Notícias

Após morte de jumentos por maus-tratos, matadouro é proibido de confinar animais acima da capacidade

Um matadouro da cidade de Itapetinga, na Bahia, foi proibido de confinar animais acima da capacidade que o estabelecimento tem de matá-los após 200 jumentos morrerem em decorrência de maus-tratos. A proibição feita pela Justiça tem como foco o Frigorífico Regional Sudoeste, responsável por matar jumentos explorados pela empresa chinesa Cuifeng Lin.

(Foto: Reprodução/TV Sudoeste)

A decisão judicial, publicada na última sexta-feira (21) e divulgada na segunda (24), determina ainda que o matadouro não pode transportar ou receber animais que estejam sem a Guia de Trânsito Animal (GTA), documento emitido pela Agência de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab).

Foi determinado também que o matadouro e a empresa devem disponibilizar alimentação, hidratação e acompanhamento médico-veterinário aos jumentos.

Nos casos em que o Ministério da Pecuária, Agricultura e Abastecimento (Mapa) não autorizar que determinados animais sejam mortos, um local adequado deverá recebê-los, onde devem ser tratados de acordo com as normas sanitárias até que sejam liberados para serem mortos ou para terem outra destinação.

Se as determinações judiciais forem descumpridas, o matadouro e a empresa responsável pelos jumentos podem ter as atividades suspensas.

Mortes por maus-tratos

Os 200 jumentos que morreram em decorrência de maus-tratos estavam em uma fazenda para a qual os animais são levados antes de seguirem para o matadouro. Depois de serem mortos, a carne dos jumentos é exportada para o Vietnã.

(Foto: Reprodução/TV Sudoeste)

No início de setembro, devido à morte dos animais, a fazenda foi interditada pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente. O local é foco de investigação da Polícia Civil e do Ministério Público Estadual (MP-BA) e está sendo fiscalizado pela Agência de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab).

Por causa da interdição, apenas os jumentos que já estavam na fazenda estão sendo encaminhados ao matadouro. Isso porque a empresa foi proibida de levar novos animais para o local. O matadouro, por sua vez, comprometeu-se a suspender as operações até que a empresa chinesa resolva as irregularidades.

Nota da Redação: a ANDA repudia os maus-tratos sofridos pelos jumentos que não suportaram as condições inadequadas as quais foram submetidos e a falta de alimentação e, por isso, perderam a vida. No entanto, é necessário lembrar que mesmo que as regras estabelecidas pela Justiça – sobre a obrigatoriedade de oferecer “alimentação, hidratação e acompanhamento médico-veterinário” – sejam cumpridas, a prática de explorar jumentos para consumo humano não deixará de ser cruel. Fazer com que animais nasçam apenas para que sejam explorados e mortos é uma atrocidade e não há como ser diferente, já que é inaceitável tirar a vida de quem deseja viver. 

​Read More
Notícias

Estoques de carne congelada alcançam capacidade máxima devido à queda no consumo

Os armazéns de carne congelada estão quase cheios devido a um declínio na demanda dos consumidores por carne de frango, de porco e de boi.

Os armazéns de carne congelada estão quase cheios devido a um declínio na demanda dos consumidores por carne de frango, de porco e de boi.
A conscientização dos consumidores acerca dos malefícios causados pelo consumo de carne, tanto para os animais, quanto para os seres humanos, é o maior motivo da queda no consumo do produto. (Foto: Reprodução)

Os números divulgados esta semana pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) revelam que os estoques de carne nos Estados Unidos estão se aproximando de um recorde de mais de 1,1 bilhões de quilos. Os produtos de carne em excesso são mantidos em armazéns frigoríficos, que estão atingindo capacidade máxima, de acordo com o The Wall Street Journal.

Embora as tarifas impostas pela China e pelo México tenham amortecido a capacidade dos EUA de exportar seus produtos animais, o declínio na demanda do consumidor interno teve um impacto significativo no estoque crescente de carne do país.

Apesar do estoque quase recorde, o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos estima que a indústria produzirá 46,5 bilhões de quilos de carne este ano, o que resultará em uma perda significativa de lucro para os agricultores que se esforçarão para vendê-lo com um grande desconto.

Enquanto isso, a indústria láctea norte-americana também observou uma grande queda em sua demanda. Dessa forma, os produtos lácteos também estão se acumulando, com os estoques de queijo chegando a um recorde de 630 milhões de quilos no início deste ano.

Em âmbito global, o consumo de leite diminuiu 22% entre 2006 a 2016, de acordo com um relatório recente da Cargill.

A conscientização dos consumidores acerca dos malefícios da ingestão de produtos de origem animal têm causado um impacto além do esperado no setor da agricultura industrial. Ao mesmo tempo, a mudança no consumo tem incentivado o surgimento de empresas – e a migração de algumas já existentes –  que fornecem produtos à base de plantas. Graças à crescente demanda, este mercado é extremamente otimista e está em constante expansão.

​Read More