Notícias

Cão é resgatado após viver durante cinco anos preso num porão

Um cão de seis anos foi encontrado preso dentro de um porão em Villers-Semeuse, na região de Ardenas, França. Segundo voluntários da LISA (Liga pelos Interesses da Sociedade e do Animal), que encontraram o animal, este vivia trancado há cinco anos.

Cão da raça yorkshire estava irreconhecível quando foi resgatado (Foto: LISA)

Após receber uma denúncia de uma associação local de protecção de animais, a LISA encontrou o cão, de raça Yorkshire, no meio de excrementos, quase cego e coberto com cerca de três quilos de pelo, que nunca lhe tinha sido cortado, avançou o jornal francês L’Ardennais.

Cão foi salvo após viver cinco anos preso em porão (Foto: LISA)

“Cinco anos a viver no meio do lixo. Cinco anos a viver como um objecto que foi colocado num armário. Não latia, não reclamava. Esperava pacientemente que a porta se abrisse para um pouco de luz e comida”, pode ler-se no site da Liga pelos Interesses da Sociedade e do Animal.

*Esta notícia foi escrita, originalmente, em português europeu e foi mantida em seus padrões linguísticos e ortográficos, em respeito a nossos leitores.

Fonte: Sábado

​Read More
Menina segura galo
Destaques

Inspirador: menina de cinco anos se dedica ao cuidado de animais em santuário

Phoenix tem apenas cinco anos, mas tem um trabalho muito importante e que leva muito a sério.

Menina segura galo
Foto: Greener Pastures Sanctuary

Ela ajuda o Greener Pastures Sanctuary, que acolhe animais resgatados na Austrália Ocidental. Evidentemente, ela não faz tudo sozinha, mas possui algumas responsabilidades muito importantes.

Uma delas é acariciar os galos, como Chi Chi, que precisam de tanto amor como cães, gatos, porcos e vacas. Nenhum galo é muito grande ou pequeno para ser abraçado por Phoenix.

Menina deitada com porca
Foto: Greener Pastures Sanctuary

A menina também é responsável pelo cuidado dos porcos. Porcos como Freckle são animais muito inteligentes e sociáveis e necessitam de bastante a atenção. Phoenix assegura que todos os porcos do santuário sejam bem cuidados passeando com eles e se certificando de que tenham muita companhia, especialmente Wombat.

A porca foi levada para o Greener Pastures após pular de um caminhão em movimento, que provavelmente estava a caminho de um matadouro, segundo o Animals Australia.

Menina dá mamadeira à cabra
Foto: Greener Pastures Sanctuary

Phoenix também ajuda a alimentar todos os animais que vivem no santuário, como a cabra Vinny. Cada refeição é entregue com um beijo.

Phoenix beija cavalo
Foto: Greener Pastures Sanctuary

Quando os animais devem ir a algum lugar, a menina os leva, mesmo que seja apenas para uma árvore. É um trabalho de tempo integral, mas Phoenix não faria isso de outra forma.

Seu amor pelos animais, que moram no local desde que ela era apenas um bebê, é inspirador.

Assim como muitos de nós consideramos cães e gatos como membros de nossa família, Phoenix ama todos os animais do Greener Pastures Sanctuary.

​Read More
Você é o Repórter

Cachorro que ficou cinco anos em abrigo é adotado após foto fazer sucesso na internet

(Foto: Divulgação/Facebook)
(Foto: Divulgação/Facebook)

Um cachorro que estava há cinco anos em um abrigo finalmente ganhou uma família depois que sua foto conquistou a internet.

Chester, um cachorro vira-lata descendente de pit bull, morava no North Fork Animal Welfare League, um abrigo em Nova York. No dia 1º de abril, uma foto de Chester com uma placa foi colocada no Facebook. “Por que ninguém me quer?” era o que se lia na primeira frase.

“Estou esperando há cinco anos. Todos no abrigo dizem que eu sou um bom menino. Então por que ninguém me adotou? Eu prometo ser bom e amar a minha nova família. Vou sentar e esperar você chegar”, dizia o cartaz. A iniciativa foi da gerente do local, Gabby Stroup. Vale dizer que a pose de Chester também contribui para a repercussão da foto.

A imagem foi compartilhada mais de 20 mil vezes e pessoas de vários lugares se disseram dispostas a adotar o cachorro.

