Histórias Felizes, Notícias

Filhote de cachorro desce as escadas com três patas copiando o irmão mais velho

Bowie e Zeppelin | Foto: Karisa Maxwell
Bowie e Zeppelin | Foto: Karisa Maxwell

Depois de perder a perna em agosto devido a algumas complicações de saúde que se prolongaram, Bowie, de 2 anos, teve que reaprender a fazer praticamente tudo. Com a ajuda de sua família, ele descobriu novas maneiras, com um pequeno ajuste, de fazer coisas mais comuns do dia a dia, incluindo subir e descer as escadas.

Desde que perdeu sua pata traseira, Bowie se encosta na parede e salta um pouco ao descer as escadas, a fim de facilitar o processo de descida – e, como ele repetiu esse processo várias e várias vezes, sua irmãzinha assistia a tudo.

Bowie | Foto: Karisa Maxwell
Bowie | Foto: Karisa Maxwell

Quando Zeppelin se juntou a sua família em janeiro, Bowie já estava acostumado a viver com três pernas e, claro, imediatamente ela se tornou uma melhor amiga e ele o modelo para sua nova irmãzinha mais nova. Os dois se tornaram inseparáveis desde o começo, e por isso não é surpresa que Zeppelin tenha aprendido como ser um cachorro com seu irmão mais velho Bowie.

Eles estão sempre se aconchegando um no outro ou brincando juntos, mesmo quando há outros cachorros por perto”, disse a mãe dos irmãozinhos, Karisa Maxwell, ao The Dodo.

“Estávamos nervosos e temíamos que Bowie tivesse medo de brincar com ela quando ela ficou maior do que ele, mas ela é tão gentil com Bowie, brinca no ritmo dele, sem força-lo e protege-o sempre.”

Bowie e Zeppelin | Foto: Karisa Maxwell
Bowie e Zeppelin | Foto: Karisa Maxwell

A medida que Zeppelin ficou maior, parecia que ela queria mais e mais ser como seu irmão mais velho – e um dia, seus pais notaram algo absolutamente adorável sobre a maneira como ela desce as escadas.

“Zeppy sempre descia as escadas desse jeito, mas quando ela era pequena, nós pensamos que era porque suas pernas não eram longas o suficiente”, disse Maxwell.

“Mas quando ela ficou maior, notamos que ela se encosta na parede como Bowie e mantém as pernas juntas.”

Bowie e Zeppelin | Foto: Karisa Maxwell
Bowie e Zeppelin | Foto: Karisa Maxwell

Como o Zeppelin tira todas as suas dicas de Bowie, ela agora desce as escadas como se tivesse apenas três pernas, assim como seu amado irmão mais velho.

Enquanto seus pais tentam mostrar a ela que ela não precisa descer as escadas dessa maneira, Zeppelin não parece se importar com isso, e continua a descer as escadas exatamente do mesmo jeito que Bowie faz, porque não importa o quê ou como, ela sempre quer ser como ele.

“Essa é a única maneira que ela sabe”, disse Maxwell. “Nós tentamos fazê-la andar um pé na frente do outro, mas ela apenas olha para todos nós confusa e continua a pular”.

Zeppelin ama tanto seu irmão mais velho Bowie mais do que qualquer coisa no mundo. Para ela, nunca importará que ele tenha apenas três pernas. Ele é o favorito dela e, como ela continua a crescer, não há dúvida de que ela continuará sempre tentando ser exatamente como ele.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA


 

​Read More
Notícias

Onça-parda atropelada é submetida à cirurgia e morre no Acre

Morreu a onça-parda resgatada após atropelamento em uma rodovia entre os municípios de Boca do Acre, no Amazonas, e Manoel Urbano, interior do Acre. Ela foi levada ao Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas) e submetida à cirurgia, porém teve complicações e não resistiu.

A onça morreu após complicações no pós-operatório e possíveis problemas em órgãos internos (Foto: Divulgação/Batalhão Ambiental)

A onça foi encontrada com muitos ferimentos por moradores da região em que foi atropelada. O resgate foi feito pelo Batalhão de Polícia Ambiental (BPA) em ação conjunta com o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). O motorista responsável pelo atropelamento fugiu.A

O resgate durou mais de seis horas devido ao difícil acesso ao local em que a onça estava.

A bióloga do Cetas, Elaine Cristina, explicou que a onça teve complicações no pós-operatório e que as tentativas de recuperá-la feitas pela equipe não foram suficientes para salvar sua vida.

