Notícias

Cavalo encontrado agonizando é sacrificado em Fortaleza (CE)

O cavalo que foi resgatado após ser encontrado agonizando em uma praça no bairro Luciano Cavalcante, em Fortaleza (CE), foi sacrificado no último domingo (30), quatro dias após o resgate. Ele foi diagnosticado com várias fraturas, uma bala alojada no crânio e “osteodistrofia fibrosa (não ingestão de Cálcio e consumo excessivo de fósforo, desequilíbrio nutricional)”.

Foto: Adote Um Amor Pet/ Divulgação

A ONG Adote Um Amor Pet cuidou do animal e o encaminhou para um novo lar após medicá-lo e alimentá-lo. Mariano, como passou a ser chamado, foi levado para a mesma fazenda onde vive a égua Vitória, resgatada em outubro de 2018. As informações são do portal G1.

“Pelo seu estado nutricional e dificuldade em respirar, decidi pelo seu alívio nas dores. Mariano hoje já não sofre mais”, publicou a entidade no Instagram. As fraturas e a existência da bala alojada no crânio foram descobertas através de um raio-x feito no último domingo.

Na rede social, a ONG agradeceu ao trabalho e cuidados de dois veterinários que, de forma voluntária, examinaram o cavalo. “Obrigada a todas as pessoas que passaram as noites acordadas comigo aqui no insta, as pessoas que doaram, as pessoas que mandaram orações. Nossa missão com o Mariano foi encerrada com sucesso, chegamos até ele pra ensinar e mostrar que nós humanos também temos amor pra dar”, concluiu a Adote Um Amor Pet.

Foto: Adote Um Amor Pet/ Divulgação
​Read More
Notícias

Cadela é agredida e sofre múltiplas fraturas no crânio e nas costelas

A polícia encontrou uma cadela de quatro meses, que recebeu o nome de Halsey, espancada numa casa em Indianápolis, nos Estados Unidos. A cadela tinha uma perna quebrada e múltiplas fraturas no crânio e costelas. Ela esteve nessa situação por alguns dias, antes de ser encontrada e resgatada.

(Foto: Facebook – Every Dog Counts Rescue)

Halsey foi imediatamente acolhida pelo Every Dog Count Rescue (EDCR), onde recebeu tratamento imediato. Mais tarde, a EDCR realizou uma campanha de arrecadação de fundos, por meio da qual a cadela teve a chance de conhecer todos os seus apoiadores e se reunir com eles.

No vídeo abaixo, você pode ver Halsey se reunindo com os oficiais Becky Knowles e Adam Perkins. A cadela não parou de abanar a cauda e até se deitou de costas para receber carinhos na barriga. Ela os reconheceu e ficou grata por toda a ajuda.

Apesar do que enfrentou, Halsey ainda confia nos humanos e ama a atenção e carinho que recebe. Atualmente, Halsey está bem melhor e seus ferimentos estão curados. Para além disso, ela foi adotada e até tem um novo irmão para brincar.

O homem responsável por espancar Halsey foi preso e está enfrentando acusações na Justiça.

(Foto: Facebook – Every Dog Counts Rescue)

Fonte: I Love My Dog / Histórias com Valor

​Read More
Notícias

1998: criança tenta secar gata no micro-ondas e animal morre

Uma gata morreu após ser colocada por uma criança dentro de um micro-ondas. Entretanto, o triste episódio, ocorrido em 1998, não teve má intenção. José Bernardo Ferreira, na época com seis anos, não pretendia fazer mal ao animal. Num ato de inocência, ele acreditou que poderia secar a gata, a qual ele havia dado banho, colocando-a no micro-ondas. O caso aconteceu no bairro de Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, e foi registrado em uma reportagem de Cristina Rigitano, publicada no Notícias Populares em 28 de julho de 1998 e divulgada esta semana pela Folha de S. Paulo.

