Histórias Felizes, Notícias

Homem viaja pelo México em triciclo resgatando cães abandonados

A jornada de Edgardo Zuñiga começou em 17 de julho de 2013 quando, a bordo de um triciclo de carga, ele resolveu atravessar o México para resgatar cães em situação de rua. Até então, pode-se dizer que ele foi bem sucedido: em cinco anos de estrada, conseguiu viajar por metade do país e dar outro sentido à vida de cães que, sozinhos, vagam pelas ruas.

Reprodução | Agencia EFE

Vestindo roupas que as pessoas doam para ele, ele anda dia e noite em seu triciclo carregando comida, água, roupas extras, bem como um remédio para os cães. Tem sempre a mesma missão em mente: proporcionar uma vida melhor para esses animais, muitos dos quais foram abandonados ou abusados ​​por humanos.

Focado nesta aventura, ele foi parar no sul do estado de Chiapas, na fronteira com a Guatemala. Mas não fez todo o trajeto só: estava acompanhado por 14 cães que ele resgatou. Agora, estes são os seus companheiros de viagem. “Cães de muitas partes diferentes do México me acompanham, que moravam na rua e ninguém queria adotar”, ele conta em entrevista ao portal EFE.

Agora, os cães que foram resgatados, fazem parte de sua “equipe de resgate de cães”, e mostram a outros cães “como confiar nas pessoas”. O ativista conta que resgatou mais de 400 cães em situação de rua desde que começou a sua jornada.

Reprodução | Agencia EFE

Segundo Edgardo, sua viagem busca “abrir a mente das pessoas”. Para ele, agora com 48 anos, a sua jornada é um sacrifício simbólico. O que ele quer é mais do que ajudar a vida dos animais; ele espera passar uma mensagem à sociedade.

“Eu não peço nada em troca. Eu só quero que as pessoas vejam o que esses animais fiéis podem fazer pelos seres humanos”, ele explica. Durante sua jornada, Edgardo não apenas resgata e ajuda os animais que estão nas ruas e cuida deles, mas também coloca muitos outros para adoção.

A crueldade animal é uma ofensa criminal em aproximadamente metade dos 32 estados do México, incluindo o estado do México, Guanajuato, Jalisco e Michoacán. Para Edgardo, no entanto, evitar o abuso de animais é algo que uma legislação sozinha não consegue resolver. Depende, em grande parte, da instauração de uma cultura que propague a preocupação e o respeito pelo bem-estar animal.

​Read More
Notícias

Centro de reabilitação com capacidade para 150 animais marinhos é inaugurado em SP

O mais novo Centro de Reabilitação e Despetrolização de Animais Marinhos (CRDAM) foi inaugurado nesta sexta-feira (17) em Cananéia, no litoral de São Paulo. A obra, realizada pelo Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS), foi entregue ao Instituto de Pesquisas Cananéia (IPeC).

Reprodução | G1

O novo equipamento, com capacidade para atender até 150 animais marinhos, entre pinguins, aves voadoras, mamíferos e tartarugas, é um espaço para a realização do atendimento veterinário aos animais resgatados no monitoramento das praias, bem como a reabilitação, cirurgias, necropsias e exames laboratoriais.

O gerente operacional do PMP-BS, Caio Noritake, explica que, para a região, o novo centro é muito importante. “Não tínhamos estrutura para atender esses animais. A instalação foi pensada e estruturada para isso, é um hospital veterinário completo, com capacidade para atender com excelência diversos grupos de animais marinhos. Temos tanques e recintos para atender todos os animais”, conta.

Reprodução | G1

Desde o dia 1º de agosto, mais de 270 pinguins-de-magalhães (Spheniscus magellanicus), diversas tartarugas-verdes (Chelonia mydas) e outros animais marinhos foram encontrados nas praias do litoral do estado, totalizando mais de 300 animais. Todos foram resgatados e tratados pelos médicos veterinários do IPeC.

