Notícias

Proibição de animais em circo entra em discussão após morte de domador na Itália

Por Rafaela Damasceno

Quatro tigres reagiram sob intenso estresse e violência psicológica ao atacarem um domador de animais em Triggiano, na região italiana de Puglia. Ettore Weber tinha seu próprio circo e era reconhecido principalmente pelo seu trabalho com os tigres. Ele morreu antes que os médicos chegassem ao local.

O domador de animais de costas para a imagem, com um tigre indo em sua direção.
O domador de animais se apresentando em Budapeste | Foto: Attila Kisbenedek/AFP

Segundo o The Guardian, todos os oito tigres presentes no circo foram presos pela polícia, gerando protestos por parte das associações dos direitos animais.

O fato fez a pauta da proibição do uso de animais em circos voltar a ser discutida pelo parlamento italiano, após ser negada em 2017. Também há uma pressão feita pela Anti-Vivisection League (LAV), que pede para que os tigres envolvidos na morte não sejam punidos. “Os tigres devem ser salvos e realocados em um ambiente adequado às suas necessidades naturais”, disse a LAV em uma declaração.

A morte de funcionários de circos e similares causadas pelos animais não é novidade. Mesmo os animais capturados na natureza e criados em cativeiro são selvagens e possuem necessidade de liberdade. Além disso os maus-tratos são frequentes nesse tipo de ambiente, já que os animais são forçados a obedecerem e treinados para fazer coisas que nunca fariam naturalmente. Dessa forma, é comum que uma hora se rendam aos seus instintos e ataquem àqueles em volta.

Um tigre na natureza, sentado sobre uma pedra.
Foto: iStock

Este caso da Itália não é isolado. Em março deste ano um domador foi atacado por um leão na Ucrânia, quando se apresentava em um circo. A plateia, grande parte composta por crianças, assistiu a todo o ataque. Mesmo ferido, ele ainda insistiu em continuar a performance. Em 2015, três elefantes na Dinamarca fugiram de um circo após agressão e atacaram carros e pessoas na rua. Em junho do ano passado, um urso foi espancado após atacar seus treinadores em uma apresentação na Rússia.

Apesar dos riscos, tanto para os humanos quanto para os animais, a associação italiana circense ainda protesta a favor do uso dos animais para o entretenimento humano.

No Brasil, há diversas leis locais para a proibição da prática, mas a federação nunca emitiu uma lei válida para todo o país. Alguns estados que adotam a proibição são Rio de Janeiro, Pernambuco, São Paulo, Rio Grande do Sul, Goiás, Paraná etc. O projeto de lei 7.291, que visa erradicar a prática em todo o Brasil, corre no Congresso desde 2009.

​Read More
Imagens

O cruel e triste treinamento que os elefantes recebem nos circos

A doma já tem seu significado explicado no dicionário Aurélio: “Vencer, dominar, subjugar”. Conheçam como os elefantes são treinados em circos, subjugados, maltratados e explorados para se comportarem de forma anti-natural diante de um picadeiro onde o “respeitável público” paga para que aconteça.

Cliquem aqui para assinarem a petição pela abolição do uso de animais em circos no Brasil e ajudem divulgando essas imagens para que mais pessoas conheçam esta realidade e digam NÃO aos circos com animais.

​Read More
Artigos

Ursinhos carinhosos. Humanos, nem tanto

O homem é um bicho muito esquisito. Uma das provas dessa esquisitice você encontra na relação que temos com os ursos.

Quando somos ainda nenês, ganhamos ursinhos de pelúcia, e alguns deles viram nossos primeiros “amiguinhos”. São ursinhos sorridentes, fofos e de braços abertos, sempre prontos a serem abraçados ou lambidos na cara.

Ursos sempre foram personagens simpáticos ou bobos nos desenhos animados. No máximo malandros benignos como Zé Colméia e seu companheiro Catatau. Existe uma indústria de brinquedos e mídia ao redor dos personagens Ursinhos Carinhosos.

Amamos os ursos. E poucas espécies sofrem mais na mão dos humanos. Ursos “dançantes” são exemplo disso. Essa é uma tradição milenar nos povos do leste europeu, e especialmente entre ciganos. Você vê pelas ruas um sujeito sorridente puxando um urso enorme pela coleira. O “artista” toca seu instrumento musical, o urso move as patas traseiras para cima e para baixo, como se estivesse “dançando”. Os admiradores da “arte” se aproximam e jogam dinheiro na caixinha do “domador”.

Esses ursos são dominados por uma argola enfiada em suas narinas. Desde criança são obrigados a pisar em chapas quentes enquanto ouvem a música macabra. Por instinto se movem daquele jeito, um pé de cada vez. Com o tempo, condicionam o movimento à música.

