mirror UK.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Campanha mostra o sofrimento causado pelos fogos de artifício aos animais e viraliza na internet

Foto: Rimac
Foto: Rimac

Com a chegada das festas de final de ano, Natal e Ano Novo, tutores testemunham o sofrimento dos animais (além e crianças e idosos) com os fogos de artifício e seus estrondos ensurdecedores. Numa iniciativa de conscientização sobre o problema, a seguradora peruana RIMAC, juntamente com a ONG de proteção animal Grupo Caridad também sediada no país, criou a campanha #CeroCohetones (#ZeroRojões).

Os fogos de artifício podem causar mortes ou problemas nervosos aos animais, explica Fernando Moreno, presidente do Grupo Caridad: “Os animais ouvem o barulho dos rojoões, com intensidade até 500 vezes maior que os humanos, e sem estrutura lógica para entender essas explosões, elas produzem um medo inimaginável que pode matá-los”, disse ele.

“Cães e gatos são tratados como parte de nossa família, mais de 50% das famílias peruanas têm animais domésticos e nós os amamos. Cães e gatos cumprem o papel de amigos incondicionais, com uma compreensão diferente. Eles nos servem como uma fonte inesgotável de amor e companhia e podem até ser um apoio emocional muito importante”, continuou Moreno.

O presidente da ONG agradeceu e parabenizou a empresa RIMAC pela iniciativa de responsabilidade social e empatia aos animais.

A campanha

No vídeo da campanha, que tem duração de pouco mais de 2 minutos, vemos pessoas convidadas a colocar fones de ouvido, sem saber o que irá acontecer, e ao dar o sinal cada um dos participantes do experimento começa a ouvir sons desagradáveis em alto volume, como o barulho de uma britadeira, unhas em uma lousa, despertador, buzinas de carros, zumbidos agudos.

As pessoas logo mostram seu desconforto por suas expressões faciais e pedem para retirar os fones por não suportarem os ruídos. Após a experiência eles são questionados sobre o que sentirem ao serem expostos aos barulhos: eles descrevem sensações como angústia, medo, perturbação, ansiedade, nervoso, coração disparado, arrepios e vontade de fugir.

Neste momento eles são informados de que alguém mais quer lhes fazer uma pergunta, quando entra um cachorrinho no set de filmagem, com um envelope na boca e entrega ao entrevistado, onde está escrito: “Quer saber como eu escruto?”.

Foto: Rimac
Foto: Rimac

Então a cortina presa na parte de traz do cenário cai e diversas caixas de som, de todos os tamanhos e potências, empilhadas umas sobre as outras, são mostradas aos entrevistados, que por sua vez, entendem a mensagem e demostram reações de emoção genuínas.

Os animais escutam três vezes mais que os humanos, se para estas pessoas foi uma experiência cruel ouvir os sons em um fone de ouvido, como seria ouvi-los em caixas de som gigantescas e potentes juntas? Assim são os fogos de artifício para os animais.

Reconhecimento

O movimento, promovido pela empresa e pela ONG, passa a fazer parte do “Be Well” (Fique Bem), uma campanha que promove o bem-estar do povo peruano.

Foto: Rimac
Foto: Rimac

#CeroCohetones teve a aprovação de várias personalidades. Entre os mais conhecidos no país estão: Gisella Ponce de Leon, Carolina Cano, Emilia Drago, Andrés Silva, entre outros.

Medidas para proteger seu animal de estimação de fogos de artifício

1 – Ataduras ou algodão

Coloque as bandagens ao redor do seu animal doméstico, para lhe dar uma sensação de segurança.

2 – Sedativos

Só use esses medicamentos em casos extremos, lembre-se de consultar o veterinário para saber como fazer uso deles.

3 – Sala fechada, janelas fechadas

Coloque seu animal doméstico em um local fechado, sem barulho e fique com ele. Dessa forma, vocês ouvirão menos ruído.

