Especialistas alertam que só restam 3 anos para evitar catástrofe climática
De olho no planeta

Especialistas alertam que restam três anos para evitar catástrofe climática

 

Especialistas alertam que só restam 3 anos para evitar catástrofe climática
Foto: Reprodução/Phys

A humanidade deve diminuir as emissões até 2020 para limitar o aquecimento global a dois graus Celsius,  que é o objetivo fundamental do acordo climático de Paris, alertam especialistas.

Um mundo com aquecimento além desse sofrerá impactos devastadores que vão desde ondas de calor mortais até a migração em massa acarretada pelo aumento dos mares, ressaltaram os especialistas na revista científica Nature.

Com um grau Celsius  de aquecimento até agora, as placas de gelo têm derretido mais rapidamente, os recifes de corais estão morrendo por causa do estresse térmico e cada vez mais ondas de tempestade prejudiciais afetam as comunidades costeiras.

A transição para fontes de energia mais limpas tem ocorrido e existe um amplo consenso sobre a necessidade de vencer a ameaça das mudanças climáticas – com a exceção dos Estados Unidos comandado pelo presidente Donald Trump.

Apesar da estabilidade das emissões de dióxido de carbono, o “orçamento de carbono” do planeta – a quantidade de CO2 que pode ser liberada para a atmosfera ultrapassar a linha vermelha de dois graus Celsius  – seria usado em algumas décadas.

“Há um longo caminho a percorrer para descarbonizar a economia mundial. Quando se trata do clima, o tempo é tudo”, diz um comentário assinado pela ex-líder do clima da ONU Christiana Figueres, três cientistas climáticos e dois especialistas em sustentabilidade do setor empresarial.

Os autores pediram que os líderes se reunissem na cúpula do G20 em Hamburgo, na Alemanha, de 7 a 8 de julho para estabelecer o ano de 2020 como um momento crucial para agir, segundo o Phys.

Porém, após a decisão de Trump de retirar os EUA do Acordo de Paris, assinado por 196 nações, e sua recusa em se juntar a um consenso climático em uma cúpula do G7 no final de maio, esse desfecho parece duvidoso.

Uma série de critérios deve ser cumprida até 2020, segundo o comentário.

A energia renovável – principalmente a energia eólica e solar – deve representar pelo menos 30% do fornecimento de eletricidade no mundo. Além disso, nenhuma usina adicional de energia a carvão deve ser aprovada após a data.

No setor de transporte, os veículos elétricos – que atualmente representam 1% das vendas de carros novos – devem conquistar 15% do mercado até a data.

Os governos também precisam exigir uma melhoria de 20% na eficiência de combustível para veículos pesados e uma redução de 20% na poluição gerada por dióxido de carbono a cada quilômetro percorrido no setor de aviação.

O CO2 da indústria da aviação representa cerca de 2% de todas as emissões geradas por seres humanos.

Os gases de efeito estufa resultantes do desmatamento e da agricultura, que atualmente representam 12% do total global, devem ser reduzidos a zero em uma década, escreveram os especialistas.

Eles também pediram medidas concretas para reduzir o carbono emitido pela indústria pesada, assim como por construções e infraestrutura.

Finalmente, os governos e os bancos devem multiplicar por 10 o montante de “títulos verdes” usados para o financiamento de medidas de diminuição de CO2, atualmente em torno de US$ 81 bilhões.

​Read More