“Foi uma loucura”, afirmou Gabby ao Metro. “As pessoas ligaram de Illinois, Carolina do Norte, Mississipi, Michigan, Oregon, Wisconsin, Austrália e outros”. Em dois dias, uma família foi escolhida.

Dana Dor, seu marido Adi e seus dois filhos, moradores de Long Island, no estado de Nova York, foram buscar o novo membro da família.

(Foto: Divulgação/Facebook)
(Foto: Divulgação/Facebook)

Fonte: Época Negócios

​Read More
Notícias

Flamingos de Miami voltam a pôr ovos após cinco anos sem filhotes

Os flamingos do parque Hialeah, um dos cartões postais de Miami, voltaram a pôr ovos, após cinco anos sem se reproduzirem, um feito que o cuidador dos animais admitiu, em declarações à AFP, ter ocorrido graças a um truque: o uso de ovos de gesso.

As aves do parque, de patas e pescoço longos, plumagem rosada e alaranjada e bico negro, famosas por aparecerem na abertura do seriado “Miami Vice” e em vários filmes de Hollywood, pararam de pôr ovos repentinamente em 2009, explicou Dennis Testa, encarregado de operações do Hialeah Park Racing and Casino.

“Tínhamos que tentar de tudo”, explicou Testa, contando que a primeira coisa que faz de manhã, ao chegar ao parque, é dirigir seu carro de golfe laranja para visitar os quase 300 flamingos que vivem em uma pequena ilha com palmeiras no meio de um lago, circundado pela pista para corridas de cavalos do parque, inaugurado em 1925.

Esta foi a segunda vez que Testa recorreu aos ovos de gesso, um método que adotou com sucesso há duas décadas, quando os animais passaram vários anos sem se reproduzir.

Na ocasião, Testa consultou especialistas sobre a falta de ovos, sem obter resposta.

Ele não tem maiores conhecimentos científicos, mas conta com a experiência de ter convivido com os flamingos desde que chegou com a família em 1958, aos 7 anos de idade, ao parque, onde seu pai conseguiu trabalho.

Vinte anos atrás, diante da falta de ovos, ele e o pai decidiram recriar as condições em que as aves se reproduzem: colocaram borrifadores d’água nas palmeiras para simular chuva, pois os animais acasalam na época chuvosa, construíram eles mesmos os típicos ninhos da espécie – de barro e em formato de vulcão – e concluíram o trabalho espalhando ovos de gesso.

“Uma semana depois, (as aves) começaram a pôr ovos. Funcionou”, lembrou Testa à beira do lago, de onde se podem ouvir os fortes grasnidos dos flamingos. De vez em quando, um deles se levanta e deixa à mostra o ovo de grande tamanho que está chocando.

Agora, ele repetiu, com sucesso, o plano que executou com o pai, contou.

Na semana passada, os funcionários do parque contaram 63 ovos, e os filhotes devem sair da casca em julho.

Cientistas consultados pela AFP afirmaram que, sem fazer estudos, é difícil determinar ao certo se os falsos ovos deram às aves o empurrãozinho que faltava.

“Esta pode ser a razão, ou pode ser que tenham decidido voltar a se reproduzir este ano”, disse Jim Dunster, encarregado de aves no zoológico de Miami.

Algumas vezes, as aves precisam de sinais de que outros pássaros estão se reproduzindo para seguir o exemplo, admitiu Peter Frederick, professor de fauna silvestre da Universidade da Flórida.

“O que sei é que funcionou antes, e funcionou de novo desta vez; isto é suficiente para mim”, disse Testa, que não consegue esconder a emoção ao falar destes animais, cujo cuidado é só uma pequena parte de seu trabalho no parque, aberto 24 horas e 7 dias por semana por causa do cassino que se encontra em seus domínios.

A perspectiva de uma nova geração de flamingos, que, quando filhotes, são brancos e acinzentados, alegra os funcionários do parque, que, em 1934, recebeu pela primeira vez um grupo destes animais, trazidos de Cuba.

As fêmeas da espécie, que vive cerca de 50 anos e é originária da península de Yucatán, no México, e das ilhas do Caribe, só põem um ovo por ano.

Os funcionários do parque às vezes recebem ligações de casas vizinhas, visitadas pelas aves. Mas elas sempre voltam, disse Testa. “Esta é a casa deles”, reforçou.