A gata Bolinha (Foto: Reprodução)

Era domingo de manhã. Bolinha, a gata, estava suja, e Bernardo decidiu, então, dar um banho no animal. O menino estava sozinho em casa, já que a mãe havia ido à igreja e deixado o filho dormindo. Após lavar a gata, Bernardo colocou-a no micro-ondas, na intenção de secá-la para evitar que ela adoecesse.

“Meu sobrinho, coitadinho, estava bem-intencionado. Só queria secar a gatinha”, contou a tia de Bernardo, a comerciante Joana Barbosa Gomes.

O garoto deu banho na gata no quintal de casa e, em seguida, a colocou sentada no prato giratório do eletrodoméstico. Em um minuto, a cabeça do animal explodiu. De acordo com Joana, a criança ficou bastante assustada com a tragédia.

Título da reportagem do “Notícias Populares” sobre a morte da gata, em 28 de julho de 1998 (Foto: Folhapress)

Ao voltar da igreja, a mãe do menino o encontrou desesperado, chorando e gritando muito. “A desgraça já estava feita”, contou a tia, que lembrou ainda que o garoto pedia pela gata. “Quero minha Bolinha de volta”, ele dizia. Bernardo havia ganhado a gata três meses antes do ocorrido. “Foi uma coisa muito triste”, disse Joana.

Maria, mãe da criança, afirmou que ensinou Bernardo a mexer no micro-ondas por considerar o aparelho mais seguro que o forno comum, por não ter fogo. Mas ela não imaginava que um acidente tão grave pudesse acontecer.

Aumento da pressão do crânio

Ao publicar a reportagem, em 1998, o Notícias Populares explicou que o aumento da pressão interior do crânio da gata, causado pelas ondas eletromagnéticas emitidas pelo eletrodoméstico, pode ter sido responsável por provocar a explosão da cabeça do animal. Provavelmente, o crânio de Bolinha não suportou a pressão interna e, por isso, explodiu.

​Read More
Você é o Repórter

Cachorra idosa com caso severo de miíase no crânio precisa de ajuda em São Paulo (SP)

Francine Lebian de Lima Nunes
francine.nunes@ultragaz.com.br

Esta cachorrinha está correndo risco de morte e com o crânio exposto que foi gravemente afetado por miíase.

Ela é idosa e precisa de resgate urgente, pois seu estado é muito grave, como mostrado pela foto, tirada atrás de sua orelha. A cachorrinha está próxima ao estádio do Corinthians, em São Paulo.

Segundo uma protetora, moradores da região têm agravado a situação e jogado água quente na cadela para afastá-la. Quem puder socorrê-la ou ajudar de alguma forma, entre em contato com a Daniela por telefone.

Divulgação
Divulgação

Contato: Daniela
(11) 99157-0615

​Read More
Notícias

Safáris para matar onças no Pantanal eram feitos há pelo menos 15 anos, diz delegado

A polícia acredita que os safáris organizados na fazenda Santa Sofia, de propriedade da pecuarista Beatriz Rondon, para caçar onças pardas e pintadas no Pantanal, no Mato Grosso do Sul, aconteciam há pelo menos 15 anos, de forma organizada.
Segundo o delegado Alexandre do Nascimento, da Polícia Federal de Corumbá, estima-se que 50 turistas participavam dos safáris por ano – uma média de cinco por mês. Num ritual, eles bebiam goles de cachaça misturada ao sangue das onças mortas. O delegado está reunindo provas da atividade e pode pedir a prisão preventiva de Rondon.

“Achamos na fazenda fotos com mais de 20 anos que atestam que as caçadas já aconteciam. Calculamos que há pelo menos 15 anos a atividade está sendo feita de forma organizada. Estamos esperando os laudos sobre os animais, armas e munições apreendidos na fazenda. Só depois de termos essas provas é que deveremos pedir a prisão preventiva dela”, disse o delegado ao GLOBO.

