Notícias

Levantamento revela o destino terrível que os cavalos exportados pela Austrália enfrentam

Foto: PETA
Foto: PETA

Outros 11% estão listados nos registros da Korean Racing Authority (KRA) como “indeterminado”, uma entrada que muitas vezes coincide com o fim abrupto do histórico médico, ou a listagem de uma lesão que é incompatível com as corridas.

Segue-se a publicação pela Guardian Austrália de imagens secretamente gravadas por investigadores da PETA em um dos principais matadouros de cavalos em Nonghyup na Ilha de Jeju na Coréia do Sul, mostrando cavalos sendo espancados na cabeça com tubos de plástico antes de serem empurrados para pelos corredores do matadouro.

Esse vídeo inclui imagens de três cavalos australianos, incluindo o Dynamic Tank, Bareal Jeong e Winx, todos explorados em corridas de cavalos e considerados “campeões” sendo que o último deles foi listado em uma auditoria – realizada em registros de 40 anos de mortes – realizada pela KRA em 2015. Ele provavelmente foi morto em 2010, quando seus registros veterinários terminam.

Uma análise dos registros Australian Stud Book e KRA mostra que dos 190 cavalos exportados da Austrália para a Coréia do Sul entre janeiro de 2013 e maio de 2019, 22 estão listados como tendo sido enviados para o matadouro e 29 estão listados como tendo morrido, acredita-se que a maioria dessas mortes esteja ligada à indústria da carne.

Outros 11 morreram em consequência de acidentes durante uma corrida ou treino, ou devido a doenças como cólica. Cerca de 27% – ou 53 cavalos – ainda estavam competindo, com a maioria desse número sendo de cavalos que haviam sido exportados mais recentemente. Treze cavalos haviam sido transferidos para a indústria de criação, e 40, ou 21%, haviam sido aposentados como cavalos de passeio.

O tempo médio entre a data listada de exportação da Austrália e a data em que um cavalo morreu, ou foi listado “indeterminado”, é de 22 meses.

O cientista-chefe da RSPCA, Bidda Jones, disse que as imagens mostram que há “problemas óbvios que precisam ser resolvidos” se a Austrália pretende continuar exportando cavalos.

“Pedimos à Racing Austrália que trabalhe em estreita colaboração com suas contrapartes estrangeiras para garantir o manejo humano dos cavalos australianos ao longo de suas vidas, seja aqui ou no exterior”, disse Jones.

Jones disse que a história recebeu “milhares de reações de revolta e ira” dentro de uma hora depois de ser compartilhada na página do Facebook da RSPCA na quinta-feira.

“Os australianos não vão tolerar a violência e a crueldade contra os animais”, disse ela

Jones comparou a reação expressada pelas pessoas às respostas ao comércio de exportação de ovinos vivos, que foi fortemente restringido após o lançamento no ano passado de imagens terríveis divulgadas nas mídias sociais.

“Nesta época em que vivemos, não há onde se esconder”, disse ela. “Se os animais sob seus cuidados não estiverem sendo bem tratados, quando isso acontecer, onde quer que isso aconteça, você será descoberto”.

Jones disse que as indústrias que dependem de animais devem abordar essas questões “muito antes de serem expostas em uma reportagem de alcance mundial”.

A Racing Austrália mostrou imagens do matadouro na terça-feira última, mas disse que não pretendia expandir uma declaração anterior sobre protocolos de aposentadoria de cavalos introduzida na Austrália em 2015, e também expressou seu apoio ao estabelecimento de um registro de rastreabilidade de cavalos financiado pelo governo.

Embora contatada a entidade não respondeu a um pedido de comentário.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA


 

​Read More
Destaques

Ativistas acusam Facebook de promover e divulgar lutas com animais

Página no Facebook que posta vídeos de briga de cães | Foto: Lady Freethinker
Página no Facebook que posta vídeos de briga de cães | Foto: Lady Freethinker

O Facebook foi acusado de servir como plataforma de divulgação mundial de briga de cães após uma investigação realizada por uma ONG descobrir que o site está sendo usado por organizadores inescrupulosos de lutas entre animais e comerciantes de cachorros, conforme informações do The Guardian.

