Notícias

Suíça proíbe restaurantes de cozinhar lagostas vivas

Lagostas e outros crustáceos “terão que ser atordoados antes de serem mortos”, afirmou o governo em uma decisão que entrará em vigor em 1º de março.

Foto: Food & Drink Photos

O governo também proibiu a prática de transportar os animais marinhos no gelo ou na água gelada, afirmando que eles devem ser mantidos em seu ambiente natural.

Grupos de direitos animais já informaram que lagostas e espécies similares sentem dor quando são cozidas vivas.

De acordo com a DW, o governo também proibiu coleiras automáticas anti-latidos para cães e introduziu novas medids para combater as fábricas de filhotes e assegurar que os organizadores assumam a responsabilidade pelos animais em eventos públicos.

A ordem do governo suíço ocorre após uma decisão do Supremo Tribunal da Itália proibir os restaurantes de armazenar lagostas no gelo, argumentando que a prática causa um sofrimento injustificável aos animais.

​Read More
Notícias

Chef sugere cozinhar coelhos para acabar com praga na Austrália


Um chef da Austrália disse que uma alternativa a envenenar coelhos selvagens, considerados uma praga no país, é cozinhá-los.

O chef Matt Moran, do premiado restaurante de Sydney, Aria, acha que os coelhos devem ser usados como alimento. O governo de New South Wales pretende espalhar um vírus mortal entre as populações do animal para conter seu crescimento.

“Que as pessoas os capturem e os comam. Eles são comida. Eu sou do mato, e (para mim), comer coelho é igual a comer cordeiro”, disse Moran.

Ele contou que o coelho era uma fonte de carne barata e acessível nos anos da Grande Depressão. “Meu avô viveu disso durante a depressão. Sua principal fonte de renda por dois anos vinha da pele e da carne dos coelhos que caçava”, conta.

Fonte: POP News

Nota da Redação: A sugestão do chef australiano só pode ser digna de desprezo. Assim como a proposta do governo – que pretende, de maneira tão lastimável quanto, dizimar a população – demonstra o raciocínio restrito de uma pessoa que “esconde embaixo do tapete” (ou cozinha) qualquer problema. Mais uma vez uma medida cruel e paliativa é a opção de pessoas limitadas ao invés do mínimo esforço para conceber alternativas inteligentes e, para o futuro, profiláticas.  Além disso, é óbvio que “comer coelho é igual a comer cordeiro”. Ambas são manifestações reacionárias de uma crueldade desnecessária.
​Read More