Essa é a cara da assassina, Beatriz Rondon tinha caça a onças como hobbie cruel. Foto: Reprodução/ TV Globo

A pecuarista, assim como as demais pessoas que aparecem num vídeo que registra uma das caçadas, pode ser indiciada pelos crimes de formação de quadrilha, caça de animais silvestres em extinção, posse de arma de fogo de uso restrito e munição importada. Ela já foi multada em R$ 105 mil pelo Ibama.

Nas imagens, pouca gente reparou, mas os caçadores bebem um líquido de cor avermelhada, depois que as onças são abatidas. É um ritual dos caçadores. O líquido é o sangue do animal abatido.

“O indiciamento dela é mera formalidade. Já poderia ter acontecido. Estamos reunindo todas as provas para ter um inquérito bem fundamentado. A pecuarista só não foi presa em flagrante, na semana passada, quando estivemos na fazenda, porque não estava lá”, disse o delegado.

De acordo com Nascimento, a caça às onças era uma espécie de hobbie da pecuarista. Nos safáris, ela reunia amigos para as caçadas. Os estrangeiros, que vinham dos Estados Unidos, Europa e Argentina pagavam entre US$ 5 mil e US$ 7 mil para ter guias, armas, transporte e hospedagem na fazenda.

“Ela não vivia dessa atividade. Caçar onças é um hobbie”, afirmou.

Apesar desta afirmação, os pacotes para os safáris eram vendidos no site da Fazenda Santa Sofia.

O vídeo que mostra as onças sendo abatidas foi feito por um estrangeiro e era divulgado na internet como propaganda dos safáris. As imagens mostram uma onça parda e uma pintada sendo abatidas com tiros na cabeça. No vídeo Beatriz, aparece após uma onça ser mortas. Ela diz que era uma “fêmea linda”, mas ela andava matando seu gado.

Mais uma vítima de prática cruel e criminosa na Fazenda Santa Sofia. Foto: Reprosução/ TV Globo

“Nas imagens, pouca gente reparou, mas os caçadores bebem um líquido de cor avermelhada, depois que as onças são abatidas. É um ritual dos caçadores. O líquido é o sangue do animal abatido misturado com cachaça. A própria Beatriz aparece nas imagens bebendo”, explicou o delegado.

Beatriz Rondon é conhecida na região onde os safáris eram realizados. A dona da fazenda Santa Sofia também foi presidente da ONG Ambiental, que promovia a defesa ambiental do estado do Mato Grosso do Sul. Rondon conseguiu que sua fazenda fosse reconhecida como Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN), o que implica que ela teria conservar a diversidade da área, recebendo em troca isenção de alguns tipos de impostos. Ela também recebia para cada boi ou vaca atacado e morto pelas onças que estavam em sua propriedade.

Durante a vistoria na fazenda da pecuarista, na semana passada, a Polícia Federal apreendeu galhadas de cervo, dois crânios de onça, uma pele de sucuri de 3,5 metros, cinco revolveres calibre 38, uma pistola 357 (uso restrito) uma carabina, dois fuzis, caixas de munições, dois alforjes e turros, espécie de tubos, que quando assoprados emitem sons iguais aos emitidos pela onça e atraem os animais.

Renê Seufi, advogado de Beatriz Rondon, disse que sua cliente não promovia caçadas e nem tinha interesse nesse tipo de atividade.

Fonte: Globo

​Read More
Notícias

Violência extrema contra cão Rotweiller é notícia no Espírito Santo

O Rottweiler ainda no mato onde foi abandonado

Um cão da raça Rottweiler foi brutalmente ferido e jogado no mato ainda vivo em Cariacica, na região da Grande Vitória (ES). O episódio violento aconteceu no dia 04 de novembro. O animal foi abandonado no mato em estado agonizante. Uma denúncia levou uma protetora até o local, onde o animal foi resgatado e levado para uma clínica veterinária.

