Destaques, Notícias

Maior parte dos animais resgatados de incêndios no Pantanal não sobrevivem

CRAS

O Centro de Reabilitação de Animais Silvestres (Cras) do Mato Grosso do Sul disponibilizou um boletim na última terça-feira (29) revelando que a maioria dos animais vítimas de incêndios, rurais ou urbanos, não consegue sobreviver. O levantamento das informações foi realizado a partir do trabalho que a instituição, criada em julho de 1987, para receber, ajudar e destinar animais silvestres.

Analisando os resultados da assistência concedida, o Cras constatou que, dos 17 animais acolhidos do dia 12 de setembro até a publicação do informativo, o maior número não resistiu. Um deles foi um veado jovem que tinha escapado de um incêndio em uma zona urbana, no bairro Isabel Garden, em Campo Grande, no início de setembro. Outro bichinho que morreu foi um filhote de cateto, que tinha sido salvo pela unidade móvel do Cras das queimadas no Pantanal.

Quando resgatado, o filhote de cateto estava acompanhado por mais outros dois, que conseguiram continuar com vida. Além deles, dois filhotes de arara e um gavião-asa-de-telha permanecem vivos, sob os cuidados da organização. Dois tamanduás mirins também resistiram, mas já foram tratados e liberados. De acordo com a coordenadora do Cras, Aline Duarte, os animais são encontrados depois de inalar muita fumaça, desidratados e com queimaduras, por isso, o processo de recuperação não é fácil.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

​Read More
Notícias

Animais silvestres ganham espaço para reabilitação em Recife (PE)

centro para reabilitação de animais silvestres
Animais selvagens poderão ser tratados no centro | Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

O Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas), em Recife (PE), teve sua cerimônia de inauguração nesta terça-feira (20), com presença do governador Paulo Câmara. O local funciona desde fevereiro recebendo animais e treinando a equipe de quatro veterinários, oito tratadores e quatro biólogos, tudo para o cuidado de 600 animais, entre aves, répteis e mamíferos. A presidente da Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH), Simone Souza, e o secretário da Semas, Sérgio Xavier, participaram da inauguração.

A comemoração também marca os 40 anos da CPRH. Segundo Simone Souza, são gastos anualmente em torno de R$ 1,5 milhão no Cetas. “A ideia da gente é reabilitar os animais para que eles voltem à natureza. É um trabalho intenso e não é self-service, como costumo dizer, é à la carte, pois os animais têm que ser alimentados um a um”, contou Simone. O local fica no bairro da Guabiraba, na Zona Norte do Recife

O local também oferece interação com a vida acadêmica. Duas aves, um gavião Carcará e outro Carijó, estão usando próteses artificiais de uma impressora 3D, parte de um projeto da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE).

Fonte: Folha PE

​Read More
Notícias

PMA autua traficante com 1005 canários peruanos em MS

Foto: Divulgação

Policiais Militares Ambientais de Três Lagoas (MS) foram acionados, ontem (4) à noite, pela Polícia Civil de Água Clara, devido à detenção realizada pela Polícia Rodoviária Federal-PRF, de um elemento com 1.005 canários peruanos, ontem às 15h. Jonas de Andrade, de 43 anos, residente em Pedra Branca (CE), transportava os animais em um Fiat Palio, placas JGZ 2362, de Brasília. Ele disse aos policiais ambientais que havia pego os animais em Campo Grande, em frente ao camelódramo, e levaria para Brasília. Afirmou ainda que não conhecia a pessoa que os vendeu os animais em Campo Grande e que os contatos comerciais foram feitos por telefone. Com o traficante havia mais 3 pessoas, porém, ele assumiu toda a responsabilidade pelo tráfico, inclusive, afirmou ter pago R$ 10.000,00 pelos animais.

Os pássaros estão sendo encaminhados ao Centro de Reabilitação de Animais Silvestres, que dará o destino adequado. Eles chegam entre 30 e 40 minutos, a partir de agora: 7h50min, no quartel da Polícia Militar Ambiental em Campo Grande, para conferência, antes do encaminhamento ao CRAS.