“Talvez tenhamos a chance de trabalhar” para conseguir que a Flórida a adote como ave símbolo do estado, brincou Testa, enquanto supervisionava com binóculos as aves rosadas na ilha sob o sol quente de Miami.

Fonte: Terra

​Read More
Destaques, Notícias

Cinco anos de ANDA e a revolução do olhar humano

A Agência de Notícias de Direitos Animais completa hoje cinco anos de atuação. Entramos no ar pela primeira vez exatamente às 15 horas do dia 28 de novembro de 2008. Somos ainda muito jovens, trilhamos um tempo relativamente curto, considerando o grande impacto que a existência da ANDA teve e continua tendo para a defesa dos direitos animais. O trabalho jornalístico da agência não propiciou apenas uma ampliação do acesso às informações sobre a realidade dos animais, mas vêm cumprindo um papel educativo fundamental, disseminando valores como ética, compaixão, respeito, justiça, solidariedade.

Foto: Olhar Animal
Foto: Reprodução da internet

A imprensa não apenas informa. Ela forma conceitos. Modifica ideias. Influencia decisões. Define valores. Participa das grandes mudanças sociais e políticas trazendo o mundo para o indivíduo pensar, agir e ser. É justamente este o objetivo da ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais: informar para transformar.

A ANDA tornou-se uma referência para o movimento de defesa dos animais, não só no Brasil como no mundo, colaborando decisivamente para colocá-lo em um patamar jamais alcançado junto à sociedade brasileira.

O trabalho realizado pela ANDA está dando voz aos animais e amplificando as reivindicações da causa com o reconhecimento e fazendo valer os direitos dos animais e os deveres para com eles.

Silvana Andrade, fundadora e presidente da ANDA.
Silvana Andrade, fundadora e presidente da ANDA.

A ANDA é hoje referência para a imprensa brasileira, pautando-a nos temas animalistas. Mas o alcance é ainda maior, a agência já é citada como fonte por veículos internacionais, o que comprova a seriedade, profissionalismo e credibilidade da ANDA.

Hoje a ANDA recebe mais de 1 milhão de visitas por mês, de mais de 170 países. É o maior portal de notícias sobre animais do planeta e a ONG brasileira mais acessada na rede mundial. Notícias publicadas na ANDA ajudaram a salvar animais, alteraram projetos de lei, inspiraram a criação de outros PLs mais justos para com os animais, mobilizaram a sociedade, modificaram procedimentos e ações de empresas entre tantas outras conquistas para os animais, para as pessoas e para o planeta.

Equipe ANDA
Equipe de colunistas da ANDA

São vitórias construídas com a colaboração de muitas pessoas. Agradecemos a todos que participaram desta caminhada e aos que continuam conosco: colaboradores, voluntários de diversas áreas e leitores. Ainda estamos no início do caminho, muito ainda temos que fazer pelos animais e por uma sociedade ética e compassiva. A participação de cada um é fundamental para atingirmos mais rapidamente esse objetivo.

Reproduzimos abaixo depoimentos de alguns colunistas sobre a trajetória da ANDA. A todos o meu mais profundo agradecimento e gratidão por acreditarem e fazerem a diferença para os animais.

Siga esta pegada, a humanidade precisa dar mais este passo.

Silvana Andrade
Fundadora e presidente da ANDA

 

“Quando conheci a Silvana Andrade, há mais de dois anos, apresentada por um grande amigo e lutador pelo meio ambiente, Gabriel Bitencourt, entrei em um mundo que sempre procurei e nunca tinha achado, um projeto realmente de valor. Uma Agência de Notícias e informações dedicada ao Meio Ambiente e, em especial, aos animais, era uma necessidade imperiosa em nosso país e naquele momento havia uma trincheira da luta pelos animais, que eram trucidados em nossa sociedade, sem ninguém se importar. Dias trás dia, a ANDA fornece as informações mais variadas e de todas as origens e latitudes, de como o ser humano não respeita o Planeta em que vive. A última cobertura que ela deu sobre o Instituto Royal, muito antes que as agências profissionais de notícias, e com maior veracidade, foi o ápice de um trabalho único no mundo. Desde que conhecemos a Silvana, nos comprometemos com ela em apoiá-la em tudo o que for possível, já que um empreendimento como este transcende fronteiras, ideologias, sentimentos e desnuda para o mundo a face cruel, dominadora, interesseira e egoísta do ser humano, que não se detém ante nada para fazer valer o seu poder onipotente neste mundo. A Agência ANDA completará 5 anos de luta, incompreensões, realizações e reconhecimentos. Sem ela a nossa luta seria ainda mais difícil e os torturadores de animais reinariam ao seu bel prazer, posando de cientistas preocupados com a saúde humana. Nós fazemos um apelo a todos aqueles que lutam pela justiça e por um mundo livre do flagelo dos maus tratos e da tortura contra os animais inocentes que SIGA A PEGADA DA ANDA, ela nos levará a Vitória!”