Infelizmente, não havia mais o que fazer por ele. A especialista que o atendeu constatou afundamento de crânio e uma perda grande de sangue. A vítima então teve que ser eutanasiada.

Os protetores pedem aqueles que tiverem alguma informação para ligar para o disque denúncia (181) ou entrar em contato com Ludmilla Reinholz pelo email: ludmilareinholz@gmail.com.

Fonte: A Gazeta

​Read More
Notícias

Gato tem crânio perfurado por tiro de prego, mas sobrevive


Foto: Reprodução/Telegraph

Um bichano sobreviveu a um tiro de uma pistola de pregos, em Sioux City, Iowa (EUA). Na radiografia do crânio do gato é possível ver que o prego realmente penetrou a cabeça do pobre bichinho. Mesmo com o terrível machucado, o gato ainda conseguiu caminhar e foi encontrado consciente e em bom estado. 

O animalzinho foi levado a um hospital veterinário e submetido a uma cirurgia para a retirada do prego de mais de sete centímetros. A veterinária Cindy Rarrat afirmou que só um milagre explica o que aconteceu com o gato. “Nunca vi nada igual na minha vida. É incrível saber que o gato continua vivo”.

As autoridades estão procurando os tutores do gato, além do responsável pelo tiro cruel.

Com Informações do R7


​Read More
Home [Destaque N2], Notícias

Altar construído com crânio de 50 primatas é encontrado nos EUA

Por Raquel Soldera (da Redação)

A polícia está investigando um caso de crueldade contra os animais após os restos mortais de 75 animais e um grande altar composto de crânios de primatas serem encontrados no domingo (27), dentro de uma casa na cidade Feltonville, Pensilvania, EUA.

Acredita-se que os animais foram sacrificados como parte do culto e ritual satânico, segundo os investigadores. Pentagramas também foram vistos na casa.

Os restos de ossos incluem uma variedade de animais, como ovelhas, cabras e galinhas. As autoridades também removeram dois restos mortais em decomposição do que pareciam ser dois pequenos primatas.

Dois oficiais da SPCA da Pensilvânia usaram um mandado de busca à propriedade depois de receber uma denúncia de que dois cães magros eram mantidos na casa. Depois de encontrar os cães vivos – um no porão e um no quintal – os policiais encontraram os restos mortais dos animais.

Um fuzil também foi encontrado, mas as autoridades não sabiam se era utilizado.

A polícia disse que não havia identificado o proprietário da casa. A residência estava tão cheia de entulhos que a o Departamento de Licenças e Inspeções da cidade terá que limpá-la, segundo as autoridades.

George Bengal, diretor da aplicação da lei para o SPCA da Pensilvânia, disse que funcionários da agência encontraram na sala um altar construído com cerca de 50 crânios de primatas.

“Esta é uma enorme descoberta”, disse Bengal. Aqueles envolvidos nos rituais “geralmente usam o crânio e os pés e o sangue, e drenam o sangue do animal. Eles bebem o sangue e usam o crânio e os pés como parte do altar”.

Moradores disseram que um homem de 50 ou 60 anos viveu na propriedade, mas que não tinha visto ninguém lá por meses. As janelas estavam bloqueadas, e o caminhão do homem foi rebocado há vários dias, porque a licença venceu, disse um vizinho que não quis ser identificado.

Bengal disse que as autoridades encontraram restos de animais em parques vizinhos nos últimos anos. No mês passado, animais que pareciam ter sido usados em rituais foram descobertos perto de uma ciclovia em Feltonville.

Com informações de Philly.com

​Read More
Notícias

Descoberto fóssil de réptil marinho na Inglaterra

Rerpresentação artística do pliossauro
Rerpresentação artística do pliossauro

Foi divulgada na Inglaterra nesta terça-feira (27) a descoberta de um crânio fossilizado de um pliossauro gigante. Pesando 12 toneladas, o animal era um réptil marinho carnívoro e habitou os oceanos há 150 milhões de anos. O crânio achado mede 2,2 metros de comprimento e pode pertencer a um dos maiores exemplares da espécie já encontrado.