“A onça estava em uma situação delicada, fizemos cirurgia na tentativa de recuperar, mas, além disso, ela estava urinando sangue. Com o atropelamento, ela pode ter tido rompimento de algum órgão interno. Ela teve uma hemorragia, então, além da complicação das fraturas, ela teve também uma complicação nos órgãos internos devido à batida. Mesmo com a cirurgia, a onça não resistiu”, concluiu a bióloga em entrevista ao G1.

​Read More
Notícias

Complicações na próstata e câncer de pele também afetam animais; saiba como identificar

Divulgação
Divulgação

Depois do outubro rosa, de prevenção contra o câncer de mama, o novembro azul chama a atenção para problemas na próstata. Neste mês também é lembrado o dia de combate ao câncer de pele. Assim como nos humanos, as doenças podem causar complicações nos animais.

No caso da próstata, os problemas podem aparecer, principalmente, após os seis anos. Castração precoce e exames periódicos são as as melhores formas de prevenção.

“O tutor também deve observar alguns sintomas, como se o animal tem dificuldade para urinar, em pequenas quantidades, ou se urina com sangue”, diz o veterinário Mario Marcondes, diretor do Hospital Veterinário Sena Madureira, em São Paulo.

Em caso de suspeita de doença, o cão deve ser encaminhado a um especialista, que fará o exame de toque e encaminhará para exames, como ultrassom.

As complicações decorrentes do aumento da próstata podem ser tratadas com antibióticos, se houver infecção, e cirurgia, para o caso de hérnia. Já para os casos de câncer, o tratamento prevê cirurgia e quimioterapia.

Câncer de pele
Manchas avermelhadas ou lesões que não cicatrizam são os principais indicativos de câncer de pele no animal. Evitar deixar o animal no sol entre as 10h e as 16h e usar protetor solar são importantes para prevenir a doença.

Animais albinos ou de pelagem clara e rala são mais sensíveis ao sol – entre eles dálmatas, wippet e boxer. De acordo com Marcondes, o tutor deve optar por protetor solar específico para animais e proteger, sobretudo, as áreas mais expostas – como focinho, patas e barrigas.

“O protetor para animais também tem um gosto próprio, amargo, que desestimula o animal a ficar lambendo”, afirma o veterinário.

Campanha
Para marcar o mês, o hospital realiza o Novembro Azul Pet, e veterinários orientarão gratuitamente os tutores sobre detecção precoce do câncer de próstata e de pele.

Para participar, o tutor deve agendar um horário telefone (11) 5572-8778.

Durante a campanha, os tutores de animais serão orientados sobre como aplicar o protetor solar e como realizar o exame do animal, procurando nódulos e alterações na pele.

No caso dos machos, será realizado o exame de toque para palpação da próstata.

Fonte: Bom Pra Cachorro

​Read More
Notícias

Simples exame pode evitar maiores complicações nos rins dos animais

Divulgação
Divulgação

Assim como nos humanos, a idade traz desafios para a saúde dos animais. Uma das principais ameaças é a doença renal crônica – os rins começam a perder sua função até que, uma hora, praticamente param de filtrar substâncias tóxicas. A questão é que hoje só se pega o problema quando ele avançou bastante. Eis que surge uma promessa no horizonte: Fernanda Chicharo Chacar, doutoranda da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo, identificou uma proteína no xixi dos cães capaz de indicar lesões renais em estágio inicial. Ou seja, um simples exame de urina apontaria os primeiros passos do transtorno.

“O diagnóstico precoce contribui para o controle do quadro. E os animais podem ser acompanhados antes mesmo do surgimento dos sintomas”, revela. Aliás, especula-se que o método também seja útil aos gatos.”A técnica não está disponível, mas, com ajustes e novos estudos, talvez vire uma possibilidade futura na prática clínica”, diz Fernanda.

Fatores de risco:
– Idade
– Deficiência congênita
– Uso de remédios tóxicos aos rins, como anti- -inflamatórios

Sintomas:
– Sede excessiva
– Aumento da quantidade de urina
– Vômito
– Falta de apetite
– Diarreia
– Perda de peso sem motivo aparente

Prevenção e tratamento:
– Mantenha o animal hidratado
– Evite dar remédios ao animal sem orientação
– Consulte periodicamente o veterinário

Fonte: Saúde Abril

​Read More