Dr. Pedro A. Ynterian
Presidente, Projeto GAP Internacional

 

Nos últimos anos, desde o seu surgimento, a ANDA tem cumprido pelo menos dois importantes papéis, essenciais para que ocorra uma mudança na situação na qual atualmente se encontram os seres sencientes não humanos. Como sabemos, tal situação é marcada pelo intenso sofrimento que padecem e o número gigantesco de mortes. Isso é resultado, por um lado, de nossas ações, devido ao uso dos seres sencientes não humanos enquanto recursos, por exemplo. Por outro, é resultado de nossas omissões, devido aos males que padecem que não são oriundos do uso e que poderíamos evitar, como a morte por inanição ou doenças, e também quando escolhemos não nos pronunciarmos diante das injustiças que sofrem. O primeiro papel essencial que a ANDA tem cumprido para mudar essa situação é, devido a ser um portal de notícias, tornar essa situação visível e, com isso, trazê-la para discussão como a importante questão moral e política que é. O segundo papel se deve ao fato de que, através da sua seção de colunistas, da qual sou muito grato por fazer parte, e da total liberdade que a ANDA nos dá para que discutamos toda e qualquer questão que enxergarmos como relevante, contribuir para que haja um debate sério e constante em torno do especismo, que é o principal motivo de os seres sencientes não humanos se encontrarem na situação que estão. A sociedade como um todo necessita urgentemente praticar debate, e a ANDA tem ajudado muito a tornar isso possível.

Luciano Carlos Cunha, coluna Questionando o Óbvio

 

“A crescente importância com o meio ambiente vem sendo percebida na abordagem da imprensa faz algum tempo, há cerca de duas décadas ou pouco mais. Os alardes sobre a devastação das florestas, degelo das calotas polares, rombos na camada de ozônio e poluição da água tomaram cada vez mais espaço nos cadernos de jornais e quadros televisivos.  A preocupação com a natureza voltava-se estritamente para a possível sobrevivência humana aos desastres iminentes provocados pelo próprio ser humano. A relevância do interesse pela preservação do ambiente raramente abarcava de igual forma a proteção aos animais.  A garantia do bem-estar humano manteve-se como motivo determinante entre as manobras para tentar reverter situações que colocassem em risco o ambiente que nos cerca. A percepção dessa lacuna em relação aos animais trouxe à mídia, em 2008, o benefício de um novo olhar. Um olhar irrestrito, que conseguiu trazer à tona detalhes constantemente deixados de lado por se considerarem desprezíveis. A ANDA foi criada a partir de um sonho de mostrar a realidade que os animais vivem e propiciar uma visão transformadora de valores por meio da informação. Por isso sem receio afirmo que a ANDA promoveu na imprensa e na sociedade uma revolução no olhar. Contando com os maiores nomes do abolicionismo animal do Brasil e um time de voluntários engajados na disseminação dos direitos animais, a ANDA tornou-se a maior referência no país quando o assunto é a defesa dos animais. Passou a fornecer pauta para a grande mídia e ter seus textos reproduzidos em veículos de grande difusão nacional. Termos como veganismo, que ainda sequer figuram em dicionários, começaram a ser incluídos em matérias e entrevistas na mídia. Abriram-se discussões sobre a incutida ‘necessidade’ de se explorar animais e a legitimidade de hábitos e tradições permitidos pelas leis, mas contrários à ética e à consciência de que animais também merecem direitos tanto quanto os humanos. Foram 5 anos em que muitos se agregaram à causa – artistas, políticos, magistrados e profissionais de diversas áreas –, tomando a defesa para si e ajudando na propagação do respeito aos animais. A ampliação do círculo de compaixão tem sido progressiva e hoje é possível ver os frutos desse incansável trabalho de tantos que se uniram como colaboradores e de todos os leitores internautas, os maiores responsáveis por essa revolução que extrapolou a web, as redes sociais e chegou à atitude, à consciência, à realidade dos animais. São inúmeras e incontáveis as conquistas desde então. A população, por intermédio deste canal, descobriu que tem em mãos o poder de mudar e que o acesso à informação é o caminho para a descoberta da possibilidade de transformação que cada um possui em si. Como colaboradora desde o nascimento da agência, posso afirmar que nesses 5 anos o que a ANDA me proporcionou foi muito maior do que o mínimo com que pude contribuir com meu trabalho voluntário. O que recebi foi de uma riqueza incomparável a qualquer valor que alguém pudesse me oferecer: adquiri os bens maiores da vida, pois agreguei valores éticos e de compaixão à minha índole, ampliei meus conceitos de solidariedade e sustentabilidade, compreendi a unicidade da natureza que abarca todos os seres em pé de igualdade. Que a ANDA tenha vida longa até o dia em que não seja mais necessário haver um segmento jornalístico para defender e divulgar os direitos animais. Que cada vez mais esses direitos continuem sendo incorporados e assimilados como extensão dos nossos direitos humanos e que sejam respeitados como intrínsecos e inalienáveis à vida em sua plenitude de todos os seres. Parabéns à ANDA, à Silvana Andrade, mestra incansável que, mesmo diante de tantas adversidades, nunca desistiu do sonho (almejado e alcançado) de tornar este canal uma referência, a todos os colaboradores que dispensam horas semanais para contribuir para o crescimento da agência e a disseminação da causa e principalmente a todos os leitores, os grandes protagonistas dessa revolução que está em curso, rumo à paz entre todos os seres.”