De acordo com o site Daily Mail, um colecionador local, Kevan Sheehan, achou os fósseis nas areias de Weymouth Bay e os vem coletando com o passar dos anos. O condado de Dorset, onde fica a praia, comprou as peças para serem analisadas cientificamente por uma equipe de paleontólogos e colocadas em uma mostra no museu local.

“Este é um dos maiores crânios de pliossauro já achados no mundo e contém características nunca antes vistas. Poderia ser uma nova espécie para a ciência”, disse o paleontolólogo David Martill, da universidade de Portsmouth, do Reino Unido.

As criaturas da espécie eram semelhantes aos plesiossauros, um grupo de répteis aquáticos que viveu na mesma época dos dinossauros, no período jurássico. Com pescoços curtos e grandes mandíbulas como as de crocodilos, eles mediam até 16 metros de comprimento – de acordo com o novo achado.

Fonte: eBand

​Read More
Notícias

Mais um gato sobrevive após ser atingido por flecha na cabeça

Foto: Reprodução/WLBT
Foto: Reprodução/WLBT

Mais um gato sobreviveu após ter sido atingido por uma flecha na cabeça. Depois de Brownie, ferido em Bloomington, no estado de Indiana (EUA), há pouco mais de um mês, foi a vez de BC escapar da morte na cidade americana de Learned, no Mississipi.

De acordo com reportagem da emissora de TV WLBT, Randolph Henderson, o tutor do animal, ficou surpreso com a reação de BC.

Mesmo ferido, o gato chegou em casa e tentou comer normalmente. “Ele estava tentando colocar a cabeça no pote de comida, mas a flecha batia no pote”, contou Henderson, que cuida de BC, mas assassina outros animais como caçador.

O veterinário que removeu a flecha da cabeça de BC disse que a arma raspou o crânio do gato, mas não atingiu o cérebro. “Eu não sei por que alguém faria isso com o gato”, disse Maggie, neta de Henderson, que quer ser veterinária.

*Com informações do G1

​Read More
Home [Destaque N2], Notícias

Animal é agredido em estuário

Foto: Reprodução/JC ONLINE
Foto: Reprodução/JC ONLINE

A fêmea de peixe-boi marinho Mel, reintroduzida este ano pelo Projeto Peixe-Boi (PPB) em Barra de Mamanguape (PB), sofreu cortes na cabeça. A agressão foi constatada na segunda-feira (17), quando equipe do PPB avistou o mamífero aquático próximo ao recinto de readaptação. A lesão têm 22 cm de comprimento por  2 cm de largura e 4 cm de profundidade.

O corte foi tão profundo que atingiu superficialmente o osso do crânio de Mel. Segundo avaliação da equipe do PPB, o ferimento foi ocasionado por uma espécie de foice ou facão que, por muito pouco, não resultou na morte do peixe-boi.

Capturada e levada de volta ao recinto do PPB, a fêmea vem sendo medicada com antibióticos e monitorada por profissionais da iniciativa. “Mel está estressada e com um comportamento ‘arredio’, mas já se alimentou, o que é um bom sinal”, avalia o coordenador do PPB, Magnus Severo, completando que “ainda é cedo para prever o tempo de recuperação do animal”.

O PPB pretende acionar a Polícia Florestal e o Ibama, nos próximos dias,  para apurar o ocorrido e responsabilizar criminalmente os culpados pela violência cometida contra Mel.”Também realizaremos uma ação educativa no município de Costinha, pois a população deve se conscientizar sobre a importância da conservação do peixe-boi marinho. Eventos assim não podem mais ocorrer, são inadmissíveis”, enfatizou o coordenador.

Fonte: JC ONLINE

​Read More