Notícias

Resgate consegue desencalhar filhote de baleia franca em SC

O filhote de baleia franca foi desencalhado na quinta-feira (Foto: Fabricio Escandiuzzi/Especial para Terra)

Equipes do Corpo de Bombeiros e da Polícia Ambiental conseguiram desencalhar o filhote de baleia franca de quatro toneladas que estava na praia de Pântano do Sul, em Florianópolis, desde a manhã de quarta-feira. A segunda tentativa de resgate ocorreu por volta das 15 horas desta quinta-feira – para aproveitar a subida da maré – e foi acompanhada por cerca de mil pessoas.

Um rebocador com dois motores e jet skys foram usados para retirar a baleia da área de arrebentação. O animal se debateu bastante e, quando finalmente chegou a uma área segura, mostrou a cauda e as nadadeiras para o público. Muitos que acompanhavam o resgate choraram e se abraçaram quando a baleia foi libertada.

De acordo com a veterinária da ONG R3 Animal, que assessora a Polícia Ambiental catarinense, a baleia apresentava pequenos ferimentos no corpo, que não representam risco à sua saúde. “Ela está bem e vai se recuperar. É uma emoção muito grande, uma vitória, conseguir devolver a baleia ao mar. Isso acontece, mas é muito difícil que um animal desses sobreviva a um encalhe”, disse. “Tentamos ontem e não conseguimos, mas hoje o rebocador auxiliou e conseguimos”, completou.

Com os jet skis os bombeiros catarinenses tentaram desamarrar a baleia e afastá-la da costa. O animal ainda será monitorado pelos próximos dias pelas equipes de biólogos do Instituto Baleia Franca para avaliar as condições de sua saúde.

Com mais de quatro toneladas e cerca de seis metros de comprimento, a baleia franca foi encontrada na praia do Pântano do Sul na manhã desta quarta-feira, feriado de Independência. O animal ficou preso em um banco de areia na área de arrebentação, a menos de 50 m da praia, e foi encontrado por um pescador. O filhote integrava um grupo de cinco baleias que tem sido observado no local deste a última segunda-feira.

Fonte: Terra

​Read More
Notícias

Filhote de baleia é desencalhado de praia na Bahia

Filhote de baleia jubarte é desencalhado de praia na Bahia.Foto: Divulgação/Instituto Baleia Jubarte.

Um filhote de baleia jubarte foi desencalhado de uma praia em Caravelas, na Bahia, na noite desta segunda-feira (4). Uma equipe do Instituto Baleia Jubarte trabalhou durante três horas até conseguir liberar o animal, por volta de 21 horas.

Em 2010, foram registrados 71 casos de baleias jubarte encalhadas em todo o país. De acordo com o Instituto, os estados com maior número de encalhes são Bahia, com 30, e Espírito Santo, com 24, seguido por Sergipe, com 4, Rio de Janeiro e Ceará, com 3.

Fonte: G1

​Read More
Notícias

Equipe inicia mobilização para novo resgate de baleia, no RS

Em nota oficial, divulgada nesta quinta-feira (26), o grupo de especialistas que avalia o caso da baleia jubarte encalhada em Capão Novo, litoral norte do Rio Grande do Sul, confirma que uma nova tentativa de desencalhar o animal é válida. O veterinário do Instituto Baleia Jubarte, Milton Marcondes, avaliou que “o bom estado nutricional e a ausência de ferimentos” justificam o resgate.

Conforme avaliação dos especialistas, animal ainda está forte o suficiente para tentar levá-lo a alto-mar (Foto: Ignacio Moreno/GEMARS/Divulgação)

No momento, a equipe, que inclui 12 instituições, entre universidades e grupos de preservação, avalia em conjunto com os bombeiros e o Batalhão Ambiental da Polícia Militar, as disponibilidades de homens e equipamentos para tentar recolocar a baleia em alto-mar. “O quadro é grave e a baleia piora com o passar do tempo”, afirma a nota do grupo, destacando a urgência da remoção.

A baleia encalhou pela primeira vez no domingo, ficou mais de 60 horas presa em um banco de areia e foi libertada na terça-feira, sendo rebocada por uma embarcação até 200 m de distância da costa. Na manhã de quarta, porém, voltou a encalhar.

Conforme a avaliação de Marcondes, o animal está consciente e acompanha os movimentos das pessoas ao redor com os olhos, movimentando a cauda voluntariamente e com reflexos das pálpebras levemente diminuídos. O mais preocupante, segundo o relatório do veterinário, é a frequência respiratória.

“A respiração, que nos primeiros dias era de um movimento respiratório por minuto, encontra‐se em dois a três movimentos por minuto, indicando aceleração da respiração”, diz Marcondes. Segundo o documento, isso acontece para compensar a compressão que o peso do animal faz sobre os pulmões.

Um exame de sangue, que poderia indicar com mais exatidão se a baleia apresenta alguma doença não foi possível, pois grande parte do corpo está submersa.

Fonte: Terra

​Read More