Lilian Regato Garrafa

 

“Há os grandes seres humanos, que a gente aprende na escola a admirar. E há aqueles que a gente descobre durante a vida e que, pra nossa sorte, estão perto de nós. A Silvana é uma destas pessoas sim. Através dela nasceu a ANDA e hoje, 5 anos depois, o portal é a maior voz em defesa dos animais do mundo – e são os olhos, a boca, o bico, os ouvidos e os sonares de todos estes seres maravilhosos que, de nós, não podem se defender. É bom demais fazer parte de um time que luta junto trazendo informação, investigando, divulgando ações, matérias, documentários, apoiando e participando de movimentos, lançando livros e, especialmente, tocando o coração das pessoas. Aos poucos, porque é assim que as grandes revoluções acontecem, o movimento em defesa animal cresce, a consciência se expande, os corações se abrem e as ações se tornam mais efetivas, no sentido de banir para sempre a escravidão animal do nosso planeta. Que mais pessoas se juntem à causa é o meu desejo. Seja colaborando diretamente com a ANDA, seja de forma independente, lembrando que o veganismo é a porta de entrada para um novo patamar de evolução moral e espiritual, com certeza, onde todos os seres poderão conviver em paz, para este mundo de paz que todos nós sonhamos se torne real um dia. Parabéns Silvana, por exercer com tanto amor e dedicação o propósito que a trouxe aqui, junto de nós. E parabéns a todos os companheiros que tornam a voz da ANDA cada dia mais forte e mais bonita. #Govegan! #GoANDA”

Rogerio Rothje, coluna Cronicato – Animais e Outros Bichos



Cinco anos de trabalho sério, pautado na perspectiva ética animalista abolicionista, noticiando para o Brasil e o mundo os fatos relacionados ao modo pelo qual os seres humanos ainda tratam os animais que não têm sua configuração biológica e genômica. Esse trabalho é um divisor de águas no jornalismo brasileiro. Parabéns à ANDA, especialmente à pessoa da jornalista Silvana Andrade, por criar esse espaço de expressão da causa animal e por sustentar com seu trabalho diuturno e suas finanças pessoais, mesmo beirando seus limites contábeis, essa instituição sem a qual as brasileiras e os brasileiros estariam há léguas da compreensão do dever de consideração ética por todos os animais. Parabéns também a todos os colegas colunistas, que ofereceram nesses cinco anos, seu trabalho de produção de texto para compor a galeria na qual as reflexões éticas animalistas estão expostas em todos os tons e nuances. É com orgulho que tenho feito parte desse grupo. Minha gratidão a toda gente e aos que visitam essa página diariamente, de todos os países do mundo e de todas as regiões brasileiras.