Foto: Rimac
Foto: Rimac

4 – Muito amor: abraços e massagens

Massagens em locais estratégicos podem tranquilizar os animais. As áreas recomendadas são os ombros, atrás das orelhas, pescoço e pernas.

Para mais informações, visite zerocohetones e aproveite as festas de final de ano ao lado de seus companheiros peludos.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Abandono de animais nas festas de final de ano preocupa ONGs

Foto: Getty Images
Foto: Getty Images

Um especialista em proteção animal alertou que alguns australianos estão abandonando seus animais domésticos nas vésperas das férias de Natal e Reveillon para evitar pagar por seus cuidados (hospedagem) enquanto estão fora.

A vice-presidente da Sociedade Australiana de Proteção Animal, Sue Thompson, disse ao The Age que as pessoas estão evitando o custo de colocar seus animais domésticos em canis, deixando os animais soltos na esperança de que eles sejam levados para um abrigo.

Alguns tutores até tentam adotar seus animais domésticos de volta depois que as férias terminam, revelou Thompson.

“Muitas vezes as pessoas vão para o exterior nas férias de Natal e, porque elas consideram que custa caropagar hotel, preferem se livrar dos animais “, disse Thompson.

Abrigos de animais em Melbourne notaram recentemente um aumento expressivo de animais domésticos a sua porta.

Alguns tutores até deixam portões e portas abertos de propósito para permitir que animais escapem para as ruas.

Foto: Shutterstock/Tom Feist
Foto: Shutterstock/Tom Feist

“Uma minoria até tenta levar o animal de volta para casa depois de voltar das férias” conta a protetora.

Thompson disse que os abrigos “nunca permitiriam isso” e enfatizou que os animais deveriam ser incluídos nos planos de Natal das famílias, por mais caro que fosse.

“Algumas pessoas deixam uma enorme sacola de comida e o que acham que seja suficiente de água no quintal para o cachorro, e viajam, mas isso pode acabar mal”, acrescentou.

Fae Pawley, do abrigo Lost Dogs Home, disse que essa é “definitivamente uma tendência com a chegada das férias”, e centro de cuidados que também funciona como hotel de animais baseado no norte de Melbourne está atualmente superlotado de gatos e cães porque os tutores não tiram os seus animais de estimação.

Os tutores de animais levados à justiça por abandono podem ser cobrados no mesmo valor que pagariam se colocassem seu animal doméstico em um hotel.

Tutores de cães processados judicialmente por abandono e condenados são cobrados em 65 dólares pelo primeiro dia e 15 dólares por dia depois disso desde que o animal esteve nas ruas.

Já tutores de gatos são cobrados 30 dólares no primeiro dia e 15 dólares por dia depois disso – ambos podem ser condenados ao pagamento de multas de até 330 dólares por deixar o animal doméstico em liberdade, solto nas ruas.

Os animais só são devolvidos aos seus tutores após a microchipagem. As informações são do Daily Mail.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Home [Destaque N2]

Estudo revela que cães atingem a meia-idade aos dois anos

Foto: Getty Images
Foto: Getty Images

Novas pesquisas desmentiram a teoria de que os cães envelhecem sete anos na idade animal para cada ano humano. Pesquisadores da Universidade da Califórnia revelam que também descobriram que os cachorros atingem a meia-idade aos dois anos de idade.

Embora os cães tenham tendência de envelhecer mais lentamente do que os seres humanos na vida adulta, quando chegam aos três anos – e possivelmente ainda estão se “dando bem ao fazerem travessuras” por serem considerados jovens – os cães têm mais idade que um ser humano de 50 anos de idade, segundo a pesquisa da universidade.

O estudo analisou como os cães envelheciam, concentrando-se no sequenciamento do DNA em 104 cães da raça labrador com idades entre quatro semanas e 16 anos. O DNA contém marcas que mudam com o tempo à medida que a célula amadurece, permitindo que os cientistas rastreiem a idade biológica do animal.