Jonas foi autuado administrativamente e multado em R$ 502.500,00. Ele ainda responderá por crime ambiental e poderá, se condenado, pegar pena de 06 meses a 01 ano de detenção.

A PMA tem dados que indicam que estes canários saem do Peru e Bolívia e são levados principalmente para Brasília e a região Nordeste para serem utilizados em rinhas.

Esta é a terceira grande apreensão de canários nos últimos 8 meses. Em fevereiro também foram apreendidos 1005 e em setembro do ano passado 1236.

A Polícia Civil de Água Clara cuidará da investigação para localizar os demais envolvidos no tráfico.

Fonte: MS Notícias

​Read More
Notícias

PMA recolhe três filhotes de aves em Três Lagoas (MS)

(Foto: PMA)

A Polícia Militar Ambiental (PMA) recolheu três filhotes de aves ‘maritaca’ que haviam caído de um ninho devido ao forte vento provocado pela chuva na segunda-feira (7), em Três Lagoas, MS.

Os filhotes foram entregues a PMA por um morador do bairro Interlagos. As aves foram encaminhadas ao Centro de Reabilitação de Animais Silvestres da Capital.

Fonte: Correio do Estado

​Read More
Notícias

Centro de reabilitação recebe equipamentos para aprimorar tratamento de animais

O Centro de Reabilitação de Animais Silvestres (Cras) recebeu, no início de fevereiro, equipamentos para melhoria no atendimento e agilidade na demanda dos serviços administrativos.

Por meio de um termo de Doação, o Centro recebeu da empresa International Paper do Brasil uma Câmera digital Sony modelo Alpha DSLR-A390, um Cartão de memória Sandisk Pro Duo 16GB, um Binóculo Lugan Gladiator 25-125×80 BS Triplet e dois pares de rádios comunicadores – Transceptor portátil Motorola Talkabout MR350R.

De acordo com o gestor do Cras, Élson Borges, estes equipamentos vão auxiliar no monitoramento dos animais. “Recebemos binóculos e pares de rádios comunicadores (walk talk) para realizarmos o manejo e o monitoramento dos animais, principalmente nas ações de soltura. Os binóculos são específicos para monitoramento das aves. A máquina fotográfica servirá para registrarmos os animais que chegam ao Cras”, informou Élson.

Outro investimento que o Cras está recebendo é a instalação de uma câmara fria. Um termo de Colaboração Mútua estabelece uma parceria entre o Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul) e a Agência de Gestão de Empreendimentos (Agesul) para atender despesas de execução de infraestrutura, fornecimento e instalação de uma câmara fria no Centro de Reabilitação de Animais Silvestres (Cras) para atender o interesse do Centro.

“A câmara fria servirá para manter resfriados os alimentos servidos aos animais, principalmente carnes e frutas”, informou o responsável pelo Cras.

O Cras é um centro onde animais silvestres recebem atenção e passam pela reabilitação até serem reintegrados à natureza. A maioria das espécies que chegam ao Centro são aves (papagaios, periquitos), apreendidas de traficantes.

Fonte: MS Notícias

​Read More
Notícias

Onça que fugiu de centro de reabilitação há um mês é vista em parque no MS

O Corpo de Bombeiros voltou, ontem à tarde, a procurar a onça que fugiu do Centro de Reabilitação de Animais Silvestres (Cras) no dia 29 de outubro.

As buscas começaram depois que uma pessoa que fazia exercício no Parque das Nações Indígenas disse a um guarda patrimonial ter visto o animal. Ele, então, ligou para os bombeiros, que foram até o parque.

Os militares percorreram o entorno do Córrego Prosa, dentro do parque, mas nada encontraram. As buscas começaram por volta das 17 horas e foram suspensas às 18h30min.

Fonte: Correio do Estado

​Read More
Notícias

Capivara é resgatada de residência em Campo Grande, MS

A Polícia Militar Ambiental de Mato Grosso do Sul resgatou, na manhã desta quinta-feira, de uma residência no bairro Maria Aparecida Pedrossian, zona Leste de Campo Grande, a capivara que nesta quarta-feira à tarde ‘passeava’ pelas ruas do bairro. O animal foi visto por moradores que ‘acomodaram’ a capivara no imóvel sem moradores.