Lady Freethinker (LFT), a organização de defesa dos direitos animais, afirma que o gigante das mídias sociais não está cumprindo suas próprias políticas, que proíbem conteúdo violento e a venda de animais.

Em um relatório chamado “The Deadly Underground World of Dogfighting on Facebook” (Os Bastidores Mortais das Lutas de Cachorros no Facebook”, na tradução livre), compartilhado com o Observer, a ONG acusa o Facebook de se tornar o “primeiro ponto de encontro” para a discussão de determinados cães e criadores envolvidos no comércio, muitas vezes mortal, com grande parte do debate ocorrendo em fóruns (grupos) fechados.

Entre dezembro de 2018 e fevereiro deste ano, um investigador da ONG pesquisou no Facebook e encontrou grupos, páginas e perfis promovendo brigas de cães e o tráfico de animais usados para brigas de cães. Mais de 2 mil posts e 150 páginas foram encontradas. Os cinco principais grupos tiveram um acompanhamento combinado de mais de 160 mil usuários do Facebook.

O investigador relatou 26 postagens no Facebook por violar suas políticas. Mas a empresa se recusou a remover todos, com exceção de seis, sugerindo que o investigador simplesmente bloqueie, desate ou pare de seguir as postagens que reconheceu “ainda podem ser ofensivas ou desagradáveis”.

Alguns posts registraram quantas lutas os cães haviam vencido. Outros vendiam cachorros que haviam sido criados por combatentes de sucesso. Inúmeras fotos mostravam cachorros acorrentados, com os dentes à mostra e cicatrizes no rosto.

“Este nível de violência e exploração de cães é terrível”, disse a fundadora da LFT, Nina Jackel. “O Facebook é frequentemente usado como uma plataforma para que a defesa dos direitos animais realize mudanças positivas, mas, como mostra o nosso relatório, não está protegendo os animais inocentes do abuso e da possível morte. Ao não aplicar suas próprias políticas contra a crueldade com os animais, o Facebook é cúmplice na perpetuação de atos criminosos contra cães”.

O investigador pesquisou no Facebook os termos comumente usados associados à briga de cães. Ele também seguiu os grupos “sugeridos” do Facebook, que frequentemente eram encontrados na busca para promover atividades de briga de cães, e apontou preocupações sérias sobre um número de grupos fechados que acreditavam promover a atividade.

Muitas das páginas e grupos usam terminologia codificada que não sugere imediatamente a promoção de brigas de cães. Um cão pode ser descrito como um “grande campeão” (Gr Ch) com cinco vitórias ou um “campeão” com três vitórias (Ch). Outra referência comum era o tipo de ringue em que os cães geralmente lutam, com uns medindo 4 pés por 4 pés comuns (cerca de 1,20m por 1,20m).

A ONG Lady Freethinker, que tem sede em Los Angeles, lançou uma petição on-line, DefeatDogfighting.org, pedindo que o Facebook encontre ativamente e remova com urgência todo o conteúdo que promove a briga de cães, o que é ilegal na maioria dos países, mas continua sendo uma atividade clandestina comum.

Criminalizada no Reino Unido desde a implantação da lei de crueldade contra os animais (Cruelty to Animals Act 1835) e crime também em todos os estados dos EUA, os grupos de direitos animais temem que a atividade possa agora ter migrado para as mídias sociais.

Um porta-voz do Facebook disse que a empresa estava investigando as acusações. “O conteúdo que promove ou retrata lutas de animais contra animais não é permitido no Facebook”, disse ele. “Agradecemos a Lady Freethinker por trazer esses posts à nossa atenção e conhecimento, nós os contatamos para que possamos obter as informações necessárias para investigar esse conteúdo”.

“Se as pessoas virem algo no Facebook, que acharem que fere ou quebra os padrões da nossa comunidade, nós os incentivamos a denunciá-lo usando as ferramentas da plataforma para que nossas equipes possam investigar e tomar as medidas adequadas”.

​Read More