Foto: Getty Images
Foto: Getty Images

Depois de avaliar os resultados dos cães, os pesquisadores compararam suas descobertas com as de 300 seres humanos. Um filhote de oito semanas foi considerado o equivalente a um bebê de nove meses devido ao estágio em que ambos desenvolvem seus primeiros dentes.

Aos dois anos de idade, o DNA do labrador era equivalente a um ser humano no início dos 40 anos, em vez dos 14 anos de idade, como a fórmula tradicional sugeriria. No entanto, o envelhecimento diminui em cães ao longo do tempo, o que significa que, aos 10 anos de idade, um labrador é semelhante a uma pessoa com 68 anos.

Isso está relacionado à fórmula usada há tempos para calcular a idade dos cães, desenvolvida com a suposição de que a maioria dos caninos viveu até cerca de 10 anos, enquanto os seres humanos viveram até cerca de 70 anos.

Foto: Getty Images
Foto: Getty Images

Os pesquisadores disseram: “A expectativa de vida dos labradores, de 12 anos, traduziu corretamente a expectativa mundial de vida dos seres humanos, 70 anos”.

Os cientistas propuseram um novo método para determinar a idade de um cão – multiplicar a idade em anos humanos por 16 e adicionar 31. Eles disseram que embora a mesma fórmula não se aplique a todos os tipos de cães, o conceito de maturação mais rápida é o mesmo para todas as raças.

Cães menores amadurecem mais rápido e tendem a viver mais tempo. Os chihuahuas podem viver por 20 anos, enquanto as raças médias geralmente atingem entre 10 e 13 anos de idade. Os dinamarqueses e outros cães grandes têm expectativa de vida entre oito e dez anos. As informações do jornal Metro UK.

Foto: Foto: Getty Images
Foto: Foto: Getty Images

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Gatinho morre após ter o quadril quebrado e ser jogado no lixo por tutor

Foto: Facebook
Foto: Facebook

Um gatinho morreu após ser chutado e jogado no chão e abandonado em meio ao lixo em um beco sujo. Equipes de resgate de animais estavam procurando por animais abandonados na pequena cidade de Veles, no norte da Macedônia, quando encontraram o pequeno gato malhado cercado por lixo em uma vala próxima da calçada.

O gato bebê estava deitado imóvel de lado, camuflado e encostado contra o meio-fio. Ele foi levado para um abrigo da Saving Macedonian Strays ou SMS (Salvando Animais em Situação de Rua na Macedônia), onde veterinários descobriram que sua pélvis havia sido quebrada pelo impacto de ser chutado por seu tutor. Apesar de sua provação, Julie Matthews, da SMS, disse que o gatinho foi “muito fofinho e amoroso com os socorristas”.

Foto: Facebook
Foto: Facebook

A equipe acreditava que ele se recuperaria e mais tarde seria colocado para adoção, encontrando futuramente um lar e uma família, mas seus ferimentos foram fatais e ele amanheceu morto na terça-feira (19). Julie disse ao Metro UK: “Resgatamos milhares de animais nos últimos cinco anos e, infelizmente, nem todos têm um final feliz”.

A ativista registrou a instituição baseada no Reino Unido no país para trabalhar ao lado de um grupo de jovens macedônios comprometidos em resgatar animais em situação de rua.

Foto: Facebook
Foto: Facebook

Desde que a SMS foi fundada em 2015, a instituição resgatou milhares de animais do sofrimento, abuso e negligência e impediu que milhões mais nascessem para uma vida de sofrimento com um programa de castração. A fundadora disse: “Nos últimos três anos, desenvolvemos um abrigo básico na cidade de Veles, onde atualmente cuidamos de mais de 200 cães, alguns gatos e dois cavalos”.

Foto: Facebook
Foto: Facebook

“Como uma ONG de resgate de animais, obviamente nunca toleramos qualquer pessoa que possa abandonar um animal na rua, mas no contexto da Macedônia, agora norte da Macedônia, as coisas não são simples e enfrentamos um problema exponencial contínuo devido a uma cultura histórica de abuso de animais e pobreza generalizada”, concluiu a ativista.