No auditório instalado no espaço, a população e turistas que estiverem na região do Vale do Ribeira poderão conhecer melhor o trabalho realizado no centro. “A gente consegue atender a população com atividades de educação ambiental, e poderemos repassar e mostrar para todos o local, o que fazemos e a importância desses animais”.

O instituto já atua em Cananéia desde a década de 80, desenvolvendo pesquisas e atividades de educação ambiental para a conservação da vida selvagem e, desde 2015, tornou-se uma das instituições executoras do Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS).

Reprodução | G1

Ao todo, o PMP-BS contará com quatro Unidades de Estabilização nas cidades de Laguna e São Francisco do Sul (SC), e em São Paulo, nas cidades de Praia Grande e São Sebastião; cinco Unidades de Reabilitação e Despetrolização construídas nas cidades de Florianópolis (SC), Pontal do Paraná (PR), Cananéia, Guarujá e Ubatuba, em São Paulo. Além desses dois tipos de estrutura, o projeto conta com mais duas Bases de Apoio, em Imbituba (SC) e na Ilha de Superagui (PR).

Em caso de encalhe de animais nas praias, a população pode acionar o IPeC por meio do telefone 0800-6423341.

Reprodução | G1


O projeto

O PMP-BS é uma atividade desenvolvida para o atendimento de condicionante do licenciamento ambiental federal das atividades da Petrobras de produção e escoamento de petróleo e gás natural no Pólo Pré-Sal da Bacia de Santos, conduzido pelo Ibama, e tem como objetivo avaliar os possíveis impactos das atividades de produção e escoamento de petróleo sobre as aves, tartarugas e mamíferos marinhos, por meio do monitoramento das praias e do atendimento veterinário aos animais vivos e mortos.

Fonte: G1

​Read More
De olho no planeta

Cafeteria Starbucks eliminará todos os canudos de plástico de suas lojas até 2020

A Starbucks anunciou recentemente que proibirá canudos de plástico descartáveis de suas mais de 28 mil lojas ao redor do mundo. O intuito é que até 2020 o projeto esteja finalizado. A decisão eliminará mais de um bilhão de canudos por ano, que serão substituídos por uma nova tampa – também feita de plástico, mas que pode ser reciclada.

Reprodução | Plant Based News

A nova tampa apresenta uma abertura do tamanho de uma impressão digital, e é descrita pela empresa como “uma versão mais limpa e menos rígida de uma tampa de café”. Atualmente, a loja já está substituindo os canudos em um pequeno número de bebidas, incluindo a Draft Nitro e a Cold Foam, em mais de oito mil lojas – até agora só nos EUA e no Canadá.

“A tampa se tornará padrão para todas as bebidas geladas, exceto Frappuccino, que será servido com um canudo feito de papel ou plástico compostável PLA fabricado a partir de amido fermentado ou outro material sustentável”, afirmou a empresa em posts nas redes sociais.

Reprodução | Plant Based News

“Os clientes que preferem ou precisam de um canudo podem pedir um de materiais alternativos para qualquer bebida gelada. No ano passado, em Santa Cruz, Califórnia, a Starbucks começou a testar palhinhas feitas de outros materiais que não o plástico tradicional. Agora está no meio. de testar canudos de papel em suas lojas no Reino Unido”, eles continuam.

Sobre a mudança, Chris Milne, diretor de embalagens da Starbucks, disse em entrevista ao portal LIVEKINDLY que “por natureza, o canudo não é reciclável e a tampa é, então sentimos que esta decisão é mais sustentável e mais socialmente responsável. A Starbucks está finalmente desenhando linha na areia e criando um modelo para outras grandes marcas possam seguir. Estamos elevando a linha de água para o que é aceitável e inspirando nossos pares a seguir o exemplo.”

“Esta medida é uma resposta aos nossos próprios parceiros sobre o que podemos fazer para reduzir a necessidade de canudos. Não usá-los é a melhor coisa que podemos fazer para o meio Ambiente”, completa Colleen Chapman, vice-presidente da Starbucks Global Social Impact, e supervisora ​​de sustentabilidade.