Na próxima coluna eu conto mais algumas histórias contando outras coisas que fazemos aos nossos “amiguinhos”.

​Read More
Artigos

O circo chegou!

O circo, ainda hoje, fascina muita gente. Artistas superando limites, fazendo inacreditáveis acrobacias no trapézio, dando show de equilíbrio sobre a corda bamba, arriscando a vida no globo da morte. Amamos o humor ingênuo dos palhaços, a forma com que os mágicos conseguem nos iludir e a coragem do valente domador… Opa! Coragem do domador? É preciso mesmo coragem para maltratar e subjugar um animal? Felizmente em muitas cidades do Brasil essas cenas de “coragem” já não são mais vistas. Mas é uma pena que essa lei ainda não seja nacional, pois muitos circos ainda mantêm os animais para apresentá-los em cidades onde essa prática é permitida.

Atualmente existe uma discussão muito forte em torno da questão dos animais em circo. Muitas pessoas já não aceitam essa prática, mas outras tantas ainda não se questionaram a respeito da exploração a que esses animais são submetidos.

Cabe então aos pais e educadores a missão de trazer à tona essa reflexão. O livro O valente domador, de autoria de César Obeid e ilustrado por Simone Matias, publicado pela editora Scipione, vem ajudar nessa tarefa.

Escrito em sextilhas de literatura de cordel, o livro conta a história de um domador que, após ser proibido de exercer sua atividade por causa da lei proibindo o uso de animais em circo, perde o emprego. O homem então se vê arruinado por não poder mais usar seu chicote para domar as feras. Achando que tudo estaria perdido e que nunca mais iria conseguir outro trabalho, se revolta contra tudo e contra todos. Até que um menino lhe mostra que nem tudo está perdido e que sempre há uma chance de se redimir dos erros e começar de novo.

A obra é interessante principalmente por mostrar que não é com um chicote na mão que se mostra valentia, e sim no enfrentamento dos problemas da vida. Além de mostrar a face da exploração dos animais nos circos, o livro traz uma mensagem de tolerância e respeito. Tudo isso de uma forma leve e bem-humorada, sem cair no moralismo.

Há muito material a ser explorado na história. E o educador pode ir além das questões levantadas pelo autor. Como sugestão, pode-se debater com as crianças a respeito de outros tipos de exploração a que os animais são submetidos para o entretenimento humano. É o caso de rodeios, por exemplo, ou de espetáculos com animais aquáticos como os golfinhos, ou até mesmo esportes como o hipismo.

O importante é mostrar às crianças que os animais não foram feitos para nosso uso e entretenimento e devemos sempre respeitá-los. E isso O valente domador faz muito bem.

​Read More
Notícias

Macacos se revoltam e aplicam golpes de artes marciais em algoz

Um grupo de macacos se revoltou contra seu algoz, o chinês Lo Wung, de 42 anos, e aplicou uma surra no homem durante um show de rua no centro de Enshi, na província chinesa de Hubei, segundo reportagem do jornal inglês Daily Telegraph.

Foto: Reprodução/ Telegraph
Foto: Reprodução/ Telegraph

O incidente inusitado foi fotografado pelo espectador Hu Luang, de 32 anos. Ele contou ao periódico inglês que um dos macacos deu um soco no olho de Wung. O domador regiu e pegou outro pelas orelhas, mas este respondeu agarrando seu nariz.

“Eles estavam pulando e saltando em todo lugar. Foi melhor do que um filme de Bruce Lee”, afirmou Huang, que tirou uma foto que mostra um dos macacos aplicando um chute na cabeça de Wung, em um típico golpe de artes marciais.

Fonte: G1

Nota da Redação: Mais triste do que a notícia que mostra a revolta dos animais aprisionados é imaginar, a partir de agora, a que possíveis e cruéis punições poderão ser submetidos os primatas já tão infelizes.

​Read More
Notícias, ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Elefante fica encalhado em rua da Tailândia

Foto: reprodução de vídeo da BBC Brasil
Foto: reprodução de vídeo da BBC Brasil

Um elefante de três anos de idade foi resgatado depois de passar mais de três horas em um bueiro na cidade tailandesa de Rayong.

O filhote caiu durante uma caminhada com um domador de elefantes no domingo. A equipe de resgate usou máquinas para retirar o animal, que não ficou ferido no incidente.

Elefantes se tornaram um símbolo da Tailândia. Os animais são normalmente vistos nas ruas, e os tutores os usam para pedir dinheiro aos turistas.

Fonte: O Globo

​Read More