Foto: Facebook
Foto: Facebook

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Destaques, Notícias

Animais domésticos se perdem ou são deixados para trás em incêndios devastadores

Autoridades calculam que dezenas de animais domésticos tenham morrido após tentarem fugir ou ao serem deixados para trás por conta dos incêndios devastadores que assolam a Austrália.

Cavalos, cães, gatos e até periquitos ficaram desaparecidos durante a fuga das chamas no sudeste de Queensland e os tutores, preocupados, pedem ajuda para localizá-los.

Alguns tutores de animais tomados pelo desespero e surpreendidos pela chegada rápida do fogo fugiram sem nada de casa, se separando de seus companheiros peludos.

Esta cachorrinha da raça pug, chamada Violet, desapareceu da casa de seus tutores durante o incêndio e foi relatada como desaparecido em um grupo local do Facebook
Esta cachorrinha da raça pug, chamada Violet, desapareceu da casa de seus tutores durante o incêndio e foi relatada como desaparecido em um grupo local do Facebook | Foto: Sunshine Coast Lost Pet Register Facebook

Outros estavam fora da cidade quando o incêndio ocorreu, sendo que o fechamento de estradas e os procedimentos de evacuação os impediram de voltar para suas casas.

As páginas de mídia social locais estão sobrecarregadas com fotos de animais amados que podem ter sido atingidos e mortos pelo fogo.

Os tutores procuravam por informações de cães e gatos que podem ter fugido assustados pela fumaça ou cavalos que haviam sido libertados na esperança de que fugissem em segurança das chamas.

Denyla Eaton/Facebook
Denyla Eaton/Facebook

Aqueles que não podiam chegar em casa pediam aos moradores que ainda se encontravam na cidade  que verificassem ou evacuassem os animais.

Outros deixaram seus portões abertos enquanto fugiam para que os vizinhos que ficaram pudessem resgatar seus animais domésticos.

Uma mulher não conseguiu encontrar seu cavalo castanho Huggie e a égua Kahn para levar nos barcos quando foi evacuada pelas autoridades de Cooroibah, na Costa do Sol.

“Não consegui colocá-los nos barcos, então abri os portões e deixei-os correr livremente, espero que estejam bem”, disse ela.

Esses pássaros voaram pata fora de suas casas durante o caos da evacuação e estão desaparecidos desde então
Esses pássaros voaram pata fora de suas casas durante o caos da evacuação e estão desaparecidos desde então | Foto: Noosa Comunitty Notice Board/Facebook

Dois outros cavalos de Cooroibah, Effie e Cody, também estavam correndo livremente depois que um vizinho cortou uma cerca para que eles pudessem escapar do fogo.

Outro par de cavalos foi dado como desaparecido na mesma cidade depois de ser libertado, mas mais tarde foram encontrados por um morador que conseguiu voltar e resgatá-los.

Um cachorro chamado Max estava entre um dos muitos desaparecidos. O animal ficou assustado e pulou dos braços de um homem que tentava salvá-lo.

Gato anunciado como desaparecido nos incêndios | Foto: Noosa Comunitty Notice Board/Facebook
Gato anunciado como desaparecido nos incêndios | Foto: Noosa Comunitty Notice Board/Facebook

Inúmeros cães e gatos ficaram assustados pelos incêndios e fugiram, ou não estavam próximos quando seus tutores foram evacuados pelas autoridades.

Os moradores compartilharam dicas nos pontos de apoio sobre como tratar feridas e  remover cobertores e cordas com cuidado para não machucar a pele dos animais atingidos pelo fogo.

Muitas pessoas ofereceram-se para sair nos barcos para resgatar cavalos presos ou procurar por animais domésticos perdidos, além de oferecer abrigo a eles até que os incêndios passassem.

“Se alguém precisar evacuar os animais, pode trazer para nosso abrigo em Imbil. Temos grandes gaiolas para cães, cercados para cavalos, estábulos e dois quartos de reposição para quem precisar. Todos podemos ficar seguros”, ofereceu uma mulher nas redes sociais.