Essa decisão é um exemplo de como as empresas podem desempenhar papéis decisivos na contenção da poluição dos mares por plástico. Oito milhões de toneladas de plástico que entram no oceano todos os anos, e as indústrias precisam se esforçar para que esse número se reduza com o passar dos anos.

​Read More
Notícias

Projeto de lei contra testes em animais na indústria de cosméticos é aprovado no senado do Canadá

O Senado canadense aprovou a Lei de Cosméticos Sem Crueldade de Bill S-214 em sua terceira leitura. Se aceita ns Câmara dos Comuns no início da próxima sessão legislativa em setembro, ela proibirá os testes em animais na indústria de cosméticos em todo o Canadá.

Reprodução | World Animal News

As empresas Body Shop e a Cruelty Free International elogiaram o resultado, e viram o cenário como uma oportunidade de aumentar o alcance da campanha que lançaram conjuntamente, a “Forever Against Animal Testing” – que até o momento já coletou 6,5 milhões de assinaturas. A dupla entregou uma petição ao Parlamento canadense com cerca de 630.000 assinaturas de canadenses em apoio à proibição. Essa foi a maior petição a ser entregue em mais de 70 anos.

“Este é um progresso fantástico. O apoio do governo canadense, e em particular do senador Stewart Olsen, nos leva um passo mais perto da proibição de testes em animais com cosméticos no Canadá, para sempre”, disse Jessie Macneil-Brown, chefe de Campanhas Globais da The Body Shop International em entrevista ao portal World Animal News. “Pedimos a todos em todos os lugares para manter campanhas apaixonadas e defender aqueles que não têm voz! Nossa luta ainda não acabou”.

Monica Engebretson, Gerente de Campanha da Cruelty Free International na América do Norte, acrescentou ainda que “estamos muito satisfeitos com o fato de o Canadá estar se unindo ao crescente movimento internacional em direção a um mundo sem exploração de animais em testes para cosméticos. O Canadá agora tem uma oportunidade real de se tornar o líder norte-americano nesta questão”.

“Ao acabar com a venda de cosméticos testados em animais, o Canadá pode acompanhar o progresso global e atender às demandas dos consumidores em todo o Canadá, que demonstraram algumas vezes que apoiam um país livre de crueldade”, ela finaliza.

​Read More
Notícias

Companhia aérea russa proíbe o transporte de macacos para laboratórios

Depois de uma campanha da organização em defesa dos animais People for the Ethical Treatment of Animals (PETA), a companhia aérea russa AirBridgeCargo anunciou que deixará de transportar macacos para laboratórios. Ativistas trabalharam em conjunto com apoiadores do grupo para bombardear a companhia aérea com “milhares de telefonemas e dezenas de milhares de e-mails” nas últimas duas semanas.

Reprodução | Plant Based News

Segundo a PETA, a AirBridgeCargo importou macacos da China para os EUA por meio do Aeroporto Internacional de O’Hare, em Chicago. A organização diz ainda que a campanha se tornou necessária depois que eles receberam uma denúncia de que a companhia estaria considerando expandir essa prática para o Aeroporto Internacional de Los Angeles (LAX).

Foi duas semanas depois da pressão feita na empresa que ela anunciou que havia cancelado qualquer plano de começar a transportar macacos pelo LAX – ou qualquer outro aeroporto do mundo. A AirBridgeCargo implementou uma política formal que proíbe o transporte do animal em toda a frota da empresa.

A vice-presidente sênior de Investigações Laboratoriais da PETA, Kathy Guillermo, disse em entrevista ao portal Plant Based News, que “a decisão da AirBridgeCargo tornará ainda mais difícil para os laboratórios obterem macacos para confinarem em gaiolas, infectarem com doenças, forçarem produtos químicos e realizarem cirurgias invasivas”.

A Air France é agora a única grande companhia aérea continua transportando os primatas para serem mortos em laboratórios, “e a PETA continuará pressionando a empresa para acabar de vez com essa prática cruel”, ela finaliza.

​Read More