Segundo o presidente da Associação dos Moradores do bairro, Jânio Batista de Macedo, a capivara apareceu no fim da tarde e passeou tranquilamente pela Rua Antonio Alves Setti. O animal circulou entre carros sem se assustar.” Na parte de cima do bairro não é comum aparecer animal, ao contrário da parte baixa, próxima à Área de Proteção, onde surgem macacos, quatis e muito raramente capivaras”, contou Macedo.

Para evitar acidentes, os moradores conduziram a capivara até um imóvel fechado na Rua Antonio Setti. Os bombeiros foram chamados, mas disseram que a ocorrência deveria ser atendida pela PMA. Moradores também ligaram para o Centro de Reabilitação de Animais Silvestres (CRAS), mas o órgão não dispõe de veículos para o transporte de animais. A PMA também alegou não dispor de viatura no momento.

A capivara passou a noite na residência e foi alimentada com milho e folhagens. Na manhã desta quinta-feira, a capivara foi levada pela PMA ao CRAS, onde será examinada e depois solta em seu habitat natural.

O animal pode ter saído da Área de Proteção Ambiental do Córrego Lageado, manancial responsável por 12% da água que abastece 26 bairros de Campo Grande. A área tem 3.500 hectares divididos em áreas urbanas e rurais. A área urbana está localizada no entorno lateral e final do residencial Maria Aparecida Pedrossian, onde a capivara se refugiou, além do Jardim Samambaia e Conjunto Oiti.

A reserva da Apa Lageado foi criada em 2001 com o objetivo de recuperar e conservar os recursos hídricos e proteger o ecossistema da região.

Fonte: O Globo

​Read More
Notícias

Jacaré morre depois de lagoa secar no Parque dos Poderes

Foto: Simão Nogueira
Foto: Simão Nogueira

Um jacaré morreu após a lagoa onde ele vivia praticamente secar. A carcaça do animal ainda está na área, que pertence a uma construtora, no Parque dos Poderes, em Campo Grande (MS).

Além da impressão de abandono, a falta de conservação tomou conta do local. Ao lado da carcaça do jacaré há uma garrafa pet, e por perto outras embalagens espalhadas onde antes havia água.

De acordo com o funcionário da empresa à qual pertence a área, Sebastião Alves, de 52 anos, o animal vivia ‘escondido pelos matos’. “Quando soubemos que ele tinha morrido, já tinha só a carcaça”, afirma.

Ele garante que a lagoa onde o jacaré vivia é abastecida apenas com a água da chuva, e que não há seque córrego nas proximidades. “Ninguém sabe nem de onde ele veio”, completa.

Entretanto, o coordenador do Cras (Centro de Reabilitação de Animais Silvestres), Vinícius Lopes, garante que o local é uma nascente do córrego Desbarrancado.

Segundo o coordenador, um dos biólogos do Cras fez pesquisa recente sobre os peixes do Parque dos Poderes e detectou que o local estava abastecido de várias espécies. Por isso, não houve preocupação com o jacaré.

Ele afirmou ainda que se tivesse conhecimento da situação de perigo do animal, teria tomado providências.

“O procedimento padrão quando animal está na natureza é não interferir. Até o momento, a gente pensava que ele tinha acesso a água e a peixes. Não sabíamos da morte dele”, afirmou.

Questionado sobre o fato da água ter secado, ocasionando a morte do animal, ele não soube explicar, mas levantou uma hipótese: a interferência das obras de um condomínio nas proximidades.

A PMA (Polícia Militar Ambiental) também não alega não ter sido comunicada da morte do animal. Informado do fato, o comandante major Carlos Sebastião Matoso Braga chegou a perguntar se ele havia sido atropelado.

O proprietário da área foi procurado para esclarecer o motivo da morte do animal, mas não pôde atender à equipe de reportagem.

A empresa ficou de retornar com uma resposta dele, entretanto não se manifestou até a publicação desta matéria.

Fonte: Campo Grande News

​Read More