Outro observou que “havia muito espírito comunitário sendo demostrado em todos os lugares, pelas vítimas do incêndio”.

Os incêndios na Costa do Sol estão em sua maioria sob controle desde sábado à tarde, mas os chefes dos bombeiros alertaram as pessoas para não voltarem para casa ainda.

Cavalos Huggie dado como desaparecido pela tutora | Foto: Facebook
Cavalo Huggie dado como desaparecido pela tutora | Foto: Facebook

O superintendente Rob Graham disse que 6 mil pessoas foram evacuadas de 4,9 mil casas em Tewantin, Lake Cooirabah e North Shore.

“Ainda existem incêndios em toda a área afetada. O clima e a ameaça de incêndio são voláteis e variáveis”, disse ele.

“O perigo ainda é muito real. Ter que voltar para uma área afetada que já foi evacuada e retirar as pessoas de novo é um risco desnecessário”.

Apenas uma casa, no lago Cooroibah, foi reportada como destruída até o momento, segundo o Daily Mail.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Estudo revela que porcos usam ferramentas para realizar atividades cotidianas

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

De acordo com um estudo publicado na revista Mammalian Biology, os porcos visayanos – uma espécie ameaçada de extinção, nativa das ilhas Visayan nas Filipinas – foram vistos recentemente usando ferramentas para cavar um ninho.

Priscila, a porca – que vive em um zoológico parisiense – usou cascas de árvore para cavar e construir seu ninho, segundo os pesquisadores.

A ecologista e conservacionista Meredith Root-Bernstein – que foi co-autora do estudo – descobriu acidentalmente Priscilla fazendo uso de suas habilidades de escavação. Ela escreveu em suas observações: “Priscilla depositava algumas folhas, as movia para um local diferente no monte e cavava um pouco com o nariz”.

“A certa altura, ela pegou uma casca plana de cerca de 10 cm x 40 cm que estava no monte e, segurando-a na boca, usou-a para cavar, levantando e empurrando a terra do solo para trás, com muita energia e rapidez”, ela continuou.

Root-Bernstein voltou a ver Priscilla em várias ocasiões, junto com uma equipe de pesquisadores. Eles também viram o companheiro de Priscilla, Billie, cavando com um graveto, embora ele não fosse tão habilidoso como Priscilla.

Segundo o estudo, os porcos pareciam usar os gravetos simplesmente porque gostavam de usá-los, pois cavar com os cascos seria mais eficiente.

Root-Bernstein disse à CNN: “Podemos pensar que apenas os seres humanos manipulam o meio ambiente para afetar suas próprias vidas, mas de maneiras diferentes, muitas outras espécies também fazem isso”.

Inteligência dos porcos

Atualmente, cerca de 200 porcos visayanos são mantidos em cativeiro. Organização sem fins lucrativos de conservação filipina, Fundação Talarak, está trabalhando para proteger as espécies e ajudá-las a florescer na natureza.

O presidente da Fundação Talarak, Fernando “Dino” Gutierrez, uma vez testemunhou porcos selvagens empurrando uma pedra em direção a uma cerca elétrica para testá-la.

“Assim que eles empurram e as rochas fazem contato com a cerca, eles então esperam o som do clique ou a ausência dele”, disse ele à National Geographic. “O clic significa que os fios estão quentes e eles se afastam e não cruzam a cerca. Sem sons significa que é seguro investigar o que está além do fio”.

Os porcos gostam de brincar também

Um leitãozinho chamado Baby Mango caiu de um caminhão em Ottawa, no Canadá, no início deste ano. Após a cirurgia, ele se mudou para um santuário vegano chamado “No Meat and Greet”. Apesar dos ferimentos, ele gosta de correr e brincar.

A Dra. Lara Elizabeth Cohen – a veterinária que organizou sua cirurgia – disse ao jornal Ottawa Citizen: “É difícil mantê-lo preso porque ele gosta dos brinquedos do meu cachorro e ele também tomou a cama do cachorro”.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More