Notícias

Cão explorado como farejador morre de hipertermia dentro de carro de patrulha nos EUA

Uma petição online tem chamado a atenção de ativistas e grupos de proteção de animais ao redor do globo, por trazer à tona uma discussão muitas vezes ignorada. Ela pede para que o Departamento de Polícia de Detroit, nos EUA, proíba seus policiais de deixarem os cães em carros de patrulha desacompanhados.

A manifestação veio depois que que um cão explorado como farejador, chamado Vito, morreu por ter sido deixado dentro de um carro quente – prática esta muito comum e também permitida por oficiais.

Reprodução | One Green Planet

O incidente ocorreu no final do mês de junho, quando a temperatura no país beirou os 25 graus. O policial deixou o ar-condicionado funcionando enquanto foi atender a um chamado, supondo que isso seria suficiente. Infelizmente, ele estava errado – o motor desligou. O pobre Vito, preso no automóvel, superaqueceu e finalmente morreu.

Aos olhos dos oficiais, o policial falhou por não ter checado Vito – tanto é que ele foi penalizado com a “perda de seus deveres de manipulação de cães”. Uma exigência do departamento de polícia é que os policiais verifiquem seus cães a cada 30 minutos.

Por mais que esta regra tenha boas intenções, é bem provável que ainda não fosse o suficiente para salvar a vida de Vito. Temperaturas dentro de um carro estacionado em um dia quente podem subir quase 20 graus em um curto período de 10 minutos – ou até mesmo menos.

De acordo com a organização Royal Society for the Prevention of Cruelty to Animals (RSPCA) da Austrália, um cachorro em um carro trancado pode morrer em “apenas seis minutos”. Depois de estar em um carro quente por apenas 15 minutos, um cão pode sofrer danos cerebrais ou até mesmo morrer de insolação.

Isso significa que a política de seleção de 30 minutos da DPD poderia, na verdade, colocar em risco vidas inocentes de K-9. Obviamente, implementar uma política de verificação de seis minutos é absurda e irracional para um policial, e é por isso que a melhor opção é simplesmente não arriscar a vida do animal.

​Read More