Sonia T., coluna Questão de Ética

 

“É com imenso orgulho que escrevo, através de uma coluna, artigos sobre desobediência vegana. Desobedecer o sistema de exploração imposto, desobedecer padrões alimentares, educacionais, sistemas econômicos que sugam animais e sociedades, preconceitos vigentes, ideologias camufladas, através da alimentação e do estilo de vida vegano. A ANDA é uma agência de notícias focada nos animais. Posso escrever sobre temas que, em outros lugares, seriam censurados ou ignorados. A importância desse canal está em conquistar leitores do mundo inteiro para o respeito aos animais, para a mudança de atitude em relação ao modo como tratamos nossos semelhantes, não importa a raça, espécie, condição social ou sexo. Estamos mostrando aos leitores que existem novas fronteiras a serem exploradas, quando falamos em respeito ao próximo.”

Ellen Augusta, coluna Desobediência Vegana

 

“Notícia, a matéria-prima do Jornalismo.

Todos os dias o mundo cria dados, números e novas histórias. Normalmente, os mais variados jornais do mundo trazem esses eventos em seus editoriais, desde que, socialmente seja relevante e mereça publicação em uma mídia. Fatos políticos, sociais, econômicos, culturais, naturais e outros podem ser notícia se afetarem indivíduos ou grupos significativos para um determinado veículo de imprensa. Mas e quando a notícia são os animais? Os não humanos é claro, quem irá noticiar? Quando essas histórias, números e dados fazem parte do mundo daqueles que socialmente não preenchem grupos socialmente econômicos? A ANDA vêm noticiando o mundo dos animais e trazendo luz à aqueles que não as têm. Com um objetivo claro, preciso, jornalistico e abolicionista! A notícia é coletada em todos os cantos do globo para que a informação seja tornada enfim em uma ferramenta educativa, as pessoas precisam ler sobre a atual situação dos animais, para que assim, possamos dar esperança e vida satisfatória à todos aqueles viventes na terra. A informação transforma, dá base, estrutura. O movimento de direitos animais sempre precisou de um canal em comum, onde milhares de ativistas trocassem experiências, informassem, aprendessem, ensinassem! Precisamos deste meio e este meio é o portal ANDA. O portal preenche essa necessidade, é sua natureza, dá suporte a esta comunicação, denuncia, investiga, acompanha, informa todos os dias sobre como falar, viver e proteger os animais. Somos felizes em completar mais um ano de vida! Vida longa a todos os veículos com esse espírito, vida longa aos defensores dos Direitos Animais e seus ativistas! Vida longa a Agência de Notícias de Direitos Animais, ANDA! Mudando e educando conceitos em relação às pessoas, ao planeta e os animais.”

Alex Avancini, coluna Ação Direta

 

“Sem desobediência não há mudança. Algo assim foi o que li recentemente na Internet, e achei bacana. A ANDA está conseguindo modificar um paradigma pétreo na Imprensa brasileira, o de publicar notícia sobre animais ou na seção de agronegócio, ou como inusitado / superação / ‘ai-que-amor’. Engatinha-se em nova editorias – com o respectivo impacto e debate por parte do público. Em um planeta midiático, no caleidoscópio desta sociedade da informação, nada melhor do que a luz dos holofotes para instigar, deixar as pessoas desconfortáveis em suas cadeiras, e tratar do ora incômodo tema dos direitos animais. Sabemos que o bombardeio do ‘outro lado’ é pesado e constante, com seu orçamento ilimitado, mas a ANDA se tornou uma trincheira que não é mais possível se ignorar. ‘Com um só palito, para o motor’, dizia Raul Seixas.”

Marcio de Almeida Bueno, coluna Vanguarda Abolicionista

 

“A ANDA está completando cinco aninhos! Em tempo transcorrido parece pouco e o diminuitivo para a data é apenas uma forma carinhosa de retribuir tudo aquilo que essa agência já fez e continua a fazer pela causa animal! Sensibilização feito sementes jogadas ao chão, seja ele fértil ou não! Conscientização que germina, brota e resulta em frutos que alimentam a libertação! Corações sofridos e vidas presas no egoísmo de humanos sem compaixão. Aí está a ANDA, atingindo mentes, aliviando dores e rompendo paradigmas com sua vanguarda rumo à total abolição! Nos sentimos honrados e felizes por colaborar com esse projeto! Não por nós mesmos mas pela certeza de que muitos animais sofreram menos, outros pararam de sofrer e outros não serão trazidos ao mundo para sofrer. Parabéns ANDA!”

