Destaques, Notícias

Brigitte Bardot consegue fim de extermínio de gatos na Bielorússia

A opinião pública bielorrussa e internacional reagiu fortemente ao apelo da ativista (e ex-musa do cinema) e o cruel método de controle populacional de gatos chegou ao fim em fevereiro deste ano

Bielorússia anunciou que não matará mais gatos em situação de rua. Foto Annette Meyer/Pixabay

A captura seguida de morte dos gatos em situação de rua da Bielorússia (no leste europeu) foi desativada no final de fevereiro, segundo nota divulgada pelo presidente daquele país, Alexander Lukashenko. A conquista é resultado de uma carta enviada pela ativista francesa e presidente da Fundação Brigitte Bardot ao governo da Bielorússia no final de 2018, junto com numerosos relatórios sobre o assassinato de cães e gatos.

Na ocasião, Brigitte Bardot pediu que fosse criada uma lei proibindo o extermínio de animais em situação de rua e o início de uma campanha de esterilização em massa, usando o mesmo dinheiro gasto na morte cruel dos cães e gatos capturados pelas prefeituras. A opinião pública bielorrussa e internacional reagiu fortemente ao apelo por Brigitte Bardot e a conquista se concretizou em parte, porque apenas os gatos ficaram livres do brutal extermínio.

Foi criado um compromisso em junho de 2019 entre a Fundação e o governo bielorrusso para estudar as formas de esterilização e o encaminhamento dos animais a abrigos. Em 24 de fevereiro de 2020, após uma nova reunião, o governo anunciou publicamente o fim de assassinatos sistemáticos de gatos em situação de rua e a introdução de esterilização.  A Fundação tenta agora conseguir a mesma vitória para os cães.

A medida de controle populacional por meio de esterilização abrange apenas os gatos. Os cães, por enquanto, seguem sendo mortos pelo governo. Foto Doris Metternich/Pixabay

Curiosamente, Bardot ainda não teve sucesso nem em seu próprio país onde cães e gatos em situação de rua ainda são capturados e induzidos à morte em apenas poucos dias caso não sejam procurados por seus tutores ou adotados. A Fundação investe seus próprios recursos e faz parceria com prefeituras de diversas cidades francesas para conseguir castrações em massa e evitar a morte dos animais.

No início do ano Bardot manifestou seu desapontamento com o governo francês no site da Fundação relatando que a situação dos animais na França está “miserável” por falta de interesse dos governantes. Leia a carta da ativista AQUI

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

 

​Read More