Notícias

Descaso com animais usados para passeios em Nova Friburgo (RJ) provoca onda de protestos na internet

Num cenário que ainda é de reconstrução – com muita poeira, buracos e pouquíssimos turistas – os cavalos e jumentos que tradicionalmente eram usados para passeios no entorno da Praça do Suspiro, em Nova Friburgo (RJ), voltaram ao trabalho. No entanto, a cena dos animais expostos ao sol forte, diante de um bebedouro quebrado e cercados de escombros, anda causando revolta em alguns moradores e visitantes.

Sensibilizado, o administrador de empresas friburguense Carlos Emerson Junior, de 60 anos, fotografou no último domingo um grupo de sete cavalos parados na pracinha e postou a imagem em seu blog. A foto foi compartilhada por amigos e protetores de animais no Facebook, causando uma onda de protestos na rede social.

“Estive lá e não gostei nada do que vi. O local onde os animais deveriam ter água corrente, ainda está semidestruído e com apenas um restinho de água suja da chuva. Isso é uma maldade. O trenzinho que levava os turistas para passear ainda não voltou, mas os animais foram obrigados a ficar lá. Para piorar, fui informado que a Coordenadoria do Bem Estar Animal, a quem eu poderia denunciar o que vi, não abre nos finais de semana. Ou seja: se você vê um caso assim tem que esperar até segunda-feira para denunciar”, diz Carlos Emerson, que, diante da impossibilidade de achar um fiscal da prefeitura, decidiu fazer a denúncia em seu blog .

Procurada pelo GLOBO, a responsável pela Coordenadoria de Bem Estar Animal de Nova Friburgo (Coobea), Carla Freire, informou que, apesar de achar que ainda não era hora de os animais voltarem, a prefeitura não pode impedir os tutores de levarem os burricos e cavalinhos de volta ao ponto turístico. Mas, diante do grande número de reclamações, ela promete ir até lá no próximo final de semana para verificar as denúncias. Nova Friburgo foi a cidade da região serrana mais devastada pelas enxurradas ocorridas em janeiro.

Proprietária de um apartamento no Centro de Friburgo, a comerciante Ana Martha de Lima, de 45 anos, conta que esteve lá na semana passada e também ficou com muita dó dos cavalos:

“Eu costumo passar finais de semana lá e sempre me compadeci deles. Mas agora é ainda pior. É um absurdo. Não tinha nem turista na praça. Para que deixar aqueles animais lá, sofrendo com aquele sol ?”, protestou.

A coordenadora da Coobea, Carla Freire admite que o órgão só faz atendimento ao público de segunda a sexta-feira, 11h30m às 17h30m, mas argumenta que todos na cidade conhecem seu telefone celular. O telefone do órgão é (22): 2522-1356. No finais de semana, a coordenadora atende no celular: 22- 9931-3313.

“Eu estive lá na semana anterior e não tinha visto isso. Mas vamos voltar lá e conversar com os tutores dos cavalos. Temos consciência de que um cavalo precisa de beber no mínimo 40 litros de água por dia e, pelo que me falaram, eles estão sem água”, comentou.

De acordo com Carla Freire, a situação precária dos animais de tração da Praça do Suspiro é uma preocupação da prefeitura, que em janeiro ia iniciar o cadastramento de todos os animais e tutores que fazem ponto na praça. A tragédia das enchentes, no entanto, justifica Carla Freire, atrasou o trabalho, que deve ser iniciado em breve. Ela promete fazer um levantamento dos animais e criar regras para o trabalho.

Em Paquetá, 40 cavalos utilizados em carroças de passeios vão receber chips de identificação. O objetivo é reduzir a taxa de abandono dos animais e responsabilizar os tutores em caso de maus-tratos.

Fonte: O Globo

​Read More
Notícias

Veterinários da UENF são exemplo de dedicação aos animais vítimas da tragédia

Como já foi amplamente divulgado pela mídia, a tragédia do dia 12 também afetou centenas de animais da cidade, seja por falecimento de seus tutores, por abandono ou perda de seu habitat natural. O drama dos bichinhos sensibilizou pessoas de várias partes do país, entre profissionais especializados e cidadãos que atuam em prol do bem-estar animal. Prova disso foi o expressivo número de voluntários que desembarcaram na cidade para auxiliar no atendimento aos animais resgatados.

Uma das ações que merece destaque é o trabalho de um grupo de médicos veterinários da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (Uenf), que desde o último dia 13 está no município. Trabalhando em parceria com a Coordenadoria de Bem-Estar Animal de Nova Friburgo (Coobea) e o Instituto Univida de Proteção Animal, os veterinários não estão poupando esforços nos cuidados com os animais resgatados. Muitos deles chegaram à sede da Coobea debilitados e necessitando de cuidados emergenciais. Vale destacar que a equipe de veterinários também atuou junto aos profissionais do Instituto Ecológico Búzios Mata Atlântica (IEBMA), responsáveis pelas incursões a campo em áreas de risco, onde realizavam a captura dos animais, com apoio da Marinha do Brasil.

Mais de 200 animais resgatados

Após o resgate e o encaminhamento à Coobea, os animais passavam por uma triagem e um atendimento emergencial, feito pelos veterinários da Uenf. Em diversos casos foram necessárias cirurgias de emergência e, após a completa recuperação dos animais, estes eram encaminhados para o setor de adoção.

Sem donos, perdidos ou abandonados, cães e gatos foram resgatados e cuidados por veterinários da Uenf. Foto: AVA/ Reprodução

Até o início da semana, mais de 200 animais já haviam passado pelo local, entre cães, gatos, coelhos, chinchilas e hamsters, além de corujas e outras aves. Muitos deles já foram adotados ou devolvidos ao seu habitat natural, porém, outros ainda encontram-se na sede da coordenadoria, à espera de um novo lar. Todos já estão devidamente vacinados, vermifugados e castrados.

Os voluntários da Uenf se despedem da cidade na próxima terça-feira, 15, com o sentimento de dever cumprido. Integrada por especialistas em anestesiologia, a equipe é formada pelos veterinários Gabriel Barbosa, Daniel Faustino, Kenas Aguiar, Maurício Portes e Sebastián Bustamante. A coordenação está a cargo do médico veterinário Felipp Silveira. O grupo agradece a hospitalidade e receptividade de todos que, de uma forma ou outra, contribuíram para esta ação conjunta em prol dos animais abandonados.

Fonte: AVA

​Read More