Márcio Linck, coluna Eco Animal

 

“Como todos os anjinhos de quatro patinhas que tem me dado o prazer e o privilégio de compartilharem comigo suas vidonas ao longo de minha vidinha, a Anda é parte importante dessa constelação de estrelas que me consola, incentiva e ilumina os caminhos de defensor dos animais. Sempre que desanimo diante da indiferença do mundo pelo destino dos seres viventes não humanos, lá está a Anda a me lembrar que não estou sozinho na batalha. E, de novo, me dá o exemplo da guerreira Silvana e seu exército de brancaleones. Como todo vira-latas, preciso pertencer e seguir a matilha. Minha matilha é a Anda, pequena mas leal e firme na causa. Aos poucos, aumentamos o pouco que somos. Só me resta abanar o rabinho de alegria por mais um aniversário dessa trincheira do bem.”

Ulisses Tavares, coluna Ulissescão

 

“Parabéns à ANDA, que nestes 5 anos conseguiu ajudar animais humanos e não humanos, informando e conscientizando com extrema qualidade e competência. Tenho imenso orgulho de fazer parte deste time de colunistas. Com os artigos sobre nutrição, espero poder auxiliar cada vez mais pessoas na adesão à dieta vegana.”

Mariana Scarpelli, coluna Nutrição Vegetariana

 

“A ANDA é um canal de comunicação único, e à frente do nosso tempo. Além de um site de notícias, infelizmente muito trágicas na maioria das vezes, também é um espaço singular por ser aberto para reflexões sobre a questão animal em sua diversidade de expressões; poesia, ética abolicionista, crônicas, direitos animais, meio ambiente, veganismo, feminismo, arte pelos animais, comida vegana… isso faz da ANDA especial! Em frente!”

Bianca Dantas, coluna Cinema Animalista

 

“A ANDA representa uma das maiores revoluções ao mesmo tempo da imprensa e da causa animal. Pela primeira vez uma agência noticiosa observa o mundo do ponto de vista dos (outros) animais. Esse sempre foi um foco de preconceito na imprensa – quem escreve sobre animais era acusado de futilidade e falta de foco. A ANDA teve a coragem de fazer isso sem medo. E hoje possibilita que se publique, sem qualquer constrangimento, uma matéria com o título “Mulher é presa por atacar um pato na Flórida”. Por outro lado, a ANDA possibilitou inserir a causa animal no mundo “real”. Hoje os militantes do movimento estão menos isolados e segregados e mais integrados ao cotidiano dos seres humanos não-militantes. Com sua visão única de mundo, a ANDA nesses 5 anos transformou a realidade de forma mais profunda do que possa parecer.”

Dagomir Marquezi, coluna Eu sou Animal

 

“A ANDA já faz parte do nosso cotidiano, sempre alerta pelos Direitos Animais. É a nossa referência, demonstra em sua prática a seriedade de um grupo comprometido com os que não têm voz. Representa uma parcela da sociedade brasileira que não concorda com o especismo que domina e tortura os animais não humanos, nossos companheiros de jornada. Tenho orgulho em poder colaborar com esse coletivo de pessoas do bem. Parabéns, ANDA! Cinco anos de atuação em defesa da vida!”

Andresa Jacobs, coluna Valor à Vida

 

“Meu primeiro contato com a ANDA foi um feliz descuido. Algo acidental. Procurava por um assunto e o google se encarregou de me encaminhar para o site. Defino o site como um oásis para aqueles que se interessam pela causa animal. Você encontra informação, reflexão e conhecimento sendo produzido coletivamente, além das notícias sobre direitos animais de todo o mundo. Os colunistas são pessoas de todo o Brasil e com formações acadêmicas diversas. Escrevem sobre os direitos animais na perspectiva da poesia, da filosofia, da ética, da educação, do direito, da pesquisa científica, para citar apenas alguns. Considero o site da ANDA uma plataforma que disponibiliza diferentes ferramentas que facilitam e capacitam seus leitores a discutirem, com consistência, a temática animal.”

