Você é o Repórter

Cal Parede realiza nova edição nesta quinta-feira, 18, em Porto Alegre (RS)

Juliano Zabka
jzabka@unisinos.br


Será nesta quinta-feira, 18, a partir das 20h30 (se não chover), nova edição da CAL PAREDE, um contraponto às vaquinhas felizes. A intenção é levar à população outro ponto de vista sobre a situação desses animais.

Desta vez será na Rua Padre Chagas, a chamada calçada da fama, em Porto Alegre (RS). Quem puder comparecer, será bem-vindo e quem tiver disponibilidade para colaborar com a atividade, basta escrever para gae.portoalegre@gmail.com e obter mais detalhes.

Contamos com a presença de tantos quantos possam ir e ajudar a esclarecer as perguntas feitas por passantes. Em edições futuras, iremos a outras partes da cidade.

Serviço
O quê: CAL PAREDE – intervenção urbana em contraponto à Cow Parade
Quando: quinta-feira, 18 de novembro, 20h30
Onde: Rua Padre Chagas, a calçada da fama
Autor: Juan Corvalán
Apoio: Grupo pela Abolição do Especismo GAE (www.gaepoa.org)
Contato: (51) 8416-6138 com Janie (MTB 770)

A primeira CAL PAREDE
Ok, era uma sexta-feira e a frente havia um feriadão. Vocês esperavam o ônibus, ansiosos por chegar em casa. Não entenderam quando a camionete estacionou perto da parada de ônibus e foi montado um equipamento de vídeo e de som. Pensaram que seria bom, porque o tempo de espera seria preenchido com um filme. Vocês não sabiam o que significava Cal Parede até começarem as imagens. Dolorosamente reais. O estômago se revirou, a consciência balançou. Pensaram no que haviam comido no almoço, no lanche da tarde e pensaram nas fotos que tiraram junto às vacas “felizes” pintadas por artistas. Pensaram em desviar o olhar, mas o som não deixava esquecer. Melhor ver tudo, melhor saber. Melhor falar com as pessoas que trouxeram o filme, perguntar alguma coisa. Melhor sair logo dali, embarcar no primeiro ônibus e esquecer. Só que já não era mais possível. A conexão fora feita, o leite perdera a inocência, a carne deixara de ter sabor, e as vaquinhas da cow parade não lhes enganavam mais.

​Read More