Aleluia Heringer Lisboa Teixeira, coluna Plataforma Terráqueos

 

“O que é ANDA? Para mim, não é apenas um acrônimo que representa as vozes coletivas das pessoas que querem compartilhar uma visão de mundo com compaixão e sem sofrimento para os animais. ANDA, para mim (uma pessoa que aprendeu português fora do Brasil), é uma forma do verbo “andar” que significa o ato de se mobilizar. Estou andando neste caminho e sinto-me feliz em saber que não ando só. Cada ideia cai como se fosse do torneira “ping,” e junta com outras ideias, “plop”, para fazer uma corrente de mensagens e energia, “splish”, até finalmente formarem uma poça que com o tempo, cresce e cresce. Através dos artigos, posso divulgar as minhas ideias e tentar convencer outros a adotar o meu estilo de vida. Posso usar esta fonte e falar de todas as razões para não matar, não maltratar, nem comer os animais. Mas, ao fim de tudo, uma lista de sugestões é só uma lista. O melhor seria viver a minha vida numa maneira para ser um bom exemplo do tipo de vida que quero promover. Tenho que “walk the talk” (fazer o que digo). Por que vegano? Porque é importante entender que temos a capacidade de nos liberar da nossa realidade de sofrimento e violência e ter muito mais se nos vemos como parte de todos os seres. Tenho que ser o que quero no mundo. Se destruímos, haverá um efeito em todos de nós. Escrevemos para compartilhar as nossas opiniões e para dar as nossas perspectivas. Depois, os leitores leem e, às vezes, respondem. Essas réplicas e tréplicas, entre os escritores e os leitores, fazem o fluxo e o refluxo que ao final cria um movimento tão forte podendo causar um poder cinético. Cria uma onda. Essa onda tem um grande poder, um grande potencial para ser um tsunami com a capacidade de abrir mentes e liberar-nos do nosso passado, de nossos hábitos, e de nossa cultura de crueldade. Tem a habilidade de afetar mudanças desde o nível mais íntimo até o nível mais global. Não somos separados. Para salvar o nosso planeta, temos que ter uma abertura e evolução da consciência. Fazer parte de ANDA, me deu um sentimento de que sou parte de algo maior do que eu mesma. Tenho que entender também que sou parte de um mundo maior do que eu mesma. Sou uma gota neste oceano de ideias que vai mudar e melhorar o nosso mundo. Anda por ANDA e podemos ser esta ONDA!”

Melissa Martin, coluna Soluções Vegetarianas

 

“ANDA.. nem dá para lembrar como era antes dela, tão importante se tornou. Todos nós, amantes dos animais, em muitos momentos queremos representar a voz humana deles para sensibilizar e inspirar pessoas a os respeitarem. Com amor, comprometimento, coragem, fé, eficiência, dedicação e beleza, a ANDA faz isso.
Gratidão, ANDA, e vida looooooooonga!”

Nina Rosa Jacob, coluna Palavra Animal

 

“Minha gratidão à ANDA por poder fazer parte desta agência. Sou esteticista, uso alternativas naturais para trabalhar e sei da importância de poder compartilhar uma forma mais simples, ética e sem crueldade de se cuidar. E fiquei muito feliz ao receber o convite da ANDA para poder compartilhar minha experiência e poder mostrar a outras pessoas,que é possível viver de forma ética sem crueldade. Sempre admirei a ANDA por seu trabalho sério pelos animais. Fico feliz de poder fazer parte da Agência de Notícias de Direitos Animais, a única com uma forma sem igual de nos manter informados sobre tudo o que acontece com os animais e sobre seus direitos.”

Lili Góes, coluna Beleza sem Crueldade

 

 

​Read More
Notícias

Cachorro que fugiu de casa volta cinco anos depois, nos EUA

Em São Diego, nos Estados Unidos, o vira-lata Mike Brown aproveitou uma oportunidade e escapou de casa e só foi visto novamente pelos tutores após cinco anos, depois de ter sido dado como desaparecido e sem esperança de que fosse retornar. No período em que esteve fora, o cachorro teve uma segunda família, mas acabou devolvido.

Mais velho e mais pesado, o vira-lata não parecia se recordar da velha casa onde vivia, porém tão logo entrou e interagiu com os tutores, ficou claro que o cão sabia quem eram todas aquelas pessoas. O caso americano também foi auxiliado pela tecnologia, algo que não teve tanta influência em histórias parecidas no Brasil.

Assista ao vídeo:

Fonte: R7

​Read More